domingo, 9 de julho de 2017

“Richie Porte fraturou pélvis e clavícula direita”

Australiano fica fora de competição durante pelo menos quatro semanas

Por: Lusa

Foto: Reuters

O ciclista australiano Richie Porte, que este domingo teve uma queda aparatosa na última descida da nona etapa da Volta à França, fraturou a pélvis e a clavícula direita, anunciou a sua equipa, a BMC.

Segundo a nota da equipa suíça, o chefe de fila da equipa, que era quinto antes de abandonar o Tour, estará de fora de competição durante pelo menos quatro semanas.

Porte caiu da bicicleta numa curva na última descida da etapa deste domingo, que ligou Nantua a Chambéry, e sofreu ainda "hematomas superficiais no lado direito do corpo", explicou o médico da BMC, Max Testa, citado em comunicado.

"Se tudo correr bem, o Richie poderá estar de volta no início do mês de agosto para treinos ligeiros", acrescentou o médico, que explicou que as lesões do ciclista de 32 anos não requerem qualquer cirurgia, depois de ter feito vários raio X no hospital de Chambéry, para onde foi transportado depois da queda no Mont du Chat, a 20 quilómetros da meta.

O ciclista, um dos favoritos à vitória na geral individual da 104.ª edição do grand boucle, juntou-se ainda a Geraint Thomas (Sky), que liderou a geral individual do primeiro ao quarto dia, na lista de desistências.

O galês caiu a 100 quilómetros do final da etapa deste domingo, vencida pelo colombiano Rigoberto Urán (Cannondale Drapac), fraturando a clavícula direita e abandonando a corrida, na qual tinha como objetivo apoiar o atual camisola amarela, o britânico Chris Froome (Sky).

Fonte: Record on-line

“Arnaud Démare chegou fora do controlo e foi eliminado”

Sprinter francês e mais três companheiros de equipa perderam cerca de uma hora na 9.ª etapa

Por: Lusa

Foto: Reuters

O francês Arnaud Démare (FDJ) foi eliminado este domingo da Volta à França, depois de ter terminado a nona etapa fora do controlo de tempo estipulado para a ligação entre Nantua e Chambéry.

O sprinter, que já no sábado tinha tido dificuldades em terminar dentro do controlo, perdeu quase uma hora em relação ao vencedor da tirada, o colombiano Rigoberto Urán (Cannondale Drapac), ficando de fora da 'grand boucle', uma vez que o controlo fechava nos 40 minutos.

O campeão francês de estrada, que venceu a quarta etapa e liderou a classificação por pontos do quarto ao sexto dia, teve o apoio de três colegas de equipa, Mickael Delage, Jakopo Guarnieri e Ignatas Konovalovas, na tentativa de 'salvarem' o seu líder, mas acabaram todos excluídos.

Assim, a FDJ fica apenas quatro ciclistas ainda em prova: Thibaut Pinot, Davide Cimolai, Olivier Le Gac e Rudy Molard.

Também o irmão de Peter Sagan, Juraj (Bora Hansgrohe) chegou fora do controlo, tal como o australiano Mark Renshaw (Dimension Data), o italiano Matteo Trentin (Quick-Step Floors), e o holandês Jos van Emden (Lotto NL-Jumbo).

A LottoNL-Jumbo sofreu ainda outra baixa na etapa de hoje, uma vez que Robert Gesink, quarto em 2010, caiu e abandonou, bem como Manuel Mori (UAE Emirates), o antigo líder Geraint Thomas (Sky), que era segundo à geral e fraturou a clavícula direita, e ainda Richie Porte (BMC), quinto, que fraturou a pélvis e a clavícula direita, depois de uma queda aparatosa.

Ao fim de nove etapas, restam 181 dos 193 corredores iniciais em prova, incluindo um português, Tiago Machado (Katusha Alpecin), que é 58.º da geral, a 47.32 minutos do camisola amarela, o britânico Chris Froome (Sky).

Fonte: Record on-line

“Rigoberto Urán vence nona etapa com recurso ao photo-finish”

Warren Barguil e Chris Froome completam o pódio

Por: Lusa

Foto: Reuters

O colombiano Rigoberto Urán (Cannondale-Drapac) venceu este domingo a nona etapa da 104.ª Volta a França em bicicleta, na chegada a Chambéry, com Chris Froome (Sky), terceiro, a conservar a liderança da geral.

O colombiano, de 30 anos, cortou a meta em primeiro ao fim de 05:07.22 horas, depois de uma chegada ao sprint entre o grupo dos favoritos, tendo a organização que recorrer ao photo finish para estabelecer a vitória, à frente do francês Warren Barguil (Sunweb), segundo, e o camisola amarela Froome no último lugar do pódio.

Na segunda-feira, o pelotão cumpre um dia de descanso depois da etapa deste domingo, que ligou Nantua a Chambéry em 181,5 quilómetros, atravessando uma trilogia de subidas de categoria especial que provocou alterações nos primeiros lugares da geral.

O galês Geraint Thomas (Sky) e o australiano Richie Porte (BMC) abandonaram a prova, devido a quedas, e Nairo Quintana (Movistar), Daniel Martin (Quick-Step Floors) e Alberto Contador (Trek-Segafredo) perderam tempo para o topo.

Fonte: Record on-line

“Daniela Reis termina em 56.º lugar no Giro Rosa”

Anna Van der Breggen vence a prova

Por: Lusa

Foto: Facebook Daniela Reis

A ciclista portuguesa Daniela Reis (Lares Waowdeals) terminou este domingo o Giro Rosa na 56.ª posição, no final da 10.ª e última etapa, que consagrou a holandesa Anna Van der Breggen (Boels-Dolmans) como vencedora.

Na última tirada, com uma extensão de 124 quilómetros em Torre del Greco, a corredora lusa terminou em 37.º lugar, a 3.15 minutos da vencedora, a norte-americana Megan Guarnier (Boels-Dolmans), que cortou a meta ao fim de 03:09.37 horas.

Daniela Reis acabou por ser a melhor classificada da equipa belga que representa, terminando na 56.ª posição entre 130 ciclistas que terminaram aquela que é considerada a maior prova do calendário feminino, a 45.38 minutos da campeã olímpica de estrada nos Jogos Rio'2016.

A temporada de Van der Breggen, de 27 anos, continua a bom nível, tendo alcançado a segunda vitória no Giro Rosa, que já tinha conquistado em 2015, além de dois terceiros lugares em 2014 e 2016, ano em que a vencedora da tirada deste domingo, e colega de equipa da holandesa, ficou no primeiro posto.

"Dei o que tinha e o que não tinha. Mais do que tudo estou feliz por ter terminado a minha primeira grande volta", afirmou Daniela Reis, campeã nacional de fundo e contrarrelógio em 2015 e 2016, através da rede social Facebook.

Fonte: Record on-line

“Campeonato Nacional de Paraciclismo”

Almeirim consagrou quatro novos campeões do Paraciclismo

Por: José Carlos Gomes

A segunda jornada dos Campeonatos Nacionais de Paraciclismo foi dedicada às provas de fundo. José Castanheira (Penacova DH/UD Lorvanense), Manuel Ferreira (Silva&Vinha/Adrap/Sentir Penafiel), David Inácio e Flávio Pacheco (Sporting/Tavira - Paracycling) foram consagrados campeões nacionais.

O Campeonato Nacional de Paraciclismo concluiu-se hoje em Almeirim com a disputa das provas de fundo, tendo sido atribuídos, entre as diferentes classes de competição, um total de quatro títulos nacionais entre as novas provas em disputa. Tal como na véspera, aquando da corrida ao título nas provas de contrarrelógio, houve campeões que transitaram do ano anterior, revalidando os títulos previamente conquistados em Almeirim.

José Castanheira (Penacova DH/UD Lorvanense), na classe C4, sagrou-se campeão nacional batendo João Monteiro (Mozinho MTB/Vale D'Aldeia/Martos/Hmed) e Paulo Teixeira (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão). Este foi um dos dois títulos nacionais atribuído na Classe C, destinada a atletas com um deficiência física mas que competem numa bicicleta convencional. Na classe C5, uma das mais concorridas, Manuel Ferreira (Silva&Vinha/ADRAP/Sentir Penafiel) foi o mais forte e conquistou o título nacionais. Nas restantes provas disputadas, mas que não atribuíram títulos nacionais, Bernardo Vieira venceu na C1, Telmo Pinão (LA Metalusa Blackjack Paracycling) foi vencedor em C2 e Francisco Martins triunfou na classe C3.

Na classe H, destinada a 'hand bikes', foram disputadas três corridas. João Pinto (individual) deixou o rival Diogo Oliveira (Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel) para trás para vencer em H3. Flávio Pacheco (Sporting/Tavira - Paracycling) superou André Sobreiro e Ruben Garcia (Clube K) para se sagrar campeão nacional na classe H4 e, por fim, Luís Costa (Sporting/Tavira - Paracycling) foi o único concorrente na classe H5.

Na classe D, destinada a corredores portadores de deficiência auditiva, David Inácio (individual) bateu João Marques (Academia Joaquim Agostinho/UDO) para se sagrar campeão nacional, tendo Ricardo Gomes (Moreira Congelados/Feira/Bicicletas Andrade) fechado o pódio na terceira posição.

Fonte: FPC

“Vitória colectiva na última etapa”


Equipa EFAPEL foi a mais forte no Alto da Carvoeira

A equipa profissional de ciclismo EFAPEL encerrou da melhor forma a sua participação no Grande Prémio Internacional de Torres Vedras/Troféu Joaquim Agostinho. Depois do triunfo alcançado por Daniel Mestre no dia de ontem, hoje foi a vez dos comandados por Américo Silva assegurarem o triunfo na etapa a nível colectivo.
A derradeira etapa deste importante grande prémio ligou São Martinho do Porto ao Parque Eólico situado no Alto da Carvoeira. Foram 162 quilómetros com os derradeiros em subida. A etapa foi ganha por João Benta (RP/Boavista) e Bruno Silva foi o melhor representante da EFAPEL, ao cruzar a linha de meta em quinto, com o mesmo tempo do vencedor.
“Já tínhamos alcançado o nosso objectivo no dia de ontem. Mas esta equipa nunca vira a cara à luta e estamos sempre prontos para lutar pela melhor classificação possível. O conjunto voltou a fazer uma demonstração de união e de capacidade de trabalho. Os frutos colhidos traduziram-se na vitória da etapa por equipas”, afirmou o director desportivo, Américo Silva.
Concluída esta prova, a formação EFAPEL vai ter uma pausa para voltar a competir no grande desafio do ano, a Volta a Portugal que começa no dia 4 de Agosto.
Classificação na quarta etapa
1º    João Benta                RP/Boavista            4h14m06s
2º    Rinaldo Nocentini            Sporting/Tavira        mt
3º    Amaro Antunes            W52/FC Porto            mt

5º    Bruno Silva                EFAPEL             mt
15º    António Pereira Barbio        EFAPEL            a 13s
16º    Henrique Casimiro            EFAPEL            mt
17º    Sérgio Paulinho            EFAPEL            mt
19º    Jesus del Pino            EFAPEL            a 24s 
33º    Daniel Mestre                EFAPEL             a 1m14s
37º    Rafael Silva                EFAPEL             a 1m41s
40º    Álvaro Trueba            EFAPEL            mt

Classificação geral individual
1º    Amaro Antunes            W52/FC Porto            16h22m17s
2º    Rinaldo Nocentini            Sporting/Tavira        a 15s
3º    Frederico Figueiredo            Sporting/Tavira        a 18s

7º    Sérgio Paulinho            EFAPEL            a 54s 
12º    Bruno Silva                EFAPEL             a 1m46s 
20º    Jesus del Pino            EFAPEL            a 3m11s 
22º    Henrique Casimiro            EFAPEL            a 3m33s 
26º    Daniel Mestre                EFAPEL             a 4m56s 
29º    Rafael Silva                EFAPEL             a 10m46s 
36º    Álvaro Trueba            EFAPEL            a 12m53s
48º    António Pereira Barbio        EFAPEL            a 19m02s

Fonte: Efapel

“Grande Prémio Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho”

Benta convidado para a festa de Amaro Antunes

Por: José Carlos Gomes

João Benta (RP-Boavista) ganhou hoje a quarta e última etapa do Troféu Joaquim Agostinho, uma ligação de 162 quilómetros entre S. Martinho do Porto e o alto da Carvoeira, que coroou Amaro Antunes (W52-FC Porto) vencedor do Grande Prémio.

A etapa foi anormalmente calma, sem qualquer movimentação dos pretendentes à camisola amarela de Amaro Antunes, acabando por trazer alguma emoção apenas nos derradeiros 2 quilómetros, sempre a subir até à meta, coincidente com um prémio de montanha de terceira categoria.

A viagem foi animada por um grupo de onze fugitivos, dos quais resistiu quase até ao final António Barbio. O corredor da Efapel entrou isolado no último quilómetro, mas não resistiu à aproximação do grupo dos favoritos, sendo apanhado nas derradeiras centenas de metros.

João Benta foi o mais rápido do grupo principal, batendo ao sprint o vencedor da edição transata do Troféu Joaquim Agostinho, Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), e Amaro Antunes, segundo e terceiro, respetivamente.

“Vim para esta corrida com intenção de testar a minha capacidade. É claro que gostaria de ter vencido pela terceira vez consecutiva no alto de Montejunto, mas fui um homem muito marcado nesse dia. Não foi possível vencer nesse dia, mas ganhei hoje, num local que me traz boas recordações, porque foi aqui que me coroaram vencedor do Grande Prémio, em 2015. É um resultado que me motiva para a Volta a Portugal”, frisa João Benta.

Amaro Antunes terminou a corrida no topo da geral individual, com 15 segundos de vantagem sobre Rinaldo Nocentini e com 18 segundos face a Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira). O algarvio acabou por viver uma espécie de etapa de consagração, já que não se verificou qualquer ataque da concorrência direta.

“Não podemos prever a corrida que os adversários vão fazer. Nós cumprimos o nosso plano, como previsto antes da etapa, trabalhando para manter a camisola amarela. É um orgulho muito grande conquistar uma corrida com tanta história como o Troféu Joaquim Agostinho”, confessou Amaro Antunes.

O corredor da W52-FC Porto juntou à geral individual as classificações por pontos, da montanha e do combinado. José Neves (Liberty Seguros/Carglass) foi o melhor jovem e César Martingil (Liberty Seguros/Carglass) leva para casa a camisola das metas volantes. A W52-FC Porto triunfou por equipas.

Classificações

4.ª Etapa: S. Martinho do Porto - Parque Eólico da Carvoeira, 162 km

1.º João Benta (RP-Boavista), 4h14m06s (Média: 38,158 km/h)

2.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), mt

3.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), mt

4.º Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), mt

5.º Bruno Silva (Efapel), mt

6.º Edgar Pinto (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), mt

7.º David Rodrigues (RP-Boavista), mt

8.º David de la Fuente (Louletano-Hospital de Loulé), mt

9.º José Neves (Liberty Seguros/Carglass), a 6s

10.º Pablo Torres (Burgos BH), a 12

Geral Individual

1.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), 16h22m17s

2.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), a 15s

3.º Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), a 18s

4.º João Benta (RP-Boavista), a 40s

5.º José Neves (Liberty Seguros/Carglass), a 44s

6.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 52s

7.º Sérgio Paulinho (Efapel), a 54s

8.º Pablo Torres (Burgos BH), a 1m11s

9.º Edgar Pinto (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), a 1m19s

10.º David de la Fuente (Louletano-Hospital de Loulé), mt

Fonte: FPC

“Arraiolos promove 24º Passeio na Feira S. Boaventura”

Um passeio cheio de adrenalina, de fortes pedaladas

Texto: José Morais

Fotos. José e Helena Morais

Com a manhã, deste domingo 9 de julho a acordar nublada, com algum sinal de chuva na Vila de Arraiolos, pelas 8 horas começaram a chegar os primeiros participantes às instalações do Núcleo Cicloturismo de Arraiolos, a fim de participarem no 24º passeio de cicloturismo, organizado por este Núcleo.

Pouco passava das 9 horas, quando foi dada a partida na Praça da Republica aos mais de 160 participantes, para fazerem um trajeto de 60 quilómetros, com passagem por, Igrejinha, Santa Justa, S. Gregório, Aldeia da Serra, Santana do Campo, e S. Pedro da Gafanhoeira.

A Vila mais conhecida da tapeçaria portuguesa, os famosos “Tapetes de Arraiolos” foi evadida pelas bicicletas, com amantes das mesmas, oriundos de diversos locais, num passeio já de grande tradição.

O postal ilustrado do evento:

Arraiolos, possui um património muito rico e diverso, que revela a multiplicidade e a diversidade de povos que habitaram nesta região, a pouco mais de 120 quilómetros da capital, podemos encontrar por estes locais sem dúvidas muitas coisas maravilhosas para descobrir, e foi sem dúvida o que cicloturistas, e acompanhantes, fizeram este domingo, num passeio de dificuldade baixa/média, já que apesar de se dizer que o Alentejo é plano, se encontram alguns sobe e desce, mas onde os amantes da bicicleta, conseguiram superar, e ultrapassar as dificuldades que iam surgindo ao longo do percurso.

Muita animação, muita cavaqueira, e muita pedalada, a qual foi de verdadeiro cicloturismo, sem grandes velocidades, proporcionado assim a todos uma salutar manha desportiva.

Tivemos uma excelente organização, que sabe demostrar o que é um verdadeiro passeio de cicloturismo, estando tanto antes, durante ou depois do passeio em total sintonia, o que no final a satisfação de todos fosse plena. Destacamos a receção logo de manhã com oferta de bolos sumos e águas para todos, no abastecimento no meio do percurso em Aldeia da Serra, com águas, sumos, e uma bifana especial, um miminho da organização, e no final o tradicional almoço de confraternização, quase um banquete.

E durante as pedaladas, de destaque o excelente trabalho feito pela Brigada de Trânsito da GNR, o bom comportamento de todos os participantes, e a ajuda de São Pedro, já que trocou a ameaça de chuva pelo sol, e o calor que aqueceu todos os participantes, que quando chegamos no final a Arraiolos, já passava os 30º.

No final, a organização falava á nossa reportagem, e nas palavras de Jarzelim Santos, presidente do Núcleo de Arraiolos, o mesmo dizia, “ O passeio correu muito bem, foi dentro do que esperávamos, este ano com mais participantes, o que nos satisfez ainda mais as nossas espectativas, fazendo votos de que todos tenham ficado satisfeitos, e desejando que voltem noutras edição, Arraiolos possui muito para ver e descobrir, cá os esperamos de braços abertos”.

Num passeio que sem dúvida marcou todos que por lá passaram, temos de referir, que o principal apoio do mesmo é a Câmara Municipal de Arraiolos, a qual faz a aposta nestas iniciativas que são de louvar, e ainda as Juntas de Freguesia do concelho que também apoiam, o evento contou ainda com o apoio da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), que este ano distinguiu este Núcleo, com o título de “Sócio de Mérito de Fundador da FPCUB”, o mesmo foi entregue pelo presidente da Federação José Manuel Caetano, que relembrou o primeiro passeio informal realizado á 27 anos, onde ele próprio marcou presença ali e pedalou.  

A finalizar, apenas deixar os parabéns a toda esta excelente organização pelo trabalho elaborado em prol do cicloturismo, ainda a forma como recebeu a nossa reportagem, deixando no ar uma próxima visita a outro dos seus eventos, e até lá, ficam os votos de bons passeios, boas pedaladas, despedindo-nos até ao próximo fim-de-semana em Pombal, onde dias 22 e 23, se vai realizar mais uma edição das “14 horas a Pedalar”, este ano sobe o lema “Pedalar Para Ajudar”, onde as receitas serão para doar e apoiar o recente e trágico incendio de Pedrogão.

E aqui fica um pouco da história do concelho por onde hoje andamos

Arraiolos é uma vila portuguesa situada no Distrito de Évora, região Alentejo e sub-região do Alentejo Central, sendo sede de um município, subdividido em 5 freguesias, o município é limitado a norte pelos municípios de Mora e Sousel, a leste por Estremoz, a sul por Évora, a sudoeste por Montemor-o-Novo e a noroeste por Coruche.

Arraiolos possui um património diverso, que revela a multiplicidade e a diversidade de povos que habitaram esta região, influenciando o património edificado, o património imaterial e o artesanato desta vila tipicamente alentejana.

O Castelo de Arraiolos, é provavelmente o monumento mais conhecido da vila, um dos únicos castelos circulares do mundo, altaneiro em relação ao casario caiado de branco, situado a mais de 410 m de altitude, contém no seu interior a Igreja Matriz do Salvador, monumento anterior ao próprio castelo, com um interior ornamentado a frescos.

 O Convento Pousada de Nossa Senhora da Assunção, antigo Convento dos Lóios, antigo convento transformado em Pousada, em 1995, depois de várias décadas de abandono, possui uma igreja com impressionantes painéis de azulejos dos séculos XVII e XVIII.

A Igreja da Misericórdia de Arraiolos, situada no centro histórico da vila, na conhecida "Rua dos Tapetes", apresenta uma grande simplicidade exterior, mais um riquíssimo interior, com um rodapé de azulejos do século XVI, um tecto em frescos, datado do século XVI, com motivos geométricos e simétricos, que se pensa inspirado no tapete de Arraiolos, um conjunto de painel de azulejos do século XVII e XVIII, com as obras de misericórdia e um imponente altar, em talha dourada, do século XVI.

Não podemos deixar de destacar os famosos Tapetes de Arraiolos, com séculos de história, bordados à mão por gerações e gerações de bordadeira, fazem parte do artesanato mais conhecido de Portugal, estando a ser preparada a sua candidatura a Património Da Humanidade.

Sendo ainda o Concelho também é rico em Montado, pelo que artigos em cortiça também fazem parte do Artesanato Local. Destaca-se também os Artigos em Barro.

Fonte: Notícias do Pedal/Parceria FPCUB

Pode visualizar mais fotos em:

 





“Galeria Multimédia” divulgação das Fotos do “24 º Passeio de Arraiolos.2017”

Já estão on-line na “Galeria Multimédia”, as fotos do “24 º Passeio de Arraiolos.2017” realizado este domingo em Arraiolos, as mesmas podem ser visualizadas em: