sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

“Volta a Omã: Kristoff vence 4.ª etapa e Rui Costa mantém 2.º posto”

Belga Ben Hermans mantém a liderança

Por: Lusa

Foto: Getty Images

Rui Costa (UAE Abu Dhabi) manteve esta sexta-feira a segunda posição da Volta a Omã, após a quarta etapa, vencida ao sprint pelo norueguês Alexander Kristoff (Katusha).
Vencedor da primeira tirada, Kristoff bisou na Volta a Omã, ao ser o mais rápido à chegada ao Ministério do Turismo, em Mascate, gastando 2:50.29 horas para cumprir os 118 quilómetros do percurso, que se iniciou em Yiti (Al Sifah).

No sprint final, Kristoff bateu o italiano Sonny Colbrelli (Bahrain-Merida) e o belga Greg Van Avermaet (BMC), campeão olímpico.
Na classificação geral, o belga Ben Hermans (BMC) mantém a liderança, agora com cinco segundos de avanço sobre Rui Costa, que hoje terminou na 30.ª posição, com o mesmo tempo do vencedor, e com 13 sobre o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana).
No sábado, corre-se a quinta etapa, com uma ligação de 152,5 quilómetros entre Samail e Jebel Akhdar (Montanha Verde), com a meta a coincidir com uma contagem de montanha.

Fonte: Record on-line

“Volta à Andaluzia: Valverde volta a liderar por... um segundo”

Espanhol foi 2.º no contrarrelógio mas 'rouba' camisola vermelha a Contador

Por: Lusa

Foto: EPA

O espanhol Alejandro Valverde, chefe de fila da Movistar, recuperou a camisola vermelha na Volta à Andaluzia, que agora está 'segura' por um segundo apenas após a 3.ª etapa, um contrarrelógio de 12 km na região de Córboda.
Segundo na etapa, a um segundo do vencedor do dia, o belga Victor Campenaerts (LottoNL-Jumbo) - que cumpriu o percurso em 14.55 minutos -, Valverde superou o anterior camisola vermelha, o espanhol Alberto Contador (Trek-Segafredo), por cinco segundos, prolongando a luta pela vitória final para as etapas de sábado e domingo.

Praticamente plano e bastante curto, o 'crono' não provocou grandes diferenças, que foram mínimas entre os melhores ciclistas, nomeadamente os três mais em forma - Valverde, Contador e o francês Thibaut Pinot (FDJ), este a ceder oito segundos para Valverde.
No sábado, Valverde vai para a estrada na frente, mas tem Contador a um segundo e Pinot a seis. O holandês Wout Poels (Sky), surge em quarto lugar, a 21 segundos e já parece fora das contas para o pódio.
O único português em prova é André Cardoso, da Trek-Segafredo, que fez um contrarrelógio muito discreto, terminando no 107.º lugar, a 1.53 de Campenaerts. Na classificação geral, desceu quatro lugares e está em 26.º, a 5.29 minutos do camisola vermelha.
A penúltima etapa corre-se no sábado, com o pelotão a deslocar-se entre La Campana e Sevilha, na distância de 179,3 quilómetros. Com alguma montanha de terceira categoria a meio, é plana na parte final e será essencialmente um 'teste' à força das equipas na defesa dos seus líderes.

Fonte: Record on-line

“Trabalho específico da EFAPEL na Volta ao Algarve”



 
Corredores cumpriram contra-relógio individual em Sagres

A equipa de ciclismo EFAPEL enfrentou o terceiro dia de competição na Volta ao Algarve que ficou marcado pelo contra-relógio individual com 18 quilómetros de extensão na zona de Sagres. Com o objectivo de trabalhar esta vertente tão específica do ciclismo, os corredores da formação focaram-se em evoluir a pensar nas próximas provas do calendário.

Num dia soalheiro na região mais a Sudoeste do país, os ciclistas tiveram de lutar a solo contra o relógio. No cardápio estava um percurso com 18 quilómetros de extensão semelhante ao do ano passado em que o vencedor tinha cumprido a distância a uma velocidade média superior a 51 km/h. Sem preocupações ao nível da classificação geral individual, os corredores da EFAPEL receberam instruções para aproveitarem este desafio para fazer trabalho específico.

“Preocupámo-nos em trabalhar o contra-relógio a pensar no futuro. Não temos muitas oportunidades para correr este tipo de esforço individual e sem a preocupação de um resultado, concentrámo-nos no futuro. Vamos fazer o mesmo, de uma forma diferente, nas próximas etapas até a competição terminar”, explicou o director desportivo, Américo Silva.

Cumpridos os três primeiros dias de prova com chegadas ao sprint, montanha e contra-relógio, o dia de amanhã é mais uma oportunidade para os sprinters brilharem. A etapa entre Almodôvar e Tavira é a mais longa desta 43ª edição da Volta ao Algarve. São 203,4 km com três metas volante e um prémio de montanha de quarta categoria.


Classificação da terceira etapa

    Jonathan Castroviejo        Movistar Team                21m24s

    Tony Martin            Team Katusha Alpecin        a 4s

    Primozz Roglic        Team Lotto NL                a 5s


103º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                a 2m08s

122º    Mateo Garcia            EFAPEL                a 2m24s

135º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 2m34s

170º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 3m04s

173º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 3m10s

182º    Rafael Silva            EFAPEL                a 3m41s

187º    Jesús del Pino        EFAPEL                a 3m50s

193º    António Pereira Barbio    EFAPEL                a 4m25s


Classificação geral individual

    Primozz Roglic        Lotto Jumbo NL            9h36m29s

    Michal Kwiatkowski        Sky                    a 22s

    Jonathan Castroviejo        Movistar Team                a 36s


65º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                a 11m22s

80º    Jesús del Pino        EFAPEL                a 14m12s

88º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 15m29s

100º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 19m08s

120º    Mateo Garcia            EFAPEL                a 20m41s

152º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 24m07s

189º    Rafael Silva            EFAPEL                a 35m46s

193º    António Pereira Barbio    EFAPEL                a 36m38s

Fonte: Efapel

“Volta ao Algarve: Presente e futuro passam por eles”

Nuno Bico e Ruben Guerreiro, ambos de 22 anos, chegaram este ano ao pelotão World Tour

Por: Ana Paula Marques

Foto: Filipe Farinha

Na Volta ao Algarve e em equipas do World Tour há dois portugueses que podem ser as novas referências do ciclismo nacional. Há outros jovens com potencial, mas é nestes que recaem, para já, as esperanças, até porque chegaram este ano ao principal pelotão mundial. Nuno Bico ingressou na Movistar; Ruben Guerreiro na Trek. Aos 22 anos.
"Temos em Portugal muitos talentos e espero que, tal como eu e o Ruben, possam também chegar onde estamos agora. Há os gémeos Oliveira, o João Almeida, o Daniel Viegas, entre outros", disse-nos Nuno Bico, natural de Viseu.

"Vamos procurar levar bem alto o nome de Portugal. Temos ambições e esperamos orgulhar os portugueses", confessou, em nome de ambos, Ruben Guerreiro, nascido em Pegões Velhos (Montijo).
Estão cientes, contudo, de que 2017 será sobretudo um ano de adaptação ao melhor pelotão do Mundo. "Trata-se de um estilo de corrida totalmente diferente. Vou procurar integrar-me o melhor possível para singrar na modalidade." E o que é, para Nuno, singrar? "Estar um dia na discussão das corridas mais importantes."
"Até para as estrelas os primeiros anos são de aprendizagem. Quero acima de tudo ter os pés bem assentes no chão. Espero crescer e estar na luta pelos primeiros lugares em corridas como estas [Volta ao Algarve]", frisou Ruben Guerreiro, que já deu nas vistas no Tour Down Under.
E chegarem um dia a líderes de uma equipa? "Claro que gostava. Mas sou ainda novo para pensar nisso. Um passo de cada vez. Vamos ver o que o futuro me reserva", disse Nuno Bico, que gostava de fazer pelo menos uma das três grandes voltas e as clássicas das Ardenas. O mesmo desejo tem Ruben Guerreiro. "Gostava de chegar a uma grande volta e ter a capacidade de estar bem."
Chegaram ao World Tour este ano, mas já corriam em equipas estrangeiras de escalão inferiores: Nuno Bico veio da Klein Constantia; Ruben Guerreiro esteve os dois últimos anos na Axeon, onde agora estão os gémeos Oliveira. 

Fonte: Record on-line

“43.ª Volta ao Algarve”

Etapa para Castroviejo e amarela para Roglic

O espanhol Jonathan Castroviejo (Movistar Team), campeão europeu de contrarrelógio, venceu hoje a terceira etapa da Volta ao Algarve, um exercício individual de 18 quilómetros, que levou o esloveno Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo) ao topo da classificação geral.

A chamada “prova da verdade”, disputada em Sagres, no mesmo percurso que acolheu o contrarrelógio da edição anterior da corrida, permitiu a Jonathan Castroviejo estrear a camisola de campeão da Europa, afirmando-se como um dos melhores especialistas mundiais na disciplina.

O campeão europeu cumpriu os 18 quilómetros em 21m24s, melhorando 10 segundos quanto ao registo pessoal do ano anterior. O campeão mundial, Tony Martin (Team Katusha Alpecin), foi mais uma vez segundo em Sagres, com 21m28s, um desempenho 26 segundos pior do que o conseguido há um ano. O terceiro no contrarrelógio desta sexta-feira foi o esloveno Primoz Roglic, a 5 segundos do primeiro classificado.

“Quase todos os anos corro aqui no Algarve e já procurava aganhar há algum tempo. Reconheci o percurso e as sensações foram boas ao longo de todo o contrarrelógio. Em todos os contrarrelógios que corri em 2016 fiquei no Top 4. Ganhar no começo da temporada a estes rivais é muito importante. O meu rendimento na Fóia foi bastante bom e isso dá-me moral para disputar as provas de uma semana. A geral da Volta ao Algarve não está ainda decidida. O Malhão é uma subida muito explosiva e acabando aí a Volta ao Algarve cada um irá ao seu limite”, declarou o vencedor da etapa.

O terceiro lugar na etapa permitiu a Primoz Roglic, campeão esloveno de contrarrelógio, conquistar a Camisola Amarela Turismo do Algarve, assumindo-se como o principal candidato à conquista da 43.ª Volta ao Algarve. O polaco Michal Kwiatkowski (Team Sky) ascendeu à segunda posição e é o mais sério candidato a destronar Roglic. Jonathan Castroviejo é o terceiro da geral, a 36 segundos.

“Na Fóia o Daniel Martin levou a melhor. Sou tido como um especialista no contrarrelógio mas quero ser mais do que isso. Para já quero discutir as provas de uma semana. Irei defender a camisola amarela. Conheço bem a subida ao Malhão e será um dia difícil, mas conto com o apoio dos meus colegas de equipa. Cada um dará o seu melhor, eu e os meus adversários, mas, no final, espero salvaguardar a liderança”, afirmou o novo comandante.

O irlandês Daniel Martin (Quick-Step Floors) foi incapaz de defender a liderança, fazendo o 74.º tempo no contrarrelógio, descendo para o sexto posto da geral, a 1m31s do sucessor. Segura, como consolação, a Camisola Vermelha Cofidis, dos pontos, e a Camisola Azul Liberty Seguros, da montanha.

O belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal) deu mais um passo para ser, pelo segundo ano consecutivo, o melhor jovem da competição, segurando a Camisola Branca Sicasal. A Movistar Team venceu coletivamente a etapa e saltou para o comando da tabela por equipas.

A Volta ao Algarve prossegue neste sábado com a disputa da quarta etapa, a mais longa ligação da corrida, 203,4 quilómetros entre Almodôvar e Tavira. Espera-se que seja a segunda oportunidade para os sprinters brilharem, antevendo-se novo duelo entre os homens mais rápidos do pelotão, numa cidade de Tavira que acolhe a caravana sempre de forma calorosa.


Classificações

3.ª Etapa/3rd Stage: Sagres - Sagres, 18 km

1.º Jonathan Castroviejo (Movistar Team), 21m24s (50,467 km/h)

2.º Tony Martin (Team Katusha Alpecin), a 4s

3.º Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo), a 5s

4.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), mt

5.º Lars Boom (Team Lotto NL-Jumbo), a 11s

6.º Arnaud Démare (FDJ), a 12s

7.º Alex Dowsett (Movistar Team), a 16s

8.º Edvald Boasson Hagen (Team Dimension Data), a 20s

9.º Nelson Oliveira (Movistar Team), mt

10.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 21s


Geral/Overall

1.º Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo), 9h36m29s

2.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), a 22s

3.º Jonathan Castroviejo (Movistar Team), a 36s

4.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 55s

5.º Luis León Sánchez (Astana), a 59s

6.º Daniel Martin (Quick-Step Floors), a 1m31s

7.º Tony Martin (Team Katusha Alpecin), a 1m40s

8.º Tiesj Benoot (Lotto Soudal), a 1m49s

9.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), a 1m54s

10.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), a 1m56s

Fonte: FPC