quarta-feira, 16 de agosto de 2017

“Volta a Portugal em Bicicleta/ 79ª Edição”

Por: José Morais

Chegou esta terça-feira dia 15, o final a 79ª Volta a Portugal em Bicicleta, na comemoração dos 90 anos da realização da primeira edição, este ano a Volta ficou marcada por muita adrenalina, um percurso exigente, a o regresso ao Alentejo, a ausência mais um ano da Torre com final de etapa, apenas passando ao lado da mesma, sendo considerada com a etapa Rainha, porem como a Senhora da Graça, a ser este ano realizadas estas etapas durante a semana, onde afastou muitos amantes da modalidade, que por hábito quando estas etapas coincidem ao fim-de-semana, junta muita mais gente, e ainda mais um troço em Fafe de terra batida, que se repetiu novamente este, e que Rui Sousa saiu vitorioso, despedindo-se assim em alta da competição, e da sua última Volta a Portugal e Bicicleta, mas com tudo isto, foi a volta que tivemos, os meios conseguidos, e os apoios, porque em eles não seria possível a sua realização.

Mais um ano, a W52-FC Porto mandou na volta e impôs-se, e no final Raúl Alarcón vestia de amarelo, ganhando a 79ª edição, e olhando a tabela dos 10 primeiros, podemos ver a superioridade da W52-FC Porto, e como tudo já foi dito, e redito, apenas temos de dar os nossos parabéns a esta formação.

Da nossa parte, iniciamos a 3 de agosto, e terminamos a 16, ao longo destes dias quase uma centenas de notícias todas dedicadas à Volta a Portugal, apostamos este ano em força na divulgação da Volta, preparamos antecipadamente a mesma, e diariamente entre todas as notícias sobre a mesma, apresentamos a Volta dia a dia pelo diretor Joaquim Gomes, apresentamos o mapa e a altimetria diário de cada etapa, e ainda o vídeo do percurso, dando assim todos os dias um panorama das etapas.

Estivemos em Lisboa, e acompanhamos a primeira etapa entre Vila Franca de Xira e Setúbal, mais gostaríamos de poder acompanhar, mas como sabem sem apoios, é insuportável a nível monetário acompanhar todos os dias de volta, mas não estando presencialmente diariamente, as notícias essas, estiveram sempre no nosso espaço diário, e tentamos dar o nosso melhor, o qual agradecemos a todos que nos apoiaram, e ás imensas mensagens de apoio, a todos, o nosso obrigado.

“Filipe Baptista 3º em Hamburgo”

Foto: Sporting Clube de Espinho

Foi no passado Domingo dia 13 que Filipe Baptista se classificou no terceiro posto no Ironman Hamburgo.

Filipe Baptista, do Grupo de Idade 18-24, levou 10h06min a completar a sua prova, mais 28 minutos que o vencedor do seu escalão, o alemão Paul Sammers.

Além de Filipe Baptista, Portugal teve representado por 30 triatletas onde o mais rápido foi Marco Vieira que na sua estreia levou 9h47min para completar os 3.8km de natação, 180km de ciclismo e 42km de corrida.

No sector feminino, a melhor atleta lusa foi Teresa Cardoso que completou a competição em 11h04min.

A prova que foi marcada pela constante chuva, foi ganha pelo sul africano, James Cunnama (8h00) e no sector feminino, a alemã Daniela Sämmler foi a grande vencedora (9h07).

A enorme participação Portuguesa neste evento demonstra mais uma vez o crescimento que a Longa Distância tem tido em Portugal.

A Federação de Triatlo de Portugal congratula todos os participantes que com o seu esforço representaram da melhor forma o Triatlo Português.

Fonte: FTP

“Campeonato da Europa de Maratona BTT”

Portugal candidato à organização do Campeonato da Europa de Maratona

Por: José Carlos Gomes

Portugal vai apresentar a candidatura para a organização do Campeonato da Europa de Maratona BTT (XCM) em 2019, anunciou o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, durante a receção a Tiago Ferreira, depois de o viseense conseguir o título europeu de XCM.

A Federação Portuguesa de Ciclismo tem a ambição de oferecer aos adeptos portugueses a oportunidade de ver ao vivo uma competição em que Portugal tem naturais ambições de sucesso desportivo e organizativo. “Estamos a preparar já uma candidatura para organizarmos em 2019 o Campeonato da Europa de XCM. Temos este excelente especialista e também temos organizadores capazes. Por isso, estamos a preparar a candidatura para 2019 e, quem sabe, teremos todo o povo português a torcer pelo Tiago Ferreira numa prova realizada no nosso país”, revelou Delmino Pereira.

“É um prazer ter um atleta como o Tiago Ferreira, um dos maiores especialistas mundiais desta disciplina de BTT. É também um atleta olímpico, um corredor com capacidades superiores. O Tiago tem correspondido com excelentes desempenhos à aposta que a Federação tem feito nas seleções nacionais para lhe proporcionar todas as condições”, salienta o dirigente.

Tiago Ferreira, recebido por familiares e por adeptos da modalidade, respondeu aos jornalistas presentes que poderá pensar, no futuro, em conseguir juntar os dois títulos, europeu e mundial, na mesma temporada. “Poderemos pensar nisso, sabendo que será muito difícil, mas que não há impossíveis. Resta-nos continuar a trabalhar, sabendo que, por exemplo, no próximo ano teremos dois circuitos que já conheço e de que gosto. Por que não tentar esse feito?”, questiona o campeão europeu e vice-campeão mundial.

Fonte: FPC

“Marcel Kittel assina com a Katusha-Alpecin”

Contrato válido por duas épocas

Foto: EPA

O ciclista alemão Marcel Kittel assinou um contrato de duas temporadas com a Katusha-Alpecin, anunciou a equipa que tem o português José Azevedo como diretor desportivo.

"Estamos muito felizes por ter Marcel na equipa. Podemos dizer que neste momento ele é o melhor 'sprinter' do mundo. Ele mostrou-o de forma impressionante na Volta a França, onde ele ganhou cinco etapas. Ele será um dos nossos corredores mais importantes", disse José Azevedo.

Kittel, de 29 anos, tem 14 triunfos no Tour, o máximo conseguido por um alemão, quatro na Volta a Itália e uma na Volta a Espanha.

"Estou ansioso por um novo desafio com novas cores. Para mim, é um momento entusiasmante. Com este passo, espero também conseguir nova inspiração", disse Kittel, que destacou o facto de poder voltar a correr com o "amigo" e compatriota Tony Martin.

Além de José Azevedo, Kittel vai encontrar na Katusha-Alpecin mais dois portugueses, os ciclistas Tiago Machado e José Gonçalves.

Fonte: Record on-line

“Ranking Ciclista do Ano”

Amaro Antunes mantém liderança mas García de Mateos aproxima-se

Por: José Carlos Gomes

O algarvio Amaro Antunes (W52-FC Porto) saiu da Volta a Portugal da mesma forma que entrou, no topo do Ranking Ciclista do Ano. No entanto, permitiu a aproximação da concorrência, nomeadamente de Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé).

No final de julho, Amaro Antunes comandava com 185 pontos de avanço sobre o então segundo classificado, Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira). Disputada a Volta a Portugal, Amaro Antunes segura a primeira posição, somando 1295 pontos, apenas mais 33 pontos do que Vicente García de Mateos, que subiu ao segundo lugar. O terceiro mais pontuado é Rinaldo Nocentini, com 1093 pontos.

A escassa diferença entre o primeiro e o segundo classificados poderá aquecer a disputa dos circuitos de verão, que se iniciam já no próximo fim de semana e que pontuam para o Ranking Ciclista do Ano.

O domínio da W52-FC Porto é mais notório na classificação coletiva. A equipa hegemónica na Volta a Portugal tem 3501 pontos. Segue-se o Sporting-Tavira, com 1999, e a Efapel, com 1672.

O Ranking é elaborado pela Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais, sob a égide da Federação Portuguesa de Ciclismo.

 

Ranking Ciclista do Ano

1.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), 1295 pontos

2.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), 1262

3.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), 1093

4.º Raúl Alarcón (W52-FC Porto), 1076

5.º João Benta (RP-Boavista), 660

6.º Daniel Mestre (Efapel), 611

7.º Gustavo César Veloso (W52-FC Porto), 497

8.º Alejandro Marque (Sporting-Tavira), 446

9.º Sérgio Paulinho (Efapel), 406

10.º Domingos Gonçalves (RP-Boavista), 397

 

Ranking Equipa do Ano

1.ª W52-FC Porto, 3501 pontos

2.ª Sporting-Tavira, 1999

3.ª Efapel, 1672

4.º Louletano-Hospital de Loulé, 1502

5.ª RP-Boavista, 1410

6.ª LA Alumínios-Metalusa BlackJack, 906

Fonte: FPC

“Volta a Portugal/Rui Vinhas em êxtase com a vitória do 'irmão' Raúl Alarcón na Volta a Portugal”

Português foi o vencedor da edição passada da prova

Rui Vinhas não podia estar mais feliz por ter Raúl Alarcón como seu sucessor no historial de vencedores da Volta a Portugal em bicicleta, relevando que só não desistiu da 79.ª edição porque o seu grande amigo lhe pediu.

“Eu não posso demonstrar muito, mas toda a gente sabe que eu gosto dele. Ele sabe melhor do que ninguém quão feliz estou com esta vitória dele”, começou por dizer à agência Lusa o inesperado vencedor da Volta de 2016.

Inseparáveis desde que se cruzaram no Louletano-Dunas Douradas há quatro anos, Vinhas e Alarcón são ‘unha com carne’ e, por isso, Rui Vinhas lá vai assumindo que é muito suspeito para falar do seu amigo.

“Desde 2013 que somos companheiros de equipa. Aliás, somos companheiros de quarto desde essa altura. Ajudei muito o Raúl e ele também me ajudou muito. No ano passado, foi o pilar da minha vitória. Ele e todos os outros colegas. Mas ele foi o mais especial. Passámos por vários momentos difíceis e conseguimos ultrapassá-los. O ano em que eu vim para a W52-Quinta da Lixa [2015] não foi fácil para ele, porque estava sem equipa. Lutámos, lutámos e conseguimos que ele viesse comigo. Após esse momento difícil, as coisas começaram a melhorar. O ano passado correu-me bastante bem, este ano está a ser o ano dele”, destacou o ciclista de Sobrado.

Com o filho Pedro ao colo, o corredor ‘dragão’, de 30 anos, confessou à Lusa que, para si, Alarcón é um irmão, tanto que chegou a albergá-lo em sua casa no período mais complicado da vida do alicantino de Sax em Portugal.

“Desde o início, não foi fácil para ele estar em Portugal. Ele não queria estar a despender dinheiro, nessa altura era complicado para ele estar a pagar hotéis. Eu convidei-o a ficar em minha casa e toda a gente em casa gostou dele. Ele sentia-se em casa connosco e eu fico muito contente com isso. Ele agradeceu-me bastante e continua a agradecer. Não me arrependo dos gestos que tive para com ele. Ele está a ter o que merece e esta vitória é fruto de todo o trabalho e de todo o esforço dele ao longo dos anos”, defendeu.

Vinhas, que garante conhecer Alarcón só de olhar para ele – “Às vezes, nem precisamos de falar. É como se fosse uma pessoa que vive comigo há 20 anos” -, revelou ainda que só não desistiu desta Volta a Portugal porque o amigo assim o quis.

“Esta Volta foi bastante difícil em termos emocionais para mim, porque entrei nesta edição já debilitado, tive uns problemas de saúde [uma gastroenterite]. Estava-me a sentir inútil no apoio ao Rául. Não estava a conseguir retribuir o apoio que ele me deu no ano passado, mas esforcei-me. Eu queria desistir a meio da Volta, mas ele pediu-me para ficar ao lado dele, porque iria precisar de mim. Eu lutei, melhorei um bocadinho na segunda parte, e estive a um nível aceitável”, explicou.

Apesar de não ter estado como desejava, o vencedor da Volta2016 assegurou estar feliz. “Tive um ano positivo em termos de resultados e paguei um bocado a fatura nesta Volta a Portugal, mas estou contente. O objetivo, como disse no início, era a equipa ganhar”, concluiu.

Fonte: Sapo on-line

“Volta a Portugal/A emoção não deixou Rui Sousa dar o máximo”

Veterano português despediu-se da competição

O veterano português Rui Sousa (RP-Boavista) confessou que a emoção da despedida não o deixou dar o máximo na 79.ª Volta a Portugal e que é difícil despedir-se do ciclismo, a única forma de vida que conhece.

“É difícil dizer adeus, porque estou há uma vida a pedalar. Custa muito. Vinha no contrarrelógio e nem consegui dar o máximo”, disse, depois de cortar, pela última vez a meta.

Em Viseu, nos metros finais dos 20,3 quilómetros do contrarrelógio, Rui Sousa desceu da bicicleta, ergueu a bicicleta sobre a cabeça, fez vénias ao público, distribuiu abraços e foi alvo da mais sonora chuva de aplausos.

Quis agradecer às pessoas e estas palmas querem dizer que fiz algo de jeito na minha carreira e que as pessoas gostaram. Saio satisfeito. Estou muito feliz com esta Volta a Portugal. A emoção daquela vitória em Fafe valeu por tudo. Foi a grande vitória da minha carreira”, considerou o mais popular dos ciclistas do pelotão nacional.

O corredor da RP-Boavista, que revelou à Lusa que vai orientar a nova equipa de sub-23 'axadrezada', assumiu que a ideia da despedida ainda está muito fresca. “Depois do dia de Fafe, emocionava-me demasiado e nunca consegui chegar àquele limite máximo”, admitiu.

Fonte: Sapo on-line

“Volta a Portugal/Mais de mil pessoas receberam a equipa vencedora em Sobrado”

Atletas recebidos em clima de grande festa e euforia

Por: Lusa

Foto: Lusa

Mais de mil pessoas receberam, esta madrugada, em Sobrado, em grande apoteose, a equipa do W52-FC Porto, equipa vencedora da 79.ª Volta a Portugal.

Num clima de grande festa e euforia, um camião aberto transportou toda a equipa portista até Sobrado, sede da W52-FC Porto, já passava da 01H20, quase duas horas depois do horário previsto para a chegada (inicialmente foi anunciado que chegariam às 23H30).

Nem esse atraso fez com que as pessoas arredassem pé, mantendo-se ao longo da estrada à espera dos "heróis da terra", conforme alguns populares quiseram apelidar os ciclistas portistas.

À entrada em Sobrado, ao som de música, foguetes e muitas palmas, os atletas e restante equipa foram, de facto, recebidos como verdadeiros heróis, numa festa que começa a tornar-se um hábito e que se prolongou pela noite dentro.

O espanhol Raúl Alarcón (W52-FC Porto), que venceu esta terça-feira pela primeira vez a Volta a Portugal, foi o mais aplaudido e acarinhado, juntando-se à festa agradecido com a "maravilhosa receção".

"Estou muito feliz. Não estava à espera que ainda estivesse tanta gente à nossa espera. Vou desfrutar cada momento", disse o vencedor da prova.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Rui Sousa vai ficar responsável pela nova equipa sub-23 da RP-Boavista”

Confirmação no final da última participação numa Volta a Portugal

Por: Lusa

Foto: Simão Freitas

Rui Sousa, que cumpriu a sua última participação numa Volta a Portugal, vai assumir o papel de treinador da nova equipa de sub-23 da RP-Boavista, revelou à agência Lusa o ciclista português.

"O professor [José Santos] acaba de me fazer o convite para ficar responsável pela nova equipa sub-23 do RP-Boavista", contou à Lusa o veterano de 41 anos, que se despediu da Volta a Portugal.

Rui Sousa reconheceu que, apesar de ter demonstrado interesse em continuar ligado ao ciclismo, nunca tinha pensado em qual seria o seu futuro papel.

"Eu, sinceramente, nem esperava nada. Claro que o convite me agrada, por isso é que aceitei", sublinhou.

O popular corredor 'axadrezado' vai abandonar o ciclismo depois de 20 anos de profissionalismo, tendo concluído o seu percurso na Volta a Portugal, onde foi segundo em 2014 e terceiro em 2013, 2012, 2011 e 2002.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Diretor da Volta a Portugal lamenta "clubite" e apela ao Benfica”

Joaquim Gomes quer as águias na estrada

Por: Lusa

Foto: Simão Freitas

O diretor da Volta a Portugal apelou ao Benfica para formar uma equipa de ciclismo, considerando que, quando os três 'grandes' estiverem ao mesmo tempo na estrada, a prova dará um salto qualitativo enorme.

"Julgo que foi uma grande Volta a Portugal. O facto de ser a W52-FC Porto a vencer, e foi uma vitória em toda a frente, porque acabam por ganhar coletivamente e ter dois homens no pódio, é positivo. O público português é 'sui generis'. Está muito formatado para a 'clubite', e só é pena que o Benfica não esteja na estrada para que o sucesso na Volta pudesse ser celebrado a um nível mais importante", lamentou Joaquim Gomes.

O diretor da prova rainha do calendário nacional defendeu que é uma pena que um clube que tem na sua génese o ciclismo não esteja na estrada.

"Gostaria que os dirigentes do Benfica fizessem uma tentativa, um esforço para formar uma equipa. Eu sei que, muitas vezes, a maior dificuldade é encontrar dirigentes credíveis para avançar com um projeto consolidado, que pudesse ter continuidade no tempo, e não tentativas frustradas como as duas últimas. É bom sentir que ainda temos isto por explorar, que é ter os três 'grandes' na estrada", considerou.

Joaquim Gomes acredita que, quando as 'águias' se juntarem à W52-FC Porto e ao Sporting-Tavira, a Volta a Portugal "dará um salto qualitativo enorme".

"Estamos satisfeitos com aquilo que se passou, estamos confortavelmente satisfeitos a pensar na Volta do próximo quadriénio. Temos eleições autárquicas e os apoios autárquicos são uma vertente importantíssima no percurso da própria Volta. Mas não estamos preocupados, porque todos os municípios sabem a excelente ferramenta de promoção que é a Volta a Portugal", concluiu.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Raúl Alarcón: «Sinto-me numa nuvem»”

Vencedor da Volta a Portugal vive momento ímpar na carreira

Por: Lusa

Foto: Lusa

O ciclista espanhol Raúl Alarcón (W52-FC Porto) revelou estar a sentir-se numa nuvem e apontou a oitava etapa como o momento mais complicado que viveu na sua vitória na 79.ª Volta a Portugal.

"É algo impressionante. Ganhar a 'Grandíssima' é algo que nunca vou esquecer. Sinto-me numa nuvem. Sempre trabalhei para os outros e via como eles ganhavam e sentia-me feliz por eles. E agora estar aqui, do outro lado... só tenho palavras de agradecimento", enalteceu o vencedor da Volta a Portugal.

Raúl Alarcón apontou a chegada a Oliveira de Azeméis como o seu pior momento, uma vez que os rivais se acercaram da sua liderança e sentiu-se mais pressionado, e a etapa seguinte, a nona, como o melhor.

"A etapa de ontem [segunda-feira] foi muito dura, fizemos uma estratégia atacante porque no dia anterior tinham-se aproximado muito os rivais. Sabíamos que tínhamos de ganhar muito tempo e fizemos aquela tática. Foi um dia muito exigente, mas, quando cheguei com o Amaro [Antunes, à Guarda], vivi o meu momento mais feliz", indicou.

O alicantino, de 31 anos, negou que tenha combinado qualquer resultado com Antunes, o vice-campeão, e contou que, quando estavam os dois a aquecer, desejaram-se sorte.

"Sabíamos que um dos dois ia ganhar. No final, sou eu o vencedor, mas o importante foi a vitória ficar na equipa", destacou, tendo ainda palavras de elogio para Gustavo Veloso: "É uma pessoa que hoje merecia ganhar. Ontem passou um momento difícil. E hoje quando cheguei estava lá para a abraçar-me. Admiro-o muito".

Alarcón dedicou o seu triunfo à equipa, que confiou nele, e, especialmente, ao galego, vencedor da Volta em 2014 e 2015, que soube passar-lhe a 'chefia' da W52-FC Porto.

"Agora estou a desfrutar deste momento. Sempre disse, como na Volta, que vou dia a dia. Não posso olhar mais para a frente", respondeu quando questionado sobre o futuro e sobre uma eventual liderança bipartida da formação 'azul e branca'.

O vencedor da Volta recordou que trabalhou muito ao longo do ano, fez várias concentrações em altitude, e negou-se a antever uma melhoria de resultados no próximo ano.

"Quando era jovem, pensava no futuro. E depois, quando não acontecia, sofria. Estive no mais alto do ciclismo aos 20 anos e depois levei uma paulada grande. Mais vale pensar dia a dia", defendeu, reconhecendo, no entanto, que gostava de estar presente numa Volta a Espanha.

"É algo que ainda me falta fazer. Se conseguir, ótimo. Se não, estou feliz, porque ganhei uma grande volta. Há muito talento nesta equipa. Acredito que temos qualidade para estar numa grande volta", concluiu.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Nocentini: «Adversários mostraram que são os mais fortes»”

Transalpino diz que deu o máximo e revela que vai acabar a carreira no Sporting-Tavira

Por: Alexandre Reis

Foto: João Fonseca/Podium

Depois de declarações polémicas nas redes sociais, em que classificou Raúl Alarcón e Amaro Antunes, como dois ‘óvnis’ no ataque da etapa rainha, o italiano Rinaldo Nocentini desdramatizou, dando os parabéns aos vencedores.

"Demonstraram que são a equipa mais forte. Foram mais fortes hoje [ontem] no contrarrelógio, ganharam nos sprints, venceram na montanha. Não há muito mais para dizer, a não ser que esperava mais das outras equipas na escalada da Torre, pois ninguém ajudou", considerou Nocentini.

Aquele que chegou a andar de amarelo no Tour ficou com um sabor agridoce no final da sua segunda Volta a Portugal, pois queria terminar no pódio e vencer uma etapa: "Hoje [ontem], não estava muito bem. Fiz o possível, dei o máximo e esta Volta foi um dos melhores momentos nos últimos anos da minha carreira. É certo que vou acabar a carreira no Sporting-Tavira", revelou o ciclista transalpino, de 39 anos, ainda com mais uma época de contrato.

Nocentini destacou a evolução da equipa, que está apenas há dois anos na estrada, pois de um ano para o outro o Sporting-Tavira conseguiu estar na discussão da corrida até à penúltima etapa: "O grupo está mais unido, somos mais fortes, temos maior conhecimento e houve uma evolução natural. Na próxima Volta estaremos melhor."

Costela partida

Também o espanhol Alejandro Marque, um dos candidatos à partida e vencedor de uma Volta a Portugal, queria mais para si e para o Sporting-Tavira, mas não foi possível: "Fomos ao limite todos os dias. Infelizmente, não pude dar o meu melhor, pois fiquei com uma fissura numa costela após queda na 2ª etapa e as dificuldades em respirar ditaram o meu mau resultado na Senhora da Graça. Atendendo a isso, o top 5 na geral acaba por não ser mau."

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Equipa EFAPEL mais três anos na estrada”

Compromisso com o ciclismo e com a formação cada vez maior

A equipa de ciclismo EFAPEL terminou a sua participação na 79ª Volta a Portugal em Bicicleta. Mas se este ciclo está perto da sua conclusão, outros se iniciam. Foi durante a principal prova do calendário português que a empresa especialista em componentes eléctricos assumiu o compromisso de prolongar o projecto desportivo por mais três anos, ou seja, a formação de Ovar vai continuar na estrada até 2020.

Esta edição da Volta a Portugal foi especial para toda a equipa. A nível desportivo, o nível alcançado foi muito elevado. Os oito comandados por Américo Silva foram quem mais luta deram à equipa que conseguiu o triunfo na geral individual, a W52-FC Porto. Além disso, o conjunto da EFAPEL assumiu o protagonismo em diversas situações de corrida e obteve uma bonita e especial vitória na sétima etapa, que ligou Lousada ao Santuário de Nossa Senhora da Assunção, em Santo Tirso.

Os momentos marcantes para a equipa não se limitaram às questões desportivas. Destaque para a partida da Lousã, concelho onde a EFAPEL tem a sua sede, com a presença dos elementos da Escola de Ciclismo e uma sessão de autógrafos. A postura da companhia na modalidade prima, sem dúvida, pela diferenciação. Não só aposta na componente desportiva, com o apoio à equipa profissional, como promove a formação de melhores seres humanos e atletas, através da escola de ciclismo criada para os mais novos. Mas não se fica por aí. A EFAPEL está totalmente envolvida na disciplina e isso foi evidente durante a partida na Lousã. O patrocínio à partida da etapa rainha, que se realizou entre a Lousã e a Guarda, o investimento nos meios de comunicação social, com publicidade relacionada com a empresa, a relação próxima com os adeptos da disciplina, e correspondente oferta de merchandising e a associação a iniciativas de solidariedade revestem todo este projecto de particularidades únicas que o tornam único no panorama do ciclismo nacional.

A EFAPEL concluiu a  sua participação na Volta a Portugal com um contra-relógio individual de 20 quilómetros que se realizou em Viseu.

Fonte: Efapel

“Volta a Portugal/Terminou a Volta a Portugal em Bicicleta”

Vicente Garcia de Mateos deu luta até ao fim

O objectivo de vencer a Volta quase foi concretizado e o espanhol do Louletano-Hospital de Loulé – Fibralgarve provou ser o mais regular ao longo de toda a competição. Garcia de Mateos, honrando a história do clube e de Loulé no ciclismo português, deu luta e projetou o nome dos patrocinadores ao terminar a Volta 2017 na terceira posição. Ao pódio, em Viseu, onde terminou a Volta, Vicente subiu duas vezes, uma para receber os aplausos do terceiro lugar e uma outra para envergar a camisola verde atribuída à classificação por pontos, vitória que alcançou confortavelmente. Para além de vencer a chegada a Oliveira de Azeméis, na 8ª etapa, o "chefe de fila" da equipa vermelha e preta contabilizou, entre outros resultados, dois segundos lugares e um terceiro.

Apontado desde o início da prova como a grande aposta louletana, o espanhol só foi batido pelo forte poderio da equipa W52-FC Porto que venceu a Volta com Raúl Alarcón. Mesmo não chegando à camisola amarela os objetivos do Louletano-Hospital de Loulé – Fibralgarve foram totalmente cumpridos porque, estando sempre na discussão da corrida, terminou no pódio e Vicente Garcia de Mateos melhorou o oitavo lugar alcançado no ano passado.

“Sabíamos das dificuldades, mas nunca baixámos os braços e estou convencido que este nosso otimismo foi fundamental para congregar o grupo em torno do homem que elegemos para discutir a Volta”, disse Jorge Piedade, Director Desportivo da equipa que se viu afetada, uns dias antes de começar a Volta, com a lesão de Luís Mendonça operado a um braço e tendo de ser substituído à última hora. No decorrer da 1ª etapa, o espanhol Oscar Rodriguez, a passar mal devido a uma gastroenterite, foi obrigado a abandonar desfalcando a equipa que trabalhou no apoio a Vicente Garcia de Mateos.

 

“Posso concluir que demos luta até ao fim e temos de dar os parabéns ao vencedor. A etapa que passou na Torre foi decisiva para a classificação e realmente foram mais fortes que o nosso conjunto. Nada há a dizer sobre isso. Honrámos os pergaminhos do nosso clube como há muito não acontecia e ir ao pódio na condição do Vicente, com o terceiro lugar da geral e líder dos pontos, é óptimo,” expressou, em jeito de balanço, Jorge Piedade.

Classificação Geral Final dos ciclistas do Louletano - Hospital de Loulé – Fibralgarve na79ª Volta a Portugal em Bicicleta.                       

 Lugar    Dorsal                   Nome                Nacionalidade

51
Vicente de Mateos
ESP
22º
52
David de La Fuente
ESP
35º
53
Nuno Almeida
POR
41º
57
Rui Rodrigues
POR
59º
54
Hélder Ferreira
POR
85º
55
Pedro Paulinho
POR
105º
58
André Evangelista
POR

 

Fonte: Louletano