sexta-feira, 23 de agosto de 2019

“Arrábida recebe Campeonato Nacional de SwimRun”

A 7 de setembro realiza-se o SwimRun, uma prova que tem aumentando em número de participantes.

O Arrábida SwimRun integra a 3ª prova do Circuito Nacional SwimRun e paralelamente inclui o Campeonato Nacional Swimrun Portugal da Federação de Triatlo de Portugal, disputada na vertente de duplas

Esta prova irá desenrolar-se nos desafiantes trilhos da Serra da Arrábida, onde o SwimRun se estreou como modadalidade em 2017. Os participantes irão percorrer as encostas da serra e mergulhar nas águas do Rio Sado, neste desafio único em Portugal que combina a corrida em trilhos e a natação de águas abertas.

Esta competição de endurance, velocidade, resistência e estratégia chegou ao nosso país em 2017, mas teve lugar pela primeira vez na Suécia em 2006 com a prova “Otillo” (que significa de Ilha para Ilha).


Os percursos do Arrábida SwimRun

O Arrábida SwimRun inclui uma distância standard com cerca de 20km e uma distância sprint com cerca de 10km, ambos com partida e chegada no Parque Urbano de Albarquel.

A competição standard, que é a distancia de campeonato nacional, irá iniciar a bordo dos Galeões do Sal que estarão perfilados em frente ao Parque Urbano Albarquel, em pleno rio Sado, de onde os atletas terão de saltar para percorrer o primeiro troço de natação com cerca de 1km de distancia. Na margem irão correr em trilhos exigentes com algum desnível acumulado. É aconselhável que os participantes possuam experiência prévia em trail e natação de águas abertas. Este percurso passa, entre outros agradáveis locais junto ao rio, no outrora glamoroso Palácio da Comenda, local de passagem de visitantes curiosos que ali param para apreciar a vista sobre o Sado e Tróia.

A prova sprint tem a sua partida em terra, no Parque Albarquel, onde os atletas farão o primeiro troço de natação, para percorrer os trilhos e águas das praias circundantes e regressar ao local da partida. Esta é a prova indicada para os atletas com menos experiência nas duas modalidades, mas que ainda assim,  deverão ter preparação física adequada.


5 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

1 – QUAL O MATERIAL QUE PRECISO?

O material obrigatório (fornecido pela organização) é o dorsal visível, o chip e a touca de natação. São recomendados ter fato de neoprene adequado para temperatura da água de 14 graus Celsius (caso se justique), calçado apropriado para percursos offroad e trail running, óculos de natação, palas, pullbouy com elástico ou fecho semelhante.

Este material visa o conforto do participante, sendo facultativa a utilização do fato de neoprene específico para Swimrun, consoante a temperatura da água. Pode usar quaisquer sapatilhas desde que tenham um bom escoamento de água e o uso das palas e pullbouy ajudam no deslize na água, equilibrando assim o peso das sapatilhas na água.


2 – COMO SE REALIZA?

Uma das principais características são as múltiplas transições entre a natação (mar, rio, lago) e a corrida, habitualmente em trilhos, com a particularidade de os participantes não mudarem de equipamento ao longo da prova, como acontece nas provas de Aquatlo ou Triatlo e onde têm de terminar com o mesmo equipamento com que começaram.


3 – FAÇO COM COMPANHIA?

Outra das características é ser realizada em duplas, principalmente por razões de segurança, em especial durante os percursos mais longos e técnicos de natação de águas abertas. É possível a prova ser realizado de forma individual nos percursos mais curtos (até 21km no total entre natação e corrida) e menos técnicos.

 

4 – QUAIS SÃO AS DISTÂNCIAS?

A distância de prova não é fixa sendo por norma disponibilizados dois formatos aos participantes (Sprint e Standard) que variam entre os 10 e 20km no total, sendo o número de transições entre corrida e natação também variável de prova para prova, ficando ao critério do organizador. Pode haver quatro segmentos de natação e quatro de corrida, por exemplo, mas é variável de prova para prova.


5 – QUEM É O SWIMRUNNER?

Quem goste de correr e nadar ao ar livre, com especial foco para os triatletas que poderão estar mais confortáveis, mas não só: nadar em barragens e correr em trilhos, com o potencial que temos no nosso país, é por si só um aliciante muito atrativo.


Calendário das provas do Circuito SwimRun Portugal 2019

A naração é realizada com sapatilhas que deverão ter um bom escoamento de água

Zêzere Swimrun 27 abril 2019

Alqueva Swimrun 9 junho 2019

Arrábida Swimrun 7 setembro 2019

Madeira Swimrun 10 novembro 2019

A organização do evento é da responsabilidade da entidade Swimrun Portugal e conta com o apoio institucional da Câmara Municipal de Setúbal.

Fonte: FTP

“Montemor-o-Velho recebeu dia 4 de agosto a Taça Portugal de Triatlo”

Dia 4 de agosto  o Triatlo de Montemor-o-Velho que recebeu mais de uma centena e meia de triatletas.

Este triatlo, que se realizou no Centro Náutico de Montemor-o-Velho integrou a sétima e penúltima etapa da Taça de Portugal de Triatlo, uma prova muito competitiva disputada na distância super sprint (300 metros de natação, 8km de ciclismo e 2km de corrida).

Decorreu em simultâneo a última etapa do Campeonato Nacional de Cadetes.


Resultados Taça de Portugal em Montemor-o-Velho

Na competição feminina, o Sporting Club de Portugal subiu ao mais alto lugar do pódio, seguido do Alhandra Sporting Club que ficou na segunda posição e do ADI-Ílhavo que alcançou o terceiro lugar.

A vitória masculina pertenceu ao Alhandra Sporting Club, o segundo lugar foi para o Clube de Natação de Torres Novas e o Clube de Natação Colégio Vasco da Gama alcançou a terceira posição.

Nesta altura, com sete das oito etapas realizadas (Cuba, Grândola, Quarteira, Peniche, Alhandra, Fundão e Montemor-o-Velho), o OutSystems Olímpico de Oeiras encontra-se à frente das equipas masculinas com 1350 pontos, seguido do Estoril Praia Credibom com 1230 pontos e o Clube de Natação Torres Novas com 1060 de pontuação está na terceira posição.

Na competição feminina, é o Alhandra Sporting Club que assume a liderança com 1030 pontos, o Clube Oriental de Lisboa segue em segundo lugar com 830 pontos e o OutSystems Olímpico de Oeiras encontra-se atualmente na terceira posição com 750 de pontuação.

Falta apenas uma etapa para terminar a Taça de Portugal de Triatlo 2019, uma prova que se realiza no dia 7 de setembro na Lagoa da Ervideira.


Resultados individuais do Triatlo de Montemor-o-Velho

A primeira atleta a passar a meta e a vencer este Triatlo de Montemor-o-Velho foi Mariana Vargem, do Clube Naval do Funchal, com o tempo de 25:53. Inês Oliveira, do Sporting Clube de Portugal, subiu ao segundo lugar do pódio com 26:38 e Ana Filipa Ferreira, do Alhandra Sporting Club, alcançou a terceira posição com 27:11.

Na prova masculina Rafael Domingos, do Estoril Praia Credibom, alcançou a vitória com 22:42, João Mansos, do Sporting Clube de Portugal, conquistou o segundo lugar com 22:47 e Pedro Afonso Gaspar, do Alhandra Sporting Club, fechou o pódio absoluto com 22:51.
 

Muitos parabéns aos clubes e atletas presentes e força para as próximas provas!

O Triatlo de Montemor-o-Velho é uma organização da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho com o apoio técnico da Federação de Triatlo de Portugal.

Fonte: FTP

“Marcel Kittel anuncia retirada do ciclismo aos 31 anos”

Diz ter perdido "toda a motivação" para correr

Por: Lusa

O alemão Marcel Kittel, que venceu 14 etapas na Volta a França, anunciou esta sexta-feira a retirada do ciclismo, por ter perdido "toda a motivação" para correr, depois de já ter colocado a carreira em suspenso em maio.

Aos 31 anos, o sprinter já tinha abandonado a equipa suíça Katusha-Alpecin, anunciando agora o ponto final na carreira, numa entrevista ao jornal alemão Der Spiegel.

"O sofrimento define o desporto e este mundo. Perdi toda a motivação para me torturar em cima de uma bicicleta", declarou.

O alemão, que correu por várias equipas no escalão WorldTour e venceu 14 etapas no Tour, entre 2013 e 2017, venceu também em quatro ocasiões na Volta a Itália, tendo conquistado a última de mais de 90 vitórias profissionais em fevereiro deste ano, no Trofeo Palma.

"Como ciclista, passas 200 dias do ano na estrada. Não quero ver o meu filho crescer pelo Skype", acrescentou o antigo ciclista da Argos-Shimano e da Quick Step.

Aquando da rescisão, o diretor da Katusha Alpecin, o português José Azevedo, manifestou tristeza pelo abandono do sprinter, desejando-lhe felicidades na vida pessoal.

"É com tristeza que concordámos com o pedido do Marcel para deixar a equipa e as corridas. Percebemos a situação e apoiamo-lo totalmente neste momento difícil. Todos os elementos da equipa vão continuar a apoiá-lo no futuro, com a esperança de que volte a competir, como campeão que é", escreveu então.

Fonte: Record on-line

“Vuelta/Richard Carapaz de fora por lesão e é substituído por José Joaquín Rojas”

Ciclista equatoriano caiu a dois dias do arranque da prova.

SAPO Desporto

O equatoriano Richard Carapaz, vencedor da Volta a Itália deste ano, vai falhar a Volta a Espanha em bicicleta, que arranca no sábado, confirmou hoje a Movistar, que o substituiu pelo espanhol José Joaquín Rojas.

“Carapaz não conseguiu recuperar completamente de uma forte contusão no ombro direito, ao cair no último domingo na Holanda, e não vai partir em Torrevieja”, pode ler-se num comunicado da formação espanhola.

No seu lugar estará José Joaquín Rojas, de 34 anos, numa equipa que também inclui o português Nelson Oliveira.

Carapaz, que venceu a última edição do ‘Giro’, estava escalonado como um dos líderes da equipa, ao lado do campeão do mundo, o espanhol Alejandro Valverde, campeão da ‘Vuelta’ em 2009, e do colombiano Nairo Quintana, vencedor em 2016.

A 74.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta arranca no sábado, com um contrarrelógio por equipas em Salinas de Torrevieja, na província de Alicante, terminando em 15 de setembro em Madrid.

Fonte: Sapo on-line

“Rui Vinhas em quarto na terceira etapa da Volta a Limousin”

Português subiu ao quinto posto da geral

Por: Lusa

O português Rui Vinhas (W52-FC Porto) foi esta sexta-feira quarto classificado na terceira etapa da Volta a Limousin, em França, ganha pelo francês Benoit Cosnefroy (AG2R La Mondiale), novo líder da geral.

Cosnefroy, de 23 anos, completou os 176,8 quilómetros entre Chamboulive e Beynat em 4:23.12 horas, com Vinhas a cortar a meta a nove segundos do vencedor e novo camisola amarela.

O francês da AG2R lidera com 11 segundos de vantagem para o compatriota Lilian Calmejane (Total Direct Energie), enquanto o português subiu ao quinto posto e segue a 28 segundos da liderança.

No sábado, a quarta e última etapa da 52.ª edição liga Confolens a Limoges, ao longo de 177,4 quilómetros, numa etapa de média montanha que inclui duas contagens de montanha de terceira categoria, uma de segunda e uma chegada com ligeiro ascendente.

Fonte: Record on-line

“António Carvalho perto do top-10 na Volta à Dinamarca”

É agora o melhor português

Por: Lusa

Foto: Lusa

António Carvalho (W52-FC Porto) é agora o melhor português na Volta à Dinamarca em bicicleta, tendo subido ao 12.º lugar após a terceira etapa da prova.

Nos 199,7 quilómetros entre Holstebro e Vejle, António Carvalho cortou em 11.º, a 16 minutos do vencedor, o dinamarquês Lasse Harsen, da Corendon.

A W52-FC Porto completou-se com Gustavo César em 15.º e Edgar Pinto em 16.º, ambos a 24 segundos, Samuel Caldeira em 31.º a 40, João Rodrigues, em 35.º a 45, e Ricardo Mestre, em 73.º, a 7.08.

André Carvalho (Hagens Bergman Axeon) cumpriu o percurso em 47.º, a 1.40.

O dinamarquês Niklas Larsen (Coloquick) foi terceiro no dia e assumiu a liderança da prova, com António Carvalho em 12.º, a 1.14.

Samuel Caldeira é o 13.º, a 1.17, Edgar Pinto o 16.º, a 1.21, e Gustavo César o 19.º, também a 1.21.

Fonte: Record on-line

“Tobias Foss assume liderança da Volta a França do Futuro”

O melhor português continua a ser Gonçalo Carvalho

Por: Lusa

O norueguês Tobias Foss assumiu esta sexta-feira a liderança da geral da Volta a França do Futuro em bicicleta, após a oitava etapa, ganha pelo australiano Alexander Evans, com Gonçalo Carvalho a cair para 48.º.

Evans cumpriu os 23,1 quilómetros entres Brides-les-Bains e Méribel, sempre a subir com uma inclinação média de 7,7%, em 1:05.39 horas, batendo o luxemburguês Michel Ries, segundo, por 12 segundos, com Clément Chapoussin, de França, a fechar o pódio, a 24.

Na geral, Foss, que foi quinto, assumiu a liderança, agora com 23 segundos de vantagem para o norte-americano Matteo Jorgenson, segundo.

O melhor português continua a ser Gonçalo Carvalho, que caiu quatro posições, para 48.º, ao ser 102.º na 'escalada', enquanto Jorge Magalhães foi o melhor do dia, em 46.º, subindo a 86.º.

Guilherme Mota foi 66.º e é 70.º da geral, e Francisco Campos segue em 111.º após ser 107.º na etapa.

No sábado, a nona e penúltima etapa liga Villaroger a Tignes ao longo de 67,2 quilómetros, culminando numa subida de primeira categoria.

Fonte: Record on-line

“Circuito de Rio Maior”

Direção da ASFIC trás o speaker da volta a Portugal para dirigir e animar o circuito de Rio Maior, que se realizará no próximo dia 14 de Setembro.

António Teixeira Correia, acompanha durante toda a temporada a caravana de todas as competições.

Jornalista e speaker nas principais competições nacionais, Teixeira Correia é das pessoas com mais carisma, a que se alia a sua faceta de bom contador de história, que cria uma excelente interação com o público.

Como jornalista tem no curriculum 29 Voltas ao Alentejo, 20 Voltas a Portugal, 15 GP Abimota, uma dúzia do Prémio de Torres Vedras, perto de uma dezena de Voltas ao Algarve e Porto-Lisboa e todas as outras principais provas do calendário nacional.

Em 2001 e 2002 fez a cobertura da Volta à Espanha e o Mundial de estrada

Em 2010 a convite da Liberty Seguros marcou presença nos Campos Elísios na derradeira etapa do Tour de France.

Como speaker desempenha a função no Abimota, Volta ao Alentejo, Campeonatos Nacionais e Volta a Portugal, sempre com licença UCI, emitida pela UVP/FPC, tendo iniciado a atividade em 1998 no Grande Prémio Abimota.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“14.ª Volta a Portugal de Juniores”

Vitória belga não tira amarela a João Carvalho em Mêda

Por: José Carlos Gomes

O belga Tijs Verstappen (Maes CT Glabeek) venceu hoje a primeira etapa em linha da Volta a Portugal de Juniores, mas o português João Carvalho (Bairrada) segue de amarelo, após os 118,2 quilómetros que ligaram Celorico da Beira a Mêda.

O calor não inibiu os corredores de mexerem com a corrida. O belga Siebe Deweirdt (Maes CT Glabeek) atacou logo no início da jornada, pedalando largos quilómetros em solitário para vencer as duas metas volantes do dia. Mais adiante teve a companhia de João Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact, Renan Quadri (Tensai/Sambiental/Santa Marta), Josep Tomás (Giménez Ganga/Primoti/Tocobike) e Manuel Barbosa (Fortunna/Maia).

Na única montanha do dia, João Silva atacou para passar na frente e vestir a camisola de melhor trepador. Alcançou esse objetivo, mas não foi muito mais longe, porque o pelotão absorveu todos os fugitivos a 20 quilómetros da meta.

O pelotão compacto foi sol de pouca dura. A cerca de 10 quilómetros da chegada atacaram cinco corredores, que discutiram entre eles a vitória, na longa reta em empedrado de Mêda. Tijs Verstappen foi o melhor, concluindo a tirada com 3h11m31s, menos 2 segundos do que Flávio Fernandes (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) e menos 4 segundos do que Abner Umba (Team Ingenería de Vías/Monsalud), segundo e terceiro.

“A vitória de hoje deixa-me muito contente e, de certa forma, compensa-me do desapontamento de ontem, porque perdi muito tempo no prólogo por ter feito mal uma trajetória numa curva. Hoje ganhei e estou feliz por isso. Na etapa de amanhã ainda poderei ter uma palavra a dizer, mas não terei hipóteses na etapa de domingo, porque tem muita montanha e eu não sou propriamente um trepador”, admite Tijs Verstappen.

O pelotão gastou mais 28 segundos do que o vencedor e foi neste grupo que chegaram os principais candidatos à geral, entre os quais João Carvalho, que segurou a primazia na classificação geral. Fábio Fernandes (Efapel/Escola de Ovar) mantém a segunda posição, a 2 segundos, e Daniel Dias (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) continua no terceiro posto, a 6 segundos.

“A etapa de hoje foi dura, devido ao calor e à distância. O ritmo não foi muito alto. Só perto do final houve algumas tentativas de marcar a diferença, mas a minha equipa esteve muito bem no controlo da corrida. Estou muito feliz por manter a camisola amarela. Vamos continuar a dar tudo, porque o nosso objetivo é sempre o mesmo: ganhar”, garante o primeiro da geral individual.

O vencedor da etapa de hoje comanda a classificação por pontos, Fábio Fernandes é o melhor júnior de primeiro ano e João Silva beneficiou da fuga para vestir a camisola da montanha. A Bairrada segue no topo da geral coletiva.

A segunda etapa corre-se neste sábado, ligando Figueira de Castelo Rodrigo ao Sabugal, através de um percurso de 130 quilómetros. A partida está marcada para as 12h00 e a chegada deverá acontecer depois das 15h30. Uma contagem de montanha de segunda categoria, em Águas Belas, a 8,3 quilómetros da meta, pode ser um convite para movimentações dos candidatos ao triunfo na Volta.

Fonte: FPC