terça-feira, 5 de setembro de 2017

“Vanessa Fernandes vence Ironman 70.3 Cascais Portugal”

Fotos: Facebook Ironman 70.3 Cascais Portugal

Vanessa Fernandes venceu na edição inaugural do Ironman 70.3 Cascais Portugal. A triatleta do Sport Lisboa e Benfica foi a mais forte da competição feminina e confirmou o porquê de ser uma das favoritas à partida. No final dos 1,9km de natação, 90km de ciclismo e 21,1km de corrida que compuseram a prova, Vanessa Fernandes cortou a meta à frente de toda a concorrência e voltou a elevar o nome de Portugal ao lugar mais alto do pódio em competições internacionais de triatlo. Bruno Pais foi o outro atleta olímpico português a pisar o pódio na competição ao completar a prova masculina no terceiro lugar entre os triatletas profissionais.

Foi com condições excelentes que cascais recebeu perto de 2200 triatletas provenientes de mais de 60 países para a realização da primeira edição do Ironman 70.3 Cascais Portugal. A prova inaugural da marca em Portugal trouxe uma enchente de triatletas motivados pelo objetivo de competir num dos mais belos palcos do mundo e de procurar a qualificação para o Campeonato do Mundo de Ironman 70.3. Entre o contingente de triatletas de outras nacionalidades, Portugal foi o país mais representado e marcou presença na competição por intermédio de mais de 600 atletas. Todos os presentes foram brindados com um percurso único que teve início na baía de Cascais e que se desenrolou ao longo da marginal, passando por Oeiras, Algés, Belém, Alcântara, Estoril e, também, por Sintra. O privilégio de poder completar uma volta no Autódromo do Estoril ou de poder competir com a beleza natural da serra de Sintra e do Guincho como pano de fundo, marcou uma competição que, por si só, já se apresentava como uma experiência inesquecível.

Neste grande evento de dia 03 de Setembro, domingo, as cores nacionais estiveram em destaque. Vanessa Fernandes foi a mais rápida da frente feminina da competição profissional e colocou, novamente, as cores da Bandeira Nacional no lugar mais alto do pódio de uma competição de triatlo. Com um segmento final de corrida irrepreensível, Fernandes recuperou as posições que havia perdido nos dois primeiros momentos da prova e distanciou-se das suas adversárias. Cortando a meta com um minuto de vantagem para a segunda classificada, a espanhola Sarah Munoz. A austríaca Sylvia Gehnboeck, líder da prova nos 90km de ciclismo, terminou a competição no terceiro lugar do pódio.

Nos homens, as atenções lusas estavam concentradas nos esforços de Bruno Pais. O triatleta do Estoril Praia Fisiogaspar apresentou-se em Cascais com ambição de uma boa qualificação e, mesmo uma semana após o Triatlo Longo do Douro, cumpriu o objetivo ao conquistar o bronze. Na frente, em primeiro lugar, terminou o francês Denis Chevrot, seguido do triatleta suiço, Philipp Koutny.

Houve ainda oportunidade de assistirmos à conquista de lugares de destaque de alguns triatletas Age-Group nacionais que, inclusivamente, viram o seu esforço compensado através do apuramento para o Campeonato do Mundo de Ironman 70.3 e provaram o valor das cores portuguesas.

Neste evento os parabéns são encaminhados a todos os atletas e também à organização que possibilitou que um acontecimento desta envergadura tivesse lugar no nosso país. A segunda edição do Ironman 70.3 Cascais Portugal conta já com data marcada e terá lugar no mesmo local a 30 de Setembro de 2018.

 Fonte: FTP

“Contador propôs teto salarial e Lance Armstrong... respondeu-lhe assim”

Norte-americano critica opinião do espanhol
Por: Fábio Lima
Foto: Reuters
A cumprir a sua última prova na Vuelta'2017, Alberto Contador propôs recentemente que existisse um teto salarial imposto às equipas na hora de contratar novos ciclistas (e também para renovar com o seu atual elenco). A ideia nem foi mal recebida no seio do pelotão, mas um ex-ciclista, o norte-americano Lance Armstrong, decidiu utilizar o Twitter para criticar a opinião do espanhol da Trek, especialmente devido ao 'timing' da mesma.
"É fácil dizer isso na tua última conferência de imprensa", atirou o norte-americano, aludindo claramente ao facto de o espanhol, de 34 anos, apenas ter esta ideia agora que está a caminho da reforma. Armstrong e Contador, refira-se, nunca foram exatamente os melhores amigos no pelotão, sendo famosa a sua relação azeda durante o Tour de 2009, onde foram colegas na Astana.
Fonte: Record on-line

“Monção recebe a última e decisiva etapa do Campeonato do Minho de BTT XCM - Raiz Carisma”

Última e decisiva etapa do Campeonato do Minho de BTT XCM - Raiz Carisma, a Maratona BTT Berço do Alvarinho realiza-se no dia 8 de outubro em Monção. A iniciativa também se destina a praticantes desportivos informais que participam em atividades numa perspetiva de lazer, estando previstos percursos de Meia-Maratona e de Maratona. As inscrições podem ser efetuadas online (www.acm.pt).

Organizada pelo Clube de Cicloturismo de Monção (www.ccmoncao.org), em parceria com a Associação de Ciclismo do Minho, a Maratona será disputada em trilhos da vila raiana de Monção, começando e terminando no centro da localidade Berço do Alvarinho. A partida está marcada para as 9h30.

Aberta à participação de todos os interessados, independentemente de serem ou não atletas federados, a Maratona BTT Berço do Alvarinho prevê a inscrição nas habituais categorias de competição, de lazer e de paraciclismo, estando contemplados percursos de Maratona (61,5 kms, cerca de 1500m de acumulado) e de Meia-Maratona (39,5 kms, cerca de 850m de acumulado).

A participação na Maratona ou na Meia-Maratona tem o custo de 8 euros para atletas federados e de 10 euros para não federados (inclui seguro). As inscrições podem ser formalizadas no site da Associação de Ciclismo do Minho (www.acm.pt).

O secretariado da Maratona BTT Berço do Alvarinho funcionará no Museu do Alvarinho (Praça Deu-la-Deu - Monção) no sábado (7 de Outubro) das 16 às 20 horas e no domingo (8 de outubro) das 07h30 às 08h30.

A Maratona BTT Berço do Alvarinho tem o apoio do Município de Monção, Federação Portuguesa de Ciclismo, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, Cision, Arrecadações da Quintã, Salvaggio, Controlsafe e Ciclismo a Fundo (revista oficial).

No ano passado a vila de Monção consagrou os campeões minhotos de Maratonas ao acolher a derradeira prova do Campeonato do Minho de BTT XCM - Arrecadações da Quintã. José Rodrigues e Ana Rita Vale venceram em eleites a 3ª Maratona BTT - Berço do Alvarinho, última competição do Campeonato do Minho de BTT XCM - Raiz Carisma  que conheceu ainda os seguintes vencedores: Patrícia Almeida (master femininas), Humberto Castro (master 30), Pedro Dias (master 40), Manuel Pinto (master 50) e F. C. Famalicão / Soniturismo / Bikeworld (equipas)

Monção: Berço do Alvarinho

A fama histórica de Monção,  perpetuada pela tradição, deve-se, essencialmente, ao carácter da heroína Deu-la-Deu Martins, uma personagem lendária da história de Monção a quem é atribuído o feito de ter enganado os castelhanos à época das Guerras fernandinas. Os castelhanos tinham imposto cerco à vila de Monção, que já durava há demasiado tempo e dentro das muralhas não havia já mantimentos. Sabendo que os invasores também já estavam desmoralizados e sem provisões, a heroína terá lançado pães feitos com a pouca farinha que restava em Monção, gritando-lhes a frase "Deus lo deu, Deus lo há dado". Em consequência, os castelhanos levantaram o cerco acreditando que ainda havia muita resistência dentro das muralhas.

Esta vila que recebeu foral em 1261, e na qual foi construído um castelo no reinado de D. Dinis (séc. XIII), destaca-se pelas suas termas que proporcionam tratamentos e momentos de relaxamento a quem as frequenta.

Além das termas destaca-se o Vinho Alvarinho, o qual constitui um dos principais produtos da economia do território.

Monção, berço do Alvarinho e vila termal, é igualmente uma referência pela gastronomia tradicional. Para além do Cordeiro à Moda de Monção, a Lampreia acompanhada pelo arroz malandro apresenta-se como um dos ex-libris gastronómico desta vila raiana.

Falar de Alvarinho é falar de Monção e de Melgaço . Razões naturais de microclima e solo, fizeram da sub-região delimitada por estes dois concelhos, não só o berço, mas o solar do Alvarinho, pois proporcionam a este vinho uma elevada tipicidade.

A casta Alvarinho é considerada, por muitos, a melhor casta branca enxertada nas vinhas portuguesas. A sua raridade, a baixa produção e, principalmente, o facto de dar origem a vinhos únicos em termos de aroma e sabor, leva a que as uvas Alvarinho sejam as mais valiosas e bem pagas de todo o País. Tal facto faz com que o vinho Alvarinho seja um vinho nobre e com grande capacidade de concorrência nos mercados nacionais e internacionais, que talvez poucos vinhos portugueses terão.

Esta casta só se produz até 200 metros de altitude, sendo nesta sub-região (concelhos de Monção e Melgaço) onde existem as condições ideais de  microclima e solo para o cultivo e maturação  desta uva única e genuína.

Fonte: ACM

“Volta à Grã-Bretanha: Tiago Machado teve de puxar”

Voltou a chegar ontem com o pelotão

Por: Alexandre Reis

Foto: Filipe Farinha

Tiago Machado voltou a chegar ontem com o pelotão (em 68º) na 2ª etapa da Volta à Grã-Bretanha, mas estes dois dias não foram fáceis para o português da Katusha-Alpecin. "Tive de puxar nestas duas primeiras etapas, pelo que não tenho grande frescura física para ter um objetivo pessoal. Mas o que interessa é a equipa e hoje [ontem] conseguimos colocar o Alexander Kristoff no 5º lugar", explicou Tiago, após jornada em que o italiano Elia Viviani (Sky) foi o mais rápido, ao bater o holandês Dylan Groenewegen (LottoNL-Jumbo) e o colombiano Fernando Gaviria (Quick-Step Floors), creditados com o mesmo tempo. Tiago Machado revelou os objetivos da equipa: "Queremos ganhar uma etapa, atacando nos dias em que isso for possível. A 3ª etapa vai ser mais uma oportunidade para os sprinters."

Na geral da Volta à Grã-Bretanha, Tiago Machado está no 54º lugar, a 14 segundos de Viviani, enquanto o australiano Caleb Ewan (Orica-Scott) é 2º (a 4) e o norueguês Edvald Boasson Hagen (Dimension Data) é 3º (a 7), depois de ontem ter sido desclassificado do sprint por manobra irregular.

Depois da Grã-Bretanha, Tiago Machado pode ir ao Mundial, pois está pré-convocado: "Gostaria de ir, mas se não for respeito a decisão do selecionador."

Fonte: Record on-line

“Vuelta/Froome impõe-se no 'crono' e reforça liderança”

Britânico aumenta vantagem sobre Nibali para 1.58 minutos

Foto: EPA

Chris Froome (Team Sky) aumentou a vantagem sobre a concorrência na Volta a Espanha ao vencer o contrarrelógio desta terça-feira. O britânico cumpriu os 40,2 km do 'crono' que ligou o Circuito de Navarra a Logroño em 47.00,51 minutos, superando o holandês Wilco Kelderman (Team Sunweb) por 29 segundos, e soma agora 1.58 minutos de vantagem sobre o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Merida), que foi 3.º, a 57 segundos.

Depois de ter passado no primeiro ponto de cronometragem intermédio (aos 13 km) apenas com o quarto melhor tempo, a 23 segundos de Kelderman, Froome encetou depois uma sensacional recuperação que lhe permitiu o triunfo e dar uma passo de gigante rumo à vitória final na Vuelta, que termina no próximo domingo em Madrid.

A Kelderman resta o 'consolo' de ascender ao pódio na geral, por troca com Ilnur Zakarin (Katusha-Alpecin). O holandês está agora a 2.40 minutos do camisola vermelha, enquanto o russo surge em 4.º, a 3.07. Outro dos grandes vencedores do dia foi o espanhol Alberto Contador (Trek-Segafredo), que registou o 5.º melhor tempo no contrarrelógio, a 59 segundos de Froome, e acabou por subir também ao 5.º posto da classificação (era nono...).

Quantos aos portugueses, o destaque vai para Nelson Oliveira (Movistar Team), que terminou o 'crono' no 24.º lugar, a 2.47 minutos de Froome, ocupando agora a 35.ª posição na geral. Já Rui Costa (UAE Emirates Team) é o 39.º, depois de ter sido o 54.º esta terça-feira, ficando inclusivamente atrás de Rafael Reis (Caja Rural), o 44.º na etapa. Mais longe ficou Ricardo Vilela (Manzana Postobon), apenas o 71.º no contrarrelógio.

Classificação da 15.ª etapa

1. Chris Froome (Grã-Bretanha/Team Sky), 47:00"

2. Wilco Kelderman (Holanda/Team Sunweb), +29"

3. Vincenzo Nibali (Itália/Bahrain-Merida), +57"

4. Ilnur Zakarin (Rússia/Katusha-Alpecin), +59"

5. Alberto Contador (Espanha/Trek-Segafredo), m.t.

6. Tobias Ludvigsson (Suécia/FDJ), +1:07"

7. Wout Poels (Holanda/Team Sky), +1:11"

8. Lennard Kaemna (Alemanha/Team Sunweb), +1:30"

9. Bob Jungels (Luxemburgo/Quick-Step Floors), +1:41"

10. Daniel Oss (Itália/BMC Racing Team), +1:49"

(...)

24. Nelson Oliveira (Portugal/Movistar Team), +2:47"

44. Rafael Reis (Portugal/Caja Rural), +4:00"

54. Rui Costa (Portugal/UAE Emirates Team), +4:31"

71. Ricardo Vilela (Portugal/Manzana Postobon), +4:47"


Classificação geral

1. Chris Froome (Grã-Bretanha/Team Sky), 62:53:25"

2. Vincenzo Nibali (Itália/Bahrain-Merida), +1:58"

3. Wilco Kelderman (Holanda/Team Sunweb), +2:40"

4. Ilnur Zakarin (Rússia/Katusha-Alpecin), +3:07"

5. Alberto Contador (Espanha/Trek-Segafredo), +4:58"

6. Miguel Angel Lopez (Colômbia/Astana Pro Team), +5:25"

7. Fabio Aru (Itália/Astana Pro Team), +6:27"

8. Wout Poels (Holanda/Team Sky), +6:33"

9. Esteban Chaves (Colômbia/Orica-Scott), +6:40"

10. Michael Woods (Canadá/Cannondale-Drapac), +7:06"

(...)

35. Nelson Oliveira (Portugal/Movistar Team), +1:18:56"

39. Rui Costa (Portugal/UAE Emirates Team), +1:24:19"

47. Ricardo Vilela (Portugal/Manzana Postobon), +1:45:07"

130. Rafael Reis (Portugal/Caja Rural), +3:19:36"

Fonte: Record on-line

“Agenda de Ciclismo"

Época de elite acaba em Oliveira de Azeméis

Por: José Carlos Gomes

As duas últimas corridas do calendário nacional de estrada para elite disputam-se no próximo fim de semana, em Oliveira de Azeméis.

O pelotão de equipas continentais e de clube corre no sábado Troféu Concelhio de Oliveira de Azeméis, guardando para domingo o Memorial Bruno Neves.

A corrida de sábado terá 104,3 quilómetros, partindo do Parque La Salete, no centro de Oliveira de Azeméis, às 13h00, para chegar, cerca das 15h30, à Escola Básica 2:3 de Carregosa.

A homenagem anual a Bruno Neves disputa-se no domingo, a partir das 13h00. Os corredores parte da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis e vão percorrer 143 quilómetros. A meta estará colocada na freguesia de Nogueira do Cravo. A prova acaba à sétima passagem pela linha de chegada.

Mais eventos oficiais

7 a 10 de setembro: Douro Bike Race

9 de setembro, 10h00: XCO Juvenil de Vila Flor

10 de setembro, 9h00: XIII Maratona BTT Rota do Presunto, Chaves

10 de setembro, 9h00: 5.ª Prova do Campeonato Open de XCO da Maia, S. Pedro de Avioso

10 de setembro, 9h00: 2.º Troféu CPT do Algarve, Alcoutim

10 de setembro, 9h30: Maratona BTT de Valongo

10 de setembro, 9h30: IV Maratona BTT 4 Maravilhas da Mealhada

10 de setembro, 9h30: 12.º Circuito Norte Alentejano XCO, Chança, Alter do Chão

10 de setembro, 10h00: Dual Bike de Caceira, Figueira da Foz

10 de setembro, 10h00: Encontro Regional de Escolas BTT de Tondela

10 de setembro, 10h00: GP de Ciclismo de Sobral de Monte Agraço

10 de setembro, 15h30: 49.º Grande Prémio Centro Ciclista de Gondomar

Fonte: FPC

“Campeonato do Mundo de BTT”

David Rosa e Mário Costa defendem cores nacionais na Austrália

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal compete na prova de cross country olímpico (XCO) do Campeonato do Mundo de BTT, que se realiza na madrugada do próximo sábado, em Cairns, Austrália.

David Rosa (Tropix) e Mário Costa (Primaflor-Mondraker) foram os corredores escolhidos pelo selecionador nacional, Pedro Vigário, para representarem Portugal na prova de elite.

A Equipa Portugal também previa estar representada na prova de elite de downhill, mas o corredor convocado, Francisco Pardal, sofreu uma dupla fratura no ombro, num dos últimos treinos antes da partida para a Austrália.

“O David Rosa e o Mário Costa têm demonstrado estar num bom momento de forma. Espero que ambos consigam melhorar os seus máximos em campeonatos do Mundo”, afirma Pedro Vigário, antevendo a corrida que se disputa a partir das 5h30 (hora portuguesa) do próximo sábado.

David Rosa é detentor do melhor resultado de sempre de um português em mundiais de elite de XCO, graças ao 29.º lugar alcançado em 2014 e em 2016. O melhor resultado de Mário Costa foi o 47.º posto de 2015.

Fonte: FPC

“Vuleta/Froome e a polémica dos motores: «Nem sequer iria para a linha de partida»”

Britânico da Sky diz nem pensar nessa situação

Por: Fábio Lima

Foto: EPA

Segundo dia de descanso da Vuelta'2017, com Chris Froome na liderança, e um dos temas mais falados volta a ser a teoria de que há ciclistas a utilizar motor nas suas bicicletas. Primeiro surgiu um vídeo a correr nas redes sociais (ver abaixo), onde o próprio britânico é acusado de os utilizar, e depois um documentário da Stade 2 coloca em causa a forma como a UCI tem testado as bicicletas. Um tema sensível, mas para o qual o britânico não dispensa muita atenção.

Volta a polémica: Bicicleta de Froome tem motor?

"Não tive tempo para ver o documentário, mas ouvi falar sobre isso. Não sei se é verdade ou não, não sei se têm a tecnologia da UCI ou não. O mais importante para mim é que eles estão a fazer os testes. Têm desmantelado as bicicletas à procura de motores. Na minha opinião, nem sequer iria para a linha de partida se acreditasse que alguém usava um motor. Seria muito duro mentalmente ir para a linha de partida e questionar se um dos nossos rivais estaria a competir dessa forma. Não é algo em que pense. Se há alguém a usá-los, imagino que será apanhado rapidamente", explicou.

Relativamente à sua liderança, com um minuto e um segundo de avanço para Vincenzo Nibali, o britânico admite estar na posição ideal. "Creio que, dada a posição em que estamos após duas semanas de prova, é um cenário de sonho depois de termos estado no Tour, e também o facto de me sentir como sinto. Parece-me que o planeamento que fizemos está a resultar. Competir menos no início da época e ter feito um estágio específico entre Tour e Vuelta ajudou. Creio que estamos numa fantástica posição", admitiu.

Fonte: Record on-line