quinta-feira, 15 de novembro de 2018

“Comunicado: Abertura do período de licenciamentos”

Abriu a época de licenciamentos na Federação de Triatlo de Portugal.

A Federação de Triatlo de Portugal comunica aos clubes e triatletas que o período de licenciamentos para a época de 2019 inicia dia 15 de novembro de 2018.

Valores de licenciamento – Os valores de licenciamento, seguros respetivos e formas de licenciamento estão disponíveis em http://www.federacao-triatlo.pt/ftp2015/clubes-e-atletas/licenciamentos-2017/

 Paratriatlo – O licenciamento do Paratriatlo requer o preenchimento dos formulários constantes nos separadores do Paratriatlo, além do preenchimento do formulário habitual.

Exames médicos – Os exames médicos desportivos passam a ser válidos durante um ano a partir da data que foram realizados, independentemente da data de nascimento do atleta federado, o que significa que só necessitam de entregar novo atestado médico no final da sua validade legal. Por outro lado, todos os atletas que entregarem exame médico no início da época, ficarão com o exame válido para toda a época desportiva.

 Elite – Para os triatletas que queiram participar no Campeonato Nacional Individual no escalão Elite informamos que a escolha desta categoria será feita no momento da inscrição do respetivo campeonato.

 Cupão desconto 10% – Os atletas licenciados na FTP por um período consecutivo de 10 anos beneficiam de um desconto de 10%. O referido cupão de desconto será enviado diretamente aos referidos atletas.

Esperamos que este período de licenciamentos decorra da melhor maneira, desejando a todos os triatletas uma excelente época!

Estamos disponíveis para qualquer esclarecimento pelo e-mail: licenciamentos@federacao-triatlo.pt

Fonte: FTP

“I Congresso do Triatlo Jovem 2018”

O I Congresso do Triatlo Jovem contou com a presença de muitos treinadores que deram o seu contributo ao tema.

Realizou-se nos dias 9 e 10 de novembro a primeira edição do Congresso do Triatlo Jovem, que pretendeu refletir e apresentar um modelo renovado no contexto do quadro competitivo jovem. O Congresso do Triatlo Jovem iniciou com a apresentação do novo modelo jovem que foi apoiado do ponto de vista teórico pelos docentes da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa.

No dia 9 de novembro, a FTP abriu o Congresso do Triatlo Jovem com algumas alterações ao modelo competitivo jovem.

Como base para o novo modelo competitivo, podemos refletir sobre as seguintes questões:

– Estará o modelo do quadro competitivo nacional em vigor de acordo com o que praticam as nações com maior índice de desenvolvimento no Triatlo?

– Estamos a potenciar o desenvolvimento e retenção dos jovens atletas?

– Estaremos a incluir todos os jovens na prática do Triatlo?

– Estaremos a evitar o abandono precoce e a potenciar o pico de performance desportiva para as idades certas no alto rendimento?

Vasco Rodrigues, presidente da Federação de Triatlo de Portugal, realça a importância do Triatlo nas camadas jovens: «O Triatlo Jovem é uma questão absolutamente essencial para o desenvolvimento da modalidade. Cerca de um terço dos atletas licenciados na FTP têm menos de 16 anos, mas a par da generalidade desportiva nacional, observamos uma grande taxa de desistência logo após os 16 e até atingir os escalões seniores».

Foi por isso importante criar um momento de reflexão sobre o Triatlo Jovem, onde houve espaço para questionar um quadro competitivo nacional excessivamente competitivo, um congresso que contou com a colaboração da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, uma instituição que tem demonstrado interesse no tema. «Este Congresso Jovem surge no fim de um ano de profunda alteração no quadro competitivo jovem que, entre outras medidas, reduziu a competitividade nacional para criar espaço para um quadro competitivo regional que premiasse mais a participação que a competição, bem como a criação de um circuito de outono, totalmente virado para a experimentação e para a cativação de novos atletas.»

Algumas das diferenças estão a ser já implementadas, segundo Vasco Rodrigues. «Desde a candidatura dos órgãos sociais que defendíamos um quadro jovem diferente, que não premiasse apenas os campeões e os mais competitivos!»

 

Conclusões do I Congresso do Triatlo Jovem

A realização do Congresso no final deste primeiro ano visou avaliar fazer uma avaliação profunda do que foi feito e do que falta ainda fazer.

«Para 2019 vamos tentar trazer mais atividades complementares para o calendário nacional, promover o fair play e o espírito desportivo, estabilizar e cimentar o quadro regional e o circuito de outono e garantir a realização de um ou dois estágios anuais para jovens», afirma Vasco Rodrigues.

Como conclusão, o Presidente da FTP afirma que o Congresso mostrou que o «caminho que querermos trilhar é o correto, mas que também há um longo caminho a percorrer».

O caminho passa por assimilar a informação e reunir toda estrutura, delineando um plano estratégico para o Triatlo Jovem que passe pela formação de pais, treinadores e dirigentes. «Aliado à formação, devemos promover um modelo que se fundamente no espírito desportivo e socialização entre toda a comunidade do triatlo jovem nacional, de uma mais próxima relação entre a FTP e os seus agentes desportivos e, provavelmente, de uma redefinição e reintrodução do Programa de Deteção de Talentos.» conclui o presidente da FTP.

O I Congresso do Triatlo Jovem foi um primeiro passo no caminho da alteração do quadro competitivo jovem, que se pretende assente em valores éticos e desportivos, incluindo a competição saudável que potencie a retenção e do rendimento dos atletas.

Fonte: FTP

“André Cardoso suspenso quatro anos por doping”

Anunciou a União Ciclista Internacional

Por: Lusa

André Cardoso foi punido com quatro anos de suspensão, devido a um controlo antidoping positivo, anunciou esta quinta-feira a União Ciclista Internacional (UCI).

A UCI puniu o ciclista português, de 34 anos, no âmbito de um caso ocorrido antes da Volta a França de 2017, quando André Cardoso acusou positivo a EPO (eritropoietina), duas semanas antes do início da competição.

O ciclista, que esteve presente nos Jogos Olímpicos de Pequim'2008 e Rio de Janeiro'2016, já tinha sido suspenso pela equipa Trek-Segafredo, que na altura era liderada pelo espanhol Alberto Contador.

Em julho deste ano, então suspenso preventivamente, o ciclista voltou a dizer-se inocente, depois de a análise à amostra B ter tido um resultado inconclusivo.

"O resultado da análise da amostra de urina é duvidoso e inconclusivo em relação à presença de EPO", dizia então um relatório oficial, citado pelo site Velonews, a propósito da amostra B, examinada pelo Laboratório Suíço de Análise de Doping, sediado em Lausana.

O regulamento da Agência Mundial Antidopagem (AMA) determina que não haja sanção quando a análise da amostra B é negativa, mas o laboratório de Lausana catalogou-a como resultado atípico, o que permite à UCI manter o corredor suspenso.

"Penso que isto já nada tem a ver com doping, parece que é mais política. A UCI sabe que eu não sou uma estrela, não sou milionário. Não tenho muito dinheiro para lutar. Eles não querem dizer 'talvez o laboratório tenha cometido um erro', porque é mais fácil pôr-me fora do desporto", afirmou Cardoso, citado pelo Velonews.

Segundo o site, os documentos da AMA mostram que a brigada antidoping visitou Cardoso fora de competição, na noite de 18 de junho de 2017, um domingo, e recolheu amostras de sangue e urina, cerca das 20:15.

O controlo aconteceu alguns dias depois de o português ter terminado o Critério do Dauphiné em 19.º lugar, o que contribuiu para a sua presença na equipa Trek-Segafredo designada para a Volta a França daquele ano, na qual faria a sua estreia.

Fonte: Record on-line

“Nikolay Mihaylov reforça Efapel”

Ciclista búlgaro destaca-se na especialidade de contrarrelógio

Por: Lusa

Foto: Facebook Nikolay Mihaylov

A Efapel anunciou esta quinta-feira a contratação do ciclista búlgaro Nikolay Mihaylov, que qualificou de "experiente e completo" e que se destaca na especialidade de contrarrelógio, na qual se sagrou campeão da Bulgária.

"Estou muito feliz por fazer parte da Efapel. Identifico-me com a estrutura do coletivo e gosto do programa que se avizinha para 2019. Comprometo-me a dar o meu melhor pela equipa e pelos patrocinadores, que honrarei na estrada ao longo da próxima época", referiu Nikolay Mihaylov, de 30 anos.

O ciclista, proveniente da Delko Marseille Provence KTM, que também foi campeão de estrada na Bulgária, mostrou-se ainda disponível para assumir qualquer função que lhe seja designada para obter os melhores resultados para o conjunto da Efapel.

"Tudo isto faz-me sentir motivado e pronto para trabalhar duro na preparação da nova temporada. Quero agradecer pela confiança e desejar a todos nós uma época de muitos êxitos", referiu o estreante búlgaro no ciclismo português.

Após as renovações de Sérgio Paulinho, Rafael Silva, Bruno Silva, Pedro Paulinho, Marcos Jurado e Henrique Casimiro e as contratações do espanhol Antonio "Chava" Angulo (Club Ciclista Rías Baixas), do uruguaio Fabricio Ferrari (Caja Rural) e do búlgaro Nikolay Mihaylov (Delko Marseille Provence KTM), o plantel da Efapel para 2019 fica concluído com o regresso de Jóni Brandão.

Fonte: Record on-line

“Guimarães recebe em 2019 o Campeonato Nacional de BTT Cross Country Olímpico”

A Federação Portuguesa de Ciclismo atribuiu à Associação de Ciclismo do Minho a organização, em 2019, do Campeonato Nacional de BTT XCO (Cross Country Olímpico) que será promovido no Centro de Ciclismo do Minho - Souto Santa Maria (Guimarães), na sequência da candidatura formalizada pela associação minhota com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães e da União das Freguesias de Souto Santa Maria, Souto São Salvador e Gondomar.

O Campeonato Nacional de BTT XCO é das provas mais importantes da época desportiva e destina-se a todos os escalões etários competitivos, estando agendado para os dias 20 e 21 de julho de 2019.

Embora existissem outras candidaturas para a organização do Campeonato Nacional em 2019, a Associação de Ciclismo do Minho acreditava no sucesso da candidatura vimaranense, invocando, entre outros fatores, “as valências e a qualidade do Centro de Ciclismo do Minho - Souto Santa Maria (Guimarães) que acolheu recentemente e com assinalável sucesso o Campeonato do Mundo Universitário de BTT XCO”.

“Estamos muito satisfeitos mas também cientes das dificuldades e da responsabilidade”, referem os dirigentes da Associação de Ciclismo do Minho recordando que “o Centro de Ciclismo do Minho proporciona boas condições para atividades de recreio, formação, treino e competição de ciclismo. “Acreditamos que após a realização de um Campeonato Nacional de BTT Cross Country Olímpico, se poderá aspirar conseguir para o Centro de Ciclismo do Minho - Souto Santa Maria outras provas de dimensão que auxiliem a construção de uma nova centralidade, promovam Guimarães e a prática desportiva e contribuam também para o desenvolvimento da economia local”.

Recorde-se que Pedro Vigário, Selecionador Nacional de BTT que inclui no palmarés a conquista de Campeonatos do Mundo e da Europa de XCM e brilhantes prestações nas provas de XCO nos Jogos Olímpicos, Taças do Mundo e Campeonatos do Mundo, considerou aquando da inauguração da segunda fase do projeto que “o Centro de Ciclismo do Minho reveste-se de importância fundamental, não só sob o ponto de vista de uma infraestrutura de alta qualidade que servirá de apoio à alta competição, mas também pela sua disponibilidade para a população em geral, em especial a comunidade do BTT (cada vez mais alargada) que desta forma, usufruirá de um espaço com todas as condições e valências para a prática do BTT de forma tranquila e segura, sem deixar de ser desafiante e numa envolvência de grande beleza natural”.

Fonte: ACM