terça-feira, 30 de julho de 2019

“81ª Volta a Portugal/Prólogo”

Partida e chegada:

Viseu

Somos uma cidade feliz, sempre pronta a receber quem vive e visita esta cidade no coração de Portugal.
Não podemos apresentar Viseu como destino de um atributo só. O que nos distingue é o mix de uma oferta completa que respira identidade e autenticidade.

Pode conhecer o nosso património e história com mistérios como a Cava de Viriato, pode passear pelos nossos jardins e parques, conhecer e desfrutar do nosso Centro Histórico, deparar-se com uma atitude urbana com marcas como o street art e agendar visitas especiais nos eventos que marcam a agenda cultural e criativa de Viseu ao longo de todo o ano.

A qualidade de vida que caracteriza a nossa cidade contagia quem nos visita. Vai sentir-se em casa!

"Bem-haja" é a saudação que nos caracteriza em Viseu e com ela deixamos este convite a visitar a melhor cidade para viver em Portugal!

Fonte: Podium

“81ª Volta a Portugal Santander/Apresentação”

De 31 de Julho a 11 de Agosto

Por: José Morais/Joaquim Gomes/Podium

Foto: Podium

A Volta a Portugal em Bicicleta, na sua 81ª edição, este ano promete, vamos ter mais uma Volta a Portugal um pouco saltitona, mas a dificuldades de colocar a mesma na estrada a isso dá origem, e vai sem dúvida muito positiva, a mesma a começar em Viseu, vem dar um salto às portas da capital, e volta para o norte, com o regresso da Etapa Rainha, a Torre na 4ª etapa, o que muito vem beneficiar a Volta, e os amantes da mesma.

Mas, será que a 10ª e última etapa, o contra-relógio entre Vila Nova de Gaia e o Porto, irá definir o vencedor, ou que na véspera na 9ª etapa, a subida ao alto da Senhora da Graça, ditará o vencedor, cá estaremos para ver, por agora ficam as palavras de Joaquim Gomes, diretor da Volta a Portugal.

“A 81ª Volta a Portugal Santander que recupera a importante presença do Nordeste Transmontano consegue, de forma equilibrada, unir com fases de adaptação, transição e recuperação os dias mais exigentes da prova, em que se destacam os finais na Serra da Estrela, Serra do Larouco e Sr.ª da Graça. Entendendo a Volta como um fenómeno social com responsabilidades bem mais abrangentes, em analogia com aquelas que se esgotam no campo desportivo, conseguimos, ainda e cumprindo um dos seus grandes desígnios, promover estreias absolutas, como o caso das partidas de Miranda do Corvo e Pampilhosa da Serra. Algo que, após 92 anos de história, se torna cada vez mais difícil.

Ainda no campo desportivo importa referir algumas alterações regulamentares que pretendem promover maior distinção dos velocistas, na luta pela classificação por pontos. Algo que as características intrínsecas do nosso território e, em particular, de muitas das nossas cidades, têm, ano após ano, arredado, os melhores “sprinters”, do símbolo de guia que lhes estaria, legitimamente, destinado, a Camisola Verde.

A terminar, e ainda que bem longe das saudosas três semanas de competição, a Volta continua, pelos diversos fatores que a influenciam, a apresentar um elevadíssimo grau de exigência. E é este facto que vai, após 10 dias de competição, fazer do CRI de V. N. de Gaia -Porto, colocado estrategicamente no último dia de prova, uma das etapas mais importantes da corrida, dignificando o regresso destes dois municípios, há muito notabilizados na história da Volta.


Palavra do Diretor de Prova

"Em suma, esta é uma Volta marcada decisivamente pelo regresso do final na Torre, utilizando a famosa vertente da Covilhã - Penhas da Saúde - Torre, mas onde as chamadas etapas de transição, muitas vezes marcadas pelo intenso calor e orografia adversa, se podem tornar mais “madrastas” que as etapas teoricamente mais difíceis."

Joaquim Gomes”

Fonte: Podium

“VISEU NA GRANDE PARTIDA DA VOLTA A PORTUGAL"

Começa esta quarta-feira a 81ª Volta a Portugal Santander. A competição que vai terminar a 11 de agosto, no Porto, começa com um Prólogo de seis quilómetros com partida e chegada à majestosa Avenida da Europa, na cidade de Viriato. Será a terceira vez no historial da prova que Viseu dá início às pedaladas da Volta a Portugal, tal como aconteceu em 2010 e 2015.


A TORRE, O FINAL NO PORTO E TANTOS OUTROS REGRESSOS…

Com dois municípios estreantes, Miranda do Corvo e Pampilhosa da Serra, a 81ª Volta a Portugal Santander aí está! No calor de 31 de julho a 11 de agosto, o país volta a agitar-se no frenesim das bicicletas com 1531 quilómetros de competição repartidos entre Viseu e o Porto. Numa edição de regressos - há 30 anos que a Avenida dos Aliados não recebia o final da prova -, faz-se homenagem à tão carismática Serra da Estrela que volta a ter um final de etapa na Torre


ESPANHÓIS ABREM E FECHAM PRÓLOGO,

Cristian Mota será o primeiro corredor a sair para a estrada no Prólogo de Viseu. O jovem corredor de 22 anos, da Miranda-Mortágua, parte esta quarta-feira, às 15h14, para o contrarrelógio individual de seis quilómetros. O último homem na estrada será Gustavo Veloso (W52-FC Porto), às 17h25.

“Apesar da curta extensão do Prólogo poderão surgir diferenças acentuadas entre os principais candidatos.”  Joaquim Gomes, diretor 81ª Volta a Portugal Santander


PELOTÃO CONFIRMADO COM 132 CORREDORES

Na reunião do Colégio de Comissários que, como sempre, acontece na véspera de começar a prova foram confirmadas as 19 equipas já anunciadas. À exceção da colombiana Medellin que alinha com seis elementos, os restantes conjuntos alinham com sete homens, o número máximo permitido pela UCI União Ciclista Internacional, o que perfaz um grupo de 132 elementos.


RTP APRESENTOU EQUIPAS NO “HÁ VOLTA”

Parceira desde sempre da Volta a Portugal, a RTP será, uma vez mais, a estação oficial da competição acompanhando com uma vasta equipa todas as frentes do evento. Só na vertente competitiva, a Rádio e Televisão de Portugal mobilizou quase uma centena de profissionais.  Esta terça-feira as 19 equipas participantes desfilaram no programa “Há Volta” na Apresentação Oficial de Equipas, emissão feita em direto a partir do centro de Viseu.


O MAIS VELHO E O MAIS NOVO

Oscar Sevilla, da equipa Medellin, é o corredor mais experiente na 81ª Volta a Portugal Santander. O espanhol veterano vai completar 43 anos em setembro. O mais jovem no pelotão é o português Pedro Miguel Lopes, da Oliveirense-InOutBuild, que completou há poucos dias 20 anos e que se estreia na Volta a Portugal em Bicicleta. Na equipa de Oliveira de Azeméis existem outros dois corredores com a mesma idade.

Fonte: Podium

“Alcobaça em 9º lugar na Volta ao Minho”

Por: Joaquim Marques

O 9º lugar na classificação por equipas foi a posição alcançada pelo Alcobaça Clube de Ciclismo/Crédito Agrícola na 31ª Volta ao Minho, uma prova para o escalão de juniores, que decorreu entre os dias 25 e 28 deste mês de Julho com a presença de 24 equipas, das quais 7 eram estrangeiras.

Na classificação final, decidida em Castro Laboreiro, Miguel Correia ficou em 27º lugar da classificação final, Rodrigo Fonseca ficou na 32ª posição, Gabriel Casal ficou em 37º lugar, Carlos Jorge ficou no lugar 102 enquanto Carlos Fernandes e Rafael Mateus desistiram no final da 1ª etapa. O colombiano Jhonatan Chaves, do Team Ingenieria de Vías/Monsalud, foi do vencedor da 31ª Volta ao Minho Júnior.

A formação alcobacense iniciou a sua participação nesta importante prova com o 14º lugar no prólogo de 6,4 km disputado em Melgaço, mas na segunda etapa com um percurso de 69,6 km entre Guimarães e Santo António de Mesão Frio subiu para o 9º lugar e na segunda etapa de 97 quilómetros disputada em Vieira do Minho subiu para o 7º lugar, e na derradeira etapa de 105,6km disputado entre Melgaço e a terminar numa longa subida para Castro Laboreiro caiu para o 13º lugar, e somados os tempos finaliza a prova com o 9º lugar na classificação final de equipas.

Não sendo um resultado brilhante é ainda assim uma classificação relevante pois é uma equipa curta e que trabalha apenas com atletas e valores naturais da sua formação e mesmo assim conseguiu ser a quarta melhor equipa portuguesa a participar nesta prova.

Alinharam à partida 150 corredores, mas 47 viriam a desistir ao longo dos quatro dias de provas, disputadas nas zonas duras do Minho com muito sobe e desce e das 24 equipas que alinharam só 19 terminaram com atletas que lhe permitiram classificação por equipas.

Fonte: Alcobaça Clube de Ciclismo

“Campeonato do Mundo de 24H Solo de BTT, no Brasil”

PEDRO MAIA É VICE-CAMPEÃO DO MUNDO

Por: Ana Santos

Português pedalou mais de 23 horas seguidas em prova de ultra resistência em mountain bike

Pedro Maia sagrou-se vice-campeão, na categoria +60, no Campeonato do Mundo de 24H Solo de Mountain Bike, que se realizou este fim-de-semana no Mato Grosso do Sul, no Brasil. Durante 23 horas e 22 minutos, o atleta português de 60 anos de idade, fez 10 voltas num percurso de 30 km.

O Campeonato Mundial WEMBO de MTB 24 Horas Solo 2019, é um desafio à resistência física de qualquer atleta, mas que Pedro Maia conseguiu ultrapassar. As 24 Horas de Mountain Bike são realizada num formato de competição onde o objetivo é completar o maior número de voltas possíveis dentro do período de 24 horas. A prova teve início às 12 horas de sábado, 27 de julho, e terminou à mesma hora no domingo, 28 de julho (hora local).

Pedro Maia conta com o apoio da Europ Assistance e da Generali ao longo da sua carreira tem ganho alguns títulos, nomeadamente, de Campeão e Vice-Campeão do Mundo em 2016 e 2014, respetivamente, e de Campeão Europeu em 2013.


SOBRE O GRUPO EUROP ASSISTANCE

Criado em 1963, o Grupo Europ Assistance foi pioneiro nos serviços de assistência, apoiando clientes em mais de 200 países graças a uma rede de 750.000 parceiros e 39 filiais e sucursais. A nossa missão é levar ajuda às pessoas em situações de aflição, a qualquer hora em qualquer lugar. Com uma oferta abrangente de soluções que garantem os riscos associados às áreas de negócio automóvel, viagem, saúde, nomeadamente assistência sénior, lar & família, proteção de identidade, telemedicina e Conciergerie. A visão dos mais de 7.765 colaboradores é ser a empresa de assistência mais confiável do mundo. A Europ Assistance faz parte do Grupo Generali, um dos líderes mundiais de seguros.


SOBRE O GRUPO GENERALI

A Generali é um dos maiores fornecedores globais de seguros e de gestão de ativos. Fundada em 1831, está presente em 50 países no mundo, com uma receita total de prémios de mais de € 66 biliões em 2018. Com quase 71.000 colaboradores atendendo a 61 milhões de clientes, o Grupo ocupa uma posição de liderança na Europa e uma presença crescente na Ásia e na América Latina. A ambição da Generali é ser Life Time Partner, parceira para a vida, dos seus clientes, oferecendo soluções inovadoras e personalizadas graças a uma rede de distribuição inigualável.

Fonte: LPM Comunicação

“Bernardo foi 25º no GP do Minho”

Texto: AfterTwo //works

Fotos: Marcelo Lopes

A equipa junior da Academia Joaquim Agostinho/UDO foi a terceira melhor entre as Portuguesas presentes no 31º Grande Prémio do Minho, competição disputada entre a passada quinta-feira e este domingo. A prova minhota é sempre uma das mais aguardadas do calendário Nacional, pelo nível organizativo e qualidade competitiva do pelotão internacional que a compõe.

No prólogo inaugural em Melgaço, a equipa torriense fez uma abordagem cautelosa, concluindo os 6,4 km do percurso em 10 minutos e 38 segundos na 15ª posição. A primeira etapa percorreu 69 km entre Guimarães e o alto de Santo Antonino em Mesão Frio, onde cedo se começou a notar a supremacia das equipas estrangeiras que impuseram um ritmo frenético ao pelotão.

A jornada acabaria com uma média superior a 40 km por hora, tendo Bernardo Luís sido o melhor atleta torriense na 31ª posição. Ao segundo dia de prova a organização viu-se forçada a alterar o percurso por razões meteorológicas, mas o ritmo não abrandou. João Ferreira alcançou a melhor classificação da equipa em toda a prova ao cruzar a meta na 17ª posição a escassos 3 segundos do vencedor, galgando 39 lugares na tabela geral.

Também Daniel Fortes e Henrique Frois tiveram um desempenho positivo ajudando a catapultar a equipa para a 8ª posição coletiva. O último dia começou de forma positiva, com Henrique Frois a cruzar a 1ª Meta de Montanha na 3ª posição e Miguel Carvalho a vencer a 2ª Meta Volante instalada em Melgaço.

Com as equipas estrangeiras a controlar todas as tentativas de fuga, a etapa foi decidida na exigente subida ao Castro Laboreiro onde Bernardo Luís foi 26º a 1 minuto e 47 segundos do vencedor. Com este resultado, Bernardo foi o melhor elemento da equipa em toda a competição, concluindo na 25ª posição. João Ferreira foi outro dos elementos em destaque ao ser o 6º melhor júnior de primeiro ano na prova Minhota.

No rescaldo final da competição a equipa de Torres Vedras foi a 7ª da geral coletiva entre as 24 participantes e a 3ª melhor Portuguesa.  Na classificação individual, João Ferreira foi o 33º, Daniel Fortes 50º, Miguel Carvalho 59º, André Silva 66º e Duarte Bento 76º.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho

 

“Assembleia da República aprovou Projeto de Resolução”

A Assembleia da República aprovou, por unanimidade, um projeto de resolução que recomenda ao Governo uma avaliação da necessidade de melhor proteger as atividades desenvolvidas pelas federações desportivas e de impedir a realização de eventos que coloquem em causa o direito das federações.

A iniciativa surgiu após as diligências da Associação de Ciclismo do Minho que defende a obrigatoriedade de todos os eventos desportivos serem previamente oficializados pelas federações detentoras do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva. Em causa está, segundo a ACM, a necessidade de garantir o cumprimento das normas de segurança, da salvaguarda e defesa da verdade e da ética desportiva e de impedir a violação de regras técnicas das modalidades que, a não acontecer, pode resultar em prejuízo e risco para os atletas.

O Projeto de Resolução foi apresentado pelo Partido Social Democrata e na votação em plenário da Assembleia da República recolheu a unanimidade dos deputados do PSD, PS, BE, CDS-PP, PCP, PEV, PAN e do deputado independente Paulo Trigo Pereira. Previamente, a Projeto de Resolução (nº 2048/XIII - 4ª) foi apreciado pela Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto da Assembleia da República.

“Decorridos 4 anos sobre a entrada em vigor do diploma [que define as formas de proteção do nome, imagem e atividades desenvolvidas pelas federações desportivas], constata-se que, apesar de diversas virtualidades (…) tem sido pública a existência de situações em que a fiscalização e aplicação do diploma não está a corresponder às legítimas expetativas das federações desportivas”, refere o Projeto de Resolução subscrito pelo líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, eleito deputado pelo círculo de Braga.

Nesse sentido, o documento recomenda ao Governo uma avaliação da implementação da legislação, “em particular da sua fiscalização e capacidade para impedir a realização de eventos que coloquem em causa o direito das federações desportivas a verem as suas atividades devidamente salvaguardadas”. Simultaneamente, o Projeto de Resolução sugere que “considerando a constante mutação do fenómeno desportivo”, o Governo “avalie a necessidade de proteger de forma mais efetiva e, porventura, mais abrangente, em particular, as atividades desenvolvidas pelas federações desportivas”.

Recorde-se que a Associação de Ciclismo do Minho tem defendido a obrigatoriedade de todos os eventos desportivos serem oficializados pelas federações detentoras do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva, tendo oportunamente apresentado um conjunto de propostas ao Secretário de Estado do Desporto e Juventude, João Paulo Rebelo.

De acordo com a associação minhota, “existem cada vez mais eventos que fogem à tutela das federações e nos quais não existe qualquer garantia do cumprimento das normas de segurança, da salvaguarda e defesa da verdade e da ética desportiva e da existência, por exemplo, de seguros obrigatórios e de várias licenças e autorizações”.

“Esses eventos são um sério problema do desporto atual e uma grave ameaça ao desenvolvimento desportivo, não apenas do ciclismo, configurando uma flagrante e incompreensível concorrência desleal em relação a eventos desportivos devidamente oficializados pelas federações dotadas do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva”, explica José Luís Ribeiro, Presidente da Associação de Ciclismo do Minho.

Segundo o dirigente da ACM, nos referidos eventos “não é verificada, no que ao ciclismo diz respeito, a adequação das atividades aos participantes em função, por exemplo, das idades, distâncias e nível de dificuldade, entre outros fatores”, além de que “como temos vindo a alertar, desde 2014, persistem sinais preocupantes em relação ao doping em eventos e competições não reconhecidas pelas federações desportivas e que poderão estar a contribuir para a sua proliferação”. De igual modo, refere a ACM, “vemos com preocupação problemas de segurança e de violação de regras técnicas relevantes da modalidade, em potencial prejuízo e risco dos atletas”.

“Temos assistido ao aparecimento de um considerável número de eventos que se evadem às competências conferidas pelo Estado às Federações Desportivas dotadas do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva, circunstância que, resultando de uma evolução do fenómeno desportivo, não deixa de induzir sérios riscos aos princípios e valores subjacentes à prática desportiva, entre os quais, os princípios da ética, da defesa do espírito desportivo, da verdade desportiva e da formação integral de todos os participantes”, argumenta José Luís Ribeiro.

O Presidente da Associação de Ciclismo do Minho considera que “é urgente e imperioso enquadrar definitivamente todos os eventos nas respetivas Federações dotadas do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva pelo que, acompanhando a evolução do fenómeno desportivo e antecipando o futuro, estamos determinados, com o apoio da Federação Portuguesa de Ciclismo e de outras federações que sentem o mesmo problema, em conseguir uma solução para o problema”.

Refira-se que a Associação de Ciclismo do Minho liderou anteriormente o movimento que exigiu a eliminação da discriminação das modalidades praticadas na via pública no acesso à comparticipação do Estado, concedida através de verbas dos jogos sociais, para com os custos do policiamento. As modalidades praticadas na via pública não tinham direito aos apoios do Estado para o policiamento porque a legislação apenas contemplava as modalidades praticadas em recintos desportivos. Em outubro de 2012, na sequência das diligências da Associação de Ciclismo do Minho, foi publicado um novo regime de policiamento que passou a incluir as atividades realizadas na via pública no leque de apoios, tendo sido o 12º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves a primeira prova de ciclismo de estrada a beneficiar da comparticipação do Estado com os custos do policiamento.

Fonte: ACM

“ASFIC no circuito A-dos Barbas”

A formação de ciclismo de Rio Maior, ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic, deslocou-se no sábado, 27 de julho, a A-dos Barbas, freguesia de Maceira, concelho de Leiria, para participar no circuito de ciclismo daquela localidade, pertencente à Federação de Ciclismo de Santarém.

A ASFIC Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic apresentou-se neste circuito com os ciclistas João Portela, Humberto Careca, Jorge Letras, João Letras, Edgar Oliveira, Calos Ochoa, Diogo Sampaio, Daniel Ferreira e Alexandre Mota.

O circuito foi composto por 10 voltas de 9,3 km, perfazendo um total de 93 km e participaram na prova, mais de 100 atletas de várias equipas, de norte a sul do País.

A ASFIC entrou na corrida com a ambição de discutir a vitória, mas a forte vontade de vencer da equipa da casa e alguns azares da ASFIC, levou a corrida a ser sempre controlada pela equipa da casa, que perante o seu publico e com o apoio do mesmo, foram os mais fortes na corrida.

A corrida viria a ser discutida ao sprint com a equipa da casa a ser a mais forte e a vencer, cortando João Letras a meta em 3º Lugar, Jorge Letras em 6º Lugar e Humberto Careca em 11º lugar.

Com a excelente classificação dos seus atletas, a ASFIC alcançou o 1.º lugar por equipas.

A vitória por equipas é sempre o prémio do entendimento entre os atletas, que unidos alcançam o lugar mais alto do pódio.

A ASFIC cedo se viu sem o seu líder da equipa, João Portela abandonou a corrida devido a uma lesão que já o afeta a várias semanas. Daniel Ferreira também abandonou a corrida por avaria mecânica na sua bicicleta e João Letras, embora com a bicicleta com um ligeiro problema mecânico conseguiu acabar a corrida com a discussão pela vitória.

A ASFIC embora tenha esta época obtido excelentes resultados desportivos, não tem conseguido estar na sua máxima força, pois vários atletas têm sofrido lesões ou acidentes. Anibal santo ainda não correu este ano por problemas na coluna. Ricardo Gonçalves sofreu um acidente de viação quando treinava e fraturou uma clavícula, tendo sido posteriormente operado, encontrando-se a recuperar.  Daniel Ferreira sofreu um acidente na prova de Marvão, da qual resultou um dedo partido, o que também o afastou de algumas corridas. João Portela está com uma lesão no joelho, que levou a sua paragem no inicio do mês, que o impede de treinar e vai forçar a sua paragem por tempo indeterminado.

Até ao final da época ainda faltam cerca de 6 provas, a equipa mesmo não indo estar na máxima força, e sem o seu líder, promete lutar pela vitória em todas as corridas.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Equipa Portugal/Portugal com 17 corredores no Europeu de estrada”

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal vai competir com 17 corredores no Campeonato da Europa de Estrada, que vai realizar-se em Alkmaar, Holanda, de 7 a 11 de agosto. O ciclismo português estará presente nas provas masculinas e femininas de juniores, sub-23 e elite.

A representação portuguesa na categoria de elite masculina estará a cargo de César Martingil (Sporting-Tavira) e de Rui Oliveira (UAE Team Emirates). O duo vai competir na prova de fundo, que terá 172,6 quilómetros e vai disputar-se no dia 11, num percurso essencialmente plano em que algumas zonas estão mesmo abaixo do nível do mar.

“Temos corredores em Portugal que poderiam estar a representar a Seleção, mas estão a competir na Volta a Portugal. Também temos outros em equipas estrangeiras, presos às obrigações profissionais com essas equipas – estágios de altitude ou provas do calendário internacional. Com estas condicionantes, abdicámos de competir no contrarrelógio de elite, mas apresentamo-nos com dois corredores de qualidade na prova de fundo. Tanto o Rui Oliveira como o César Martingil já deram provas de que se adaptam a circuitos do estilo deste que vamos encontrar na Holanda”, explica o selecionador nacional, José Poeira.

André Carvalho (Hagens Berman Axeon), Francisco Campos e Jorge Magalhães (W52-FC Porto), Iuri Leitão e Miguel Salgueiro (Sicasal/Constantinos) e Tiago Antunes (SEG Racing Academy) foram os escolhidos para vestir as cores de Portugal na prova de fundo de sub-23, que terá 138 quilómetros e vai disputar-se no dia 10 de agosto. Dois dias antes, André Carvalho e Jorge Magalhães pedalam também nos 22,4 quilómetros do contrarrelógio individual.

“O nosso bloco de sub-23 é já muito experiente a nível internacional e tem enfrentado, com bons resultados, percursos como o deste Campeonato da Europa. Vamos com ambição de conseguir desempenhos de qualidade, embora saibamos que há seleções e ciclistas com condições mais fortes para terrenos completamente planos. Resta-nos contrariá-los”, salienta José Poeira.

A Equipa Portugal de juniores também será composta por seis elementos: César Costa (Vito-Feirense-PNB), Daniel Dias e Pedro Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact), Diogo Narciso, João Carvalho e João Macedo (Bairrada). Competem todos nos 115 quilómetros da prova de fundo, no dia 9. Daniel Dias e Diogo Narciso também medirão forças no contrarrelógio de 22,4 quilómetros, no dia 7.

Fonte: FPC “Nos juniores o mais importante é proporcionar experiência internacional e perceber até que ponto podem ir os nossos corredores em comparação com os melhores do pelotão internacional do mesmo escalão etário. Apresentamos uma equipa com estreantes, mas também com ciclistas que já trazem alguma bagagem de corridas fora de Portugal”, afirma o selecionador nacional.

A comitiva nacional completa-se com as três representantes femininas, a elite Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport), a sub-23 Maria Martins (Sopela Women’s Team) e a júnior Daniela Campos (5Quinas/Município de Albufeira/CDASJ). Daniela Campos corre o contrarrelógio de 22,4 quilómetros, dia 7, e a prova de fundo, de 69 quilómetros, dia 9. Daniela Reis também participa no exercício individual, de 22,4 quilómetros, dia 8, e na prova de fundo, com 115 quilómetros, dia 10. Maria Martins apenas disputa a prova de fundo, com 92 quilómetros, dia 9.

“Será o primeiro Europeu de estrada da Daniela Campos, mas dada a sua qualidade e experiência internacional já conseguidas, acredito num bom resultado. A Daniela Reis e a Maria Martins já são corredoras com outro nível de experiência internacional e também podem aspirar a desempenhos de relevo. As prestações da nossa equipa neste Europeu serão importantes para a afirmação progressiva do ciclismo feminino português”, considera a selecionadora nacional de ciclismo feminino, Ana Rita Vigário.


Agenda da Equipa Portugal

7 de Agosto

8h00: Contrarrelógio Juniores Femininas, 22,4 km - Daniela Campos

10h15: Contrarrelógio Juniores Masculinos, 22,4 km – Daniel Dias e Diogo Narciso


8 de Agosto

9h45: Contrarrelógio Elite Feminina, 22,4 km - Daniela Reis

11h45: Contrarrelógio Sub-23 Masculinos, 22,4 km - Jorge Magalhães


9 de Agosto

8h00: Prova de Fundo Juniores Femininas, 69 km - Daniela Campos

11h00: Prova de Fundo Sub-23 Femininas, 92 km - Maria Martins

15h00: Prova de Fundo Juniores Masculinos, 115 km – César Costa, Daniel Dias, Diogo Narciso, João Carvalho, João Macedo e Pedro Silva


10 de Agosto

8h00: Prova de Fundo Sub-23 Masculinos, 138 km – André Carvalho, Francisco Campos, Iuri Leitão, Jorge Magalhães, Miguel Salgueiro e Tiago Antunes

12h00: Prova de Fundo Elite Feminina, 115 km - Daniela Reis


11 de Agosto

Prova de Fundo Elite Masculina, 172,6 km - César Martingil e Rui Oliveira


(Todos os horários correspondem à hora de Portugal Continental e Madeira)

Fonte: FPC

“Btt Serra de São Macário”

Por: Nuno Almeida

No último fim de semana de Julho, todos os caminhos foram dar à serra de São Macário, situada no concelho de São Pedro do Sul - distrito de Viseu, e como tem sido habitual o Intercaimabike realizou este ano mais uma "Peregrinação em bicicleta BTT ao São Macário", neste caso a 14ª Peregrinação consecutiva.

No domingo dia 28, pelas 7:30h da manhã, com bicicletas de BTT, os aventureiros Paulo Pinto, Paulo Cunha, Carlos Borges, Carla Vieira, Carlos Almeida, Laura Bastos, Alfredo Nogueira, Catarina Vieira e Nuno Almeida, fizeram-se ao caminho a partir de Vale de Cambra, passando por Chão de Ave, Merujal, Albergaria da Serra, Tebilhão, Povoa das Leiras, Coelheira, serra da Arada e finalmente são Macário, onde encontraram muitos amigos do pedal. Foto da praxe na capela do Santo, almoço de grelhados nas tasquinhas da festa, onde encontramos o amigo Pedro Batista, que nos acompanhou no retorno. No caminho de volta para o ponto de partida, passamos pelo mítico lugar, Portal do Inferno, por Regoufe, Silveiras, Ponte de Telhe, Celadinha, Arouca e finalmente Vale de Cambra.


Uma volta com 100kms e 2400 metros de acumulado, que deu para contemplar a natureza no seu estado primitivo, volta de superação pessoal, de divertimento e convívio, com muita subidas, e com o muito calor sempre presente.

No sábado 27/06, o atleta Intercaimabike, Paulo Almeida também rumou ao São Macário, mas com bicicleta de estrada.

O Intercaimabike agradece aos atletas que participaram e aos seus patrocinadores.

Fonte: Intercaimabike


 

“Agenda de Ciclismo”

Cadetes também disputam Volta a Portugal

Por: José Carlos Gomes

As atenções estão centradas na 81.ª Volta a Portugal, mas também haverá um pelotão jovem a disputar, nesta semana, a sua Volta. Os jovens entre os 14 e os 16 anos correm, entre 2 e 4 de agosto, a 12.ª Volta a Portugal de Cadetes.

A Volta mais jovem contará com três etapas e um total de 233,8 quilómetros, disputando-se no interior, em mais uma demonstração da importância do ciclismo para dinamização de territórios afastados dos maiores centros urbanos.

A 12.ª Volta a Portugal de Cadetes, na sexta-feira, começa com a mais extensa das etapas, 83,5 quilómetros, com partida (13h00) e chegada (15h05) em Abrantes. A segunda etapa, no dia seguinte, introduz um nível maior de exigência, partindo (13h00) e chegando (15h05) em Castelo de Vide. A 1800 metros da chegada existe uma contagem de montanha, que ajudará a selecionar os maiores candidatos à camisola amarela.

A terceira e última etapa, no domingo, parte de Tomar (10h00) e chega a Ourém (12h00), depois de percorridos 70,3 quilómetros, que também contam com um prémio de montanha dentro dos dez quilómetros finais para estimular a triagem de valores.


Mais eventos oficiais

3 de agosto: 5.º Prémio Eugénio dos Santos, Chamboeira, Bucelas, Loures

4 de agosto: XXXI Encontro de Cicloturismo Terras de La Salette, Oliveira de Azeméis

4 de agosto: Maratona BTT da Benedita, Alcobaça

5 de agosto: By Night, Vila Real

5 de agosto: 33.º Prémio de Ciclismo da Silveira, Torres Vedras

6 de agosto: 13.ª Etapa da Volta, Guarda

Fonte: FPC

“81ª Volta a Portugal Santander começa na RTP com apresentação de Equipas”

30 julho, 14h35

Falta apenas um dia para começar a 81ª Volta a Portugal Santander. Viseu, palco da Grande Partida, está preparada para na quarta-feira, 31 julho, à tarde receber o curto mas intenso Prólogo da competição que se desenrola até 11 de agosto. Será a terceira vez, depois de 2010 e 2015, que a cidade de Viriato vê o início da Volta. A Podium Events, responsável pela organização, divulga, entretanto, a lista provisória dos protagonistas da corrida. São 133 corredores encabeçados pelo dorsal número 1 atribuído ao vencedor das duas últimas edições, o espanhol Raúl Alcarcón (W52-FC Porto).


Apresentação das Equipas na RTP

Antes de começar a prova, a RTP, estação oficial da Volta a Portugal, vai encarregar-se como habitualmente de apresentar as equipas participantes. O programa Há Volta conduzido por Catarina Camacho, Joana Teles e Tiago Goes Ferreira será feito em direto esta terça-feira, 30 de julho, da Praça da República, em Viseu, e dará a conhecer as 19 equipas. A emissão vai contar com a presença do comentador Marco Chagas e vai começar na RTP1, 3ª feira dia 30, pelas 14 horas. Segundo a estação, o desfile das equipas que vão participar na “Portuguesa” começa às 14h35.


Horários Indicativos RTP

14h35 - Miranda-Mortágua (Portugal)

14h40 - La Alumínios (Portugal)

14h48 - Sicasal Bai (Angola)

15h00 - UD Oliveirense Inoutbuild (Portugal)

15h08 - Vito-Feirense-Blackjack (Portugal)

15h17 - Euskadi Team (Espanha)

15h19 - Radio Popular / Boavista (Portugal)

15h47 – Protouch (África do Sul)

15h49 - Aviludo-Louletano-Uli (Portugal)

16h04 - Efapel (Portugal)

16h07 - SRA (Suíça)

16h36 - Sporting / Tavira (Portugal)

16h42 - Amore & Vita PRODIR (Letónia)

16h44 - Team Medellín (Colômbia)

16h46 - Euskadi Basque Country - Murias (Espanha)

16h48 - Caja Rural - Seguros RGA (Espanha)

17h05 - Arkea Samsic (França)

17h07 - Israel Cycling Academy (Israel)

Fonte: Podium