segunda-feira, 18 de junho de 2018

“Pedro Oliveira no SellaRonda Hero.2018”

Texto: José Morais/Com Humberto Ratinho

Fotos: Pedro Oliveira/Organização SellaRonda Hero.2018

Sellaronda é o nome dado à rota de esqui e estrada ao redor do grupo Sella, um grupo de montanhas das Dolomitas localizado em Italia, entre os vales de Fassa, Livinallongo, Badia e Gardena, incluindo teleféricos de esqui alpino, ciclismo e trilhas para caminhadas.

A partir do circuito de Sellaronda, é desenvolvida a famosa maratona de granfondo das Dolomitas, que acontece todos os anos em julho. Desde 2006, tem havido também um evento amador não competitivo chamado Sella Ronda Bike Day, que prevê o fecho do tráfego de quatro pistas, reservando-o por um dia para os amantes da bicicleta, este evento precede o herói Südtirol Sellaronda, que anualmente atrai mais de 4000 ciclistas.

E um desses ciclistas era português, de nome Pedro Oliveira, um atleta e amante do desporto, com 39 anos de idade, mais uma vez voltou a participar no SellaRonda Hero, foi no passado dia 16 de Junho.

Sendo ele um atleta amador, contando apenas com uma pequena ajuda, um patrocínio de uma loja de bicicletas do Pinhal Novo, a Ciclopinhal, Lda pensa que foi o único português a representar Portugal, neste Grande evento que conta para o campeonato do Mundo.

Pedro Oliveira, não foi à procura de um lugar no pódio, as suas intenções eram apenas voltar a disfrutar das belas paisagens que tinha visto e percorrido, em 2015, com o seu grande amigo Humberto Ratinho.

O seu grande objetivo era chegar ao fim, o que conseguiu, e no final da prova, partilhou com os seus amigos e familiares mais esta grande aventura, a referir as seguintes palavras: “Sendo provavelmente o único português, a participar na prova, ficando em 103, entre os 290 participantes na minha categoria, onde correram 4018 atletas, estou muito orgulhoso.

Obrigado a todos aqueles que me apoiaram, principalmente à minha mulher e família"

Estas foram as palavras de Pedro Oliveira, após a sua participação em mais um SellaRonda Hero, realizado em Selva Di Vale Gardena, Dlolmiti, Itália.

Este ano, o maravilhoso Monte Sella e o circuito afortunado que o rodeia, o mundialmente conhecido Sellaronda, foi palco de uma das mais amadas e difíceis competições de MTB de sempre: o Sellaronda Hero 2018, mais conhecido agora como " HERÓI Sütirol Dolomites ".

O início da emocionante e desafiadora corrida Mountain Bike dos vales ladinos das Dolomitas (Gardena, Fassa, Fodom e Badia) foi em Selva Val Gardena às 07:10 fa manhã, no passado dia 16 de junho de 2018.

Com dois percursos disponíveis: um de 86 e outro de 60 quilómetros, onde apenas MT Bikes são admitidos, nenhum outro tipo de bicicleta é aceite.

Sendo esta a ocasião para testar o poder físico dos ciclistas, mas também para apreciar a beleza de um dos cenários mais surpreendentes do mundo, a Dolomites Unesco, um evento a cargo da HERO Südtirol Dolomites


E aqui fica um pouco da história do evento:

A idéia veio para Peter Runggaldier (ex-esquiador de renome internacional) quando viu que nos últimos anos houve um crescimento notável na presença de mountain bike nos vales de Ladin.

 A primeira edição do Südtirol Sellaronda Hero data de 26 de junho de 2010, na qual 400 participantes de 16 países diferentes se registraram. Esta foi a única edição em que o pódio foi todo italiano, com Klaus Fontana vencendo o recorde no percurso de 82 km e Anna Ferri entre as mulheres na rota de 50 km.

 Em 2012 começa a era de Leonardo Hector Paez, vencendo o herói Sellaronda por 82/84 km por três anos consecutivos. Só em 2015, quando a edição do Herói vale como uma corrida para se formar campeão mundial, Leonardo Hector Paez deve se render a Lakata Alban e Sauser Christoph.

É, portanto, Lakata que alcança a supremacia e o título de campeão mundial da Maratona UCI. Entre as mulheres, está a norueguesa Dahle Flesjaa Gunn-Rita para se formar na UCI Marathon World Champion. Em 2016, a corrida passou a se chamar HERO Südtirol Dolomites e, a partir de 2018, o BMW HERO Südtirol Dolomites. A edição de 2018 vê Leonardo Hector Paez retornar o vencedor pela quinta vez.

O percurso rodoviário das quatro passagens que o compõem tem cerca de 55 km de comprimento e é particularmente frequentado por ciclistas; estas subidas foram viajadas em muitas ocasiões pelo Giro d'Italia que fez a história.










 
 
 

“Ana Filipa Santos vence o Campeonato Ibérico de Média Distância”

A triatleta portuguesa Ana Filipa Santos é bicampeã ibérica de Triatlo de media distância Dia 17 de junho realizou-se o Triatlo de Salamanca 2018 que recebeu o Campeonato Ibérico de Média Distância, uma prova que integra os calendários competitivos da Federação de Triatlo de Portugal e da Federação Espanhola de Triatlo. A primeira edição foi o ano passado em território nacional, em Monte Gordo, e este ano passou para Espanha, tendo recebido 50 portugueses.

No total, foram quase 400 triatletas que alinharam à partida na distância média e standard e que puderam desfrutar do melhor de Salamanca, da vista do rio da Ponte Romana, ou da catedral da bela cidade espanhola.

O percurso de natação realizou-se no rio Tormes, junto à catedral de Salamanca e à ponte de Juan Carlos I. 1,9k, na média distância e 1,5km para a distância standard. O ciclismo passou pela ponte Romana, com quatro voltas para a média distância e duas na distância standard, com transição no Passeio do Congresso.

Os pódios em português do Campeonato Ibérico

Em femininos a vitória foi portuguesa com Ana Filipa Santos, do Rio Maior Triatlo, a ficar na primeira posição; a triatleta portuguesa que tinha ganho a primeira edição do Campeonato Ibérico em Monte Gordo revalidou assim o título, conseguindo uma vantagem de quase dois minutos sobre Cristina Roman e a Verónica Uribe, na segunda e terceira posições respetivamente.

«Foi uma prova desafiante, com um percurso de natação com corrente no retorno, um percurso de ciclismo com ‘sobe e desce’ e com piso sinuoso. A corrida passa também por um circuito urbano com o piso em paralelo, tem um pouco de tudo», explica Filipa. A triatleta portuguesa encontra-se ainda numa fase de carga em preparação para o Campeonato do Mundo que se irá realizar na Dinamarca, no dia 14 de julho. «Sabia que provavelmente me iria sentir mal, mas ser triatleta é mesmo isso, temos que nos preparar para as piores sensações e saber lidar com elas!» Para Ana Filipa Santos que tinha alguma esperança de ganhar em Salamanca, é necessário arranjar estratégias mentais para ultrapassar as dificuldades. «Eu uso uma técnica que é a ‘ancoragem’, em que penso numa coisa ou situação muito boa e tento agarrar-me mentalmente a isso, para poder ‘sair’ um pouco daquele sofrimento». A triatleta nacional isolou-se logo na água, mantendo a posição ao longo da prova, ficando satisfeita por ter alcançado o objetivo de vencer a competição! O próximo objetivo será a 14 de julho…

O primeiro português a passar a meta foi Jorge Duarte, da equipa da Marinha Portuguesa, que alcançou o terceiro lugar da geral. A equipa da Marinha venceu a competição por equipas.

«Como é habitual, perdi muito tempo na natação para os primeiros triatletas», explicou Jorge Duarte que referiu também a confusão dentro de água até à primeira boia. «Depois foi sempre a tentar perder o menor tempo possível, embora tenha perdido mesmo assim mais de 6 minutos em relação ao primeiro, pelo que saí em 31º lugar.» O Triatleta da Marinha considerou o percurso de ciclismo com alguma dureza no ‘sobe e desce’ e «como é um segmento onde me sinto muito bem, recuperei 27 lugares e saí para a segunda transição na quarta posição, fazendo o segundo melhor tempo parcial com média de 36,2km». Jorge entrou no percurso da corrida sempre com a ideia que ser possível chegar ao pódio, o que efetivamente aconteceu – 1h14 – acabando por conquistar a medalha de bronze.

A equipa da Marinha conseguiu também ser a melhor equipa da competição, com este 3º lugar, 15ª posição do Idelfonso Mendonça e o 22º lugar de Luís Fernandes.

O triatleta mais rápido a realizar a prova foi Diego Paredes, ficando a seis minutos do segundo classificado Alberto Bravo.

Fonte: FTP

“II Triatlo David Vaz”

O 2º Triatlo David Vaz realizou-se dia 17 de junho, no Fundão

Realizou-se o II Triatlo David Vaz, com uma prova de triatlo, na distância sprint, com roda e uma prova jovem de duatlo de estrada.

Excecionalmente este ano, e por problemas de qualidade da água na barragem de Àgueda, local inicialmente previsto, esta prova assumiu o modelo tradicional do anterior Triatlo do Fundão, decorrendo entre a Barragem da Capinha e o Fundão, com meta instalada junto do Pavilhão Multiusos.

Assim, esta segunda edição teve um percurso de natação de 750 metros na barragem da Capinha, com partida dentro de água, o ciclismo teve um trajeto em linha com algum desnível, realizado em asfalto, entre a barragem da Capinha e o Fundão. Na corrida, também em asfalto, contou com duas voltas com algum desnível.

O Duatlo Jovem realizou-se no centro do Fundão, com partida e chegada perto da meta no Espaço Feira.

Resultados da Taça de Portugal

Inês Oliveira, do Sporting Clube Portugal, foi a primeira a cortar a meta

Esta etapa da Taça de Portugal foi ganha pelo Sporting Clube de Portugal com Inês Oliveira, Katarina Larsson e Mónica Vera Cruz com os tempos respetivos de 01:11:38, 01:15:00 e 01:24:30.

Inês Oliveira não estava à espera de ter conseguido alcançar este resultado: «Foi uma prova um pouco dura devido ao calor que se fez sentir, e também devido ao percurso de ciclismo e de corrida.» A triatleta do Sporting Clube de Portugal considera que fez ‘uma natação dentro do normal esperado e um ciclismo razoável, sendo que na corrida foi dar o máximo que as pernas conseguiram’. Inês ficou obviamente muito satisfeita com o desempenho nesta competição que lhe deu uma vitória individual e coletiva. «Quanto ao resultado de equipa também ficamos satisfeitas: íamos com o objetivo de ganhar e termos conseguido foi muito bom!»

Mais uma vitória de João Ferreira, a nível individual e coletivo

Na competição masculina foi a vez do Estoril Praia Triatlo subir ao pódio, com João Francisco Ferreira, com o tempo de 00:59:37, Diogo Silva com 01:00:26 e Bruno Pais que fez a prova em 01:02:08.

João Ferreira que desta vez conseguiu marcar presença nesta prova tão especial em ‘honra do Grande David Vaz’ explica a dificuldade deste ano em conciliar a situação profissional com os treinos, nomeadamente na natação. «Não me sinto forte na natação, mas consegui sair logo no grupo perseguidor aos primeiros triatletas. Sabia que estava forte no ciclismo por estar a apostar na longa distância e a minha intenção é cada vez mais mostrar em Portugal que o triatlo não é uma corrida lançada, como muitos ainda pensam.» O triatleta do Estoril Praia Triatlo explica satisfeito: «Mais uma vez esta época consegui entrar numa fuga no ciclismo e na corrida, que foi muito dura, geri a vantagem e aumentei-a! O objetivo de alcançar a vitória coletiva foi alcançado.» Para João Ferreira, as futuras metas passam pelo Campeonato Nacional de Clubes de Longa Distância, CN de distância standard e média, mas, principalmente, o triatleta está focado em provas internacionais do circuito Challenge e IRONMAN.

Posições absolutas no Triatlo David Vaz

Inês Oliveira (01:11:38), do Sporting Clube de Portugal e João Ferreira (00:59:37), do Estoril Praia Triatlo, foram os vencedores desta segunda edição.

Na segunda posição ficou Diogo Silva (01:00:26), do Estoril Praia Triatlo e Katarina Larrson (01:15:00), do Sporting Clube Portugal.

A fechar o pódio estiveram os triatletas Daniela Sampaio, do Alhandra Sporting Club e Gil Maia, do Lusavouga – BH Porto Triatlo, que fizeram 01:17:19 e 01:01:03 respetivamente.

O II Triatlo David Vaz é uma organização da Câmara Municipal do Fundão, Clube de Triatlo do Fundão e Associação David Vaz, com o apoio técnico da Federação de Triatlo de Portugal.

Este Triatlo tem o nome de alguém muito especial que nasceu no Fundão e que dedicou a sua vida ao desporto e ao triatlo. De uma alegria contagiante, sempre bem-disposto e pronto a apoiar quem o rodeava, David Vaz cruzou amigos e uniu muitas pessoas que não se conheciam anteriormente, mesmo depois de ter partido em agosto de 2016. A vida dele continua através de todos aqueles que gostavam deste grande homem apaixonado pela vida e também pela David Vaz Associação, organizadora de vários eventos e defensora de causas.

Podes fazer parte desta Associação e participar nos treinos de corrida todas as segundas em Monsanto.

Fonte: FTP

“CIRCUITO PORTUGAL TOUR BIATLE 2018 – Abrantes”

6 CAMPEÕES TORREJANOS no NACIONAL DE BIATLE

ABRANTES recebeu no passado domingo, dia 17 de Junho, a 4ªetapa do Circuito Portugal Tour de Biatle em simultâneo com o CAMPEONATO NACIONAL DE BIATLE.

Este evento organizado pela Federação Portuguesa de Pentatlo Moderno, foi disputado no Aquapolis-Margem Norte do Rio Tejo em Abrantes, e contou com a participação de mais de uma centena de atletas, com as provas a serem disputadas num formato de Biatle Outdoor continuo, ou seja, com os atletas a realizarem dois segmentos de corrida, com distâncias que variaram entre os 200m e 1.600m, e pelo meio um segmento de natação, em distâncias que variaram entre os 50m e 200m.

A ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS, esteve representada na 4ªetapa do Circuito Portugal Tour de Biatle por 40 atletas nos vários escalões, e arrecadou 12 medalhas no Campeonato Nacional de Biatle.

MARIA SOUSA em SUB 9, DUARTE SANTOS em SUB 17, JOANA MIRNDA em SUB 19, CAROLINA SERRA em JUNIORES, ANA RITA AMARO e MARCO SOUSA em M40+ sagraram-se CAMPEÕES NACIONAIS DE BIATLE 2018.

O início desta etapa foi dado pelas 10h15 com a realização da prova para os atletas SUB 9, e Maria Sousa a alcançar o 1ºlugar.

Nos SUB 11, Francisca Leirião obteve o 2ºlugar, e sagrou-se Vice-campeã Nacional, o mesmo titulo obtido por Miguel Pereira em masculinos.

A melhor torrejana em SUB 13 foi Matilde Moita, que terminou em 3ºlugar.

Em SUB 15, João Nuno Batista alcançou o 2ºlugar, e sagrou-se Vice-campeão Nacional, e Gustavo do Canto foi 3ºclassificado.

Duarte Santos foi outro atleta torrejano em destaque ao alcançar o 2ºlugar no escalão SUB 17, sagrou-se Campeão Nacional de Biatle 2018.

Joana Miranda alcançou o 2ºlugar em SUB 19, mas também se sagrou Campeã Nacional, o mesmo titulo alcançado em JUNIORES por Carolina Serra que venceu a sua prova, enquanto Madalena Duarte ao subir ao pódio em 2ºlugar, sagrou-se Vice-campeã Nacional.

Por último no escalão M40+, Rita Amaro e Marco Sousa venceram as suas provas, e são Campeões Nacionais de Biatle neste escalão, com Paulo Leirião a subir ao pódio em 3ºlugar.

Entretanto, à margem desta prova em Abrantes, 5 atletas torrejanos participaram em provas de triatlo realizadas no Fundão e em Espanha (Salamanca e Corunha).

Gonçalo Martins esteve presente na 5ªedição do NORTHWEST TRIMAN, uma prova em distância IRONMAN (3.8km/natação, 180kms/ciclismo e 42.2km/corrida) realizada na Galiza, aonde o atleta do Clube de Natação de Torres Novas alcançou a 36ªposição à geral com um tempo de 10h38m.

Pedro Razões, também esteve este domingo em Espanha, mais concretamente em Salamanca, e participou numa prova de triatlo de distância média longa (1,9km/natação, 90kms/ciclismo e 21,1km/corrida), a contar para o Campeonato Ibérico de Triatlo, terminou a sua prova com um tempo de 6h05m.

Por fim, 3 atletas mais jovens participaram numa etapa do Circuito Regional Centro Interior que se realizou no Fundão. Martim Salvador em Iniciados alcançou o 2ºlugar e Manuel Dias foi 4ºclassificado. Em Juvenis, José Tadeia subiu ao pódio no 3ºlugar.

A próxima prova realiza-se Alhandra, no próximo sábado dia 23 de Junho, e será mais uma etapa da Taça de Portugal de Triatlo, realizando-se também uma prova em formato super-sprint que servirá de apuramento para o Campeonato da Europa de Triatlo em Youth (Cadetes e Juvenis de 2ºano).

Fonte: ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS