sexta-feira, 27 de julho de 2018

“UCI CONVIDA PAÍSES AFRICANOS A ORGANIZAR OS MUNDIAIS DE ESTRADA DE 2025”

Processo de candidatura estará aberto até setembro de 2019

Por: Lusa

Foto: DR

A União Ciclista Internacional (UCI) anunciou esta sexta-feira que convidou os países africanos a candidatarem-se à organização dos Mundiais de estrada de 2025, uma iniciativa que considera "marcante na história da modalidade".

Relembra a UCI que este convite está em linha com o que foi assumido na campanha de David Lappartient para a presidência do organismo, no ano passado, bem como com o adotado por unanimidade há um mês pelo seu comité diretor.

O processo de candidatura para os Mundiais de 2025 estará aberto até setembro de 2019, data em que a UCI, no seu congresso anual, vai anunciar o nome da cidade escolhida.

A UCI enviou o convite, através de carta, às 50 federações que integram a Confederação Africana de Ciclismo (CAC).

Desde a década de 1970 que os campeonatos do mundo saem da Europa com uma certa regularidade, sendo África o único continente que nunca os recebeu. Já se disputaram por seis vezes na América (a última das quais em Richmond, 2015), duas na Ásia e uma na Oceânia.

Fonte: Record on-line

“TOUR/PRIMOZ ROGLIC VENCE 19.ª ETAPA E TIRA O PÓDIO A CHRIS FROOME ANTES DO 'CRONO'”

Geraint Thomas fica próximo da vitória final

Por: Lusa

Foto: Reuters

O esloveno Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo) venceu esta sexta-feira a 19.ª etapa da Volta a França em bicicleta, a última de alta montanha, com o britânico Geraint Thomas (Sky) a ficar ainda mais próximo do triunfo final.

Na ligação de 200,5 quilómetros, entre Lourdes e Laruns, Roglic venceu em 5:28.17 horas, menos 19 segundos do que Thomas e do que o francês Romain Bardet (AG2R-La Mondiale).

Na geral, Roglic subiu ao terceiro lugar, ultrapassando o britânico Chris Froome (Sky), a 2.24 minutos de Thomas, que tem a liderança segura por 2.05 em relação ao holandês Tom Dumoulin (Sunweb), segundo classificado.

No sábado disputa-se um contrarrelógio, de 31 quilómetros, entre Saint-Pée-sur-Nivelle e Espelette.

Fonte: Record on-line

“Portugal na máxima força para o Mundial Universitário de Ciclismo”

A delegação portuguesa ao Campeonato Mundial Universitário de Ciclismo, chefiada por Francisco Duarte, apresenta-se com um lote de atletas de elevado nível e com aspirações, sendo constituída, na maioria, por ciclistas que integram as seleções da Federação Portuguesa de Ciclismo e que conciliam a atividade desportiva com a frequência do ensino superior.
José Poeira e Pedro Vigário, selecionadores da Federação Portuguesa de Ciclismo nas vertentes de estrada e BTT, escolheram 22 atletas que competirão em todas as vertentes do mundial: ciclismo de estrada (contrarrelógio e fundo) e BTT (XCO e DHI).


Para as provas de fundo e de contrarrelógio José Poeira convocou os seguintes atletas: Pedro Miguel Lopes (Universidade do Minho), André Ramalho (Universidade Nova de Lisboa), Marvin Scheulen (Universidade Europeia), Francisco Moreira (Universidade de Lisboa) e Soraia Silva (Escola Superior de Enfermagem de Coimbra), aos quais se juntam José Nuno Vieira (Universidade do Minho) e Marcelo Salvador (Escola Superior Hotelaria e Turismo do Estoril) que alinharão apenas na prova de fundo.
Pedro Vigário, selecionador nacional de BTT, convocou onze atletas para as provas de Cross Country Olímpico (XCO) e sete para a de Down Hill.  Na prova masculina de BTT XCO Portugal alinhará com Mário Silva (Universidade do Minho), Tiago Amorim, Simão Santos, Fábio Tomás (Instituto Politécnico de Viseu), Miguel França (Instituto Politécnico do Porto) e Francisco Machado Ruivo (Universidade do Minho). A corrida feminina de XCO contará com a participação de Catarina Moreira (Universidade Lusíada), Beatriz Tomás (Instituto Politécnico de Viseu), Beatriz Lopes (Escola Superior Enfermagem de Lisboa), Ana Patrícia Ramalho (Universidade Lusófona) e Daniela Araújo (Universidade Católica – Braga).
Para a prova masculina de Down Hill, Pedro Vigário convocou David Martins (Instituto Politécnico de Coimbra), João Pereira (Universidade do Minho), Francisco Quinaz (Universidade de Coimbra), Micael Costa (Instituto Politécnico de Santarém) e Francisco Machado Ruivo (Universidade do Minho). Portugal estará representado na prova feminina de Down Hill por Catarina Moreira (Universidade Lusíada) e Daniela Araújo (Universidade Católica – Braga).
A comitiva portuguesa é chefiada por Francisco Duarte (Vice-presidente da FADU), tendo como oficiais Paulo Oliveira e Hélder Ferreira.

 

José Mendes, ciclista da Burgos – BH, associa-se ao Mundial de Ciclismo.
José Mendes, ciclista profissional da Burgos – BH que representou Portugal nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, participa na próxima segunda-feira na cerimónia de abertura que decorrerá, a partir das 18h30, na Praça da República, no centro da cidade de Braga.


O ciclista vimaranense foi o primeiro português a participar num Mundial Universitário de ciclismo, tendo conquistado em 2006 um 14.º lugar na prova de contrarrelógio e um 17.º na prova em linha. José Mendes frequentou o curso de Engenharia Eletrónica Industrial da Universidade do Minho e será um dos convidados.
Em 2016, André Crispim e Gaspar Gonçalves alcançaram em Tagatay (Filipinas) um 4º e um 6º lugar na prova de Critério, respetivamente, com André Crispim a obter também o 5º lugar na prova de Fundo.


Mundial Universitário de Ciclismo promete ser um grande sucesso!

Rui Vieira de Castro, Reitor da Universidade do Minho, acredita no sucesso do Campeonato Mundial Universitário de Ciclismo e destaca que “o desporto é um meio de assegurar o desenvolvimento de habilidades pessoais e sociais relevantes, essenciais para o pleno desenvolvimento de nossos alunos em todos os ciclos de estudos”.

Na mensagem dirigida aos participantes do Campeonato, que decorrerá de 30 de julho a 4 de agosto, nas localidades de Braga, Guimarães e Fafe, Rui Vieira de Castro recorda que o compromisso da Universidade do Minho com o desporto remonta à fundação da Universidade, sendo um “orgulho” acolher o Mundial de ciclismo que “celebrará coletivamente as virtudes do desporto no espírito do fair play, da harmonia e da alegria” disse.

“A competição desportiva é sempre uma ocasião para fomentar a compreensão e a amizade mútuas. O desporto também é uma forma privilegiada de promover o respeito pelas diferenças que tornam a humanidade única”, afirma Rui Vieira de Castro para quem “o essencial, quando organizamos estes eventos, é termos presente que aquilo que estamos a fazer é criar condições para uma formação mais adequada, para uma melhor formação das pessoas. É sobretudo isso que nos deve mover” afirma.

Nuno Reis, Presidente da Associação Académica da Universidade do Minho e do Comité Organizador do Mundial, realça que, além da missão de deixar um legado de prestígio ao desporto universitário nacional, o Mundial de 2018 têm a particularidade de juntar três cidades na primeira organização deste género em Portugal. “Esperamos que o impacto desse evento se reflita no envolvimento do público da região e que todos os atletas, treinadores, líderes desportivos e voluntários possam passar momentos inesquecíveis a todos os níveis durante a semana da competição”, afirma.

Reunindo os melhores atletas universitários do Mundo, o Campeonato é uma organização da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) e dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho (SASUM), em parceria com a Associação de Ciclismo do Minho, Federação Portuguesa de Ciclismo e Federação Portuguesa de Desporto Universitário.

Braga, Guimarães e Fafe são as cidades onde serão atribuídos os títulos mundiais universitários de Ciclismo de Estrada (fundo e contrarrelógio), BTT Cross Country Olímpico e BTT Down Hill, respetivamente.

O Centro de Ciclismo do Minho - Guimarães (Souto Santa Maria) será o local de realização das provas de BTT Cross Country Olímpico (1 de agosto), enquanto Fafe recebe a competição de Down Hill (3 de agosto) que será disputada em Armil, na renovada pista do Monte de São Salvador que já acolheu diversas competições do Minho, nacionais e internacionais.

Braga acolherá, além das cerimónias de abertura e encerramento, as provas de contrarrelógio individual (31 de julho) e o início e final das corridas de fundo (4 de agosto), cujos percursos (masculino e feminino) incluem passagens por Guimarães e Póvoa de Lanhoso.

“Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros”

Fúria espanhola no sprint de Abrantes

Por: José Carlos Gomes

Os corredores espanhóis dominaram o sprint pela vitória na primeira etapa da Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros, com Javier Grau (Giménez Ganga/Primoti/Tocobike) a ser o mais rápido e a conquistar a camisola amarela.

A tirada de 83,5 quilómetros, a mais extensa da competição para corredores de 15 e 16 anos, começou e acabou em Abrantes, fechando com um sprint entre os cerca de 50 elementos do pelotão da frente.

Os corredores espanhóis revelaram-se mais explosivos. Javier Grau ergueu os braços, com 2h09m56s, diante de dois compatriotas, Jordi Constantino (Ginestar/ULB Sports) e Marc Cabedo (Giménez Ganga/Primoti/Tocobike), segundo e terceiro, respetivamente.

O melhor português foi Diogo Antunes, representante da equipa mista formada pelos conjuntos Peçamodôvar, Extremo Sul e Lousa, no quarto lugar. Este resultado valeu a Diogo Antunes a camisola da juventude, atribuída ao melhor cadete de primeiro ano. O colega de equipa Rafael Santos é o primeiro na tabela dos trepadores. A Giménez Ganga/Primoti/Tocobike comanda por equipas.

Não havendo bonificações, a classificação geral está completamente em aberto para as duas jornadas vindouras, já que 48 ciclistas estão com o mesmo tempo do vencedor da etapa e dono da camisola amarela.

A segunda etapa corre-se já neste sábado. Serão 76,8 quilómetros, com início e final em Alenquer. A partida será dada às 13h00, esperando-se a chegada pouco antes das 15h00.

Fonte: FPC