domingo, 1 de outubro de 2017

“Agradecimento ao Cantinho do Avô”

Hoje foi dia de ir a Alcanhões/Santarém, ao 2º passeio o “Cantinho do Avô”, mais uma reportagem, mais uma missão cumprida, e quero agradecer mais uma vez a lembrança, um muito e muito obrigado.

Também escolhi este passeio para fazer uma divulgação/comunicado, os que estiveram presentes já sabem de que se trata, e muita exclamação surgiu quando disse; “Resumindo, ao fim de muitos anos, o cansaço começa a ser muito, e é tempo de pensar em reforma”.

Mas, a satisfação foi imensa quando revelei aquele comunicado, ainda não a reforma, mas sim um novo projeto para 2018, o que me deu imensa satisfação, e confesso, fiquei um pouco comovido, o que fiquei com uma certeza, os muitos amigos que tenho feito ao longo destes anos todos, e espero fazer mais.

Sendo assim, quero agradecer a todos, um muito obrigado, e mais uma vez a toda a equipa do “Cantinho do Avô” obrigado pela forma como mais uma vez me receberam, obrigado.

A finalizar, amanhã será divulgado o comunicado.   

José Morais

“Exposição Fotográfica "Portugal em Bicicleta"

A exposição Fotográfica "Portugal em Bicicleta" da autoria do Fotojornalista João Fonseca, que está patente no Shopping Center La Vie das Caldas da Rainha, contou na passada quinta-feira dia 28 de Setembro com a  presença do Espanhol Raúl Alarcón Garcia (W52-FC Porto), recente vencedor da 79ª Volta a Portugal 2017, também da presença do Vereador do Desporto da Camara Municipal das Caldas da Rainha e Alberto Pereira, Administração do Shopping La Vie Caldas das Rainha, entre eles orgãos de comunicação Social da especialidade, amigos e anónimos.

Fonte: FOTOJAF Press Service/João Fonseca




“Bombarralense /Balanço da Época”

No passado dia 24 de Setembro, o Sport Clube Escolar Bombarralense, deu por terminada a sua época de estrada com a sua equipa júnior, a Sicasal – Liberty Seguros – Bombarralense com a presença no IV Circuito de Ciclismo Jovem das Vindimas de Alenquer.

A equipa fez um bom início de temporada, com o 4º lugar colectivo no 51° circuito del Guadiana, no entanto, a equipa falhou nas corridas importantes, nomeadamente nos Campeonatos Nacionais, Taça de Portugal, Volta a Portugal e Volta ao Minho. O treinador, Carlos Reis, assume as culpas da prestação menos positiva da equipa nas provas mencionadas, lembrando apenas os diversos azares de que a equipa foi alvo nas mesmas, bem como o desfalque dos talentosos Bruno Martins e Hugo Faustino, dois elementos que seriam importantes no plantel ao longo da temporada.

Ao longo da temporada a coesão e união de equipa ficaram demonstradas nos 11 triunfos colectivos obtidos, o que constitui uma evolução positiva, se tivermos em linha de conta os 6 triunfos colectivos de 2016. Em termos individuais, a equipa somou 13 vitórias, mais 2 que no ano transacto. Aqui destaca-se o fechar de época nos circuitos, onde os bons resultados foram evidentes por parte da equipa, nomeadamente as vitórias no Circuito de Nafarros e no III Prémio Guilherme Silva, onde além da vitória individual a equipa venceu colectivamente. Realce ainda para a mítica Seixalíada, onde a equipa obteve o 3º lugar e a vitória colectiva.

É importante referir ainda que a equipa fechou, a nível individual, 79 vezes entre os 10 primeiros, um número semelhante a 2016, mostrando que, apesar de tudo, a equipa foi regular ao longo da época. Além disso, quem nos acompanhou ao longo da época pôde observar um espírito ofensivo, uma harmonia colectiva e acima de tudo, a dedicação dos atletas à camisola que envergaram e a paixão pela modalidade.

Por fim, a equipa agradece a vós, Patrocinadores, Familiares e Simpatizantes. Os atletas agradecem o empenho da sua equipa técnica: André Carvalho, Carlos Reis, Fernando Vieira, João Carvalho, Nuno Carvalho e Pedro Peleira.

A equipa agradece ainda a quem a fotografou na estrada ao longo da época: João Fonseca, Nélson Esperança, Gabriel Reis e Marisa Santo. O sincero obrigado também ao Ciclismo 24 por 24, responsável pela comunicação social da equipa nesta época que finda.

Fonte: Bombarralense





















 

“Segundo Passeio “O Cantinho do Avô”

Alcanhões recebe mais de duas centenas e meia de amantes da bicicleta, e pedala ao rubro

Texto e fotos: José Morais

Alcanhões, no distrito Santarém, foi o nosso destino este primeiro domingo 1 de outubro, fomos participar no 2º passeio de cicloturismo organizado pelo Núcleo de Cicloturismo “O Cantinho do Avô”, um passeio do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), que contou com o seu apoio.

A cerca de 80 quilómetros da capital, fica Alcanhões, uma vila ribatejana, ficando a sul da capital de distrito Santarém, teve a presença dos romanos, na parte norte da vila, e encontram-se ruínas daquilo que foram balneários tipicamente romanos, foi também ocupada pelos mouros antes da conquista de Santarém, local onde já existia uma povoação.

Também no século 14, aquele lugar teria servido de ponto de encontro da Corte Real, destacando-se a sua presença sobretudo nos reinados de D. Pedro I e D. Fernando nos Paços Reais de Alcanhões, como comprovam as crónicas de Fernão Lopes.

Foi aqui, em Alcanhões, que se acordou a paz com Castela e Aragão numa situação de grande instabilidade política no reinado de D. Fernando. Foi também aqui que se engendrou o plano definitivo para o assassinato de D. Maria Teles, que era casada com o infante D. João (filho de D. Inês de Castro e de D. Pedro I) e que era irmã da rainha D. Leonor Teles. A herdeira do trono era D. Beatriz, filha do rei.

O assassinato não passava de um pretexto para celebrar o casamento entre o infante D. João e D. Beatriz e, assim, estaria encontrado o herdeiro ao trono. Então, o infante D. João, antevendo a possibilidade de vir a ser Rei de Portugal, decide matar a sua própria mulher, D. Maria Teles em Coimbra. E assim, partem de Alcanhões, onde delinearam o plano definitivo para o assassinato da irmã da rainha D. Leonor, "às pressas". Por este motivo é que, ainda hoje, as pessoas naturais de Alcanhões são adjetivados de "apre”.

E se Alcanhões é uma Vila cheia de história, o passeio deste domingo também o foi, um passeio sem dúvida bem organizado, tanto antes, como durante, ou após o mesmo, com a organização a esmerar-se por dar o seu melhor, tentando satisfazer assim todos os que participaram.

Olhando o evento:

Bem cedo começaram a chegar os participantes, oriundos de diversos locais, com destaque para Tavira, Crato, Coimbra, Pombal, Leiria, Grande Lisboa, e alguns do distrito de Santarém. Confirmando as suas inscrições, preparando as máquinas, que os levaria a percorrer os cerca de 60 quilómetros do trajeto, o qual foi dividido em duas partes, ambas com partida e chegada ao “Cantinho do Avô”, a saída ocorreu pelas 9 horas, e a chegada cerca da 12.45, num trajeto de dificuldade praticamente baixa, e propicia a rolar.

Tivemos uma boa assistência na estrada, o apoio da GNR, e o excelente trabalho na segurança pelo Grupo de Motard Bispos do Asfalto a toda a caravana.

Com uma velocidade propícia à prática do cicloturismo, tentando que o longo pelotão não se partisse, a velocidade foi boa, dando para rolar, porem, temos de manifestar aqui uma parte negativa do evento, que em nada beneficia a modalidade, e envergonha um pouco a organização, não por culpa desta, mas por culpa de alguns participantes que não souberam respeitar a mesma.

Quase no final das pedaladas, e como acontece muitas vezes noutros eventos, às vezes é necessário reduzir a velocidade, e muitas vezes parar, para que tudo se reagrupe, e o pelotão possa circular junto. Primeiro porque é uma segurança para todos, já que às vezes se introduzem viaturas que não pertence à caravana, pondo em risco quem pedala, ou mesmo parar, tudo em prol da segurança.

É certo de que muitos não gostam desta última opção, mas as regras são para cumprir, existe uma organização, e ela é responsável pelo evento, mas… aqui existiu sem dúvida uma falta de respeito, e quando o pelotão parou, muitos foram os que continuaram, ignoraram, pedalando sem proteção, tendo sido mais à frente obrigados a parar pela GNR, para depois reagrupar todo o grupo.

Não posso deixar passar em branco esta atitude, que em nada beneficia a modalidade, e nos relatórios feitos pelas autoridades, em nada é positivo, ainda mais, participantes inscritos no evento, desobedecendo à organização, no caso de haver um acidente, a companhia de seguros pode criar obstáculos, o que em nada abona a favor.

Sendo assim, e passando este momento nada agradável, quem vai participar num passeio organizado e legalizado, tem de ter em conta uma coisa, obedecer a quem organiza, respeitar, tendo sem dúvida o direito no final a colocar as suas queixas, mas terá acima de tudo de respeitar ao longo do passeio, caso não goste ou não esteja de acordo, noutras edições apenas não deve participar, andando assim livremente por onde quiserem, caso contrário terão de se sujeitar às regras.

Tivemos assim um excelente passeio, tirando esta parte negativa, com um excelente abastecimento, com uma diversidade enorme, tanto liquido como sólido, tivemos um almoço final maravilhoso, e um convívio tarde dentro, lembranças para todos, alusivas ao passeio, lembranças especiais para todas as mulheres, e no final a promessa de todos poderem estar presentes na 3ª edição em 2018.

Temos mais uma vez de dar os parabéns à organização pela forma como mais um ano se esmerou por agradar, tentando fazer o seu melhor, uma organização que junta um número sem dúvida imenso de pessoas, com o Núcleo a apoiar no início do passeio, durante o passeio a pedalarem e a orientarem, e no final, também eles a servirem todos os participantes, não esquecendo, todas as senhoras que estiveram por trás, na cozinha para que no final nada faltasse, e tudo corresse bem.

Mas, como a solidariedade terá de estar acima de tudo, temos de relembra que neste passeio existiu uma queda, um elemento de Trajouce, sofreu um aparatoso acidente a meio do percurso, uma vala disfarçada na estrada deu origem a que fosse ao chão, foi transportado ao hospital, temos de referir a rápida intervenção dos Bombeiros de Pernes, e esperemos que não seja nada de grave, e que recupere rapidamente, e possa voltar ao pelotão rapidamente.

Finalizo, dando mais umas vezes os parabéns à organização, continue assim, o cicloturismo merece passeios destes, e da nossa parte esperamos poder voltar em 2018, na sua 3ª edição, num domingo com eleições, onde existiu tempo para pedalar e ir votar.

Até lá ficam os votos de bons passeios, boas pedaladas.

Fonte: Notícias do Pedal/Parceria FPCUB





 

“Galeria Multimédia” divulgação das Fotos do “2º Passeio o Cantinho do Avô.2017”

Já estão on-line na “Galeria Multimédia”, as fotos do “2º Passeio o Cantinho do Avô.2017” realizado este domingo em Alcanhões/Santarém, as mesmas podem ser visualizadas em: https://photos.google.com/share/AF1QipMiN7a4mQLq35Ts6JfUohsenbcW1lx7xmmlRdLq_icUaZ9_yMg1fxUqEiLhR3jFzQ?key=eDYtRFQ3d0hDcjhGTGk5UEpMM3hzNFlqOW9qU2Z3