quinta-feira, 8 de março de 2018

“TRÊS HOMENS TENTARAM CORTAR AS PERNAS A UM TRIATLETA SUL-AFRICANO”

Ataque violento está a chocar o país

Por: Luís Miroto Simões

Mhlengi Gwala, um triatleta sul-africano, foi alvo de um ataque violento na passada terça-feira, quando foi abordado por três homens que lhe tentaram cortar as pernas, segundo relata a BBC.

O atleta estava a treinar na rua às primeiras horas da manhã e, segundo um amigo, quando foi abordado pensou tratar-se de um assalto.

"Parou e deu-lhes o telemóvel, mas eles não o quiseram. Não queriam o relógio dele nem a sua bicicleta. Arrastaram-no para a berma da estrada, no meio de uns arbustos, e começaram a cortar-lhe uma perna com uma serra", relatou o amigo à BBC, avançando com mais pormenores: "Quando chegaram ao osso a serra ficou presa, porque não estava afiada. Passaram então para a outra perna".

Os três homens acabaram por fugir do local e a polícia abriu uma investigação por tentativa de homicídio.

Entretanto, o triatleta e medalhado olímpico Henri Schoeman reagiu ao incidente no Twitter, apelidando-o de "nojento" e questionando o nível de segurança nas estradas do país.

 

Solidariedade imediata

Mhlengi Gwala não corre perigo de vida e os médicos disseram que vai conseguir correr novamente, embora a recuperação deva ser longa.

Assim que a história de Mhlengi Gwala veio a público, foi lançada uma campanha de crowdfunding que já reuniu mais de 27 mil euros destinados a pagar os tratamentos ao triatleta.

Fonte: Record on-line

“W52-FC PORTO QUER PROCURAR MANTER A HEGEMONIA EM PORTUGAL”

Equipa foi apresentada esta quinta-feira

Por:

Foto: Pedro Trindade

A equipa de ciclismo profissional da W52-FC Porto, apresentada esta quinta-feira em Sobrado, vai procurar manter a hegemonia da modalidade em Portugal, contando com os últimos três vencedores da Volta, Veloso, Vinhas e Alarcón.

"Sabemos que irá haver um dia em que não iremos ganhar, mas a nossa aposta e o nosso trabalho passam por voltar a vencer, mais focados naturalmente na Volta a Portugal. A equipa é forte e estamos a trabalhar com muita dedicação e redobrada confiança, existindo uma boa expetativa de vitórias", disse Nuno Ribeiro, diretor desportivo da equipa, no final da cerimónia realizada na Casa das Artes de Sobrado.

A W52-FC Porto conta nas fileiras com 12 ciclistas, entre os quais Gustavo Veloso, que será o chefe-de-fila, o sobradense Rui Vinhas e Raul Alarcón, precisamente os três últimos vencedores da Volta a Portugal, embora Nuno Ribeiro arrisque numa decisão entre Veloso e Alarcón.

"Não é fácil ganhar, todos queremos lá chegar, mas só um pode vencer e, para mim, cada ano é mais complicado. Se calhar, sou o chefe-de-fila pelos cabeços brancos [risos]. A nossa responsabilidade é grande e a equipa é a mais forte, mas só os nomes não chegam", disse Gustavo Veloso, líder da equipa e vencedor da Volta em 2014 e 2015.

Com a Volta a Portugal como principal objetivo e sem adversários e formações capazes, até ao momento, de destronar a superioridade da W52-FC Porto, equipa vencedora na prova rainha portuguesa nos últimos anos, Raul Alarcón, vencedor em título da Volta, disse estar tranquilo e não acusar pressão extra.

"Estou tranquilo, a equipa manteve as suas principais unidades e o objetivo é vencer. Não será fácil, cada vez é mais difícil, mas vamos procurar fazer bem o nosso trabalho e entrar na discussão do maior número de provas", disse o corredor de Alicante, atualmente a recuperar de uma queda sofrida na prova de abertura.

Amaro Antunes, agora a correr na Polónia (CCC Sprandi Polkowice), é a principal baixa da W52-FC Porto, que este ano se reforçou com José Neves (ex-Liberty Seguros/Carglass) e César Fonte (ex-LA Alumínios-Metalusa).

Além de marcar presença nas principais provas portuguesas, a equipa nortenha vai voltar a correr no estrangeiro, estando confirmadas presenças em Espanha e França, nomeadamente, existindo a possibilidade de uma participação na China. No imediato, os ciclistas da W52-FC Porto vão participar na Clássica da Arrábida, em Setúbal, no fim-de-semana, seguindo-se a Volta ao Alentejo.

Equipa da W52-FC Porto para 2018: Gustavo Veloso, Rui Vinhas, Raul Alarcón, Ricardo Mestre, José Neves (ex-Liberty Seguros/Carglass), Tiago Ferreira, Daniel Freitas, João Rodrigues, Angel Rebollido, César Fonte (ex-LA Alumínios-Metalusa), António Carvalho e Samuel Caldeira.

Fonte: Record on-line

'PURITO' MULTADO POR FILMAR ENQUANTO CONDUZIA"

Antigo ciclista partilhou coima nas redes sociais

Por: Fábio Lima

Já muitas vezes vimos vídeos a circular pela internet com imagens de ciclistas enquanto passeavam ou faziam os seus treinos de fim de semana, mas saiba que este tipo de comportamentos pode levar a multas. Pelo menos em Espanha. Foi isso que 'experienciou' o antigo ciclista Joaquim Rodríguez, que em dezembro foi multado em 80 euros por ter sido apanhado a filmar enquanto conduzia a sua bicicleta.

A multa (por "conduzir um veículo sem manter atenção permanente à condução. Circulava em bicicleta a filmar-se com o telemóvel) apenas esta semana foi revelada por 'Purito', que nas redes sociais, para lá de mostrar a prova do crime, deixou um pedido de desculpas. "Castigo com mais razão do que um santo. Desde aqui peço desculpa, senhores. Espero que nos sirva de lição (a começar por mim)", podia ler-se no 'tweet'.

Fonte: Record on-line

“SÓ A VITÓRIA INTERESSA À SKY”

Polémicas à parte, equipa britânica e Froome querem provar na estrada que continuam a ser os melhores

Por: Ana Paula Marques

Foto: EPA

Indiferente às polémicas que rodeiam a Sky por suspeitas de recuso a substâncias ilícitas e também aos que criticam o facto de estar a competir quando é investigado pelo controlo positivo na Vuelta, Chris Froome não fugiu a estes assuntos no arranque do Tirreno-Adriático, mas para dizer também que tanto ele como a equipa querem prova na estrada que são os melhores.

"Temos com uma grande equipa aqui e viemos para ganhar a geral", vincou o chefe de fila da mais rica equipa do pelotão mundial, com um orçamento a rondar os 40 milhões de euros.

Quanto ao resto, não passam de meras suspeitas que o parlamento britânico agudizou. "Vi o relatório, é ‘lixo’. Nunca vi o Wiggins a fazer o que dizem. Se não tivesse confiança na equipa, não estaria aqui", frisou ainda Chris Froome, que tem sido visado por alguns adversários pelo facto de teimar em competir enquanto o seu caso não tem uma decisão.

Um deles é o holandês Tom Dumoulin, vencedor do Giro. Esquivou-se aos jornalistas na conferência de imprensa de antevisão do Tirreno-Adriático, quando se apercebeu de que o assunto era Froome. Seja como for, alguém conseguiu ouvir dele que "se fosse o Froome, não estaria aqui".

Arranque em terceiro

O Tirreno-Adriático, em Itália, conhecida como a Corrida dos Dois Mares é a segunda prova de 2018 para Chris Froome, depois da estreia na Volta à Andaluzia. Trata-se também do seu regresso ao território italiano, onde não competia desde o Mundial de Florença, em 2013, ganho por Rui Costa. Alheio não está o facto de este ano apontar baterias para a Volta a Itália, a única prova de três semanas que ainda não ganhou.

O início do Tirreno foi bastante positivo, com o terceiro lugar da Sky no contrarrelógio coletivo, a apenas nove segundos da favorita BMC. "Os rapazes estiveram fortes, estou muito satisfeito com o resultado", sublinhou o diretor desportivo da Sky Matteo Tosatto, destacando o facto de Geraint Thomas e Froome estarem em condições de discutir a corrida, perspetivando que possam andar na frente na terceira e quarta etapas, com montanha.

Entre os portugueses, a Katusha, de José Gonçalves, em sexto, esteve melhor que a Movistar, de Nelson Oliveira, 12ª mais rápida. Referência ainda para a desistência de Mark Cavendish (Dimension), após queda, ele que já tinha abandonado também no primeiro dia e pelas mesmas razões a Volta a Abu Dhabi.

Fonte: Record on-line

“COUSIN VENCE QUINTA ETAPA DO PARIS-NICE”

León Sanchez mantém liderança

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista francês Jérôme Cousin (Direct Energie) venceu esta quinta-feira a quinta etapa da Paris-Nice, enquanto o espanhol Luis León Sanchez (Astana) continua a liderar a corrida que termina domingo.

Cousin entrou no último quilómetro com 16 segundos de avanço para o pelotão, seguindo em fuga com o alemão Nills Politt (Katusha), que não teve forças para o acompanhar e chegou a dois segundos, a mesma vantagem que o germânico ainda assim conseguiu para o grupo compacto comandado pelo compatriota André Greipel (Lotto).

Jérôme Cousin cumpriu os 163,5 quilómetros entre Salon-de-Provence e Sisteron em 3:57.25, ficando Politt a dois segundos e o pelotão, fraturado com uma queda de vários ciclistas à entrada para o último quilómetro, a quatro.

Tiago Machado (Katusha) foi apenas 140.º, com o mesmo tempo do 119.º, a 11.36 minutos do primeiro, caindo 37 lugares para 93.º, a 15.39.

Na geral, Luis León Sanchez tem 15 segundos de avanço para o holandês Wout Poels (Sky) e 26 para o francês Julian Alaphilippe (QST) e o compatriota Marc Soller (Movistar).

Na próxima etapa, na sexta-feira, o pelotão vai cumprir 198 quilómetros entre Sisteron e Vence, enfrentando na segunda metade do percurso quatro contagens de montanha de segunda categoria e uma de primeira, esta a menos de 10 quilómetros da chegada.

Fonte: Record on-line

“MARCEL KITTEL VENCE SEGUNDA ETAPA DA CLÁSSICA ITALIANA TIRRENO-ADRIÁTICO”

Prova continua a ser liderada pelo australiano Patrick Bevin

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista alemão Marcel Kittel (Katusha) venceu esta quinta-feira ao sprint a segunda etapa da clássica italiana Tirreno-Adriático, que continua a ser liderada pelo australiano Patrick Bevin (BMC).

Kittel impôs-se ao eslovaco Peter Sagan (Bora) e ao italiano Giacomo Nizzolo (Trek), cumprindo os 167 quilómetros entre Camaiore e Follonica em 4:12.24 horas.

A geral continua a ser comandada por Patrick Bevin, com o mesmo tempo dos colegas da BMC Damiano Caruso, Greg van Avermaet e Rohan Dennis, estando o sul-africano Daryl Impey a quatro segundos e um quinteto a nove.

Os dois portugueses em prova chegaram integrados no pelotão, tendo José Gonçalves (Katusha) sido 31.º e Nelson Oliveira (Movistar) 85.º, ambos com o mesmo tempo do vencedor.

Gonçalves subiu 23 lugares para 72.º, a 1.21 minutos, enquanto Oliveira ganhou 11, ascendendo ao 47.º, a 50 segundos.

Na sexta-feira, os ciclistas vão cumprir 234 quilómetros entre Follonica e Trevi.

Fonte: Record on-line

“Bombarralense Mostra a Camisola”

No dia 4 de Março, o Sport Clube Escolar Bombarralense, com a sua equipa júnior, a Sicasal / Liberty-Seguros / Bombarralense, marcou presença no II Circuito de Ciclismo do Carregado, prova de abertura de época. 

A equipa marcou presença com Ricardo Sousa, Rafael Costa, Bruno Silva, João Martins, Guilherme Simão, Francisco Guerreiro, Rodrigo Duarte e António Pintassilgo.

Em condições adversas, a equipa tentou construir uma fuga, tendo em conta a maior ponta final dos adversários. Tal não se concretizou e o pelotão chegou compacto e selecionado, vencendo Rodrigo Caixas (Bairrada). A nossa equipa colocou 3 atletas entre os 20 mais, destacando-se Francisco Guerreiro em 6º.

Já a formação sub-23, FGP / Cube / Bombarral, deslocou-se à Póvoa de Varzim para a XXII Clássica da Primavera. Um total de 147 quilómetros, com destaque para a subida ao Monte de São Félix.

A equipa alinhou com Diogo Lopes, Diogo Tavares, Emanuel Duarte, Francisco Duarte, Jorge Marques, Leonel Firmino e Rafael Antunes.

 Em terreno acidentado, Domingos Gonçalves (Rádio Popular – Boavista) venceu, com Emanuel Duarte a ser o 5º melhor em sub-23, 33º à geral. Dos 7 atletas do Bombarral à partida, 5 deles finalizaram, um saldo positivo se considerarmos a dureza da prova e a qualidade do pelotão nacional.

Ambas as equipas voltam a competir no próximo Domingo, dia 11 de Março. A equipa júnior corre em Alcobaça a 1ª prova da Taça de Portugal, enquanto a equipa sub-23 desloca-se à Arrábida para a clássica da região. Fica o convite!

Fonte: Bombarralense