quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

“A notícia não pode parar…”

Capítulo 8


Texto: José Morais

Imagens: Pesquisa Google

Continuamos com o capítulo 8, onde vamos ao longo de algumas semanas mostrar o chamado “Vintage”, ou seja cartazes e imagens antigas, onde a bicicleta está sempre presente.

A competição, o lazer, a publicidade, são imagens que iremos divulgar, depois de uma longa pesquisa, tentamos escolher os melhores, e mostrar coisas de outros tempos.

Esperemos que gostem, e se deslumbrem com as imagens de outros tempos.









“Agenda de Ciclismo”

Ano novo começa com pista e ciclocrosse

Por: José Carlos Gomes

Após três etapas disputadas a Norte do Douro, a quarta prova da Taça de Portugal de Ciclocrosse disputa-se, no próximo domingo, a sul do Tejo, na Quinta do Conde, Sesimbra. O Velódromo Nacional, em Sangalhos, Anadia, é palco, na véspera, do Campeonato Nacional de Omnium e do arranque da Taça de Portugal.

A corrida de domingo será a oportunidade para o comandante da geral de elite, Miguel Salgueiro (Sicasal/Constantinos/Delta Cafés), defender o primeiro lugar mais perto do seu público. O corredor natural de Odivelas tentará dar uma pedalada decisiva para a conquista do troféu. Por enquanto soma 160 pontos, mais 40 do que Vítor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) e mais 65 do que Roberto Ferreira (BTT Seia), perseguidores mais próximos.

No setor feminino manda Isabel Caetano, com 150 pontos, mais 45 do que Marta Branco (Maiatos/Reabnorte) e mais 72 do que Daniela Pereira (Saertex Portugal/Edaetech), segunda e terceira, respetivamente.

A prova da Quinta do Conde começa às 9h30, com a corrida de juvenis. Segue-se, às 9h30, a competição de masters. Às 11h00 correm as femininas e os cadetes masculinos. Os corredores de elite e os juniores entram em pista às 12h00.

Na véspera o Velódromo Nacional acolhe o Troféu Bento Pessoa, prova de arranque da Taça de Portugal de Pista. As corridas realizam-se entre as 10h00 e as 19h00. Em paralelo com as provas pontuáveis para a Taça, disputa-se o Campeonato Nacional de Omnium para elite masculina e feminina, prova importante para a soma de pontos para o ranking, tendo em vista o objetivo de qualificação para os Jogos Olímpicos.

 

Mais eventos oficiais

6 de janeiro: Passeio BTT Trilhos de Pontével, Cartaxo

Fonte: FPC

“Volta ao Algarve/Pelotão com 24 equipas, 12 são do WorldTour”

Por: José Carlos Gomes

A 45.ª Volta ao Algarve, na estrada entre 20 e 24 de fevereiro, será disputada por 24 equipas, entre as quais 12 do WorldTour, a categoria máxima da modalidade.
A Volta ao Algarve, de categoria 2.HC, a mais elevada do circuito Europe Tour, continuará em 2019 a ser um dos melhores eventos desportivos do país e uma das corridas por etapas do Europe Tour com pelotão de maior qualidade.
A corrida portuguesa atrai 12 das 18 equipas WorldTour existentes, entre as quais as três melhores do ranking mundial por equipas em 2018: Deceuninck-Quick Step (Bélgica), Team Sky (Reino Unido) e Bora-hansgrohe (Alemanha). A estas três juntam-se mais nove formações de primeira divisão: CCC Team (Polónia), Groupama-FDJ (França), Lotto Soudal (Bélgica), Team Dimension Data (África do Sul), Team Katusha Alpecin (Suíça), Team Jumbo-Visma (Holanda), Team Sunweb (Alemanha), Trek-Segafredo (Estados Unidos da América) e UAE Team Emirates (Emirados Árabes Unidos).
A 45.ª Volta ao Algarve contará com quatro equipas de categoria continental profissional, o segundo escalão mundial do ciclismo. Entre essas destacam-se as duas primeiras do ranking Europe Tour por equipas em 2018, Wanty-Groupe Gobert (Bélgica) e Cofidis, Solutions Crédits (França), quais se juntam a Caja Rural-Seguros RGA (Espanha) e a W52-FC Porto (Portugal).
O pelotão completa-se com as oito equipas continentais portuguesas: Aviludo-Louletano, Efapel, LA Alumínios-LA Sport, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, UD Oliveirense-InOutBuild e Vito-Feirense-PNB.
Num contexto de aparecimento de provas em datas coincidentes ou incompatíveis com a participação na Volta ao Algarve, a corrida portuguesa resiste como um dos eventos com maior capacidade de atração das melhores equipas mundiais. Para isso contribuem o clima, as estradas algarvias e a excelente qualidade dos hotéis, mas também o percurso desenhado pela organização da prova.

A Volta ao Algarve arranca com uma etapa para sprinters, 199,1 quilómetros, que ligam a Cidade Europeia do Desporto, Portimão, a Lagos. A segunda etapa será o primeiro teste à condição dos candidatos ao triunfo final, uma viagem de 187,4 quilómetros entre Almodôvar e o alto da Fóia, em Monchique.
Ao terceiro dia chega o contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, com partida e chegada em Lagoa. A quarta etapa vai, novamente, dar uma oportunidade aos velocistas, ao cabo dos 198,3 quilómetros que ligam Albufeira a Tavira. A Volta ao Algarve termina com uma ligação de 173,5 quilómetros, entre Faro e o alto do Malhão, Loulé, que se adivinha decisiva, tendo em conta a dificuldade da subida coincidente com a meta.


Equipas

WorldTour

Bora-hansgrohe, CCC Racing Team, Deceuninck-Quick Step, Groupama-FDJ, Lotto Soudal, Team Dimension Data, Team Jumbo-Visma, Team Katusha Alpecin, Team Sky, Team Sunweb, Trek-Segafredo e UAE Team Emirates.
 

Continental Profissional

Caja Rural-Seguros RGA, Cofidis, W52-FC Porto e Wanty-Groupe Gobert


Continental

Aviludo-Louletano, Efapel, LA Alumínios-LA Sport, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, UD Oliveirense-InOutBuild e Vito-Feirense-PNB.
 
Etapas

20 de Fevereiro - 1.ª Etapa: Portimão - Lagos, 199,1 km

21 de Fevereiro - 2.ª Etapa: Almodôvar - Fóia, 187,4 km

22 de Fevereiro - 3.ª Etapa: Lagoa - Lagoa, 20,3 km (CRI)

23 de Fevereiro - 4.ª Etapa: Albufeira - Tavira, 198,3 km

24 de Fevereiro - 5.ª Etapa: Faro - Malhão, 173,5 km

 

Últimos Vencedores da Volta ao Algarve

2018 - Michal Kwiatkowski (Team Sky)

2017 – Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo)

2016 – Geraint Thomas (Team Sky)

2015 – Geraint Thomas (Team Sky)

2014 – Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep)

2013 – Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep)

2012 – Richie Porte (Sky)

2011 – Tony Martin (HTC-Highroad)

2010 – Alberto Contador (Astana)

2009 – Alberto Contador (Astana)

Fonte: FPC

“EMEL mantém oferta dos primeiros 45 minutos de viagem nas GIRA”

Por: Teresa Loureiro
Lisboa, 2 de janeiro de 2019 – O ano muda mas a EMEL mantém os termos e condições de utilização do serviço da rede GIRA Bicicletas de Lisboa, com a oferta de 45 minutos de viagem para os utilizadores com passes mensais e anuais.
A EMEL acredita que o sucesso das GIRA, comprovado pelas centenas de bicicletas que todos os dias animam as ruas da cidade de Lisboa, irá continuar a melhorar a circulação urbana em 2019 e a inspirar as pessoas que aqui vivem e trabalham para novos meios de mobilidade, suaves e ativos.
As GIRA já efetuaram mais de 1.120.000 viagens, tendo neste momento 19.200 passes anuais ativos, 3 mil passes mensais e 8.800 passes diários vendidos.

. Passe Diário – título de acesso ao Serviço Gira, válido pelo período de 24 horas contado a partir do momento da subscrição do serviço. Esta subscrição pode ser adquirida por Utilizador residente em Portugal ou no estrangeiro.

. Passe Mensal – título de acesso ao Serviço Gira, válido pelo período de 30 dias contado a partir do dia da subscrição do serviço. Esta subscrição pode ser adquirida apenas por Utilizador residente em Portugal.

. Passe Anual – título de acesso ao Serviço Gira, válido pelo período de 365 dias contado a partir do dia da subscrição do serviço. Esta subscrição pode ser adquirida apenas por Utilizador residente em Portugal.
A rede GIRA contribui para tornar a cidade mais organizada e segura e ajuda a transformar Lisboa numa cidade mais acessível e inclusiva, mitigando os efeitos das alterações climáticas e promovendo os meios de mobilidade alternativos ao veículo automóvel particular.

Sobre a EMEL:

A EMEL tem como missão a gestão da mobilidade e do estacionamento em Lisboa, através da gestão e fiscalização de lugares na via pública, de parques e de Bairros Históricos. 
A sua atuação visa a melhoria da mobilidade urbana, garantindo mais bem-estar e segurança a todos os que vivem e circulam em Lisboa, através do desenvolvimento de ações de sensibilização e da introdução de soluções inovadoras de mobilidade e gestão do estacionamento, que contribuam para uma maior sustentabilidade ambiental.

Fonte: EMEL