sexta-feira, 15 de setembro de 2017

“Automóveis, motos, aviões e sol levam milhares ao Caramulo”

CARAMULO MOTORFESTIVAL CELEBRA XII EDIÇÃO COM PÚBLICO RECORDE

Caramulo, 14 de Setembro de 2017 – Doze anos após a sua primeira edição, o Caramulo Motorfestival continua a afirmar-se como o evento de referência da paixão motorizada em Portugal, tendo atraído, nos dias 8, 9 e 10 de Setembro, mais de 30 mil pessoas à Serra do Caramulo, para vibrar com a beleza dos clássicos e toda a adrenalina do desporto automóvel. Um recorde atingido este ano foram as 2.500 entradas no museu em apenas três dias, o número mais alto desde a sua fundação há quase 70 anos, para visitar a coleção permanente automóvel e de arte, assim como as exposições temporárias “Black Box: Museu imaginário” e “Ferrari: 70 anos de paixão motorizada”. 

“Doze anos depois da primeira edição do Caramulo Motorfestival, não podíamos estar mais contentes com o que o Caramulo Motorfestival cresceu e se tornou. Ainda há muito por fazer, mas a contínua adesão do público, o entusiasmo crescente dos aficionados, a presença de tantos pilotos de referência, e sentir que contribuímos para divulgar e desenvolver a paixão motorizada em Portugal, para além de impulsionar a região do Caramulo como destino de excelência, são algumas das nossas motivações para continuar a fazer mais e melhor” afirma a organização.

Mais uma vez, o Caramulo Motorfestival conseguiu atrair aos seus palcos um plantel único de pilotos convidados, reunindo veteranos e alguns dos melhores pilotos do desporto automóvel nacional da actualidade. Um dos momentos mais emotivos do Motorfestival foi a recepção de Cyril Neveu, que venceu por 5 vezes o Paris-Dakar. Entre os pilotos convidados, destaque ainda para as presenças de Filipe Albuquerque, Tiago Magalhães, Joaquim Jorge, o 2º da geral da Rampa Histórica deste ano, Francisco Sande e Castro, Filipe Lourenço e o jovem piloto Rodrigo Correia, que, com apenas 13 anos, disputa o Campeonato Nacional de Ralicross. 

Igualmente bem representado esteve o desporto automóvel no feminino, que além de inúmeras equipas inteiramente femininas ou mistas, contou com a presença de Rosário Sottomayor, a mais bem-sucedida piloto de velocidade portuguesa, e que esteve presente pela segunda vez no Caramulo Motorfestival. Rosário Sottomayor arrecadou o primeiro lugar do pódio na categoria Senhoras, tendo sido também agraciada com o Prémio Abel de Lacerda, prémio este que visa prestigiar anualmente uma figura que se destaque pelo seu contributo para o meio desportivo e automóvel. 

O evento contou, como sempre, como inúmeros passeios, concentrações e ralis, incluindo quatro deles a virem de Espanha, além de uma Feira de Automobilia, parada militar, espectáculo aéreo, pista todo-o-terreno, actividades radicais, parada de bicicletas, subidas de motos antigas e de competição, um Monster Truck Show e um espectáculo de drift, além de vários apontamentos de música ao vivo, uma das novidades de 2017. Duas das outras novidades às quais o público não ficou indiferente foram a presença dos Lamborghini Aventador S, um dos quais como carro 0 a abrir a Rampa Histórica do Caramulo e a presença de quatro caças F-16 que rasgaram os céus do Caramulo em tom de encerramento do evento.   Rampa Histórica do Caramulo 

Na Rampa Histórica do Caramulo, prova co-organizada com o Núcleo de Desportos Motorizados de Leiria, introduziam-se novidades quer na distribuição das categorias, quer na organização das subidas. O vencedor à geral foi Joaquim Rino, com o seu BRC 05 Evo, registando o melhor tempo da prova de 1m28,591ss. O 2º lugar do pódio foi conquistado por Joaquim Jorge, ao volante do seu Ford Escort RS 1600, com o tempo de 1m32,921ss e, em terceiro lugar ficou Tiago Prata, em Westfield Aerorace, registando 1m33,981ss. O prémio senhoras foi atribuído a Rosário Sottomayor, a quem foi também atribuído o Prémio Abel de Lacerda.

Em Regularidade Sport, à geral, foi a dupla feminina Elisabeth Noble/Hilary Latham que subiu ao pódio do primeiro lugar (Jaguar XKR), seguida de Eugénio Costa da Liberty Seguros, no seu Alfa Romeo Spider, e, em terceiro, a dupla Orlando Patrício/Bruno Bravo (SAAB 96 1965). Na Categoria Vintage, Maria Patrício Gouveia (Triumph TR3 A) foi a vencedora, seguida de Manuel Formosinho Sanchez; na Categoria Clássicos A venceram Orlando Patrício/Bruno Bravo, a correr no SAAB 96 1965; na Categoria Clássicos B a vitória foi para Robert Noble/Helia Barta (Jaguar EType); na Categoria C a vitória foi para Eugénio Costa, seguido de Pedro Silva/José Paulo Silva (Ferrari 208 GTB Turbo) e, na categoria F, o pódio foi dominado pelas senhoras Elisabeth Noble /Hilary Latham (Jaguar XKR) seguidas de Evdoksia Romaidis/Anastasia Romaidis (Porsche 991 Cabrio). 

O prémio Senhoras foi atribuído à dupla Elizabeth Nobel/Hilary Latham, conquistado assim o 1º lugar entre as equipas femininas. O 2º lugar foi conquistado pela equipa Evdoksia Romaidis/ Anastasia Romaidis o 3º lugar foi atribuído a Maria Patrício Gouveia, correr pelo Museu do Caramulo.

O Caramulo Motorfestival contou com o apoio do Museu do Caramulo, Turismo do Centro, Câmara Municipal de Tondela, rádio M80, Bentley, Ascendum Auto, RTP, Schweppes, Jornal dos Clássicos e Banco BPI.

Sobre o Museu do Caramulo Com 60 anos de existência e visitado por mais de um milhão e meio de pessoas, o Museu do Caramulo alberga no seu espólio uma colecção de arte, uma colecção de automóveis, motos e bicicletas e uma colecção de brinquedos antigos. O Museu do Caramulo produz ainda, de forma regular, exposições temáticas e temporárias, e organiza vários eventos como o Salão Motorclássico, o Caramulo Motorfestival, o Espírito do Caramulo, a Noite dos Museus ou o Rider.

Fonte: Museu Caramulo/Parceria Notícias do Pedal

“Descida do Valor da Taxa de Licenciamento – 2017”

A Federação Triatlo Portugal informa que, a partir do dia 15 de Setembro, os valores de licenciamento sofrem uma descida de 50% sobre a taxa de licenciamento, para a restante época de 2017.

Os novos atletas que se licenciem agregados a um clube pagarão 10€ de taxa de licenciamento, e os atletas que se licenciem de forma individual terão de pagar 15€ da mesma taxa. A este valor, será sempre acrescido o valor de seguro desportivo, 17,50€.

Pretendendo a FTP garantir a maior segurança possível a todos os praticantes da modalidade, oferece ainda o Seguro de Responsabilidade Civil de Atletas, no valor de 5,5€.

Esta oferta é válida para a restante época de 2017.

Fonte: FTP

“Comunicado: Alteração aos horários de partida em Vila Nova de Cerveira”

A Federação de Triatlo de Portugal comunica que, após a uma vistoria técnica com maior acuidade no local que receberá o XI Triatlo da Amizade, prevê-se que a hora de menor corrente do rio seja por volta das 15horas.

Nesse sentido a partida da prova feminina será reagendada para as 15 horas e a da prova masculina terá lugar 10 minutos depois, pelas 15h10. Com o mesmo objectivo de proporcionar as melhores condições possíveis a todos os participantes, os restantes horários foram antecipados em 30 minutos, conforme pode ser confirmado ao consultar o regulamento da prova atualizado em baixo e na página da FTP.

Pedimos desculpa caso algum incómodo tenha sido causado.

Fonte: FTP

“Programa dos Mundiais de ciclismo de estrada”

Mundiais de Ciclismo de estrada realizam-se entre 17 e 24 setembro

Por: Lusa

Foto: Miguel Barreira

Programa do Mundial de Bergen (hora em Lisboa, menos uma do que na Noruega):

- Domingo, 17 set:

Contrarrelógio por equipas feminino, 42,5 km (11:05).

Contrarrelógio por equipas masculino, 42,5 km (14:35).

- Segunda-feira, 18 set:

Contrarrelógio individual júnior feminino, 16,1 km (09:35).

Contrarrelógio individual sub-23, 37,2 km (12:05): Ivo Oliveira.

- Terça-feira, 19 set:

Contrarrelógio individual júnior masculino, 21,1 km (10:35).

Contrarrelógio individual elite feminino, 21,1 km (14:35).

- Quarta-feira, 20 set:

Contrarrelógio individual elite masculino, 31 km (12:05): Nelson Oliveira e Rui Costa.

- Sexta-feira, 22 set:

Prova de fundo juniores femininas, 76,4 km (09:05): Maria Martins.

Prova de fundo sub-23, 191 km (12:15): André Carvalho, Francisco Campos, Ivo Oliveira e José Neves.

- Sábado, 23 set:

Prova de fundo juniores masculinos, 135,5 km (08:30): Afonso Silva, Pedro José Lopes e Pedro Miguel Lopes.

Prova de fundo elites femininas, 152,8 km (18:00).

- Domingo, 24 set:

Prova de fundo elites masculinos, 267,5 km (09:05): José Gonçalves, Nelson Oliveira, Ricardo Vilela, Rúben Guerreiro, Rui Costa e Tiago Machado.

Fonte: Record on-line

“Semana Europeia da Mobilidade - Pedalada à Pateira de Requeixo”

Para assinalar o início da Semana Europeia da Mobilidade, o Ciclaveiro organiza no sábado 16 de Setembro uma Pedalada entre o centro de Aveiro e a Pateira de Requeixo.

Com ponto de encontro às 14h45 no Rossio, o percurso de perto de 15 km em cada sentido desenrola-se praticamente de um extremo ao outro do município de Aveiro, passando por São Bernardo e Oliveirinha, e culminando na Pateira, a maior lagoa natural da Península Ibérica. O regresso ao Rossio está previsto para cerca das 19h00.

Semana Europeia da Mobilidade, entre 16 e 22 de Setembro

Depois de em 2016 ter verificado a maior adesão de sempre com 2423 cidades participantes, entres as quais 60 localidades portuguesas, a Semana Europeia da Mobilidade regressa entre os próximos dias 16 e 22 de Setembro, na sua já 16ª edição, este ano com o tema «Mobilidade verde, inteligente e partilhada». Aveiro de há alguns anos para cá não tem participado nesta campanha europeia, tendo o edil Aveirense no ano passado considerado-a passada de moda.

A Semana Europeia da Mobilidade é a campanha europeia para a promoção da mobilidade urbana sustentável e decorre todos os anos entre 16 a 22 de Setembro, desde 2002. Esta é uma iniciativa da Comissão Europeia e representa uma oportunidade única para reflectir sobre os desafios que as cidades e vilas enfrentam de modo a progredir rumo a uma estratégia de transportes urbanos mais sustentável e fomentar uma mudança no comportamento dos cidadãos.

No âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, as autoridades locais são incentivadas a organizar actividades de sensibilização em relação a determinados tópicos e um tema, bem como a testar e a lançar e implementar medidas permanentes que melhorem a situação dos transportes sustentáveis na respectiva localidade.

Durante a Semana Europeia da Mobilidade pretende-se que os cidadãos e agentes locais reflictam sobre a verdadeira função das nossas ruas em meio urbano e lancem oportunidades para encontrar soluções para problemas como a poluição atmosférica e sonora das cidades e vilas, o congestionamento, a sinistralidade rodoviária, a ocupação do espaço público e os problemas de saúde.

No que toca aos meios de transporte sustentáveis, as deslocações em bicicleta estão relacionadas com todos os aspectos que constituem uma cidade moderna e habitável. As bicicletas poupam espaço, energia e recursos económicos e não provocam poluição sonora nem atmosférica. Contribuem para a mobilidade sustentável e o bem-estar, e são eficientes e saudáveis. A bicicleta assume portanto um papel de destaque na mobilidade urbana, representando também um importante aliado nas deslocações pendulares intermodais.

Fonte: Ciclaveiro - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta

“Portugal tem "ambição de discutir a corrida" nos Mundiais”

Seleccionador José Poeira reiterou vontade dos atletas portugueses

Por: Lusa

Foto: DR Record

O selecionador português, José Poeira, disse esta sexta-feira que Portugal tem "ambição de discutir a corrida" nos Mundiais de estrada, que decorrem de domingo a 24 de setembro em Bergen, Noruega.

À agência Lusa, o selecionador explicou que a seleção "tem ambição e possibilidades de discutir a corrida" de elite masculina nos Mundiais, mas também nas outras provas e escalões etários em que participa.

Até pelo histórico da seleção, que já conseguiu "vários resultados honrosos, top 10 e até uma vitória", em 2013, por Rui Costa, a confiança é a de que a seleção possa "lutar por resultados dignos".

"Todos vêm motivados para fazer o Mundial, alguns pela primeira vez, e estão conscientes do que os espera. Espero que tudo corra bem", apontou o selecionador, que descreveu a seleção de elite masculina como "equilibrada, com diferentes características, e que tiveram competição até esta semana, que estão bem rodados".

Apesar de admitir que o maior número de ciclistas à disposição de seleções mais bem cotadas, que podem escolher nove ciclistas, com Portugal a participar com seis, é uma "grande vantagem", Poeira lembrou que em 2013, Rui Costa sagrou-se campeão do mundo de estrada apenas com Tiago Machado e André Cardoso como colegas de equipa.

"É uma vantagem que as equipas têm, podem endurecer a corrida e trabalhar de outra forma, têm equipa para colocar um ciclista na parte final, mas por vezes podemos aproveitar isso, e com o que temos, fazer o trabalho bem feito e estar na discussão no final", apontou o técnico.

Em provas de um dia, a sorte "pode aparecer, mas por si só não faz tudo, o importante é não ter azar", e os vários corredores portugueses que se vão fazer à estrada em Bergen estão "motivados, até porque para qualquer corredor é interessante participar nas provas, é o expoente máximo das seleções", mas também pela "aprendizagem" que é participar num evento com "a elite mundial do ciclismo".

Quanto à chuva, que está previsto afetar pelo menos algumas das provas em Bergen, Poeira não esconde que poderá "complicar de certa forma a corrida", pedindo "mentalidade forte para ultrapassar esse fator" aos ciclistas lusos.

Quanto ao contrarrelógio, é uma prova "complicada, pela subida com muita inclinação, de 3.400 metros de subida, na qual há possibilidade de trocar bicicleta" na saída do circuito e entrada no terreno inclinado, o que contribui para "uma corrida muito técnica".

"É um crono muito duro, com equilíbrio entre plano e subida, e muito técnico, e os nossos corredores assemelham-se muito a isso", apontou José Poeira, sobre Nelson Oliveira, que em 2016 foi sétimo no 'crono' dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, e Rui Costa, representantes lusos na prova.

O grupo de sub-23, com André Carvalho (Cipollini Iseo Serrature Rime), Francisco Campos (Miranda/Mortágua), Ivo Oliveira (Axeon Hagens Berman) e José Neves (Liberty Seguros/Carglass), tem "experiência e alguns já participaram em Mundiais, correm a um nível bastante alto, e vão estar à altura", e elogiou a Volta a França do Futuro como uma prova que "prepara muito bem este mundial".

"Tinha chegadas muito rápidas, com aqueles dias mais para o sprint, e pouco a pouco entrámos nas discussões das etapas, mas quando o Rui Oliveira caiu perdeu-se um pouco. O Francisco Campos também ganhou ali muita experiência, o Ivo também tem e os outros podem ajudar muito, porque também estiveram na Volta a França. São quatro, mas é uma equipa que sabe trabalhar junta", resumiu.

Também no escalão de juniores masculinos, onde competem, na prova de fundo, Afonso Silva (Sporting/Tavira/Formação Eng. Birto da Mana), Pedro José Lopes (Alcobaça CC/Crédito Agrícola) e Pedro Miguel Lopes (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact), há "muita experiência, por terem participado nas corridas da Taça das Nações, e conhecem o pelotão internacional".

Já a júnior Maria Martins (Bairrada), única representante no quadro feminino, vai disputar a prova de fundo nos Mundiais depois de ter sido sétima nos Europeus, pelo que há otimismo para o que pode ser "uma boa prestação".

"No mundial há exigências diferentes, e será preciso atender a como se vai enquadrar no pelotão, por correr sozinha, e ver como se coloca na parte final" do percurso de 76,4 quilómetros, referiu.

O campeonato do mundo de estrada arranca no domingo com os contrarrelógios por equipas, com o primeiro português a entrar em prova na segunda-feira, com Ivo Oliveira no 'crono' de sub-23.

A prova de fundo da elite masculina encerra o calendário, com Rui Costa (UAE Emirates), campeão de fundo em 2013, José Gonçalves e Tiago Machado (Katusha Alpecin), Ricardo Vilela (Manzana Postobón), Rúben Guerreiro (Trek-Segafredo) e Nelson Oliveira (Movistar).

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal em Bicicleta”

Contrato de concessão assinado

Por: José Carlos Gomes

A Federação Portuguesa de Ciclismo e a Podium Events, SA assinaram, nesta manhã, o contrato de Concessão da Organização e Exploração Comercial e Competições de Ciclismo para o período 2018-2025.

Através deste documento, as duas instituições estabelecem os moldes em que a Podium Events, SA organizará as competições incluídas no acordo: Volta a Portugal em Bicicleta, Volta a Portugal do Futuro e uma prova internacional com duração de cinco dias.

O contrato hoje assinado tem como grande objetivo contribuir para a valorização, modernização e internacionalização do ciclismo português, especialmente da Volta a Portugal em Bicicleta.

O ciclo de oito anos agora aberto será marcado por um diálogo constante entre a Federação Portuguesa de Ciclismo e a Podium Events, SA, entidades que se comprometem a cooperar para que a Volta a Portugal em Bicicleta seja cada vez mais olhada, nacional e internacionalmente, como um evento de excelência, portador dos mais rigorosos padrões desportivos e éticos por que se rege o “novo ciclismo”.

No âmbito do novo contrato de concessão, a Federação Portuguesa de Ciclismo e a Podium Events, SA comprometem-se a criar um grupo de trabalho, designado “Comité Organizador da Volta a Portugal”, composto por representantes de ambas, no qual se analisarão, discutirão e decidirão as questões macro do programa desportivo, entre as quais a definição do regulamento particular, da categoria, das datas e do perfil desportivo das provas concessionadas.

A Federação Portuguesa de Ciclismo e a Podium Events, SA entendem que a portugalidade do evento, a internacionalização e a ética desportiva são transparência e a ética são fundamentais para o desenvolvimento do ciclismo de forma sustentada. Nesse sentido, a organização da Volta a Portugal compromete-se a:

- Assegurar que a Volta irá cobrir todas as regiões de Portugal Continental pelos menos duas vezes ao longo dos próximos 8 anos;

- Trabalhar para conseguir atrair mais e melhores equipas internacionais, incrementar a categoria desportiva da Volta e, dentro do possível, aumentar a visibilidade da Volta e do país a nível internacional.

A concretização do ponto anterior exige que se continuem a elevar os padrões éticos. Por isso, a Volta adotará e implementará critérios com o objetivo de melhorar a regulamentação de acesso de ciclistas, equipas e staff, seguindo as melhores práticas internacionais. O contrato estabelece que a organização da Volta se compromete a:

- Não admitir a contratação, direta ou indireta, para o staff da organização de pessoas que tenham sido condenadas, nos cinco anos anteriores, por infração das normas antidopagem;

- Não permitir a participação de qualquer ciclista ou membro de staff de equipa que, após a presente data, seja condenado a pena de suspensão de atividade desportiva por dois anos ou mais na sequência de violação das normas antidopagem;

- Não permitir a participação de qualquer equipa que nos 24 meses anteriores tenha duas ou mais condenações por infração às normas antidopagem;

- Não permitir a participação de equipas em que pelo menos um dos elementos do staff (diretor desportivo, médico ou massagista) seja proveniente de uma equipa que nos anteriores 24 meses tenha tido duas ou mais violações das normas antidopagem.

O contrato foi assinado pelo presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira, e pela Administração da Podium Events, SA, representada por José Carmona, Luís Ribeiro Soares e Vasco Empis.

“A essência deste contrato é um maior acompanhamento, cooperação e cumplicidade entre a Federação Portuguesa de Ciclismo e a Podium. A Volta é o motor de desenvolvimento do ciclismo português, é fundamental para as equipas profissionais portuguesas e para a afirmação do ciclismo na sociedade, e é um dos ativos mais importantes da Federação”, considera Delmino Pereira.

“O desenvolvimento da modalidade e a modernização deste evento contribuem para que as marcas, os produtos e o próprio país sejam promovidos”, afirmou José Carmona, momentos após a assinatura do contrato.

Federação Portuguesa de Ciclismo

Podium Events, SA

Lisboa, 15 de setembro de 2017

Fonte: FPC