quinta-feira, 2 de fevereiro de 2023

“Van Der Poel – Van Aert um duelo de campeões a não perder este fim-de-semana nos mundiais de ciclocrosse na Eurosport”


Por: Vasco Simões

Foto: Getty Images

Este fim-de-semana cumpre-se mais uma edição dos Campeonatos do Mundo de Ciclocrosse e o Eurosport vai seguir toda a ação das provas em direto desde Hoogerheide, nos Países Baixos, onde se espera um duelo emocionante entre duas lendas da modalidade: Mathieu van der Poel e Wout van Aert.

Nos últimos anos, os dois ciclistas têm dominado as atenções e conquistado praticamente todos os títulos. Mathieu van der Poel soma quatro mundiais (2015, 1019, 2020 e 2021) enquanto Wout van Aert soma três (2016, 2017 e 2018). Este ano, Hoogerheide pode aproximar ou distanciar estas duas estrelas da modalidade. Face à ausência do campeão do ano passado, o britânico Tom Pidcock, van der Poel e van Aert ganham ainda maior força como favoritos a erguer o troféu.

Espera-se um grande duelo entre o ciclista neerlandês e o belga. Quem leva a melhor? Os Mundiais de Ciclocrosse podem ser vistos este fim-de-semana em direto no Eurosport 2 a partir das 13:45 (sábado – prova feminina e domingo – prova masculina) com os comentários de Gonçalo Moreira, Frederico Bártolo e Luís Beltrão.

 

Horários dos mundiais de ciclocrosse

 

Prova feminina

Eurosport 2 - 04 de fevereiro às 13:45H

 

Prova masculina

Eurosport 2 - 05 de fevereiro às 13:45H

Fonte: Eurosport

“Ruben Guerreiro vive "sonho" ao ganhar na primeira prova pela Movistar: «Vitórias estão cada vez mais caras»”


Ciclista português triunfou na Volta à Arábia Saudita

 

Por: Lusa

Foto: Saudi Tour

Ruben Guerreiro concretizou esta quinta-feira um sonho ao ganhar na primeira corrida com as cores da Movistar, após uma época que "soube a pouco", e quer agora assegurar a vitória final na Volta à Arábia Saudita em bicicleta.

"É um sonho ganhar na primeira corrida. Em qualquer corrida no ciclismo moderno, as vitórias estão cada vez mais caras. No ano passado, estava em muito boa forma, mas fiz segundos, terceiros [lugares], consegui ganhar o Mont Ventoux [Dénivelé Challenge], mas soube a pouco", resumiu o ciclista português, em declarações à agência Lusa.

Com uma contagem de montanha nos derradeiros quilómetros dos 163,4 da tirada, o português da Movistar, que respondeu a todos os ataques dos adversários, soube esperar pelo momento certo para acelerar, impondo-se no sprint final ao italiano Davide Formolo (UAE Emirates) e ao colombiano Santiago Buitrago (Bahrain-Victorious), que terminaram com as mesmas 3:45.01 horas do vencedor.

Depois de ter começado "a viver só para o ciclismo" na temporada passada, e de ter conseguido "ultrapassar a barreira das lesões" que teve "durante a primeira fase da carreira", Ruben Guerreiro acreditava que poderia ter alcançado mais em 2022, ano em que ergueu os braços no Mont Ventoux Dénivelé Challenge, foi terceiro na Volta a Alemanha, sexto na Volta a Burgos, sétimo na Flèche Wallone e nono no Critério do Dauphiné. "O ano passado soube a pouco e, agora, ganhar na primeira corrida é espetacular. Estou muito satisfeito e eles também me abraçaram com todo o carinho, toda a gente me ajudou aqui e só tenho de agradecer a eles", disse, num reconhecimento pelo apoio da sua nova equipa.

Agora, o vencedor da classificação da montanha do Giro2020, edição em que ganhou também uma etapa, reconhece que, estando vestido de verde com apenas uma tirada por disputar na prova saudita, o triunfo na geral final pode ser uma realidade. "Realmente, passar pela cabeça ganhar esta corrida, passa sempre, mas é sempre muito difícil. Os primeiros dias foram caóticos, muito stress, muita qualidade de sprinters, trepadores, roladores, sempre tive muita atenção. Digamos que o top 5 era uma ambição minha e da equipa, eles sabiam que eu estava bem. Tinha realizado um inverno realmente muito duro, o inverno que mais treinei, que mais me apliquei também", revelou à Lusa.

O ciclista de Pegões Velhos lidera a Volta à Arábia Saudita com oito segundos de vantagem sobre Formolo e nove face a Buitrago, quando falta disputar a quinta e última etapa, uma ligação de 142,9 quilómetros entre Cidade Velha de AlUla e Maraya. "Com a ajuda deles, começámos a pensar mais desde ontem [quarta-feira, na vitória na geral], e, hoje, ganhar e meter-me líder para a última etapa é 'pole position'", exemplificou.

Conquistado o quarto triunfo como profissional, e o primeiro desde que trocou a norte-americana EF Education-EasyPost pela equipa espanhola, Guerreiro quer "acabar bem" a corrida saudita antes de pensar no que falta de temporada. "Vamos corrida a corrida, com a maior ambição, sempre respeitando o nosso líder, que é o Enric Mas, que é dos melhores corredores do mundo. Tenho 28 anos, mas sinto-me a crescer. Sinto-me como [tendo] 20", concluiu o português.

Fonte: Record on-line

“Étoile de Bessèges quase em tragedia na segunda etapa”


Por: José Morais

Foto: Eurosport

Na segunda etapa da prova Étoile de Bessèges, ia acontecendo uma tragedia, quando o ciclista francês Valentin Ferron ficou dependurado numa ponte, após um aparatoso acidente, que envolveu diversos ciclistas, a vinte e três quilómetros da linha de chegada, com a etapa a ser cancelada pela organização. 

Neste aparatoso acidente, onde diversos ciclistas se envolveram em choque, o mais grave foi para Valentin Ferron que se desequilibrou, ficando dependurado na ponte onde ocorreu o acidente, que depois de ter sido resgatado, foi conduzido ao hospital.

Em comunicado pela equipa do ciclista francês a Total Energies informou que apesar do susto com o seu ciclista, apenas sofreu ferimentos ligeiros.

“Giulio Ciccone vence 2ª etapa da Volta à Comunidade Valenciana”


Por: José Morais

Decorreu hoje a 2ª etapa da Volta à Comunidade Valenciana, Giulio Ciccone da equipa da Trek-Segafredo, foi o primeiro a cortar a linha de chegada, e é o novo líder da prova, com o italiano a conquistar a sua primeira vitória na época, numa dura etapa com uma chegada ao Alto de Pinos, com Tao Geoghegan Hart a fazer segundo, e Pello Bilbao a completar o pódio em terceiro lugar.

A subida final ao Alto de Pinos com três quilómetros, surgiu depois de um dia difícil de subidas, onde existiam seis subidas categorizadas, e com três mil metros de elevação, com um grupo de fugitivos reduzido a 12, conseguiu segurar a vantagem.

Após um ataque de Brandon McNulty da equipa da UAE Team Emirates, o qual foi neutralizado, Giulio Ciccone seguia Mikel Landa da equipa da Bahrain Victorious, e nos quinhentos metros da linha de chegada acelerou para a mesma, cortando em primeiro, seguido de Tao Geoghegan Hart da equipa da Ineos Grenadiers, a fazer segundo, Bilbao da equipa da Bahrain Victorious a fazer terceiro, na frente de Landa.  

Conquistando dez segundos de bónus pela vitória na etapa, Giulio Ciccone passou a ser o líder da prova, retirando a camisola de líder a Biniam Girmay que conquistou a vitória na primeira etapa, em segundo na classificação geral está Bilbao a três segundos, e Alexander Vlasov da equipa da Bora Hansgrohe, a seis segundos, no final o ciclista italiano estava feliz pela sua primeira vitória na época, e comemorava a mesma. 

“IV btt Xco Vila de Melgaço”


Por: Sara Pereira

Prova internacional C1 pontuável para a Taça de Portugal de XCO CREDIBOM 2023 e para o Campeonato do Minho de BTT XCO – POPP Design acontece nos dias 4 e 5 de março

Melgaço acolhe, nos dias 4 e 5 de março, a IV BTT XCO VILA DE MELGAÇO, prova internacional C1 pontuável para a Taça de Portugal de XCO CREDIBOM 2023 e para o Campeonato do Minho de BTT XCO – POPP Design. A inscrições decorrem até dia 3 de março, no site da Federação Portuguesa de Ciclismo, aqui.

A disputar num circuito criado para o efeito na área circundante do Centro de Estágios de Melgaço, com todas as condições de segurança, o percurso será bastante diversificado com subidas duras, rock gardens, saltos, descidas técnicas e demais atrativos para que o espetáculo e divertimento estejam garantidos.

O programa prevê treinos no sábado, dia 4 de março, entre as 10h00 e as 17h30, realizando-se a competição no domingo, dia 5 de março. Pelas 9h00 será dada a partida para a primeira corrida (cadetes masculinos e femininos) e pelas 10h15 realiza-se a prova para os atletas dos escalões de juniores (masculinos) e para todas as categorias femininas. Os atletas masters (masculinos) e de paraciclismo (masculino) começarão a competir às 12h30, enquanto a prova rainha, para elites e sub 23 (masculinos), tem início marcado para as 14h30.


A cerimónia protocolar das provas das categorias cadetes masculinos e femininos, juniores (masculinos) e todas categorias femininas, masters masculinos e paraciclismo masculino acontece pelas 13h45. O evento termina pelas 16h30 com a cerimónia protocolar das corridas elites, sub 23 masculinas e femininas, e equipas.

A iniciativa é promovida em conjunto pela Melsport – Melgaço, Desporto e Lazer EM e pelo Município de Melgaço, e conta com o apoio da Associação de Ciclismo do Minho, da Federação Portuguesa de Ciclismo, do Credibom, da Cision, da POPP Design, da Strong Speed, da Raiz Carisma – Soluções de Publicidade, da Arrecadações da Quintã, da Polisport, da Seg3 - Mediação de Seguros e da Bike – Tudo sobre o mundo do BTT.

Melgaço o destino de natureza mais radical de Portugal.

Fonte: Essência Completa

“Ruben Guerreiro vence quarta etapa e lidera Volta à Arábia Saudita”


Ciclista português impôs-se ao italiano Davide Formolo e ao colombiano Santiago Buitrago

 

Por: Lusa

Foto: Movistar/Twitter

O ciclista português Ruben Guerreiro (Movistar) subiu esta quinta-feira à liderança da Volta à Arábia Saudita, ao vencer a quarta etapa, entre Maraya e Skyviews of Harrat Uwayrid.

Com uma contagem de montanha nos derradeiros quilómetros dos 163,4 da tirada, Guerreiro venceu em 3:45.01 horas e impôs-se ao italiano Davide Formolo (UAE Emirates) e ao colombiano Santiago Buitrago (Bahrain-Victorious), que terminaram com o mesmo tempo.

Na primeira corrida pela Movistar, para a qual se mudou esta temporada, o ciclista de Pegões Velhos, no Montijo, subiu à liderança, com oito segundos de vantagem sobre Formolo e nove sobre Buitrago.

Esta foi a quarta vitória da carreira profissional de Guerreiro, depois do Nacional de 2017, da nona etapa da Volta a Itália de 2020, na qual venceu a classificação da montanha, e do Mont Ventoux Dénivelé Challenge em 2022.

A Volta à Arábia Saudita termina na sexta-feira, com a quinta e última etapa, uma ligação de 142,9 quilómetros entre Cidade Velha de AlUla e Maraya.

Fonte: Record on-line

“49.ª Volta ao Algarve”


João Almeida e Rui Costa destaques nacionais na chuva de estrelas algarvia

 

Por: José Carlos Gomes

João Almeida (UAE Team Emirates) e Rui Costa (Intermarché-Circus-Wanty), os dois ciclistas portugueses mais bem-sucedidos da última década, são a maior esperança nacional para a 49.ª Volta ao Algarve, que atrai ao sul do país um pelotão de excelência mundial, entre 15 e 19 de fevereiro.

A única corrida portuguesa do circuito UCI ProSeries foi apresentada na manhã de hoje, em Portimão, ficando a conhecer-se o nome dos 174 ciclistas pré-inscritos. Já se sabia que o pelotão seria de qualidade, dada a participação de 12 das 18 equipas do WorldTour, entre as quais as sete melhores do ranking internacional de 2022. Mas, olhando à composição de cada equipa, confirmou-se o nível elevado do pelotão.


Estarão presentes 20 corredores do top 100 mundial, vencedores de grandes voltas e de monumentos do ciclismo, campeões mundiais, europeus e olímpicos em título. Será uma oportunidade de ouro para os adeptos portugueses verem de perto algumas estrelas planetárias e para as equipas portuguesas competirem a um nível muito elevado.

João Almeida e Rui Costa são dois homens em condições de lutar pela camisola amarela final. Mas terão concorrência de peso. Desde logo dois corredores que subiram ao pódio de grandes voltas em 2022, o australiano Jai Hindley (BORA-hansgrohe), vencedor do Giro d’Italia, e Geraint Thomas (INEOS Grenadiers), terceiro na Volta a França.


Entre outros legítimos pretendentes a suceder a Remco Evenepoel encontramos nomes como Michal Kwiatkowski (INEOS Grenadiers), vencedor da Volta ao Algarve na última participação, em 2018, ou os companheiros de equipa Daniel Martínez, terceiro no Algarve em 2022, e Thymen Arensman, sexto na Vuelta do ano passado. Também há que contar com Sergio Higuita (BORA-hansgrohe), vencedor no Malhão em 2022, Gijs Leemreize e Sam Oomen (Jumbo-Visma), Mark Padun (EF Education-EasyPost) ou Jay Vine (UAE Team Emirates), que começou esta época muito forte, sagrando-se campeão australiano de contrarrelógio e vencendo a geral do Tour Down Under.


As chegadas ao sprint deverão ser palco de empolgantes disputas entre o campeão da Europa de fundo, Fabio Jakobsen (Soudal Quick-Step), Alexander Kristoff (UNO-X Pro Cycling Team), Jordi Meeus (BORA-hansgrohe), Hugo Hofstetter (Team Arkéa-Samsic), Jake Stewart (Groupama-FDJ), Mike Teunissen (Jumbo-Visma), John Degenkolb (Team DSM), Iúri Leitão (Caja Rural-Seguros RGA) ou Rui Oliveira (UAE Team Emirates).

Numa corrida que termina com um contrarrelógio individual de 24,4 quilómetros, em Lagoa, os especialistas no exercício individual também terão uma palavra a dizer na luta pela geral. E estarão no Algarve os melhores do mundo. Desde logo o campeão mundial e o campeão europeu em título, Tobias Foss (Jumbo-Visma) e Stefan Bissegger (EF Education-EasyPost), respetivamente, mas também o vice-campeão europeu e mundial, Stefan Küng (Groupama-FDJ), que foi campeão da Europa em 2020 e 2021, e o campeão mundial de 2020 e 2021 e atual recordista mundial da hora, Filippo Ganna (INEOS Grenadiers).

Além dos nomes consagrados, a edição deste ano da Volta ao Algarve conta com um lote muito interessante de jovens corredores, à procura de se afirmarem entre a elite, depois de já terem deixado marcas nas categorias jovens e em provas de menor dimensão. Devem ser seguidos com atenção ciclistas como Dries de Pooter e Madis Mihkels (Intermarché-Circus-Wanty), Mick van Dijke e Tim van Dijke (Jumbo-Visma), Ilan van Wilder (Soudal Quick-Step), Casper van Uden, Oscar Onley e Kevin Vermaerke (Team DSM), Filippo Baroncini, Natnael Tesfatsion e Mathias Vacek (Trek-Segafredo), Søren Wærenskjold e Tobias Halland Johannessen (UNO-X Pro Cycling Team).

Será também interessante acompanhar o desempenho das equipas portuguesas, que, em 2022, foram protagonistas. João Matias (Tavfer-Ovos Matinados-Mortágua) surpreendeu os trepadores e ganhou a classificação da montanha. Frederico Figueiredo (Glassdrive-Q8-Anicolor) esteve com os melhores nas duas chegadas em alto e Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano-Loulé Concelho) foi o melhor das equipas portuguesas na geral final, no 19.º lugar.


 

Declarações dos intervenientes na cerimónia de apresentação

 

“A Volta ao Algarve é um exemplo cimeiro de proximidade entre um evento e o território. A prova tem sido cada vez mais dinâmica, sendo já vista como a primeira corrida do ano que todos querem ganhar”, João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve.

“A Volta ao Algarve é uma das corridas de maior prestígio do circuito UCI Pro Series. A lista de vencedores da corrida ao longo dos anos prestigia a Volta e a região, até porque o ciclismo tem cada vez mais dois braços. Um dos braços é o lado desportivo, que atrai as pessoas pela emoção e o espetáculo de desporto. O outro braço é a promoção do território, que o ciclismo faz por uma via atual, de promoção de estilos de vida saudáveis e de mobilidade suave. Esta conjugação faz do ciclismo um aliado do território”, Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo.

“O ciclismo é o desporto do povo. Esta Volta vai à porta das pessoas, a todos os concelhos da região. O Instituto Português do Desporto e Juventude tem o prazer de patrocinar a camisola branca, de melhor jovem da competição. É o casamento perfeito entre desporto e juventude, numa prova que não é uma voltinha, porque quem ganha aqui ‘arrisca-se’ a grandes feitos no futuro”, Custódio Moreno, diretor IPDJ Algarve.

“Quando os autarcas querem, quando os autarcas acreditam, as coisas acontecem. Obrigado a todos os autarcas que acreditaram que esta forma de fazer desporto é também uma forma de divulgar a região. O turismo desportivo tem obrigatoriamente de ser dinamizado, porque as famílias querem mais do que sol e praia. A Volta mostra o Algarve, que é uma pérola do país”, Isilda Gomes, presidente da Câmara Municipal de Portimão.

 

Equipas Participantes

 

WorldTeams: Alpecin-Deceuninck (BEL), BORA-hansgrohe (GER), EF Educations-EasyPost (EUA), Groupama-FDJ (FRA), INEOS Grenadiers (GBR), Intermarché-Circus-Wanty (BEL), Jumbo-Visma (NED), Soudal Quick-Step (BEL), Team Arkéa-Samsic (FRA), Team DSM (NED), Trek-Segafredo (EUA) e UAE Team Emirates (UAE)

ProTeams: Caja Rural-Seguros RGA (ESP), Human Powered Health (EUA), Tudor Pro Cylcing Team (SUI) e UNO-X Pro Cycling Team (NOR).

Continentais: ABTF Betão-Feirense (POR), AP Hotels & Resorts-Tavira-SC Farense (POR), Aviludo-Louletano-Loulé Concelho (POR), Credibom-LA Alumínios-Marcos Car (POR), Efapel Cycling (POR), Glassdrive-Q8-Anicolor (POR), Kelly-Simoldes-UDO (POR), Rádio Popular-Paredes-Boavista (POR) e Tavfer-Ovos Matinados-Mortágua (POR).

 

Percurso

 

15 de fevereiro: 1.ª Etapa: Portimão-Lagos, 200,2 km

16 de fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres (Vila do Bispo) – Alto da Fóia (Monchique), 186,3 km

17 de fevereiro: 3.ª Etapa: Faro – Tavira, 203,1 km

18 de fevereiro: 4.ª Etapa: Albufeira – Alto do Malhão (Loulé), 177,9 km

19 de fevereiro: 5.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 24,4 km (Contrarrelógio Individual)

 

Corredores do Top 100 Mundial

 

8.º Stefan Küng (Groupama-FDJ)

10.º Sergio Higuita (BORA-hansgrohe)

11.º Alexander Kristoff (Uno-X Pro Cycling Team)

15.º Daniel Felipe Martínez (NEOS Grenadiers)

21.º Jai Hindley (BORA-hansgrohe)

33.º Geraint Thomas (INEOS Grenadiers)

35.º Valentin Madouas (Groupama-FDJ)

35.º Thymen Arensman (INEOS Grenadiers)

39.º Jay Vine (UAE Team Emirares)

40.º João Almeida (UAE Team Emirates)

43.º Fabio Jakobsen (Soudal Quick-Step)

44.º Hugo Hofstetter (Team Arkéa-Samsic)

47.º Matteo Trentin (UAE Team Emirates)

49.º Warren Barguil (Team Arkéa-Samsic)

56.º Marc Hirschi (UAE Team Emirates)

62.º Quinten Hermans (Alpecin-Deceuninck)

76.º Thomas Pidcock (INEOS Grenadiers)

81.º Matis Louvel (Team Arkéa-Samsic)

93.º Filippo Ganna (INEOS Grenadiers)

96.º Natnael Tesfatsion (Trek-Segafredo)

 

Campeões em título de categoria absoluta

 

Alexander Kamp (Tudor Pro Cycling Team), campeão da Dinamarca de fundo

Fabio Jakobsen (Soudal Quick-Step), campeão da Europa de fundo

Filippo Ganna (INEOS Grenadiers), campeão olímpico de perseguição por equipas, campeão mundial de perseguição individual e recordista da hora

Joel Suter (Tudor Pro Cycling Team), campeão da Suíça de contrarrelógio

João Almeida (UAE Team Emirates), campeão de Portugal de fundo

Merhawi Kudus (EF Education-EasyPost), campeão da Eritreia de fundo

Michael Morkov (Soudal Quick-Step), campeão olímpico de madison

Nils Politt (BORA-hansgrohe), campeão da Alemanha de fundo

Rafael Reis (Glassdrive-Q8-Anicolor), campeão de Portugal de contrarrelógio

Rasmus Tiller (UNO-X), campeão da Noruega de fundo

Stefan Bissegger (EF Education-EasyPost), campeão da Europa de Contrarrelógio

Thomas Pidcock (INEOS Grenadiers), campeão olímpico de BTT-XCO

Tobias Foss (Jumbo-Visma, campeão do Mundo e da Noruega de Contrarrelógio

 

Algarve Granfondo

 

Após dois anos de paragem, devido à pandemia, o Algarve Granfondo está de regresso ao programa da Volta ao Algarve. Vai realizar-se no dia 19 de fevereiro, em Lagoa, juntando centenas de ciclistas amadores, que terão oportunidade de pedalar no contexto de um grande evento desportivo, como é a Volta ao Algarve.

As inscrições ainda estão abertas, mas há já cerca de 700 participantes confirmados, que irão dividir-se pelo Granfondo e pelo Mediofondo. O primeiro dos percursos, mais extenso e desafiante, conta com 134 quilómetros e um acumulado de 2325 metros. O Medifondo, mais acessível, terá 88 quilómetros e 1220 metros.

A organização do Algarve Granfondo está a cargo da Associação de Ciclismo do Algarve.

Fonte: Federação Portuguesa Ciclismo

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2023

“No próximo fim-de-semana mundial de ciclocrosse com duelo entre Mathieu Van Der Poel e Wout Van Aert”


Por: José Morais

Hoogerheide, na Holanda, recebe o campeonato mundial de ciclocrosse no próximo fim-de-semana 5 de fevereiro, onde se disputará o título mundial de 2023 da UCI, o qual promete num duelo entre o ciclista holandês Mathieu Van Der Poel, e o ciclista belga Wout Van Aert, o seu eterno rival no ciclocrosse.

De relembrar que Mathieu Van Der Poel possui quatro títulos mundiais, contra os três de Wout Van Aert, os dois ciclistas que dividem o ciclocrosse com outras modalidades, eles têm dominado quase todas as provas em que participam, de referir que em 2022 o título mundial ficou a cargo do ciclista Tom Pidcock, que esta época esteve ausente. 

Wout Van Aert foi mais consistente, já que nunca terminou abaixo do segundo lugar, vencendo nove provas, com as suas quatro derrotas das 13 provas realizadas a irem para Mathieu Van Der Poel em, Antuérpia, Gavere, Herentals e Benidorm.

Mathieu Van Der Poel que possui seis vitórias em doze pódios, perdeu apenas os três primeiros lugares na World Cup em Val di sole, como na segunda prova da época em Boom, de salientar que nenhum destes ciclistas lidera o ranking da UCI, já que este título pertence ao vencedor geral da World Cup, Laurens Sweeck da equipa da Creland-Fristads, a qual conseguiu uma época excelente.

Para o próximo fim-de-semana, Mathieu Van Der Poel diz que existe 50% para poder vencer o seu rival Wout Van Aert, será um dia de muitos nervos, e ao longo da prova se poderá ver no final quem será que envergará a camisola do arco-íris.

“Biniam Girmay vence primeira etapa da Volta à Comunidade Valenciana”


Por: José Morais

Iniciou-se esta quarta-feira a primeira etapa da Volta à Comunidade Valenciana, com Biniam Girmay a ser o primeiro a cortar a linha de chegada, com quatro segundos de avanço sobre o segundo Olav Kooij da equipa da Jumbo-Visma, e seis sobre Ivan Cortina da equipa da Movistar.

O ciclista da Eriteia é o primeiro na classificação geral, o qual garantiu para a sua equipa a Intermarché-Circus-Wanty, esta que é a quarta vitória nesta semana da formação, com Biniam Girmay bem posicionado na linha de chegada a ser primeiro.

O ciclista da Eriteia no final dizia que esperava por esta vitória há cerca de um mês, o qual se estreou nesta época no Challenge Mallorca, onde conseguiu nas quatro etapas da prova um segundo e um terceiro lugar, e continuava a dizer que em Mallorca muito perto do primeiro lugar, e agora conseguiu o mesmo hoje na Valenciana, sentindo-se muito feliz, e agradecendo à sua equipa o apoio e trabalho feito.

Amanhã quinta-feira, será a 2ª etapa com 178 km, um dia onde haverá muita montanha nos arredores de Calpe.

“Rúben Guerreiro perto do pódio na Arábia Saudita após quinto lugar na 3.ª etapa”


O corredor natural de Pegões, concelho do Montijo, subiu sete lugares na classificação, ocupando o quarto posto

 

Por: Lusa

O português Ruben Guerreiro (Movistar) subiu hoje ao quarto lugar da Volta à Arábia Saudita em bicicleta, após ter sido quinto classificado na terceira etapa, em Abu Rakah, onde venceu o norueguês Soren Waerenskjold (Uno-X).

Guerreiro chegou no grupo da frente à meta, após os 159,2 quilómetros desde a estação de caminhos de ferro de Al Manshiyah, terminando a tirada nas mesmas 04:23.18 horas de Waerenskjold, que, após a derradeira subida, se impôs ao italiano Jonathan Milan (Bahrain Victorious), vencedor da segunda etapa, e ao neerlandês Cees Bol (Astana), segundo e terceiro classificados hoje, respetivamente.

Com o desempenho de hoje, o corredor natural de Pegões, concelho do Montijo, subiu sete lugares na classificação, ocupando o quarto posto, a 17 segundos de Milan, que conquistou a camisola verde, símbolo da liderança na corrida saudita.

O italiano, que destronou Dylan Groenewegen (Jayco AlUla), após o neerlandês ter chegado com 01.11 minutos de atraso, detém oito segundos de vantagem sobre Bol, segundo, e 16 sobre o alemão Max Kanter (Movistar), terceiro.

Ivo Oliveira (UAE Emirates) não foi além do 84.º lugar, a 03.03 minutos de Waerenskjold, 'caindo' para o 56.º posto na geral, a 3.38 de Milan.

Na quinta-feira, o pelotão da Volta à Arábia Saudita vai enfrentar 163,4 quilómetros, na quarta e penúltima etapa, que vai ligar Maraya a Harrat Uwayrid.

Fonte: Sapo on-line

terça-feira, 31 de janeiro de 2023

“Nova edição mensal da Revista Notícias do Pedal”


A “Revista Notícias do Pedal” acabou de lançar a edição número 329, a edição de Janeiro, a última de 2023, a mesma contém uma grande diversidade de notícias, nas mais diversas modalidades, descubra e conheça as mesmas, e ainda outras novidades, e outros projetos, e participe.

A nossa publicação pode ser visualizada em: www.noticiasdopedal.com edição mensal, onde vai encontrar todos os nossos projetos e links para os mesmos.

 

Temos ainda o nosso espaço diário em:

https://revistanoticiasdopedal.blogspot.com diariamente as mais diversas notícias.  


 

A sua notícia é importante para nós…

Temos espaço para divulgar o seu evento antes e após a realização do mesmo, pode divulgar ainda tudo o que se relaciona com a bicicleta, como um acontecimento, um passeio onde participou, uma novidade.

Temos espaço diário, e mensal, e damos liberdade aos nossos leitores, de se pronunciarem, e fazerem as suas divulgações, para que isso aconteça, basta enviarem um pequeno texto, algumas fotos, ou cartazes, e nós tratamos do resto.

 

Todas as notícias podem ser enviadas para os nossos mails:

 

noticiasdopedal@gmail.com ou geral@noticiasdopedal.com  

 

Entramos assim em 2023, com votos de um bom ano, sermos ainda muito mais positivos e muitas notícias, e com algumas novidades para este ano.

Boas leituras…

“Aumentos de preço do Strava empresa pede desculpa”


Por: José Morais

O recente aumento do Strava tem estado a causar imensas críticas a nível mundial, como o cancelamento de muitas assinaturas, com a empresa a vir justificar-se que não tentou esconder o aumento, porem o mesmo surgiu com a causa da velocidade da mudança.

Em resposta às críticas, reclamações e cancelamento de assinaturas, num comunicado oficial da gigante de rastreamento de atividades, pelos aumentos confusos, quando muitos utilizadores reclamaram quando a plataforma fez aumentos na sua assinatura premium, existiu uma variação em todo o mundo com variações entre os 15 e 70%, tudo dependendo do país, da região, o tipo de cobrança e a data da inscrição.

Num comunicado feito no site da Strava, a empresa dizia de que a intenção não seria esconder essas alterações, de preços, e que apenas se anteciparam mais rapidamente, e que se esqueceram de informar os assinantes mensais de longa data, que iriam alterar o pagamento mensal para anual, o que poderiam evitar um aumento significativo.

O gigante de rastreamento de atividades confirmou ainda que está mudando para preços consistentes em cada país, o que vai significar que todos os utilizadores em cada país irão pagar o mesmo preço seja mensal ou anual, já que antes os preços eram determinados na altura da inscrição para o serviço premium.

Foi ainda atualizada um página com os preços e adicionada ao aplicativo móvel, a empresa que está sediada na Califórnia, tem cerca de 100 milhões de utilizadores, e esclarece que o recente aumento de preços é o primeiro desde 2009, estando 13 anos sem aumentos, e onde os seus serviços tiveram um aumento significativo com as atualizações regulares, seja de treino, mapas, como recursos de privacidade.

A finalizar, O gigante de rastreamento de atividades, informou ainda que foram dispensados cerca de quarenta empregados, sendo 15% dos trabalhadores totais, que aconteceu no final de 2022.