sábado, 22 de abril de 2017

“NOVA BATERIA SHIMANO”

VAI PERMITIR AOS UTILIZADORES DO ULTEGRA 6800 E DURA-ACE 9000 A POSSIBILIDADE DE UTILIZAÇÃO DA COMUTAÇÃO SINCRONIZADA

Com o lançamento do novo Dura-Ace 9100, surgiu novo firmware que veio oferecer aos ciclistas de estrada a possibilidade de colocarem comutação sincronizada entre as mudanças da frente e de trás. Agora esta tecnologia ficou agora disponível para a series mais antigas Ultegra 6800 e Dura-Ace 9000, desde que o utilizador tenham a nova bateria.

A nova bateria (BT-DN110) contem um chip de memória que consegue suportar o processamento extenso de informação necessário para os processos que a comutação sincronizada exige, oferecendo assim a possibilidade de conseguir-mos personalizar o nosso estilo de ciclismo.

Como aceder a esta nova funcionalidade:

O utilizador terá de assegurar que tem a instalada a nova bateria BT-DN110, sendo que é a única que permite tirar vantagem da comutação sincronizada e semi-sincronizada.

De seguida, sendo já um utilizador do sistema Di2 e que esteja a utilizar as mudanças da frente (FD-6870/FD-9070/FD-9150) e de trás (RD-6870/RD-9070/RD-9150), pode descarregar a última versão do firmware na plataforma E-TUBE, ou através da conexão ao PC, ou via Bluetooth através do tablet ou smarphone

Alteração modo comutação:

Se o utilizador já tiver instalado o mais recente firmware e a nova bateria facilmente consegue perceber em que modo de comutação se encontra, graças a uma nova sequência de luzes na junção externa EW-90A/B (ver figura) ou na junção interna W-RS910

Um click duplo no botão externo da junção permite-nos alterar entre os modos.

          Uma luz vermelha sólida indica que estamos no modo manual.

          Uma luz vermelha a piscar 2x indica-nos que estamos no modo sincronizado

          Uma luz vermelha a piscar 3x indica-nos que estamos no modo semi-sincronizado

Cada modo é personalizável, significa que podemos escolher diferentes combinações e personalizar o nosso modo de comutação aquele que mais gostamos de utilizarEach mode is customisable in E-TUBE, meaning you can choose different combinations and customized shift patterns if you wish (for example, two semi-Synchronized Shift modes offering different ‘correction’ shifts, or two full Synchronized Shift modes that assign a front derailleur command on differing sprockets).

Mais informação: Video explicativo, sobre o E-tube e o mapa de sincronização em:http://e-tubeproject.shimano.com/about/semisyncroshift.html

O que é a comutação sincronizada?

É uma função que permite ao ciclista concentra-se apenas na passagem traseira das mudanças na cassete, enquanto o sistema DI2 automáticamente estuda a melhor combinação entre a mudança da frente e de trás, alterando à frente.

Fazendo a passagem das mudanças de 28D para 11D, o sistema reconhece que a melhor combinação é entre os carretos 15 e 17D

Fazendo a passagem de 11D para 28D, o sistema reconhece que a melhor combinação será entre os carretos 25D e 21D.

O que é a semi-sincronização?

Quando fazemos a comutação automática na mudança frente, o sistema quando no modo semi-sincronizado, comuta automáticamente faz a passagem na mudança traseira quando alteramos à frente. Esta função permite ao ciclista conseguir sempre uma transição optimizada, para uma melhor fluidez na passagem e performance.

Também neste modo, podemos personalizar os nossos modos de comutação através da ligação ao E-TUBE PROJECT app ou PC.

Fonte: Sociedade Comercial do Vouga - Distribuidor Oficial Shimano

“Taça de Portugal de Elite e Sub-23”

Jesús Ezquerra vence primeira etapa da Volta à Bairrada

O espanhol Jesús Ezquerra (Sporting-Tavira) ganhou hoje a primeira etapa da Volta à Bairrada – 4 Maravilhas da Mesa da Mealhada, uma ligação de 146,7 quilómetros, entre a Mealhada e Casal Comba, que marcou o arranque da Taça de Portugal de Elite e Sub-23.

A meta coincidiu com uma contagem de montanha de quarta categoria, favorecendo homens rápidos em detrimento dos sprinters puros. O Sporting-Tavira estudou bem a chegada e soube lançar Jesús Ezquerra, que arrancou na subida final para o triunfo. O segundo classificado foi Luís Mendonça (Louletano-Hospital de Loulé) e o terceiro César Fonte (LA Almumínios-Metalusa BlackJack), ambos a 1 segundo do vencedor.

“Foi uma vitória da equipa, que me deixou na última subida. Só tive de apertar e de ganhar. Tinha algumas dúvidas acerca da minha condição, porque me apresentei com problemas nas costas, mas consegui ganhar”, revelou Jesús Ezquerra, que amanhã partirá de camisola amarela para a segunda etapa.

A corrida começou muito rápida, tendo sido percorridos cerca de 54 quilómetros na primeira hora, o que inviabilizou a formação de qualquer fuga. A primeira escapada deu-se, então, com cerca de 60 quilómetros de prova, juntando na frente Domingos Gonçalves (RP-Boavista) e Márcio Barbosa (ACDC Trofa).

O duo de escapados desentendeu-se, tendo o boavisteiro pedalado sozinho grande parte do circuito final, que foi cumprido quatro vezes, chegando a ter quase 3 minutos de vantagem. Domingos Gonçalves ainda entrou isolado na última, mas não resistiu à perseguição do pelotão, onde a Efapel se destacou no trabalho de aproximação ao fugitivo.

Quando se perspetivava a possibilidade de uma chegada ao sprint, Jesús Ezquerra surpreendeu os rivais, atacando de longe e abrindo um espaço que os adversários não conseguiram fechar, ficando, assim, em vantagem para conquistar a Volta à Bairrada – 4 Maravilhas da Mesa da Mealhada.

O espanhol comanda a classificação geral, dispondo de 5 segundos de vantagem sobre os perseguidores mais diretos, Luís Mendonça e Domingos Gonçalves, segundo e terceiro, respetivamente. Além disso, Ezquerra é também o melhor na classificação por pontos.

A geral de sub-23 é encimada pelo basco Xuban Errazquin (RP-Boavista), embora com o mesmo tempo de David Ribeiro (Liberty Seguros/Carglass) e de Francisco Campos (Miranda-Mortágua), que estão nos lugares imediatos.

A fuga de Domingos Gonçalves valeu-lhe o prémio da combatividade e as camisolas das classificações da montanha, metas volantes e autarquias. O Sporting-Tavira comanda por equipas e David Ribeiro foi o melhor ciclista das equipas de clube.

A Volta à Bairrada termina neste domingo com uma etapa que vai unir o Luso à Pampilhosa do Botão, ao longo de 170,3 quilómetros. A tirada começa às 11h00 e termina, à quarta passagem pela linha de meta, cerca das 15h00.

Além de poderem ver o pelotão profissional passar quatro vezes na zona de chegada, os espectadores terão a oportunidade de aplaudir o esforço dos ciclistas com deficiência, que, a partir das 11h30, correm na Pampilhosa do Botão a primeira prova da Taça de Portugal de Paraciclismo.

Classificação

1.ª Etapa: Mealhada - Casal Comba, 146,7 km

1.º Jesús Ezquerra (Sporting-Tavira), 3h25m03s

2.º Luís Mendonça (Louletano-Hospital de Loulé), a 1 s

3.º César Fonte (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), mt

4.º Xuban Errazquin (RP-Boavista), mt

5.º David Ribeiro (Liberty Seguros/Carglass), mt

6.º Antonio Angulo (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), mt

7.º Rafael Silva (Efapel), mt

8.º Daniel Mestre (Efapel), mt

9.º Daniel Freitas (W52-FC Porto), mt

10.º Francisco Campos (Miranda/Mortágua), mt

Geral Individual

1.º Jesús Ezquerra (Sporting-Tavira), 3h24m53s

2.º Luís Mendonça (Louletano-Hospital de Loulé), a 5s

3.º Domingos Gonçalves (RP-Boavista), mt

4.º César Fonte (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), a 7s

5.º Rafael Silva (Efapel), a 9s

6.º João Matias (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), a 10s

7.º Xuban Errazquin (RP-Boavista), a 11s

8.º David Ribeiro (Liberty Seguros/Carglass), mt

9.º Antonio Angulo (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), mt

10.º Daniel Mestre (Efapel), mt

Fonte: FPC

“Michele Scarponi morre atropelado durante o treino”

Ciclista italiano da Astana tinha 37 anos e foi o vencedor do Giro em 2011

Por: Marta Correia Azevedo

Foto: Reuters

O ciclismo está de luto. Michele Scarponi, de 37 anos, morreu atropelado, na manhã deste sábado, em Filottrano, a sua terra natal.

O ciclista italiano da Astana, vencedor da Volta a Itália em 2011, foi mortalmente atropelado por uma carrinha, num cruzamento, quando treinava, confirmou já a Astana, que recorda Scarponi como um " grande campeão", "sempre com um sorriso".

Na sexta-feira, Michele Scarponi terminou a Volta aos Alpes no 4.º lugar da geral - o ciclista italiano foi vencedor da 1.ª etapa.

Scarponi era casado e tinha dois filhos menores.

Fonte: Record on-line