sexta-feira, 5 de agosto de 2016

“Europeu de ciclismo em Nice anulado por razões de segurança”

Segundo o presidente da Câmara de Nice, não foram dadas garantias por parte das forças de segurança.

Foto: Lusa

O Campeonato da Europa de ciclismo de estrada, que devia realizar-se em Nice em setembro, foi anulado por razões de segurança, anunciou hoje o presidente da Câmara, três semanas depois do atentado que fez 85 mortos na cidade.

“O campeonato da Europa de ciclismo que Nice devia acolher em nome de França está anulado”, afirmou Philippe Pradal, em conferência de imprensa, com declarações recolhidas pela agência France Presse.

Segundo o presidente da Câmara de Nice, não foram dadas garantias por parte das forças de segurança.

No dia 14 de julho, um homem que guiava um camião avançou durante dois quilómetros sobre uma multidão na Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses), em Nice, enquanto decorria o fogo-de-artifício para celebrar o dia de França.

O atentado provocou 85 mortos e mais de 430 feridos. O condutor do camião foi abatido pela polícia.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa  

“Volta Portugal/Alteração de percurso na 9ª etapa entre Alcácer do Sal - Setúbal “

(6 de agosto)

Na salvaguarda das condições de segurança e a redução das condicionantes de trânsito decorrentes da passagem da prova nos últimos quilómetros, no troço de acesso às praias da Serra da Arrábida, a organização da 78ª Volta a Portugal Santander Totta promoveu uma alteração de percurso na 9ª, e penúltima, etapa a realizar-se este sábado, 6 de agosto.

Neste contexto e após a passagem em Azeitão, já prevista, a abordagem ao alto da Serra da Arrábida será efetuada via Aldeia de Irmãos, Casais das Serra e Convento da Arrábida.

A contagem do Prémio de Montanha, o último da Volta, inicialmente prevista de 2 ª categoria passará a ser de 3 ª categoria.

Com as alterações promovidas, a etapa terá uma redução de cerca de 10 quilómetros totalizando 176,1km com partida às 12h45, em Alcácer da Sal, e chegada prevista à Avenida Luísa Todi, em Setúbal, cerca das 17h15 segundo o melhor horário previsto.

Fonte: Podium

“Volta Portugal/Wilson Diaz assegurou camisola da montanha, com 70 pontos conquistados”

Por: Lusa

Foto: Lusa

O colombiano Wilson Diaz (Funvic Soul Cycles) assegurou esta sexta-feira matematicamente a vitória na classificação da montanha da 78.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta, na oitava e antepenúltima etapa.

Com os 70 pontos conquistados até quarta-feira, e sem que os principais rivais tenham pontuado hoje nas contagens de montanha, Wilson Diaz, estagiário da formação brasileira, é o virtual vencedor da camisola azul, sucedendo a Bruno Silva, Por (LA-Antarte).

No sábado, na nona e penúltima etapa, entre Alcácer do Sal e Setúbal, estão apenas em disputa dois prémios de terceira categoria, que atribuem cinco pontos cada ao vencedor, inviabilizando quaisquer ambições de Jóni Brandão (Efapel) ou Bruno Silva (LA-Antarte), que somam 57 e 55 pontos e ocupam, respetivamente, a segunda e terceira posições nesta classificação.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Comissários atribuem o mesmo tempo ao pelotão”

Foto: Lusa

O espanhol Jesus Ezquerra (Sporting-Tavira) conquistou hoje a primeira vitória desde o regresso dos ‘leões’ à modalidade.

O colégio de comissários da Volta a Portugal em bicicleta atribuiu hoje o mesmo atraso de 4.44 minutos para os fugitivos na oitava etapa, na sequência da neutralização provocada pelo engano do pelotão.

“Devido a um erro de percurso do pelotão a 10 quilómetros da chegada, a corrida foi neutralizada, sendo dada uma nova partida 6.50 minutos após. O tempo do pelotão à chegada será o mesmo para todos os corredores”, lê-se no comunicado oficial da organização.

O espanhol Jesus Ezquerra (Sporting-Tavira) conquistou hoje a primeira vitória desde o regresso dos ‘leões’ à modalidade, no início do ano, no final dos 208,5 quilómetros, entre a Nazaré e Arruda dos Vinhos, com o tempo de 5:02.04 horas.

O pelotão chegou 4.44 minutos depois, com o espanhol Gustavo Veloso (W52-FC Porto), bicampeão em exercício e segundo na geral, à cabeça, no sétimo lugar, depois dos outros cinco elementos da fuga do dia.

Sem comentar a decisão do colégio de comissários, o diretor da corrida, Joaquim Gomes, considerou que esta foi “a solução óbvia”, reconhecendo algum benefício para os corredores que iam atrasados, por reagrupar todos os restantes 111 corredores.

“Foi uma injustiça para alguns corredores que vinham atrasados, mas, se vinham atrasados, estavam muito atrás na geral, não tem influência na corrida. Se estavam a 40 minutos dos primeiros, vão terminar a 38. O importante é que havendo um engano a verdade desportiva foi reposta. É algo que acontece”, referiu.

Apesar de lamentar o engano, Joaquim Gomes enalteceu a reposição da verdade desportiva na etapa.

“Obviamente que estamos na Volta a Portugal, um evento muito mediático, mas sinto-me obrigado a dizer que há modalidades em que se ganham campeonatos do mundo com golos marcados com a mão. No ciclismo isso não acontece, sempre que há um engano, repõe-se a verdade. Foi pena ter acontecido a uma organização de altíssimo nível, mas no melhor pano cai a nódoa”, rematou.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Volta Portugal/EFAPEL sem enganos até Arruda dos Vinhos”

Estratégia da equipa limitada com erro no percurso

Entre o emblemático Sítio da Nazaré e Arruda dos Vinhos, o pelotão percorreu mais de 200 quilómetros na etapa mais longa da Volta a Portugal em Bicicleta. Um dia em que a EFAPEL se manteve unida no pelotão, assumiu o controlo da corrida até ao fim. Jóni Brandão foi décimo num dia em que nem o engano no percurso abalou a confiança e o espírito dos ciclistas da EFAPEL.

Com 208,5 km marcados no livro de prova, os corredores tinham de percorrer a maior distância desta edição da Grandíssima. Com Jóni Brandão no quarto lugar da geral individual, a equipa andou sempre nos primeiros lugares do pelotão para controlar qualquer situação de corrida se fosse necessário. Mesmo com um adversário na fuga que podia colocar em perigo a classificação dos dois melhores elementos da EFAPEL, os comandados por Américo Silva mantiveram a serenidade e só quando os quilómetros para a meta diminuíam é que assumiram a dianteira com um objectivo muito claro, recolocar Jóni Brandão num dos lugares do pódio.

Com o comboio da EFAPEL totalmente alinhado e em ritmo elevado, o pelotão seguiu pelo caminho errado. Quando os comissários se aperceberam do erro, neutralizaram a corrida que assim se manteve por mais de 20 minutos. A mesma foi retomada a 15 quilómetros do fim, mas apesar do esforço dos corredores da equipa, que se traduziu na diminuição da diferença de tempo para a fuga, tornou-se praticamente impossível atingir o objectivo.

“Nós conhecíamos bem a parte final do percurso. Com esse conhecimento, decidimos endurecer a corrida. O intuito inicial era o de criar uma fractura no pelotão para decidir já a questão do pódio. Mas o engano no percurso estragou-nos, por completo, a estratégia delineada. Foi uma incidência de corrida que nos prejudicou em muito”, lamentou o director desportivo, Américo Silva.

Amanhã discute-se a última etapa em linha da 78ª Volta a Portugal em Bicicleta. O pelotão viaja até ao Alentejo para a partida em Alcácer do Sal, às 12h45. Os corredores pedalam 187,5 quilómetros até Setúbal. Um dos pontos altos do dia é a passagem pela Serra da Arrábida, onde está contagem de terceira categoria. Inicialmente seria de segunda, mas para garantir as condições de segurança, a organização alterou o percurso. Há mais uma alguns quilómetros antes e três metas volante.

Classificação na 8ª etapa da Volta a Portugal

    Jesus Ezquerra        Sporting/Tavira    5h02m04s

    Samuel Caldeira        W52/FC Porto        a 15s

    Nathan Earle            Drapac            a 17s


10º    Jóni Brandão            EFAPEL        a 4m44s

16º    Henrique Casimiro        EFAPEL        mt

37º    Daniel Mestre            EFAPEL        mt

45º    Rafael Silva            EFAPEL        mt

83º    António Barbio        EFAPEL        mt

82º    Álvaro Trueba        EFAPEL        mt

102º    Nuno Almeida        EFAPEL        mt

 

Classificação individual após a 8ª etapa da Volta a Portugal

    Rui Vinhas            W52/FC Porto        36h03m21s

    Gustavo Veloso        W52/FC Porto        a 2m25s

    Daniel Silva            RP/Boavista        a 2m53s


    Jóni Brandão            EFAPEL        a 3m11s

    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 4m17s

20º    Daniel Mestre            EFAPEL        a 22m45s

53º    Rafael Silva            EFAPEL        a 1h23m19s

80º    António Barbio        EFAPEL        a 2h08m03s

83º    Álvaro Trueba        EFAPEL        a 2h09m41s

104º    Nuno Almeida        EFAPEL        a 2h36m54s

Fonte: Efapel

“Volta Portugal/Ezquerra… em nome de Agostinho"

A vitória acabou por chegar”

Fotos: José Morais (Noticias do Pedal)

Ao ganhar em Arruda dos Vinhos, e numa etapa toda ela percorrida na região Oeste de onde era natural Joaquim Agostinho, Jesus Ezquerra deu aos leões, esta sexta-feira, a primeira vitória desde o regresso ao ciclismo. O espanhol, de 25 anos, venceu a 8ª etapa da 78ª Volta a Portugal Santander Totta, a mais longa desta edição, depois de integrar a fuga do dia que durou quase tanto como os 208km da tirada iniciada na Nazaré.

A tirada ficou marcada por uma neutralização devido a engano do pelotão a 10km da chegada. Numa rotunda com direção de percurso corretamente assinalado, o grupo que fazia a perseguição a uma fuga de seis elementos, com vantagem de quase sete minutos, optou por virar à esquerda quando deveria ter seguido em frente. Para repor a verdade desportiva, o Colégio de Comissários decidiu parar a prova. Depois de analisadas as diferenças de tempo entre a frente da corrida e o pelotão, e com todos no trajeto correto, foi dada uma nova partida respeitando os tempos antes do engano de percurso.

Na frente, o homem do dia, Jesus Ezquerra, sacudiu a fuga a 6km da meta e saiu em solitário à procura da vitória em Arruda dos Vinhos. A missão foi cumprida com 15 segundos de vantagem sobre Samuel Caldeira (W52-FC Porto) que, pelo segundo dia consecutivo, foi segundo classificado.

“A equipa tem sofrido muito com as coisas que se têm dito. A vitória acabou por chegar. Todos sofremos por já não podermos ganhar a Volta. Espero que este triunfo sirva para todos os sportinguistas e tavirenses”, disse o espanhol com ar tranquilo e a sensação de dever cumprido. Logo a seguir respondeu, sem hesitar, sobre o nome maior do ciclismo português: “Se sei quem foi Agostinho? Claro que sim! É uma referência que já conhecia e que aprendi a respeitar, ainda mais, depois de vir para o Sporting.”

Sem consequências significativas na classificação geral, este êxito de Jesus Ezquerra manteve os primeiros lugares inalterados. Rui Vinhas (W52-FC Porto) segue com Camisola Amarela Santander Totta, com a mesma vantagem para o segundo classificado, Gustavo Veloso que está a 2’ 25’’. Daniel Silva (Rádio Popular-Boavista) surge depois a 2’ 53’’. Apesar de não ter pontuado, Ramiro Diaz é já considerado o virtual líder dos trepadores. O colombiano da Funvic-Soul Cycles apenas tem de chegar a Lisboa no domingo para garantir a Camisola Azul Liberty Seguros.

No Oeste entre o mar e a serra

O dia mais longo na Volta 2016 foi um dia de estreias. Com o Oceano Atlântico a servir de cenário, o Sítio da Nazaré recebeu, em festa, a partida desta 8ª etapa, a mais longa dos últimos cinco anos com 208,5km. Os 120 corredores que alinharam tiveram pela frente uma viagem pela região Oeste, até à chegada em Arruda dos Vinhos.

Com pouco mais de uma dezena de quilómetros percorridos, sete homens saíram do pelotão mas na subida à Serra de Montejunto, Prémio de Montanha de 2ª categoria, um deles ficou pelo caminho restando na frente um sexteto que chegou a ter 10 minutos de vantagem. Quando o pelotão seguia, já em ritmo de quem ia alcançar os fugitivos, aconteceu o inesperado e por alguns minutos a corrida esteve neutralizada.

Quem é Jesus Ezquerra?
 
Nasceu a 30 de novembro de 1990. Este espanhol de 25 anos tornou-se profissional, em 2012, na equipa Leopard-Trek, onde ficou duas temporadas. Em 2013 participou, pela primeira vez, na Volta a Portugal. A polaca Active Jet foi a equipa seguinte de Ezquerra em 2014 e 2015, até integrar no início desta temporada o Sporting-Tavira. Esta sexta-feira concretizou, em Arruda dos Vinhos, a primeira vitória enquanto profissional.

A Volta de regresso ao Alentejo

 

A 9ª e penúltima etapa marca o regresso da Volta a Portugal às estradas alentejanas, com a partida marcada para Alcácer do Sal, às 12h45. O pelotão irá passar ainda em Montemor-o-Novo e Vendas Novas, para depois seguir até Setúbal onde vão terminar os 176,1km da tirada.

 
Antes de chegar à Avenida Luísa Todi, na Cidade Europeia do Desporto 2016, haverá a passagem pela emblemática Serra da Arrábida, num percurso que sofreu alterações, devido a condições de segurança. A abordagem ao alto da Serra será efetuada pelo Convento da Arrábida onde estará a última contagem de montanha da Volta 2016.

 

6 agosto | 9ª Etapa

Alcácer do Sal – Setúbal | 176,1 km

Hora da Partida – 12h45

Hora Prevista Chegada – 17h20

Fonte: Podium (Texto)