sábado, 3 de março de 2018

“TIESJ BENOOT GANHA NO ESPETÁCULO DA LAMA”

Belga conquista Strade Bianche aos 23 anos

Por: Ana Paula Marques

Puro espetáculo de ciclismo foi o que se viu este sábado em Itália, na clássica Strade Bianche. Muita chuva, muita lama, caracterizaram a corrida, que levou o jovem belga Tiesj Benoot à sua primeira grande vitória da carreira.

O ciclista da Lotto Soudal atacou nos últimos quilómetros, para chegar isolado à meta, com 39 segundos de vantagem para o francês Romain Bardet (AG2R). O terceiro foi outro belga, Wout Van Aert (Verandas), a 59 segundos, sendo que o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), durante muito tempo no grupo da frente, foi quatro, com o mesmo tempo.

Já José Gonçalves (Katusha), que em 2017 foi 11.º nesta corrida, foi agora 27.º, a 9.46 minutos, enquanto Nelson Oliveira (Movistar), cortou a meta em 46.º, a quase 30 minutos. Finalmente Nuno Bico (Movistar) não terminou.

Fonte: Record on-line

“CIRCUITO MUNDIAL: MELANIE SANTOS QUINTO EM ABU DHABI”

Atleta do Benfica precisou de 1:01.24 horas para completar a prova

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

A portuguesa Melanie Santos foi esta sexta-feira quinta classificada na primeira etapa do circuito mundial de triatlo, que se disputou em Abu Dhabi e foi muito afetada pela chuva.

A atleta do Benfica precisou de 1:01.24 horas para completar a prova, ganha pela holandesa Rachel Klamer (1:00.43), à frente da britânica Jessica Learmoth (1:00.57) e da australiana Natalie Van Coevorden (1:01.00).

Numa prova muito condicionada pela chuva, a vencedora dos dois últimos circuitos mundiais, Flora Duffy, das Bermudas, desistiu após uma queda no segmento de ciclismo, fase em que também abandonou a norte-americana Katie Zaferes, terceira do tour em 2017.

A próxima prova do circuito mundial disputa-se nas Bermudas, em 28 de abril.

Fonte: FPC

“Circuito mundial: João Silva sexto em Abu Dhabi”

Na primeira prova da competição

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

O português João Silva terminou esta sexta-feira na sexta posição a primeira etapa do circuito mundial de triatlo, disputada em Abu Dhabi e que foi ganha pelo sul-africano Henri Schoeman.

O atleta olímpico português gastou 57.45 minutos para completar o percurso, enquanto o compatriota João Pereira, quinto nos Jogos Olímpicos Rio'2016, foi 37.º, em 59.42.

A prova foi ganha por Henri Schoeman, bronze no Rio2016, com um tempo de 57.03 minutos, menos seis segundos do que o espanhol Mario Mola, vencedor do circuito mundial em 2016 e 2017, e menos 22 do que o francês Vincent Luís.
O britânico Jonathan Brownlee, vice-campeão olímpico, foi sétimo, com 57.56 minutos.
A próxima prova do circuito mundial disputa-se nas Bermudas, em 28 de abril.

Fonte: Record on-line

“IVO OLIVEIRA: «É A MEDALHA MAIS IMPORTANTE DA MINHA CARREIRA»”

Português conquistou a prata no Mundial de pista, em perseguição individual

Ivo Oliveira voltou a fazer história no ciclismo de pista nacional com a conquista da medalha de prata em perseguição individual no Mundial, mas não escondeu algum desalento por não ter conseguido chegar ao ouro.

"As primeiras horas são um bocado de desilusão, porque faltou muito pouco para chegar à medalha de ouro. Mas amanhã, quando acordar e assimilar o que consegui, acho que vou ficar muito feliz, porque esta é a medalha mais importante da minha carreira, até ao momento", contou o ciclista à assessoria de imprensa da federação

"Nos treinos antes do Campeonato do Mundo, ainda em Sangalhos e já aqui, percebi que iria fazer um bom tempo, talvez na casa dos 4m14s. Nunca imaginei que chegasse aos 4m12s. Tenho de agradecer a toda a comitiva que aqui está comigo, incluindo aos meus companheiros Rui [Oliveira] e [João] Matias. Agradeço também a toda a gente que está em Portugal a apoiar-me e à minha equipa, por permitir que continue a fazer estas competições de pista", disse Ivo Oliveira, depois da cerimónia do pódio.

Esta foi a décima medalha de Ivo Oliveira em campeonatos do Mundo e da Europa. O pecúlio começou em 2013, na categoria de juniores e já foi enriquecido com pódios em sub-23 e em elite, em quatro disciplinas diferentes, perseguição individual, omnium, corrida por pontos e madison.

Já o selecionador nacional não cabia em si de contente: "O Ivo teve uma prestação de excelência, vencendo a qualificação com o melhor tempo pessoal de sempre. O Ivo conseguiu ser regular durante os primeiros três quilómetros da final, faltando apenas a capacidade de acelerar no quilómetro final, que foi quando tudo se decidiu. Destaco que, ano após ano, vamos colocando a fasquia num patamar mais elevado. No futuro haveremos de lutar novamente pelo título mundial", prometeu Gabriel Mendes.

Fonte: Record on-line

“Campeonato do Mundo de Pista”

Ivo Oliveira vice-campeão mundial de perseguição

Por: José Carlos Gomes

A medalha pode ser de prata, mas a página é de ouro na história do ciclismo português: Ivo Oliveira sagrou-se vice-campeão do Mundo de perseguição individual, conquistando, em Apeldoorn, Holanda, a primeira medalha do ciclismo de pista luso em mundiais de elite.

Ivo Oliveira encontrou na final o italiano Filippo Ganna, companheiro de Rui Costa na UAE Team Emirates. O luso começou o contrarrelógio de 4 quilómetros mais rápido do que o adversário, comandando a prova até estarem percorridos 2,75 quilómetros. A partir daí Ganna acelerou e deu a volta à corrida.

Filippo Ganna completou os 4 quilómetros em 4’13’’607, melhorando a marca que trazia do apuramento e confirmando uma velha máxima: quem consegue melhorar da qualificação para a final “arrisca-se” a ganhar. Ivo Oliveira também andou muito bem na corrida de decisão das medalhas, concluindo o esforço em 4’15’’428, a terceira melhor marca portuguesa de sempre.

O registo hoje cronometrado na final só foi ultrapassado pelo próprio Ivo Oliveira na qualificação do Campeonato da Europa de elite, em outubro, com 4’14’’570, e na qualificação da prova de hoje, na qual o gaiense “voo” para cumprir os 4 quilómetros em 4’12’365.

“O Ivo teve uma prestação de excelência, vencendo a qualificação com o melhor tempo pessoal de sempre. O Ivo conseguiu ser regular durante os primeiros três quilómetros da final, faltando apenas a capacidade de acelerar no quilómetro final, que foi quando tudo se decidiu. Destaco que, ano após ano, vamos colocando a fasquia num patamar mais elevado. No futuro haveremos de lutar novamente pelo título mundial”, promete o selecionador nacional, Gabriel Mendes.

“As primeiras horas são um bocado de desilusão, porque faltou muito pouco para chegar à medalha de ouro. Mas amanhã, quando acordar e assimilar o que consegui, acho que vou ficar muito feliz, porque esta é a medalha mais importante da minha carreira, até ao momento. Nos treinos antes do Campeonato do Mundo, ainda em Sangalhos e já aqui, percebi que iria fazer um bom tempo, talvez na casa dos 4m14s. Nunca imaginei que chegasse aos 4m12s. Tenho de agradecer a toda a comitiva que aqui está comigo, incluindo aos meus companheiros Rui [Oliveira] e [João] Matias. Agradeço também a toda a gente que está em Portugal a apoiar-me e à minha equipa, por permitir que continue a fazer estas competições de pista”, disse Ivo Oliveira, depois da cerimónia do pódio.

Esta foi a décima medalha de Ivo Oliveira em campeonatos do Mundo e da Europa. O pecúlio começou em 2013, na categoria de juniores e já foi enriquecido com pódios em sub-23 e em elite, em quatro disciplinas diferentes, perseguição individual, omnium, corrida por pontos e madison.

Medalhas de Ivo Oliveira em Mundiais e Europeus

2013

Campeonato do Mundo de Juniores: Bronze na corrida por pontos

2014

Campeonato do Mundo de Juniores: Ouro em perseguição individual

Campeonato da Europa de Juniores: Ouro em perseguição individual

Campeonato do Mundo de Juniores: Bronze em madison (em equipa com Rui Oliveira)

Campeonato da Europa de Juniores: Bronze em omnium

2016

Campeonato da Europa de Sub-23: Prata em perseguição individual

Campeonato da Europa de Sub-23: Bronze em omnium

2017

Campeonato da Europa de Elite: Prata em perseguição individual

Campeonato da Europa de Sub-23: Prata em perseguição individual

2018

Campeonato do Mundo de Elite: Prata em perseguição individual

João Matias 14.º na corrida por pontos

Portugal também esteve hoje representado na corrida por pontos, através de João Matias. O corredor minhoto começou bem, somando 6 pontos em dois dos primeiros sprints, mas não voltou a pontuar, numa prova de enorme intensidade e velocidade – média de 52,552 km/h - na qual onze corredores conseguiram dobrar o pelotão.

João Matias foi o 14.º classificado, com 6 pontos, melhorando o 19.º lugar de 2017. A medalha de ouro viaja para a Austrália, na bagagem de Cameron Meyer, que terminou a prova com 70 pontos. O segundo classificado foi o holandês Jan Willem van Schip, com 52 pontos, e o terceiro foi o britânico Mark Stewart, com 49.

Ivo Oliveira compete em omnium

A participação da Equipa Portugal no Campeonato do Mundo termina neste sábado, com a presença de Ivo Oliveira nas quatro corridas do concurso de omnium. O ciclista entra em pista às 13h40, para a prova de scratch, seguindo-se tempo race, eliminação e corrida por pontos, esta cerca das 20h00.

Previa-se a participação de Rui Oliveira. No entanto, o corredor sofreu de sintomas gripais ao longo de toda esta semana, motivo pelo qual o desempenho na prova de scratch, na qual conseguiu um excelente quinto lugar, não foi o esperado. A comitiva nacional resolveu manter o estado de saúde de Rui Oliveira sob reserva até ao momento da inscrição no concurso de omnium, pois, caso a opção fosse pela participação de Rui Oliveira, era importante não tornar público, junto dos adversários, a fragilidade do ciclista luso, cujo esforço para obter o quinto lugar em scratch é digno de registo.

Fonte: FPC