sábado, 7 de janeiro de 2017

“Até sempre “Mário Soares”

Conheci Mário Soares á cerca de 25 anos, convivi diversas vezes com o mesmo, em 1994 quando era Presidente da Republica, numa das suas presidências abertas, dessa vez pelo ambiente, Sintra foi o local escolhido, a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) associou-se á iniciativa, apelou aos seus associados, e cerca da 2000 cicloturistas compareceram para pedalarem como o presidente.

Na altura, trabalhava para o “Jornal Duas Rodas”, e no dia 13 de abril fazia a apresentação da iniciativa que se iria realizar no dia 17 de abril. Nesse dia, também marquei presença, nessa altura bem preparado já que andava muito de bicicleta, e lá estava eu para fazer mais uma reportagem, era difícil de trabalhar, de fazer fotos, mas lá consegui.

Inicialmente estava prevista a participação de Mário Soares em fazer apenas cerca de 6 quilómetros, porem Soares, contornou o protocolo, e continuou, parando apenas 10 quilómetros depois, com 2000 amantes das bicicletas a fazer-lhe Guarda de Honra, deixando para trás segurança, e comunicação especial, com destaque para as televisões, que mal conseguiram fazer imagens, e quando resolveu finalmente parar, tive o prazer de ter as palavras em exclusivo para o Jornal para onde trabalhava, ao qual dizia: “Optimo! Optimo! Diverti-me imenso, e aprendi a andar nas bicicletas com mudanças que eu não sabia, isto é uma maravilha! E confessa: claro que nas subidas maiores tive aqui umas mãozinhas do presidente da Assembleia da Federação, mas consegui. Penso que para um participante não foi nada mal.”

Estas as palavras que tive de exclusividade, para mim uma honra, já que na altura estava á pouco mais de dois anos na comunicação social, e era um grande passo, porque acreditem pedalar e fazer reportagem, era obra, ao qual deixo também aqui o recorte do jornal dessa altura.

Desde esse dia mantivemos alguma amizade, e por várias vezes estivemos juntos, hoje infelizmente perdi uma pessoa que admirava, um amigo, mas a vida é assim, independentemente do que tenha feito, das diversas opiniões, para mim teve sempre o meu respeito, e neste momento de tristeza, apenas duas palavras, Até Sempre…

Finalizo, deixando as condolências a todas a família neste momento doloroso, com um abraço especial ao seu filho João Soares, deixando aqui algumas das suas recordações.

Mário Alberto Nobre Lopes Soares, Mais conhecido por “Mário Soares”, nasceu em Lisboa a 7 de dezembro de 1924, e faleceu hoje em Lisboa a 7 de janeiro de 2017 aos 92 anos, foi um dos maiores políticos portugueses.

Político de profissão e vocação, co-fundador do Partido Socialista, a 19 de abril de 1973, o percurso de Mário Soares inicia-se nos grupos de oposição ao Estado Novo, atividades que levariam o governo de Salazar a deportá-lo para São Tomé, onde permaneceu até o governo de Marcello Caetano lhe permitir o exílio em França.

No processo de transição democrática subsequente ao 25 de abril de 1974 afirma-se como líder partidário no campo democrático, sendo ainda Ministro de alguns dos governos provisórios. Em seguida foi Primeiro-Ministro dos I, II e IX governos constitucionais, acompanhando o processo de construção de políticas sociais pré-adesão às Comunidades Europeias, sendo Presidente da República durante dois mandatos, entre 1986 e 1996.

Mário Soares 1924-2017