sábado, 10 de junho de 2017

“Equipa Portugal/Equipa Portugal penalizada no contrarrelógio”

Com uma jornada dupla de competição, o Troféu Gersheim, na Alemanha, entrou na sua reta final tendo a Equipa Portugal ficado aquém das expetativas de uma boa classificação na geral individual.

A primeira meia etapa do terceiro dia do Troféu Gersheim, com 79 quilómetros e disputada em circuito em redor da localidade de Homburg, não provocou alterações na classificação geral, mantendo como líder o alemão Niklas Markl e Pedro Lopes como sexto classificado. Numa etapa novamente cumprida a uma média superior a 40 km/h, o triunfo foi pertença do russo Ivam Smirnov, enquanto que João Dinis, na 13.ª posição, com o mesmo tempo do vencedor, foi o representante da Equipa Portugal melhor classificado.

A jornada vespertina, no entanto, mudou a configuração da classificação geral individual provocando diferenças acima do esperado pelo selecionador nacional José Poeira. O contrarrelógio individual de 11,5 quilómetros, com início e final em Fahrer, foi conquistado pelo dinamarquês Julius Johansen que arrebatou a camisola amarela da competição. O melhor representante da Equipa Portugal na corrida individual foi Pedro Lopes no 65.º lugar, a 1m56s do vencedor. Tal prestação relegou o ciclista do Alcobaça Clube de Ciclismo para o 39.º posto da tabela geral, retrocedendo 33 posições.

Na classificação geral, no alinhamento da Equipa Portugal, seguem-se Pedro Miguel Lopes (56.º, a 10m24s), João Carneiro (62.º, a 11m06s), Pedro Teixeira (76.º, a 18m08s) e João Dinis (77.º, a 19m12s).

 "Saímos bastante penalizados no contrarrelógio, uma disciplina na qual não estamos ainda à altura dos nossos adversários", reconheceu José Poeira. A última etapa é a mais longa, mas o formato repete-se, com novo circuito. Será uma tirada com 120 quilómetros, com partida e chegada em Reinheim.

Fonte. FPC

“Volta à Suíça: Rohan Dennis vence prólogo”

Australiano foi o mais veloz, num dia em que Nélson Oliveira acabou em 48.º

Por: Lusa

Foto: epa

O ciclista australiano Rohan Dennis (BMC) venceu este sábado o prólogo da Volta à Suíça, tornando-se no primeiro líder da competição, em que Nélson Oliveira foi o melhor português, em 48.º.

Rohan Dennis cumpriu os seis quilómetros do circuito em Cham em 6.24 minutos, batendo o suíço Stefan Kung, seu companheiro na BMC, por oito segundos, e o austríaco Mathias Brandle (Trek) por nove.

Aos mesmos nove segundos de distância ficaram o australiano Michael Mattews e o holandês Tom Dumoulin, que recentemente venceu a Volta a Itália, ambos da Team Sunweb.

Nélson Oliveira foi 48.º a 28 segundos, enquanto Rui Costa (UAE Team Emirates) foi 61.º, mas com apenas mais um segundo do que o único compatriota em prova.

A segunda das nove etapas da Volta à Suíça disputa-se no domingo, novamente com início e fim em Cham, neste caso na distância de 172,7 quilómetros, numa tirada em que se destacam as quatro subidas de Horben, a 766 metros de altitude.

Fonte: Record on-line

“V até Cicloturista OIA”

As inscrições estão abertas para o "V UP cicloturista OIA", a ser realizada no domingo 23 de Julho. Este ano o zelador ciclista Aser Estevez, bicampeão galego 2017, patrocinando a marcha. A saída será às 9 h. sou do Mosteiro de Oia e vai viajar 100 kms. neutralizada com 2 secções livres. O percurso vai passar por Cabo Silleiro, Baredo, Virgen de la Roca, Baiona e A ascensão Guarda na seção livre para o Monte Sta. Tecla. Ele vai continuar por Camposancos, Novas, Loureza onde haverá outro trecho livre por mavia e A Valga que ser forte para aqueles que estão mais aptos plantel, mas também tem um trecho alternativa voluntária de menor dificuldade Burgueira para alcançar o prato refresco Torroña. Uma vez avituallados, a marcha para A Portela e A Valga retoma até Oia e terminam no campo de futebol sobre 13:30 h.
A taxa de inscrição é de 10 € para federado e 20 € para os ciclistas não-federais, inclui uma licença de dia, cuidados médicos e mecânicos, Refrescos sólido, líquido e empate 1 sorteio de vários brindes.
No sábado, será realizado o festival de bicicleta, onde podem envolver as pessoas de todas as idades. vários brindes serão distribuídos e não haverá insufláveis ​​para crianças, com apresentações de um mágico e grupo Tra-lo Mosteiro. Na cantina pode saborear as famosas salsichas grelhadas.
No domingo, os ciclistas que acompanham pode desfrutar de uma atividade paralela para eles, um Andaina 10 km. pelos bairros da costa de Oia e Pedornes. Às 14:30 h. Alimentos terá lugar acabar em Glasgow Hotel, onde a entrega das memórias será feita.
Porque os lugares são limitados, é necessário se registrar antes de 21 de julho, em
www.magmasports.es
Organizadores: Ciclismo Oiense, com a colaboração da Câmara Municipal de Oia, Diputación de Pontevedra, Galiza Federação de Ciclismo e várias empresas comerciais.
+ Info. Em
www.ciclismooiense.com

Fonte: Ciclismo Oiense

“Kennaugh vence no Alpe d'Huez e Porte reforça liderança no Dauphiné”

Sétima e penúltima etapa da prova

Foto: EPA

O britânico Peter Kennaugh (Sky) venceu este sábado a sétima e penúltima etapa do Critério do Dauphiné, numa chegada ao Alpe d'Huez, onde o australiano Richie Porte (BMC) reforçou a condição de líder.

Porte, que vem apresentando excelente forma a menos de um mês do início da Volta a França, cortou a meta em sexto e ganhou tempo aos seus adversários diretos, exceto o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana), que terminou com o mesmo tempo.

A uma jornada do final, o britânico Chrsis Froome (Sky) perdeu mais de 20 segundos para o seu ex-colega e manteve o segundo lugar da geral, mas ficou a 1.02 minutos e diminuiu as hipóteses de voltar a subir ao pódio final vestido de amarelo, como em 2013, 2015 e 2016. Além disso, tem Fuglsang, terceiro classificado, somente a 13 segundos.

Mas os maiores festejos da sétima tirada couberam a Peter Kennaugh, que obteve uma das mais importantes vitórias da sua carreira no topo do emblemático Alpe d'Huez, depois de ter deixado para trás o seu compatriota Ben Swift (UAE Emirates), último companheiro de uma longa fuga.

Kennaugh destacou-se na companhia de Swift na última grande dificuldade do dia, a inédita subida de Sarenne, uma contagem de montanha de categoria especial que antecedeu a chegada ao Alpe d'Huez, também ele abordado por uma vertente incomum, já relativamente perto do topo.

Prestes a completar 28 anos, Kennaugh cumpriu os 167,5 quilómetros de percurso iniciado em Aoste em 4:43.59 horas, 13 segundos à frente de Ben Swift, enquanto o espanhol Jesus Herrada (Movistar) foi terceiro, a 1.11 minutos, seguido do belga Jelle Vanendert (Lotto Soudal), a 1.13, e do francês Romain Bardet (AG2R La Mondiale), a 1.14.

Porte foi o seguinte, à frente dos restantes favoritos: Fuglsang, Andrew Talansky (Cannondale-Drapac), Alberto Contador (Trek-Segafredo), Fabio Aru (Astana), Daniel Martin (Quick-Step Floors), Alejandro Valverde (Movistar) e Froome, triplo vencedor do Tour, que foi 15.º, com 25 segundos de atraso para o australiano.

Num dia marcado pelo abandono de Tiago Machado (Katusha Alpecin), André Cardoso (Trek-Segafredo) manteve-se como único representante português e foi o 'escudeiro' de Contador na fase mais difícil da etapa, terminando em 27.º, a 3.24 minutos. Na geral, subiu três lugares, para 25.º, a 9.21 do líder.

No domingo, a oitava etapa, que sai de Albertville, tem apenas 115 quilómetros, mas termina no Plateau de Solaison, onde a meta coincide com contagem de montanha de categoria especial, depois de passagens em Saisies (1.ª), Aravis (2.ª) e Colombière (1.ª).

Fonte: Record on-line