terça-feira, 20 de agosto de 2019

“Taça de Portugal Jogos Santa Casa de Paraciclismo termina em festa”

Por: José Carlos Gomes

A edição de 2019 da Taça de Portugal Jogos Santa Casa de Paracicismo terminou, hoje, em clima de festa, integrando o programa da Feira de S. Bernardo, em Alcobaça.

O feriado municipal alcobacense foi aproveitado para uma tarde de ciclismo. Antes de os profissionais e os representantes das equipas de clube se fazerem à estrada para o XXVIII Circuito de S. Bernardo, foram os paraciclistas que deram mais uma demonstração de resiliência, disputando a última etapa da Taça de Portugal Jogos Santa Casa.

Foram 21 os paraciclistas participantes e a classe mais animada foi a de C5, com seis concorrentes. Hélder Maximino (360º Bike Trail/Mundimat/CC Aldeia de Paio Pires) foi o melhor em Alcobaça, mas o vencedor da geral nesta classe foi Manuel Ferreira (Silva & Vinha/ADRAP/Sentir Penafiel).

Em C4 participaram três corredores, tendo a vitória na etapa de hoje sorrido a Francisco Martins, que não evitou a conquista da Taça de Portugal Jogos Santa Casa por João Monteiro (Mozinho RT Martos Pellets). Em H4 foram também três os paraciclistas presentes em Alcobaça, com vitória de Rúben Garcia (GD Metralhas), embora a Taça fosse para o ausente Flávio Pacheco (Sporting/Tavira Paracycling).

Paulo Barreto (Extremosul/Hotel Alísios/Cenmais) foi o único corredor de classe C3 presente em Alcobaça, mas isso não impediu Paulo Teixeira (Rodabike/ACRG/Gondomar) de vencer a Taça.

Nas restantes classes os vencedores hoje foram também os donos da Taça de Portugal Jogos Santa Casa: Bernardo Vieira, em C1, Telmo Pinão (Casa do Benfica MMV/APCA/Paracycling), em C2, João Marques, em D, João Pinto, em H3, e Luís Costa, em H5.

Fonte: FPC

“Granfondo Alpiagra 209”

Realiza-se no próximo doa 8 de setembro o Granfondo Alpiagra 2019, para informações e inscrições consultar em: www.trilhoperdido.com.

“O XTERRA Alemanha com boa prestação nacional”

A 17 de agosto realizou-se o XTERRA Alemanha com três atletas nacionais na competição pro e dois atletas age groups.

Apesar de diferentes, todas as etapas do XTERRA são exigentes física e tecnicamente e o XTERRA Alemanha não foi exceção.

Rui Dolores regressou ao top 10 alcançando a 9ª posição, com o tempo de 02:41:29, depois de um resultado menos bom na República Checa, fruto de uma doença nos dias anteriores. Tiago Maia conseguiu o 11º lugar, com 02:44:07, o que evidencia a boa forma do atleta: os dois triatletas pontuaram nesta prova e irão continuar a competir, numa altura em que faltam apenas duas etapas para terminar o circuito do XTERRA Europa.

Pauline Vie alcançou a 17º posição, numa prova que avaliou como ‘técnica e de muita aprendizagem’.

François Vie fez um bom resultado no grupo de idade conquistando a terceira posição, enquanto Jean-Michel Vie ficou em 7º da sua categoria.

Rui Dolores sentiu-se bem durante a prova realizando três segmentos consistentes. «Na natação saí no top 10 com os principais candidatos à vitória, no segmento de BTT formou-se um grupo forte que trabalhou em conjunto para reduzir a diferença para os atletas da frente.» Com o ritmo mais forte no ciclismo o grupo fracionou, e Rui Dolores posicionou-se num lugar intermédio, pedalando sozinho o que exigiu maior desgaste até ao final do segmento. «Apesar de ter feito uma corrida rápida, não consegui reduzir o tempo para os atletas da frente e mantive o 9° lugar.» Na sua avaliação da prova, Dolores considera ter feito uma boa prova apesar de sentir que não está na sua melhor forma devido a algum cansaço acumulado de alguns meses. «Competições de 15 em 15 dias sempre em países diferentes obriga a uma logística muito exaustiva de viagens com a consequente falta de descanso ou e inclusive falta de tempo para cumprir um treino estruturado».

Rui irá participar nas duas etapas que faltam para terminar o circuito europeu já que o primeiro lugar ainda se mantém uma possibilidade para o atleta que neste momento se encontra na terceira posição. «No entanto, o grande objetivo será o Campeonato do Mundo de XTERRA em Maui  que vai realizar-se daqui a dois meses para o qual vou iniciar agora um bloco de treino específico. Acredito ser capaz de melhorar o resultado alcançado há dois anos onde conquistei a 13ª posição.»

Tiago Maia fez um bom segmento de natação, saindo da água em 4º lugar a 1’20’’ do primeiro atleta. «A experiência que tenho adquirido nestas competições tem sido fundamental». Tiago Maia conseguiu este ano dar um salto qualitativo na bicicleta e corrida, sendo que ainda não tinha conseguido demonstrá-lo por causa das dificuldades respiratórias na altura da primavera. «Nestas duas últimas etapas melhorei muito o meu rendimento fruto de pequenas alterações em determinados detalhes e acima o meu segredo foi inteligência e confiança», afirma o atleta. Maia conseguiu um 11º numa etapa Gold do Europeu, sendo 18º no circuito, lutando com referências mundiais da modalidade, o que demonstra a melhoria do atleta nesta época. O atleta está confiante e muito satisfeito com a evolução alcançada.

Na prova masculina destaque para o francês Arthur Serrieres que com um extraordinário segmento de corrida passou os atletas que estavam à sua frente e conquistou a terceira vitória no circuito XTERRA, ficando a um minuto do segundo classificado.

A prova foi ganha pelo francês Arthur Serrieres, o alemão Jens Roth, com 2:35:43, alcançou a segunda posição e o terceiro lugar foi para a República Checa com Lukas Kocar a subir ao terceiro lugar do pódio com 2:37:02.

 

Competição feminina no XTERRA Alemanha

A prova feminina contou com algumas das melhores triatletas mundiais, uma prova técnica na parte do ciclismo e um segmento de corrida com single tracks.

Pauline Vie realizou uma natação complicada o que acabou por condicionar o resto da prova, onde a triatleta se foi sentindo melhor nos outros segmentos. «Ao longo do percurso de BTT, que era muito físico e exigente com um desnível positivo de mais 1000m, ia me sentindo cada vez melhor», conta a triatleta nacional. Pauline apreciou a corrida onde conseguiu recuperar algum tempo, considerando o segmento ‘super divertido’ já que a maioria do percurso foi realizado em single track. A experiência da prova foi também um dos pontos assinalados pela atleta. «Retiro desta prova lições positivas que me permitirão trabalhar vários pontos técnicos no futuro», afirma.

A vitória pertenceu a Helena Karaskova, da República Checa, com 3:02:49, seguida das suíças Loanne Duvoisin, que fez o tempo de 3:03:01 e de Ladina Buss, que conquistou a terceira posição com 3:08:03.

Os atletas estão de parabéns pelos resultados obtidos, pelo que aguardamos com expectativa as próximas duas etapas que irão realizar-se no Luxemburgo e na Holanda nos dias 1 e 14 de setembro respetivamente.

Fonte: FTP

“Colorido do Ciclismo animou a Cidade”

A Escola de Ciclismo da Academia Joaquim Agostinho/UDO venceu coletivamente o 1º Encontro de Escolas que a própria realizou este domingo no Parque Verde da Várzea em Torres Vedras.

Os torrienses alcançaram o pódio em todos os escalões em que participaram, num dia que fica também marcado por uma primeira experiência organizativa de sucesso. Foram mais de 80 os jovens ciclistas que aceitaram o convite da Academia Joaquim Agostinho e transformaram a zona baixa da cidade num animado e colorido xadrez, onde o desportivismo e o convívio foram nota dominante.

À família da Academia juntaram-se filha e netos do saudoso atleta torriense que dá nome à instituição, participando de forma ativa na cerimónia protocolar do pódio, onde não faltou a devida homenagem àquele que é o melhor ciclista português de todos os tempos e um dos maiores embaixadores de Portugal pelos quatro cantos do mundo.

Na prova em linha para juvenis assistiu-se a uma disputa entusiástica entre o atleta da casa Miguel Malhado e Gonçalo Rodrigues do Clube de Ciclismo de Paio Pires, acabando este por sair vitorioso no derradeiro sprint sobre a meta. Miguel Malhado subiu ao 2º do pódio final, enquanto David Caixaria (6º), Guilherme Sarreira (9º) e Tomás Diogo (14º) completaram os resultados dos atletas da Academia neste escalão.
 

Nos infantis, realce para Francisco Massa que fechou o pódio na 3ª posição, enquanto Afonso Silva foi 10º num escalão que teve como vencedor absoluto João Anunciação da Escola de Almodôvar. Entre os iniciados, Alexandre Rocha terminou no 4º posto e também conquistou o direito de subir ao pódio onde o atleta Daniel Estevão do “Team José Maria Nicolau” ocupou o lugar mais alto. 

Os atletas benjamins foram os que garantiram para a Escola Joaquim Agostinho uma maior presença no pódio, com Ruben Pedro e Gustavo Rodrigues a ocuparem o 2º e 3º posto num escalão em que André Martins do “Team José Maria Nicolau” foi o mais regular.
   


André Silva destacou-se nos Campeonatos Nacionais

Nos campeonatos nacionais disputados este sábado e domingo no concelho de Paredes, André Silva foi o atleta mais regular entre os juniores da Academia Joaquim Agostinho, terminando o exercício de contra-relógio e a prova de fundo na brilhante 6ª e 7º posição respetivamente. Em cadetes, Daniel Jorge (25º) foi o torriense mais rápido no contra-relógio, enquanto Rafael Andrade foi 22º na corrida de fundo.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho




 

“Equipa Portugal/Chuva, frio e quedas na sexta etapa da Volta a França do Futuro”

Por: José Carlos Gomes

A sexta etapa da Volta a França do Futuro, hoje disputada, sob chuva e frio, entre Saint-Julien-Chapteuil e Privas, ficou marcada por uma queda coletiva que partiu o pelotão em vários grupos, logo ao quilómetro 5, a 119 da meta.

Os quatro corredores em prova escaparam à queda coletiva, mas não se livraram dos “cortes” provocados pelo acidente, nunca mais conseguindo chegar à frente da corrida, um restrito grupo de 23 corredores, que foi perdendo elementos ao longo da restante viagem, devido a mais quedas, furos e ao cansaço de alguns ciclistas.

Numa etapa que cedo se transformou num autêntico pandemónio, brilhou mais intensamente o suíço Stefan Bisseger, que venceu a tirada, batendo ao sprint o australiano Kaden Groves, segundo, com o mesmo tempo, e o estadunidense Matteo Jorgenson, terceiro, a 1 segundo.

Guilherme Mota, 56.º, a 16m20s, foi o melhor português nesta jornada. Seguiram-se Gonçalo Carvalho, 104.º, a 23m54s, Jorge Magalhães, 118.º, e Francisco Campos, 119.º, ambos a 26m14s.

O francês Simon Guglielmi, camisola amarela à partida, foi um dos corredores que se atrasaram devido à queda coletiva, perdendo o comando da geral para o italiano Giovanni Aleotti. O transalpino veste de amarelo, mas tem apenas 5 segundos de vantagem sobre o norueguês Tobias Foss. O terceiro, a 18 segundos, é o suíço Damian Lüscher. Guilherme Mota 48.º, a 20m24s, é o melhor luso na geral. Gonçalo Carvalho é 62.º, a 27m40s, Jorge Magalhães está em 88.º, a 39m34s, e Francisco Campos é o 115.º, a 1h00m55s.

A Equipa Portugal desceu ao 23.º lugar da geral coletiva, numa prova iniciada por 26 formações.

Os corredores vão aproveitar a quarta-feira, dia de descanso, para repor energia. O regresso à estrada faz-se na quinta-feira, com a sétima etapa, 103,5 quilómetros entre Grésy-sur-Isere e La Giettaz. É uma tirada de média montanha, que inclui quatro subidas de terceira categoria e uma de segunda. A meta está colocada 3,2 quilómetros depois da última escalada pontuável, de terceira categoria.

Fonte: FPC