domingo, 1 de dezembro de 2019

“Lance Armstrong admite frustração: «Não me deixam sequer jogar ténis de mesa»”

Antigo ciclista confessou em 2013 ter recorrido ao doping, foi desclassificado dos títulos no Tour e banido do desporto

Lance Armostrong considera injusto ter sido expulso do desporto para sempre. O antigo ciclista, que em 2013 confessou no programa de Oprah Winfrey ter recorrido ao doping durante a sua carreira, tendo na sequência dessa situação sido-lhe retirado os 7 títulos do Tour, admite que se sente frustrado por não poder fazer qualquer desporto olímpico.

"Hoje em dia não posso fazer arco e flecha. Não posso jogar badminton. Não me deixam nem jogar ténis de mesa. Quando tudo isso aconteceu, expulsaram de todos os desportos olímpicos para sempre", afirmou Lance Armstrong ao 'Rouleur'.

"A forma como algumas coisas não aconteceram, foram sete anos apagados ... Isso é muito mau para o desporto. Se se tira o título de uma pessoa, deverá entregá-lo a outra. Porque senão, é porque não aconteceu nada, a não ser parecemos todos idiotas. Na Wikipedia, os [sete] anos estão em branco. Há um período em branco durante a Primeira Guerra Mundial; um período em branco durante a Segunda e depois durante os meus sete Tours!", criticou Armstrong, que em maio passado admitiu não se arrepender de ter recorrido ao doping.

"Fiz o que foi preciso para ganhar, fora da legalidade, mas não mudava nada, mesmo tendo perdido muito dinheiro em ações judiciais e de ter deixado de ser um herói para passar a menos do que zero. Mas há sempre coisas positivas e aprendi muitas lições com todo o processo", disse na altura.

Fonte: Record on-line

“Equipa Portugal/Maria Martins segunda classificada no concurso olímpico de Omnium”

Por: José Carlos Gomes

Maria Martins continua a dar alegrias a Portugal na etapa de Hong Kong, China, da Taça do Mundo de Pista. Depois do terceiro lugar em scratch, ontem, a corredora da Equipa Portugal foi hoje a segunda classificada na disciplina olímpica de omnium, estando cada vez mais perto de qualificar Portugal para os Jogos Tóquio, em 2020.

A ribatejana chegou à decisiva corrida por pontos no comando da classificação geral, graças a um concurso de qualidade, materializado no terceiro lugar em scratch e no segundo na corrida tempo e em eliminação. Maria Martins conseguiu um ponto na corrida por pontos e terminou o concurso com 113 pontos, os mesmos da vencedora, a japonesa Yumi Kajihara. A terceira classificada foi a belga Jolien D’Hoore, com 106 pontos.

Este resultado deixa Portugal mais perto da qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio no setor feminino de omnium e coloca Maria Martins no segundo posto da classificação geral da Taça do Mundo nesta importante disciplina olímpica.

A participação no setor masculino foi mais acidentada. Iuri Leitão e João Matias formaram equipa em Madison, outra disciplina em que Portugal tem ambições de qualificação para Tóquio. A queda de Iuri Leitão marcou a prestação nacional, com a dupla portuguesa a quedar-se pelo 15.º posto, com três pontos. Foi um resultado que atrasou a Equipa Portugal no ranking de apuramento olímpico.

Os alemães Roger Kluge e Thoe Reinhardt venceram, com 52 pontos, mais 14 do que os neozelandeses Tom Sexton e Campbell Stewart, e mais 19 do que os britânicos Mark Stewart e Fred Wright, que completaram o pódio.

João Matias competiu também na disciplina de scratch. Foi um dos corredores mais ativos durante a prova de 15 quilómetros. As movimentações em que se envolveu o barcelense não resultaram e o corredor português pagaria, no final, as despesas da ambição, cortando a meta como 22.º classificado. A medalha de ouro foi para o holandês Roy Eefting, que esteve acompanhado no pódio pelo grego Christos Volikakis, segundo, e pelo neozelandês Corbin Strong, terceiro.

Fonte: FPC