domingo, 3 de março de 2019

“Micael Isidoro termina Volta ao Ruanda no 28.º lugar”

A prova foi ganha pelo eritreu Merhawi Kudus

Fonte: Lusa

Foto: DR Record

O português Micael Isidoro (BAI-Sicasal-Petro Luanda) terminou este domingo no 28.º lugar a Volta ao Ruanda, ganha pelo eritreu Merhawi Kudus (Astana).

Isidoro foi hoje o 41.º a cruzar a meta da oitava e última etapa, que teve partida e chegada em Kigali, a 9.57 minutos do vencedor, o colombiano Rodrigo Contreras (Astana), e concluiu a corrida no 28.º posto, a 25.14 de Kudus.

Fonte: Record on-line

“Iron Brothers prontos a derrubar barreiras”

Miguel e Pedro Ferreira Pinto vão desafiar-se em setembro no IronMan 70.3 de Cascais. Mas querem mais

Por: Fábio Lima

Tudo começou no verão passado, à boleia de um vídeo dos irmãos Brent e Kyle Pease. Aí, nesse momento, nasciam os ‘Iron Brothers’, compostos por Miguel e Pedro Ferreira Pinto.

O primeiro, de 32 anos, é advogado e atleta amador, ao passo que o segundo, de 30, é portador de paralisia cerebral e sempre teve um encanto especial pelos temas desportivos, especialmente por aquilo que o seu irmão fazia.

"Vimos o vídeo juntos e ele ficou com um brilhozinho nos olhos…", lembra Miguel, sem esperar aquilo que viria a seguir: o desafio por parte do seu irmão para fazerem um Iron Man 70.3... em conjunto.

"A princípio assustou-me um bocado", confessa, mas depois de conseguir completar a distância a solo (também no ano passado) ganhou a confiança necessária para dar o passo em frente. Era hora de se desafiar numa prova que contempla 1,9 quilómetros a nadar, 90 de bicicleta e 21,1 a correr, isto na companhia do irmão, o qual terá de transportar ao longo de todo o percurso.

Na natação irá ‘rebocá-lo’ numa canoa, no ciclismo numa bicicleta adaptada para o efeito e, por fim, na corrida, conforme se pode ver na foto acima, com recurso a uma cadeira de rodas.

Um desafio que toma uma dimensão maior nestas circunstâncias. Condições que obrigam a um investimento bem avultado, na ordem dos 10 mil euros. Uma verba que os ‘Iron Brothers’ não tiveram de dispender, tudo graças à ajuda de empresas como a GravityPaint (cadeira de corrida) ou a Luz Saúde (bicicleta), que patrocinaram a compra dos materiais necessários para a prova.

 

O material necessário

Bicicleta: 5000 euros (2500 euros no quadro, 1000 nas mudanças...)

Cadeira de corrida: 1200 euros

Fatos para natação e outros acessários: 2000 euros

 

Ciclismo como ‘handicap’

A meio ano do dia da verdade (29 de setembro, em Cascais), e ainda com muito para preparar, Miguel confessa desde já que apenas uma coisa o assusta: a fase da bicicleta. "Tenho um pouco de medo das subidas da corrida, mas acho que o pior será o ciclismo". Mas nada que um ‘boost’ de ânimo nessa fase não resolva. E até aí a escolha da prova foi feita a dedo: "Foi emocional, para estarmos perto dos nossos, para estarmos a jogar em casa". Tudo para que naquela manhã de setembro nada falhe...

Decisiva para que nesse dia tudo corra da melhor forma será também a preparação feita nestes seis meses que restam. E mesmo que falte algum tempo, a preparação já vai sendo feita a um ritmo elevado. Nesta fase, explica-nos, o treino é de "condicionamento geral", com cerca de 25 horas semanais de trabalho e médias de 230 quilómetros de bicicleta, 50 de corrida e 20 de natação. Há também provas no programa para as próximas semanas (uma de dez quilómetros, uma maratona e uma maratona).

Números incríveis, especialmente tendo em conta que para lá da vida de atleta amador também tem a sua atividade profissional, mas que acabam por ser necessários para atingir o objetivo. Pelo menos no plano desportivo...


Mais do que desporto

Para lá da componente desportiva, os Iron Brothers têm também uma preocupação solidária e inclusiva. A ideia, explica Pedro, passa por chamar a atenção para a necessidade da inclusão das pessoas com deficiência e também angariar fundos para prover instituições e pessoas individuais de melhores condições.

"Que o projeto desportivo seja o megafone do projeto social", pede o mentor desta iniciativa, que nas últimas semanas deu um novo passo nesse sentido, ao lançar uma campanha de recolha de tampas de plástico, as quais ajudarão o Fundo Iron Brothers. Um fundo que, refira-se, é também alimentado pela venda de camisolas alusivas ao projeto. Todas as informações podem ser consultadas no Facebook, em www.facebook.com/ironbrotherstri


Elogios à organização do IronMan 70.3 de Cascais

"Foram impecáveis. Foi um contacto rápido e eles mostraram-se por um lado assustados mas por outro bastante entusiasmados; nunca mostraram estar de pé atrás. Foram ter com a marca para saber se era possível e intercederam por nós. Num mês começámos a falar com eles e tivemos a nossa resposta e foram incríveis. Esclareceram que todas as regras são as normais, à exceção da bicicleta, que sai dos parâmetros. Todas as regras são as mesmas e acho bem que seja assim", refere.


Uma semana de treinos em números

Corrida: 50 km

Bicicleta: 200 a 230 km

Natação: 20 km


Segunda-feira: 1:30 horas de natação às 6:00, seguida de elásticos; 1 hora de corrida ao final da tarde

Terça-feira: 1 hora de TRX pela manhã; 1:30 horas de bicicleta à tarde

Quarta-feira: 1:30 horas de natação às 6:00, seguida de elásticos; treino de séries ao final da tarde

Quinta-feira: 1 hora de TRX pela manhã; 1:30 horas de bicicleta à tarde

Sexta-feira: 1:30 horas de natação às 6:00, seguida de elásticos; Treino de rampas ou fartlek ao final da tarde

Sábado: 1:30 horas de natação às 7:30; 2 horas de bicicleta, com rampas em Monsanto*; 6 horas de treino no total

Domingo: volta de ciclismo de duas a cinco horas, com treino com o CNATRIL

Fonte: Record on-line

“João Silva venceu o Prémio Cidade de Fafe (prova de abertura de juniores)”

João Silva venceu destacado o Prémio Cidade de Fafe, prova de abertura da época desportiva de ciclismo de estrada para a categoria de juniores pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã. A formação Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact venceu a classificação coletiva e a espanhola Maria de Jesus Barros a classificação feminina.

Com um percurso de 85,4 quilómetros, cumprido numa média superior a 38,8 kms/hora, o Prémio Cidade de Fafe foi disputado por um pelotão de 85 jovens corredores que foram muito aplaudidos e incentivados por muito público ao longo de todo o percurso que começou e terminou na praça 25 de Abril, em pleno centro de Fafe. Com passagens pelos concelhos de Fafe, Póvoa de Lanhoso e Guimarães, o Prémio Cidade de Fafe, pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã, foi promovido pela Associação de Ciclismo do Minho com o apoio da Câmara Municipal de Fafe.

Várias movimentações no pelotão animaram a corrida logo desde o início, com algumas tentativas de fuga a serem protagonizadas, mas o pelotão atravessou compacto a vila de Caldas das Taipas. Na aproximação ao Centro de Ciclismo do Minho (Souto Santa Maria - Guimarães) João Silva (Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact) isolou-se na frente da corrida e empreendeu uma fuga que o levou à vitória final. O pelotão não conseguiu anular a iniciativa de João Silva, que chegou a ter uma vantagem de três minutos, nem os vários corredores que saíram do pelotão em perseguição conseguiram aproximar-se no ciclista da ACR de Roriz (Barcelos).

As dificuldades do percurso foram fracionando o pelotão, em especial já depois da segunda parte do trajeto, com João Silva a entrar no característico empedrado da praça 25 de abril, na cidade de Fafe, com uma diferença superior a um minuto em relação aos perseguidores.

Consagrado João Silva, ciclista da Associação Cultural e Recreativa de Roriz natural de Braga, como vencedor do Prémio Cidade de Fafe, João Carvalho (Bairrada) chegou à meta com a diferença de 1m27s e, dois segundos depois, André Domingues (Escola de Ciclismo Bruno Neves). Seguiram-se na classificação Julian Espinoza e João Macedo da equipa Bairrada, Pedro Silva e Manuel Barbosa da Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact, Tomás Martins (Bairrada), José Oliveira (SC Bike Team) e Pedro Crispim (Bairrada).

Maria de Jesus Barros, da equipa Concello do Porriño / Abanca, foi a vencedora da classificação feminina.

Por equipas a vitória foi da formação Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact, seguindo-se a equipa Bairrada e o Centro Ciclista de Barcelos / A.F.F. / Flynx / H.M. Motor.

Além de muito público, o Prémio Cidade de Fafe contou com a presença de várias individualidades, entre as quais Pompeu Martins (Vereador do Desporto da autarquia fafense), José Martins (consagrado ciclista português que representou as equipas Coelima, Canada Dry-Gazelle, Kas-Campagnolo, Teka e Moliner-Vereco), Manuel Martins (ex-ciclista), Francisco Marinho (membro do Conselho de Arbitragem da FPC e Vice-Presidente Honorário da ACM), Manuel Fernandes Castro (Presidente Honorário da ACM) e José Luís Galdamez (Sócio Honorário da ACM), entre outros.

O Prémio de Ciclismo Cidade de Fafe foi organizado pela Associação de Ciclismo do Minho com o apoio da Câmara Municipal de Fafe, Federação Portuguesa de Ciclismo, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Score Tech, Guimarpeixe, Jopedois, Auto Terror, Polícia Municipal de Fafe, Bombeiros Voluntários de Fafe e Infraestruturas de Portugal.

Além do Prémio de Ciclismo Cidade de Fafe (Prova de Abertura de Juniores - Zona A / Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã), o concelho de Fafe acolherá este ano a Taça de Portugal - Cadetes (Prémio de Freguesia de Golães / Troféu José Martins no dia 27 de abril), o Prémio Festas do Concelho de Fafe - Juniores (13 de julho), o Prémio Fafe - Sala de Visitas do Minho (7 de setembro) e ainda o 18º BTT DHI Freguesia de Armil (7 de abril) atividades apoiadas, como habitualmente, pela Câmara Municipal de Fafe. O concelho fafense assumirá ainda destaque na edição deste ano da Volta a Portugal em Bicicleta.

Fonte: ACM

“Pedalar por Creixomil (Guimarães)”

A Junta de Freguesia de Creixomil – Guimarães promove no próximo dia 17 de março o “BTT - Pedalar por Creixomil”, iniciativa de apoio aos Bombeiros Voluntários de Guimarães que conta com a colaboração da Associação de Ciclismo do Minho.

A iniciativa é aberta à participação de todos os interessados e prevê a participação em duas vertentes: passeio de família (cerca de 10 quilómetros, dificuldade baixa) e passeio de BTT (cerca de 20 quilómetros, dificuldade baixa/média).

A concentração está marcada para o Multiusos de Guimarães (09h30) e a participação está sujeita a inscrição prévia que deverá ser feita através do endereço de email btt@jf-creixomil.com (indicar nome, data de nascimento e número de cartão do cidadão para efeitos de seguro), endereço através do qual podem ser obtidas mais informações.

A iniciativa conta com a coordenação da Erdal e apoio da União das Freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião, Polícia de Segurança Pública - Guimarães, Bombeiros Voluntários de Guimarães e da Associação de Ciclismo do Minho, entre outros.

Fonte. ACM

“Equipa Portugal/Dia mau dos gémeos Oliveira não compromete luta por Tóquio”

Por: José Carlos Gomes

Portugal continua em lugar de apuramento para a prova masculina de madison dos Jogos Olímpicos de Tóquio, apesar de a dupla formada por Ivo e Rui Oliveira ter hoje ficado na penúltima posição do Campeonato do Mundo de Pista, em Pruszków, Polónia.

A qualificação olímpica é uma prova de fundo, para a qual conta toda a época desportiva. Por isso, Portugal já entrou a ganhar no Mundial, dado que a Holanda não conseguiu apurar-se para a competição deste domingo, acabando por ser ultrapassada no ranking olímpico de madison pelos portugueses,

O desempenho menos conseguido na Polónia, com os portugueses a perderem três voltas, não foi aproveitado pelas seleções presentes e que concorrem diretamente com Portugal pela qualificação, já que nenhuma conseguiu ultrapassar os lusos no ranking.

Ivo e Rui Oliveira até começaram bem a prova deste domingo, pontuando logo no terceiro dos 20 sprints da prova de 50 quilómetros. No entanto, no momento em que o ritmo dos melhores se tornou mais violento, a dupla nacional não teve capacidade de resposta, cedendo três voltas para o pelotão principal, acabando na 17.ª posição, com 57 pontos negativos.

A luta pelo título mundial foi intensa entre as seleções capazes de completarem os 50 quilómetros à extraordinária média de 59,243 km/h. Os alemães Roger Kluge e Theo Reinhardt foram os melhores, com 105 pontos. Seguiram-se os dinamarqueses Lasse Norman Hansen e Casper von Folsach, com 84 pontos, e os belgas Kenny de Ketele e Robbe Ghys, com 82.

“Foi uma corrida em que as três melhores seleções fizeram uma média 2 km/h superior ao que aconteceu no anterior Mundial e nas melhores provas da Taça do Mundo. O Ivo e o Rui não entraram bem no ritmo intenso da corrida e isso foi gerando fadiga, que se acumulou e provocou o resultado aquém do que esperávamos. Ainda assim, foi importante terminar a corrida, porque isso permitiu somar pontos para o ranking olímpico. A qualificação mantém-se possível, mas teremos de melhorar no Europeu de elite e na próxima época da Taça do Mundo”, explica o selecionador nacional, Gabriel Mendes.

Fonte. FPC