quarta-feira, 1 de abril de 2020

“Suplementação no triatlo?”

Será a suplementação assim tão eficaz para o triatleta?

Foto: Freepik

Há muitos atletas que recorrem à suplementação, seja para melhoria da performance, aumento de massa muscular, perda de massa gorda, rápida recuperação, ou saúde.

Os estudos são pouco claros quanto ao benefício da maioria dos suplementos do mercado. Ainda assim, alguns produtos podem melhorar a performance do atleta entre 1 a 3%. O aumento das respostas fisiológicas ao exercício e consequentemente melhoria das adaptações ao treino são dois fatores em que a suplementação pode fazer a diferença.

Quanto aos suplementos que tendem a demonstrar efeito destacam-se os suplementos proteicos Whey e Caseína, Creatina, Beta-alanina, Bicarbonato de sódio, Shot de beterraba e Cafeína. De uma forma geral os suplementos proteicos auxiliam na recuperação através da síntese proteica muscular, mantendo ou aumentando a massa muscular do atleta. A creatina aumenta a tolerância ao treino de alta intensidade, estimula a síntese proteica muscular e a reparação do glicogénio muscular no atleta.

Os suplementos anteriormente referidos podem promover a retenção hídrica. A Beta-alanina e o Bicarbonato de sódio são substâncias tampão (ação no pH) que retardam a perceção de fadiga e promovem a manutenção da intensidade. Também o Shot de beterraba, rico em nitratos, promove o atraso da sensação de exaustão. Por fim, a cafeína, substância de rápida absorção e efeito, aumenta a tolerância ao esforço e aumenta o estado de alerta e energia. A suplementação com antioxidantes, vitaminas e minerais, sem que haja uma necessidade diagnosticada, parece ter um efeito negativo na performance por comprometer as adaptações individuais ao treino e, eventualmente, a saúde do atleta.

Importa referir que o processo de escolha de um suplemento deve ter em conta os seguintes pontos: evidência de benefício, efeito na saúde, se a dieta já supre as necessidades, presença de substâncias proibidas, certificação de segurança, e relação custo-benefício. Todos os pontos referidos são relevantes para que o atleta faça uma escolha segura e informada.

Existe uma resposta individual de cada atleta a diferentes suplementos e protocolos de toma. Antes de consumir qualquer suplemento deve procurar a opinião da equipa médica que o acompanha.

Fontes:Rothschild, J.A.; Bishop, D.J. Effects of Dietary Supplements on Adaptations to Endurance Training. Sports Medicine 2019, 1-29, e Gallardo, E.J.; Coggan, A.R. What Is in Your Beet Juice? Nitrate and Nitrite Content of Beet Juice Products Marketed to Athletes. International journal of sport nutrition and exercise metabolism 2019, 29, 345-349.

Fonte: FTP

“Vai precisar de deixar a sua bicicleta parada por um tempo?”

Nenhum amante da bicicleta gosta disso, mas às vezes é inevitável: talvez você se aleije, fique doente ou tenha algum outro imprevisto, e por isso precise ficar um tempo sem poder pedalar.

Mas isso não quer dizer que sua bicicleta precise ficar parada a um canto sem nenhum tipo de assistência, até porque isso não pode acontecer: uma bicicleta muito tempo parada pode ter problemas de funcionalidade.


Ao guardar a bicicleta

Guarde sua bicicleta bem limpinha e lubrificada, bem limpinha envolve estar bem seca, lubrifique a corrente e as outras partes de metal da bicicleta, e, ao guardar, cubra a bicicleta com carinho para ela não ficar com poeira.

Deixe a bicicleta na marcha mais alta, a marcha mais alta reduz a tensão da mola do desviador, ou seja, a mola vai demorar a não esforçar, essa configuração é a que menos danifica o sistema do desviador.

De vez em quando, se puder, verifique a pressão dos pneus para evitar deformações neles, isso é importante para que não aconteça que a bicicleta se ficar apoiada por muito tempo sobres os pneus completamente vazios, mas, se você guardar a sua bicicleta suspensa, não precisa se preocupar com isso, é bom bombear os travões frequentemente, senão podem secar e danificar.

Para as bicicletas com suspensão, “é melhor deixar as suspensões no modo “aberto”, se as suspensões ficarem em modo de bloqueio, com a mola pressionada, ela, com o tempo pode perder força e não ser capaz de bloquear a passagem do óleo, isso pode causar uma reparação cara.”

Algumas dicas assim aumentam e muito a vida útil da sua bicicleta, pode ser um pouco trabalhoso manter essa rotina de verificações, mas quando chegar o dia de você retomar as suas pedaladas, vai agradecer a si mesmo por ter cuidado tão bem da sua bicicleta, ela vai lhe agradecer também muito.

Fonte: Revista Bicicleta

“Coronavírus: UCI prolonga suspensão do calendário até 1 de junho”

Adiamento do final da temporada velocipédica em cima da mesa

Por: Lusa

Foto: EPA

A União Ciclista Internacional (UCI) decidiu esta quarta-feira prolongar a suspensão do calendário velocipédico até 1 de junho, dada "a gravidade da situação sanitária em todo o mundo", e admitiu a possibilidade de adiar o final da época.

"Pela segunda vez em duas semanas, a UCI reuniu os representantes de todas as famílias do ciclismo profissional de estrada - organizadores, equipas e corredores - para debater a situação do setor perante a pandemia do novo coronavírus. Na sequência do encontro, e dada a gravidade da situação sanitária em todo o mundo, a UCI e todos os agentes envolvidos decidiriam unanimemente prolongar a suspensão das competições velocipédicas até 1 de junho", pode ler-se na nota da federação internacional.

A UCI, que esclarece que este prolongamento da suspensão competitiva é extensível a todas as outras vertentes do ciclismo, assim como a todas "as categorias de corredores", indica ainda que está a trabalhar num "quadro" para o futuro calendário de estrada, baseado nas discussões em curso e que dará prioridade "às três grandes voltas e aos 'monumentos'".

"O resultado deste trabalho interno será comunicado quando as condições estiverem alinhavadas. Confirmando o princípio da prorrogação da época de estrada masculina e feminina, anunciado em 18 de março, a UCI não exclui a possibilidade de adiar o final da temporada, dependendo da data em que as corridas foram retomadas", acrescenta o comunicado.

Ciente "das consequências que a crise atual terá no pelotão profissional", a federação internacional anunciou ainda a criação de um grupo de trabalho que irá propor "iniciativas concretas, nomeadamente quanto aos contratos dos ciclistas e a situação das equipas no contexto da sua corrente inatividade relacionada com a pandemia" da covid-19.

"Neste contexto extremamente difícil, a UCI vai continuar as suas consultas com as diferentes famílias para encontrar as melhores soluções para a nossa modalidade", compromete-se aquela federação, revelando que, até à data, recebeu mais de 450 pedidos de adiamento ou cancelamentos de provas, a maioria dos quais relacionados com o ciclismo de estrada.

Em 18 de março, a UCI tinha anunciado a suspensão de todas as provas até ao final de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 870 mil pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 44 mil morreram.

Dos casos de infeção, pelo menos 172.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas.

Fonte: Record on-line