quarta-feira, 24 de maio de 2017

“Atualização do Canal NP-TV com o “Vídeo Promocional 3º Passeio de Cicloturismo Vitória Clube de Lisboa”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o “Vídeo Promocional 3º Passeio de Cicloturismo Vitória Clube de Lisboa”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.

“Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã”

Prémio "Força Minho" em Guimarães no dia 10 de junho (Cadetes e Juniores)

Pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã e destinado às categorias de cadetes e de juniores, realiza-se no dia 10 de junho, em Guimarães o Prémio de Ciclismo "Força Minho".

O Prémio de Ciclismo "Força Minho", que conta com o apoio da União das Freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião (Guimarães), começará e terminará junto à sede da Associação de Ciclismo do Minho, na Rua Associação Artística Vimaranense (Urbanização da Atouguia). O início da corrida de cadetes está agendado para as 14 horas e o arranque da prova de juniores para as 16 horas.

O Prémio "Força Minho" assinala o regresso das provas de ciclismo à Urbanização da Atouguia (São Paio - Guimarães), onde se encontra localizada a sede de Associação de Ciclismo do Minho. Na década de 90 o local acolheu diversas provas de ciclismo dos escalões de formação, nas quais participaram nomes sonantes do ciclismo, chegando a receber o final de uma etapa do Grande Prémio do Minho. Sede de uma das poucas associações desportivas regionais localizadas em Guimarães, as instalações da Associação de Ciclismo do Minho foram oficialmente inauguradas em 21 de Julho de 1990, tendo sido reinauguradas no dia 9 de fevereiro de 2013 depois de obras de remodelação que, a par da resolução de vários problemas estruturais, permitiram dotar a sede de mais funcionalidade e reconverter alguns espaços.

As corridas serão disputadas num trajeto de 41 quilómetros a percorrer uma vez pelo pelotão de cadetes e duas pelo de juniores, integrando o percurso passagens pelo centro da cidade de Guimarães, Azurém, São Torcato, Gonça, Garfe, Póvoa de Lanhoso e Caldas das Taipas.

A partida da corrida de cadetes está marcada para as 14 horas e o final previsto para as 15h04, enquanto o arranque da prova de juniores será às 16 horas e o final está previsto para as 18h12.

Com início e final da Rua Associação Artística Vimaranense, o pelotão das duas corridas seguirá em direção à rua Arqueólogo Mário Cardoso, Avenida de São Gonçalo, Rua de Paio Galvão, Largo do Toural, Rua de Santo António, Avenida General Humberto Delgado, Rua Capitão Alfredo Guimarães, Rua Rómulo de Carvalho (partida real), São Torcato, Gonça, Garfe, Póvoa de Lanhoso, N 205, N 310, Caldas das Taipas, N 310, N 101, rua Dr. Arnaldo Sampaio e Rua Associação Artística Vimaranense. Enquanto a prova de cadetes terminará depois de cumprido o referido percurso, os ciclistas de juniores, após uma passagem pela meta, prosseguem em direção à rua Arqueólogo Mário Cardoso, Avenida de São Gonçalo, rua Dr. Arnaldo Sampaio, rua José Pinto Rodrigues, alameda Dr. Alfredo Pimenta e rua Teixeira de Pascoais, seguindo-se o percurso da primeira volta depois da rua Rómulo de Carvalho.

O Prémio "Força Minho" conta com o apoio da União das Freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião (Guimarães), Federação Portuguesa de Ciclismo, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Salvaggio, Controlsafe, Eyemotion, AFAcycles, Guimarpeixe, Pevigel, Interfios, Tempo Livre / Centro de Medicina Desportiva de Guimarães, Hotel ibis - Guimarães, Infraestruturas de Portugal, MAPFRE | Seguros e Ciclismo a fundo (revista oficial).

Fonte: ACM

“Cycling & Walking”

Turismo do Algarve lança guia de percursos cicláveis

por: Pedro Pereira

A Região de Turismo do Algarve (RTA) acaba de editar o primeiro guia de percursos de ciclismo de estrada do Algarve, numa parceria com a Federação Portuguesa de Ciclismo. De acordo com a RTA, este guia pretende “desafiar principiantes e ciclistas experientes a pegarem na bicicleta para desbravarem dezasseis concelhos durante o ano”, assim como “promover as excelentes condições do destino algarvio para atividades ao ar livre, em especial para o ciclismo e cicloturismo.

Os percursos surgem organizados em três zonas (este, central e oeste) que abrangem todos os concelhos da região e estão segmentados por níveis de dificuldade, do mais fácil ao mais exigente, para que os leitores saibam quais escolher antes de se fazerem à estrada. Para os que não têm muita prática, os três primeiros níveis são os mais aconselhados, pois o último nível (4) já requer mais perícia e esforço físico. Ainda assim, os ciclistas regulares ou atletas de competição encontram um capítulo exclusivo com dezasseis zonas de subida para treino específico, onde distâncias, inclinação, altitude e desníveis estão devidamente assinalados.

Além da informação básica sobre os percursos, o utilizador encontrará um QR Code (código de barras bidimensional) para cada um deles, através do qual poderá aceder, a partir do seu dispositivo móvel, aos detalhes do trajeto que quer percorrer.

«Este guia é inovador. Trata-se da primeira publicação do género editada na região e surge um ano depois de termos começado a desenvolver o Cycling & Walking no Algarve, um nicho turístico relacionado com o produto Turismo de Natureza. Com ela queremos mostrar que temos ótimas condições para a prática do cicloturismo e do ciclismo, responsáveis por vários milhões de viagens anuais na Europa», afirmou o presidente da RTA, Desidério Silva.

Com uma tiragem de 1500 exemplares, para distribuição gratuita nas ações promocionais da RTA, esta publicação apela ainda à utilização da bicicleta para uma vida mais saudável e feliz enquanto leva os ciclistas a atravessarem a região por vias rodoviárias selecionadas.

O guia de percursos de ciclismo de estrada está enquadrado no Cycling & Walking Algarve, um programa de reforço do destino no Turismo de Natureza com os objetivos de diversificar a oferta da região, aumentar a sua competitividade e captar fluxos turísticos nas épocas média/baixa. O Turismo de Portugal, a Associação Turismo do Algarve, o aeroporto de Faro, os municípios e as empresas de animação turística da região são os parceiros da RTA neste programa.

Fonte: Transportes em Revista

“Tatiana Antoshina suspensa quatro anos por doping”

Castigo termina em 2020

Por: Lusa

Foto: Facebook Steev Davidson

A União Ciclista Internacional (UCI) revelou esta quarta-feira que suspendeu por quatro anos a russa Tatiana Antoshina, sete vezes campeã nacional, por consumo de substâncias dopantes.

De acordo com o comunicado da federação internacional, a ciclista russa, de 34 anos, deu positivo por hormona de crescimento.

A suspensão de Tatiana Antoshina tem efeitos retroativos, sendo efetiva desde 31 de maio de 2016, e termina a 3 de abril de 2020.

Fonte: Record on-line

“Rolland tanto tentou até que ganhou uma etapa no Giro”

Ciclista francês venceu a 17ª etapa com Rui Costa no segundo lugar.

Foto: EPA/TONI ALBIR

Rui Costa (UAE Team Emirates) voltou hoje a ser segundo numa etapa da 100.ª Volta a Itália em bicicleta, ao ser o primeiro do numeroso grupo de fugitivos que deixou escapar Pierre Rolland (Cannondale-Drapac) para a vitória.

O ciclista português foi o principal ‘prejudicado’ pela hesitação do fragmentado grupo da dianteira, composto por 15 dos 43 fugitivos iniciais, que, a oito quilómetros da meta da 17.ª etapa, não respondeu ao ataque do combativo francês, que conquistou, aos 30 anos, a sua primeira vitória no Giro, a primeira para o seu país desde a edição de 2014 e a primeira numa grande Volta em cinco anos.

“Foi uma jornada incrível. Ataquei ao quilómetro zero e fui o primeiro a chegar. Quando vi que éramos apenas três, mentalizei-me que seria uma jornada longa. Depois das duas primeiras contagens de montanha, decidi esperar. Foi a decisão certa aguardar para entrar num grupo de 40 corredores, mas seria uma lotaria. No final, fui corajoso. Tentei duas, três vezes. Toda a gente estava ‘morta’. Talvez, eu tenha sido o mais corajoso”, explicou o corredor da Cannondale-Drapac.

Rolland resumiu na perfeição os acontecimentos dos 219 quilómetros entre Tirano e Canazei: o francês atacou assim que foi dado o sinal de partida, na companhia de Matej Mohoric (UAE Team Emirates) e Pavel Brutt (Gazprom), com o trio a conseguir uma vantagem robusta para o grupo perseguidor, composto por 40 ciclistas, entre os quais Costa e José Mendes (Bora-hansgrohe), e uma diferença quase escandalosa (rondou os 10 minutos) para o restante pelotão.

Ultrapassadas as duas contagens de montanha mais duras do dia, o vencedor da etapa desacelerou para ser alcançado pelos homens que vinham atrás, com a junção do grupo, já retalhado, a acontecer a cerca de 40 quilómetros da meta.

Foi então que o francês, recuperado do desgaste inicial, tentou uma e outra vez isolar-se, conseguindo finalmente concretizar o seu intento a oito quilómetros do final. O momento de hesitação dos outros elementos do grupo, que preferiram entreolhar-se a responder de imediato, foi suficiente para aquele que é um dos mais combativos ciclistas do pelotão conquistar uma vantagem inalcançável e cortar a meta com o tempo de 5:42.56 horas.

Rui Costa chegou 24 segundos depois, batendo ao ‘sprint’ o espanhol Gorka Izagirre na luta pelo segundo lugar, com o pelotão, que incluía o camisola rosa Tom Dumoulin (Sunweb), a tardar mais 7.54 minutos do que o vencedor.

O tempo ganhado hoje permitiu ao líder da UAE Team Emirates subir um lugar na geral, sendo agora 22.º, a 31.31 minutos do holandês, que tem o colombiano Nairo Quintana (Movistar) a 31 segundos e o italiano Vincenzo Nibali (Bahrein Merida) a 1.12 minutos.

José Mendes acusou o desgaste da fuga, perdeu 19.20 minutos para o vencedor, e caiu para a 53.ª posição, a 1:27.28 horas de Dumoulin. José Gonçalves (Katusha-Alpecin) foi 145.º, a 13.48 minutos de Rolland, e é 65.º na geral, a 1:43.51.

Na quinta-feira, os homens da geral têm um novo teste, na 18.ª etapa, que apesar de ter apenas 137 quilómetros, entre Moena e Ortisei, conta com cinco contagens de montanha, a última das quais, de primeira categoria, bem perto da meta.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Dumoulin perde tempo na etapa rainha, conquistada por Nibali”

Ciclista teve que parar para satisfazer necessidades fisiológicas

Por: Lusa

O azar voltou ontem a perseguir Tom Dumoulin (Sunweb), com o ciclista holandês a perder cerca de dois minutos para os principais adversários na etapa rainha do 100.º Giro, conquistada magistralmente pelo italiano Vincenzo Nibali (Bahrein Merida).

Eterno 'azarado' do pelotão, Dumoulin eclipsou o esforço de Mikel Landa (Sky), que passou largos quilómetros na frente, mas que foi superado, no risco de meta, por um traiçoeiro Vincenzo Nibali, e tornou-se o protagonista da etapa rainha desta Volta a Itália, ao parar, a cerca de 33 quilómetros da meta, para satisfazer necessidades fisiológicas.

A imagem do camisola rosa, aflito, a despir-se apressadamente para resolver um problema intestinal, ficará na memória de todas, nem que seja porque, devido a esse embaraçoso episódio, o corredor da Sunweb descolou do grupo de favoritos, perdendo 2.17 minutos para o vencedor da 16.ª tirada, e ficou com Nairo Quintana (Movistar), que hoje foi terceiro a 12 segundos do duo ítalo-espanhol, a apenas 31 segundos.

O azar de Dumoulin, que em 2015 caiu de primeiro para sexto na Vuelta no penúltimo dia e que abandonou o Tour devido a quedas nas duas últimas edições, foi o momento verdadeiramente decisivo dos demolidores 222 quilómetros entre Rovett e Bormio, que incluíram uma subida aos míticos Mortirolo e Stelvio, de categoria especial, e ao Umbrail Pass, uma primeira categoria, que fez os acertos finais na geral, antes dos 19,5 quilómetros sempre a descer até à meta.

Antes desse momento, era Landa, em fuga desde os quilómetros iniciais, o principal foco de atenção da tirada. O espanhol, que desde que foi terceiro no Giro2015 se tornou num 'figurante' do pelotão e que nesta edição viu as suas aspirações hipotecadas devido a uma queda causada por uma moto da polícia, quis registar o seu nome na Cima Coppi, o ponto mais alto desta edição (2.758 metros), tendo coroado em solitário o topo.

Desgastado, o ciclista da Sky foi perdendo fulgor na subida final, uma escalada por outra vertente do Stelvio, e viu como um restrito grupo, composto por Nibali, Quintana, o italiano Domenico Pozzovivo (AG2R), que seria quarto a 24 segundos, e o russo Ilnur Zakarin (Katusha-Alpecin), quinto a 34, anulou as diferenças na descida até á meta.

Momentaneamente colados, os cinco acabariam por se separar graças à exibição de Nibali, que fazendo jus à fama de maior especialista a descer do pelotão, ficou isolado na frente, apenas com Landa na roda.

E, quando parecia que o campeão do Giro2016 iria 'oferecer' a vitória na etapa ao seu antigo companheiro da Astana, o 'Tubarão do Estreito' voltou a demonstrar o seu apetite devorador, 'sprintando' para o sétimo triunfo em etapas, o primeiro de um italiano nesta edição, consumado em 6:24.22 horas, diante de um frustradíssimo corredor da Sky.

Os segundos amealhados para a concorrência permitiram a Nibali saltar para o terceiro lugar da classificação geral, a 1.12 minutos de Dumoulin, que tem agora Quintana a apenas 31 segundos. Aparentemente arredado da discussão pela 'maglia rosa', está o francês Thibaut Pinot (FDJ), que foi 10.º, a 1.35 minutos, e é quarto da geral, a 2.38.

Fonte: Record on-line