sexta-feira, 20 de julho de 2018

“Atualização do Canal NP-TV com o: “Vídeo do Grande Passeio CCL Clube Ciclismo Lisboa.2018"

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o “Vídeo do Grande Passeio CCL Clube Ciclismo Lisboa.2018"  


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated

“MIGUEL ARRAIOLOS SÉTIMO NO EUROPEU DE SPRINT”

Foi o português mais bem classificado

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha/Record

O triatleta Miguel Arraiolos foi esta sexta-feira o português mais bem classificado na categoria de elite do Campeonato da Europa de sprint, que está a decorrer em Tartu, na Estónia, ao terminar na sétima posição.

Arraiolos completou a prova, que tem distâncias mais curtas nas três disciplinas (natação, ciclismo e corrida), em 53:34 minutos, mais 27 segundos do que o vencedor, o eslovaco Richard Varga, sucessor do português João Pereira, campeão europeu em 2017.

Rafael Domingos e Pedro Afonso Gaspar terminaram longe dos primeiros, em 31.º e 32.º lugar, respetivamente, com os tempos de 54.48 e 54.58 minutos, ligeiramente à frente André Dias (36.º, com 55.25), enquanto David Luís não concluiu a prova.

No setor feminino, Andreia Ferrum foi a melhor portuguesa, no 24.º posto, com 1:01.26 horas, numa competição vencida pela britânica Sophie Coldwell, à frente das compatriotas Madalena Amaral Almeida (32.ª, com 1:02.03) e Helena Carvalho (37.ª, com 1:02.41).

Nos juniores, Ricardo Batista foi quarto posicionado, com o tempo de 54.21 minutos, falhando a medalha de bronze por cinco segundos, a distância que o separou do húngaro Csongor Lehmann, terceiro colocado da prova, que consagrou o norueguês Vetle Bergsvik Thorn, novo campeão europeu.

Tiago Fonseca, que terminou no 14.º lugar, com 55.33 minutos, também obteve uma classificação de destaque, ao passo que Gabriela Ribeiro foi a melhor portuguesa no escalão júnior, na 29.ª posição, com o tempo de 1:03.16 horas.

Fonte: FTP

“TOUR/CHRIS FROOME: «É RESPONSABILIDADE DA ORGANIZAÇÃO PROTEGER OS CICLISTAS»”

Britânico reage aos incidentes que marcaram o final da 12.ª etapa

Por: Lusa

Foto: Reuters

O ciclista britânico Chris Froome afirmou esta sexta-feira que "é responsabilidade da organização [da Volta a França] proteger os ciclistas na corrida", depois dos incidentes que marcaram o final da 12.ª etapa da competição em Alpe d'Huez.

"Durante a corrida, é responsabilidade da organização proteger os ciclistas. Não é correto haver gente que se dedique a tocar ou empurrar os corredores", disse o tetracampeão do Tour de França, antes de iniciar a partida para a 13.ª etapa da competição.

O ciclista de 33 anos, que é o atual segundo classificado na geral da prova, tentou, assim, acalmar os ânimos, pedindo respeito aos espetadores e destacando que os acontecimentos vividos em Alpe D'Huez não se podem repetir.

O diretor da Volta à França em bicicleta, Christian Prudhomme, já tinha apelado esta sexta-feira ao público para respeitar os ciclistas, afirmando que os atletas "devem naturalmente ser respeitados, como o fazem a maioria dos espetadores".

Por sua vez, o dirigente da equipa britânica Sky, pela qual atua Froome, também apelidou de vergonhosos os últimos acontecimentos da prova francesa.

No 12.ª etapa do Tour, o italiano Vincenzo Nibali caiu a quatro quilómetros da meta, uma queda alegadamente provocada por um espetador, o que levou ao seu abandono, e os ciclistas da equipe Sky, o britânico Chris Froome e Geraint Thomas (camisola amarela e vencedor da etapa) foram vaiados.

A 13.ª etapa, que liga Bourg d'Oisans a Valence, num percurso de 169,5 quilómetros, encontra-se a decorrer.

Fonte: Record on-line

“TOUR/PETER SAGAN: «ESTA ETAPA FOI UMA PEÇA DE OURO PARA NÓS»”

Satisfeito com a tirada

Por: Lusa

Foto: Reuters

O eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe) somou esta sexta-feira a terceira vitória na edição 2018 da Volta a França, numa 13.ª etapa corrida a alta velocidade, mas 'tranquila' para os ciclistas do topo da geral.

Após a passagem pelos Alpes, a ligação entre Bourg d'Oisans a Valence (169,5 quilómetros) dava nova oportunidade aos 'sprinters', com o campeão do mundo a aproveitar bem as desistências de alguns dos maiores velocistas nos dois últimos dias, em especial Fernando Gaviria (QuickStep-Floors) e Dylan Groenenwegen (LottoNL-Jumbo), que também tinham dois triunfos em etapas.

No 'sprint' em Valence, Sagan superou o norueguês Alexander Kristoff (UAE-Emirates) e o francês Arnaud Demare (Groupama-FDJ), cortando a meta em 3:45.55 horas, a uma média de 45,02 km/hora.

"Esta etapa foi uma peça de ouro para nós [após as montanhas]. Foi uma etapa plana, toda a gente recuperou um pouco e toda a gente está feliz depois de uma etapa calma. No final, estou muito feliz por ganhar. Foi bom para mim e agradeço aos meus colegas pela ajuda, fizeram um trabalho perfeito", disse Sagan.

Apesar da alta velocidade a que foi corrida esta etapa, os ciclistas da frente passaram incólumes, com o britânico Geraint Thomas a manter a liderança, com 1.39 minutos de avanço sobre o compatriota Chris Froome (Sky), vencedor das últimas três edições do Tour, e 1.50 sobre o holandês Tom Dumoulin (Sunweb).

As dificuldades dos últimos dias faziam prever que, pela primeira vez, uma fuga saísse vitoriosa nesta edição da 'Grand Boucle', mas as equipas dos 'sprinters' controlaram sempre a fuga do dia, que não chegou a ter mais de 2.30 minutos de avanço.

O último resistente acabou por ser o suíço Michael Schar (BMC), que foi 'engolido' pelo pelotão já dentro dos seis quilómetros finais.

A luta dos 'sprinters' ainda foi posta em causa pelo belga Philippe Gilbert (QuickStep-Floors), com um forte ataque dentro do quilómetro final, anulado pela Groupama-FDJ, que, contudo, não viu Demare superiorizar-se na meta.

No sábado, disputa-se a quarta etapa, entre Saint-Paul-Trois-Châteaux e Mende (188 quilómetros), com uma subida de segunda categoria a menos de dois quilómetros da meta.

Fonte: Record on-line

“TOUR/PETER SAGAN VENCE PELA TERCEIRA VEZ”

Geraint Thomas mantém-se com a camisola amarela

Por: Lusa

Foto: Reuters

O eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe) venceu esta sexta-feira ao sprint a 13.ª etapa da Volta a França em bicicleta, que ligou Bourg d'Oisans a Valence, com o britânico Geraint Thomas (Sky) a manter-se na liderança.

Para conquistar a sua terceira vitória no Tour deste ano, o campeão do mundo gastou 3:45.55 horas para cumprir os 169,5 quilómetros, o mesmo tempo do norueguês Alexander Kristoff (UAE-Emirates) e do francês Arnaud Demare (Groupama-FDJ).

Na geral, Geraint Thomas mantém a liderança, com 1.39 minutos de avanço sobre o britânico Chris Froome (Sky), vencedor das últimas três edições, e 1.50 sobre o holandês Tom Dumoulin (Sunweb).

No sábado disputa-se a quarta etapa, entre Saint-Paul-Trois-Châteaux e Mende (188 quilómetros), com uma subida de segunda categoria a menos de dois quilómetros da meta.

Fonte: Record on-line

“3ª Etapa Efapel/Rafael Silva sobe duas posições Nacional 2”

          Chegada ao sprint em Montargil

          Ciclista fechou em 11º no dia e subiu na geral individual

A terceira etapa do Grande Prémio Portugal Nacional 2, prova que percorre a estrada mais longa da Europa, promoveu Rafael Silva à sétima posição da classificação geral individual. Entre Pedrogão Grande e Montargil, o pelotão internacional pedalou durante quase 150 quilómetros a uma média superior a 42 km/h. No final, a vitória foi discutida ao sprint. Rafael Silva fechou em 11º no dia em que Oscar Pelegri foi quem ganhou. Raul Alarcon continua de amarelo.

Com a conclusão do terceiro dia de competição desta nova prova do calendário velocipédico nacional, Rafael Silva está a 3m01 segundos do líder, enquanto a nível colectivo, a Equipa EFAPEL também está em crescimento e ocupa o quarto posto.

Amanhã realiza-se a quarta e penúltima etapa do Grande Prémio Portugal Nacional 2. Sempre no Alentejo, o pelotão pedala 159,7 quilómetros, numa etapa em que não há montanhas categorizadas. A partida será em Montargil, às 11 horas, enquanto a chegada está marcada para Aljustrel.

Fonte: Efapel

“3ª ETAPA/ÓSCAR PELEGRÍ VENCE TERCEIRA ETAPA DO GP NACIONAL 2”

Raúl Alarcón segue na liderança

Por: Lusa

O ciclista espanhol Óscar Pelegrí (Rádio Popular-Boavista) venceu esta sexta-feira ao sprint a terceira etapa do Grande Prémio Nacional 2, com o seu compatriota Raúl Alarcón (W52-FC Porto) manter a liderança.

No final da ligação entre Pedrógão Grande e Montargil (144,1 quilómetros), Pelegrí foi o mais forte no final, cortando a meta em 3:23.19 horas, o mesmo tempo do francês Cyril Barthe (Eukasdi-Murias) e do português João Matias (Vito-Feirense-Blackjack).

Na geral, apesar de ter tido um problema na bicicleta nos quilómetros finais, Alarcón manteve a liderança, com 2.39 minutos de avanço sobre o espanhol Mario González (Sporting-Tavira) e 2.43 sobre outro compatriota, David de la Fuente (Aviludo-Louletano).

No sábado disputa-se a quarta e penúltima etapa, entre Montargil e Aljustrel, num percurso de 159,7 quilómetros.

Fonte: Record on-line

“TOUR/DIRETOR DO TOUR APELA AO CIVISMO APÓS INCIDENTES NO ALPE D'HUEZ”

Christian Prudhomme não quer que se repitam acontecimentos da última etapa

Por: Lusa

Foto: Reuters

O diretor da Volta à França, Christian Prudhomme, apelou esta sexta-feira ao público que respeite os ciclistas, para não se repetirem os incidentes que marcaram o final da 12.ª etapa em Alpe d'Huez.

"Tivemos uma subida ao Alpe d'Huez muito dolorosa. Os ciclistas do Tour, os seus campeões, devem naturalmente ser respeitados, como o fazem a maioria dos espetadores", disse Christian Prudhomme em entrevista à agência France-Presse.

O italiano Vincenzo Nibali caiu a quatro quilómetros da meta, alegadamente provocada por um espetador, o que levou ao seu abandono, e os ciclistas da equipe Sky, o britânico Chris Froome e Geraint Thomas (camisola amarela e vencedor da etapa) foram vaiados.

Christian Prudhomme classificou de "inconsciente" o comportamento de uma parte do público e apelou à serenidade das pessoas para que nas próximas etapas não se repitam os incidentes na subida ao Alpe d'Huez.

O diretor do Tour lamentou que tenha ficado pelo caminho um "campeão admirável" (Vincenzo Nibali) e criticou ainda o uso de fumos como forma de apoio na estrada, algo que não "faz sentido" neste tipo de desporto, dado que deixa os ciclistas 'cegos'.

Fonte: Record on-line

“Tour/Froome e os empurrões no Tour: "É responsabilidade da organização proteger os ciclistas"

Ciclista britânico falou dos incidentes que marcaram o final da 12.ª etapa da competição em Alpe d'Huez.

Chris Froome • Chris Froome, da Sky • EPA@JOSE MANUEL VIDAL

O ciclista britânico Chris Froome afirmou hoje que “é responsabilidade da organização da [Volta a França] proteger os ciclistas na corrida”, depois de os incidentes que marcaram o final da 12.ª etapa da competição em Alpe d'Huez.

“Durante a corrida, é responsabilidade da organização proteger os ciclistas. Não é correto haver gente que se dedique a tocar ou empurrar os corredores”, disse o tetracampeão do Tour de França, antes de iniciar a partida para a 13.ª etapa da competição.

O ciclista de 33 anos, que é o atual segundo classificado na geral da prova, tentou, assim, acalmar os ânimos, pedindo respeito aos espetadores e destacando que os acontecimentos vividos em Alpe D’Huez não se podem repetir.

O diretor da Volta à França em bicicleta, Christian Prudhomme, já tinha apelado hoje ao público para respeitar os ciclistas, afirmando que os atletas “devem naturalmente ser respeitados, como o fazem a maioria dos espetadores”.

Por sua vez, o dirigente da equipa britânica Sky, pela qual atua Froome, também apelidou de vergonhosos os últimos acontecimentos da prova francesa.

No 12.ª etapa do Tour, o italiano Vincenzo Nibali caiu a quatro quilómetros da meta, uma queda alegadamente provocada por um espetador, o que levou ao seu abandono, e os ciclistas da equipe Sky, o britânico Chris Froome e Geraint Thomas (camisola amarela e vencedor da etapa) foram vaiados.

A 13.ª etapa, que liga Bourg d'Oisans a Valence, num percurso de 169,5 quilómetros, encontra-se a decorrer.

Fonte: Sapo on-line

“TOUR/VINCENZO NIBALI ABANDONA”

Italiano caiu na subida para Alpe d'Huez

Por: Lusa  

Foto: EPA

O ciclista italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Merida) abandonou esta quinta-feira a Volta a França em bicicleta, na sequência de uma queda na subida para o Alpe d'Huez, final da 12.ª etapa da edição de 2018.

A equipa Bahrain-Merida anunciou a desistência do italiano, que ficou com uma vértebra fraturada, a 10.ª, segundo o relatório médico.

Nibali caiu a cerca de quatro quilómetros da meta, na sequência de uma queda, alegadamente provocada pelo público, mas, ainda assim, conseguiu recuperar e chegou à meta apenas 13 segundos depois do vencedor, o britânico Geraint Thomas (Sky).

O ciclista transalpino é um dos que já ganhou as três principais provas por etapas, as voltas a França, Itália e Espanha, juntamente com Anquetil, Gimondi, Merckx, Hinault, Contador e Froome.

Esta quinta-feira, Geraint Thomas (Sky) reforçou a liderança do Tour, ao vencer a etapa 'rainha', de 175,5 quilómetros, entre Bourg-Saint-Maurice e Alpe d'Huez, em 5:18.37 horas, menos dois segundos do que o holandês Tom Dumoulin (Sunweb).

Na terceira posição, a três segundos, ficou o francês Romain Bardet (AG2R La Mondiale) e em quarto o britânico Chris Froome (Sky), a três e quatro segundos, respetivamente.

Apesar de ainda ter trabalhado para Froome na subida para o Alpe d'Huez, Thomas acabou por cimentar a liderança no final, com 1.38 minutos de avanço sobre o companheiro de equipa Chris Froome e 1.50 face a Dumoulin.

A dureza da etapa causou várias desistências, com destaque para Rigoberto Urán (Education First-Drapac), vice-campeão em 2017, e para vários sprinters - Fernando Gaviria (QuickStep-Floors), Dylan Groenenwegen (LottoNL-Jumbo) e Andre Greipel (Lotto-Soudal).

Na sexta-feira, a 13.ª etapa vai ligar Bourg d'Oisans a Valence, num percurso de 169,5 quilómetros, que deverá ser propício a uma fuga.

Fonte: FPC

“Efapel/Rafael Silva no top-ten da segunda etapa na N2”

          Ciclista voltou a ser o melhor elemento da Equipa EFAPEL

          Etapa ligou Castro Daire a Pedrogão Grande

          Pelotão continua a rumar a sul para chegar a Faro no domingo

Mais uma etapa, mais uma fuga a vingar. O segundo dia de competição do Grande Prémio da Estrada Nacional 2 ficou marcado pela vitória de um ciclista espanhol, que chegou isolado a Pedrogão Grande. No primeiro grupo, Rafael Silva voltou a ser o melhor representante da Equipa EFAPEL na linha de meta.

Sexto classificado no segundo dia de corrida, Rafael Silva esteve entre os mais fortes que pedalaram os 177,2 quilómetros entre Castro Daire e Pedrogão Grande. O ciclista da formação liderada por Américo Silva chegou integrado no grupo que perseguiu o vencedor e no qual terminaram, também, Bruno Silva e Sérgio Paulinho.

Com este resultado, Rafael Silva subiu na classificação geral individual. Está, agora, no nono lugar, a 3m02s do camisola amarela, Raul Alarcon. A terceira etapa marca a chegada do pelotão ao Alentejo. Pela frente, os ciclistas têm 144,1 quilómetros. A partida está marcada para a localidade onde esteve a meta de hoje, Pedrogão Grande, e a chegada estará montada em Montargil.

Fonte: Efapel