sexta-feira, 9 de março de 2018

“Circuito norte arranca a 10 de março”

Arranca o circuito de provas da região norte, com Tarouca a dar o pontapé de saída

Mais uma região que vê o seu calendário de provas ter início já no próximo sábado em Tarouca, Viseu.

Desejado pelos clubes, atletas e famílias quer a sul quer a norte do Douro, este calendário servirá de guia para a tomada de opções desportivas para todo este ano.

O distrito de Coimbra juntou-se a esta grande região e as provas que lá se disputarem contarão para o Circuito Norte (Porto, Braga, Viana, Bragança, Vila Real, Coimbra, Aveiro, Viseu e Guarda) e para o Circuito Centro Norte (Coimbra, Aveiro, Viseu e Guarda), este com o grande objetivo de desenvolver dinâmicas da modalidade a sul do Douro.

Em simultâneo, os clubes e atletas residentes nos distritos acima do Douro terão também o seu Circuito, o Circuito Douro Norte.

Disputar-se-ão também os Campeonatos da Região Norte, em Triatlo de estrada, em Duatlo de estrada e em Duatlo Cross.

Na área juvenil, os atletas dos 7 aos 15 anos terão oportunidade de praticar Triatlo nas suas variadas formas, também segundo a mesma distribuição geográfica descrita acima.

Tarouca dá o pontapé de saída do circuito jovem

A Cidade de Tarouca recebe a primeira etapa do Calendário Norte Jovem, já no próximo dia 10 de Março. Integrado no Duatlo Vale Varosa, o organizador Clube Tarouca BTT vai levar a cabo a 2ª edição do Aquatlo Jovem, contando com a presença de 5 clubes federados na Federação de Triatlo de Portugal e jovens locais.

O Triatlo Juvenil Norte promete uma época recheada de sucesso, esperando-se que outras coletividades lhes sigam as pegadas e tragam os seus jovens a participar no Circuito Norte Jovem, Circuito Centro Norte Jovem e Circuito Douro Norte Jovem.

Fonte: FTP

“CICLISMO: MOLARD VENCE SEXTA ETAPA DA PARIS-NICE. LEÓN SÁNCHEZ É MAIS LÍDER”

Rudy Molard (Groupama-FDJ) venceu hoje a sexta etapa da Paris-Nice.

O francês Rudy Molard (Groupama-FDJ) venceu hoje a sexta etapa da Paris-Nice, marcada pela queda do holandês Wout Poels (Sky), que deixou o espanhol Luis León Sánchez (Astana) com uma liderança mais folgada.

Molard, de 28 anos, cortou a meta em Vence com dois segundos de avanço sobre o primeiro grupo, encabeçado pelo belga Tim Wellens (Lotto Soudal) e o francês Julian Alaphilippe (Quick-Step Floors), gastando 4:40.05 horas para cumprir os 198 quilómetros de percurso iniciado em Sisteron.

Luis León Sánchez terminou em quarto, com o mesmo tempo do vencedor, e consolidou a liderança, graças à infelicidade de Poels, que ocupava o segundo lugar da geral e caiu na descida de La Colle-sur-Loup, a menos de 10 quilómetros da chegada, acabando por abandonar a corrida.

O camisola amarela tem agora 22 segundos de avanço sobre Julian Alaphilippe e 26 face ao espanhol MArc Soler (Movistar), terceiro classificado.

Numa etapa que teve quatro contagens de montanha de segunda categoria e uma de primeira situada na fase final, o pelotão chegou muito fracionado, com Tiago Machado a entrar no 49.º posto, a 5.15 minutos de Molard. Na geral, o português subiu 25 posições e fixou-se no 68.º lugar, a 20.52 de León Sánchez.

No sábado, a sétima etapa, com 175 quilómetros, vai ligar Nice à estância de esqui de Colmiane, a 1.500 metros de altitude, terminando numa subida de 16,3 quilómetros com inclinação média de 6,2%. Pelo meio, há outra contagem de montanha de primeira categoria e três de segunda.

Fonte: Sapo on-line

“GERAINT THOMAS ASSUME LIDERANÇA DA TIRRENO-ADRIÁTICO”

Primoz Roglic vence etapa em que José Gonçalves foi 25.º

Por: Lusa

O ciclista britânico Geraint Thomas (Sky) subiu esta sexta-feira à liderança da Tirreno-Adriático, após a terceira etapa, que ligou Follonica e Trevi e que foi ganha pelo eslovaco Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo).

Roglic, que tinha perdido mais de um minuto na véspera, atacou à entrada para o último dos 234 quilómetros da tirada, cortando a meta, instalada em conjunto como uma contagem de montanha, em 6:17.23 horas, menos três segundos do que o britânico Adam Yates (Mitchelton-Scott), seis do que o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal) e sete do que Thomas.

Na geral, Thomas subiu à liderança, destronando o australiano Patrick Bevin, da BMC, equipa que venceu o contrarrelógio por equipas da etapa inaugural e que mantém o belga Greg Van Avermaet na segunda posição, com o mesmo tempo do britânico.

Na terceira posição está agora o britânico Chris Froome, a três segundos do seu companheiro da Sky, equipa que tem ainda o polaco Michal Kwiatkowski, vencedor da Volta ao Algarve, a fechar o top-5, a nove segundos.

José Gonçalves (Katusha-Alpecin) foi o melhor português na etapa, na 25.ª posição, a 36 segundos de Roglic, enquanto Nelson Oliveira (Movistar) terminou a 3.55, na 58.ª posição.

Na geral, José Gonçalves subiu ao 32.º lugar, a 1.41 minutos de Thomas, e Nelson Oliveira caiu para 53.º, a 4.29.

A quarta etapa disputa-se no sábado, num percurso de 219 quilómetros, entre Foligno e Sarnano-Sassotetto, onde a meta coincide com o final de uma subida de 14,2 quilómetros com uma pendente média de 5,8%.

Fonte: Record on-line

“Efapel/Ambição no regresso à Arrábida”

          Equipa EFAPEL quer lutar pela vitória na Clássica da Arrábida

          Objectivo é voltar a mostrar a qualidade evidenciada na prova anterior

          Percurso e formato diferentes da primeira edição

A Equipa Profissional de Ciclismo EFAPEL continua a disputar as clássicas habituais na época da Primavera em Portugal e no próximo domingo, dia 11, vai regressar à região de Setúbal para competir na Clássica da Arrábida. Depois dos excelentes sinais dados na Clássica da Primavera, na Póvoa de Varzim, realizada no último fim-de-semana, a formação que corre de amarelo e preto quero voltar a evidenciar o entrosamento e a boa forma dos seus corredores.

A segunda edição desta prova que se realiza na região que tem a Serra da Arrábida como pano de fundo apresenta um figurino diferente e, por isso, é um desafio ainda maior para ciclistas e elementos das equipas. Depois de ter discutido a vitoria na Clássica da Primavera, a Equipa EFAPEL mantém a ambição na primeira ronda do Troféu Liberty Seguros.

Pela frente, os ciclistas vão ter 169,6 quilómetros em que há quatro contagens de montanha categorizadas. A primeira, em Palmela, é de segunda categoria. As seguintes, no Alto das Necessidades, no Alto dos Picheleiros e na Arrábida, respectivamente, são todas de terceira categoria. Além das subidas, destaque para as quatro secções de piso de terra, conhecido no meio como sterrato. O primeiro apresenta uma extensão de 1,5 quilómetros. O segundo tem 1,7 km e o terceiro 1,4 km. Os três estão situados entre o quilómetro 95,4 e o quilómetro 103,8. Ou seja, situam-se em menos de dez quilómetros. O último tem 1,4 quilómetros e situa-se na fase inicial da subida à montanha de segunda categoria de Palmela. Estes dois factores associados podem ser decisivos na corrida.

Tanto os sectores de sterrato como as montanhas categorizadas estão localizados na segunda metade do percurso da Clássica da Arrábida de 2018.

“Este ano, a Clássica da Arrábida é uma corrida diferente, tanto em termos de percurso, como de formato em relação à primeira edição”, explica o director desportivo, Américo Silva. Para o responsável da estrutura, essas especificidades implicam uma abordagem e uma estratégia diferentes das do ano anterior, mas sem alterar a postura. “Estivemos muito bem na clássica anterior e esperamos continuar com a mesma qualidade e capacidade”, afirmou.

A Clássica da Arrábida tem o início definido para as 11h40, em Sesimbra, e terminará, por volta das 16 horas, concluídos os quase 170 quilómetros, na cidade de Setúbal.

 

Nome da prova

Clássica da Arrábida - Troféu Liberty Seguros

 

Data

11 de Março de 2018

 

Director desportivo

Américo Silva

 

Ciclistas

Bruno Silva (Trepador)

Daniel Mestre (Sprinter)

David Arroyo (Completo)

Henrique Casimiro (Trepador)

Pedro Paulinho (Sprinter)

Rafael Silva (Rolador/Sprinter)

Sérgio Paulinho (Completo

Fonte: Efapel