sexta-feira, 17 de maio de 2019

“Equipa Portugal/Matias conquista "bronze" nos Pontos”

Grande Prémio de Minsk volta a proporcionar bons resultados à Seleção Nacional de Pista. Na Corrida por pontos, João Matias foi terceiro e Miguel do Rego quarto classificado. Maria Martins, na corrida feminina, foi 11.ª

A Seleção Nacional de Pista voltou a ter um representante no pódio de uma final do Grande Prémio de Minsk, evento do calendário da União Ciclista Internacional que se disputa, até domingo, na Bielorrússia.

Pelo segundo dia consecutivo, João Matias foi ao pódio enquanto terceiro classificado. O atleta da Equipa Portugal foi terceiro na Corrida por Pontos, depois de, na véspera, ter sido medalha de bronze na Perseguição Individual. O resultado de João Matias foi secundado pelo quarto posto de Miguel do Rego. Nos resultados finais da corrida de 30 quilómetros (120 voltas à pista do Velódromo Minsk Arena), o bielorrusso Raman Ramanau sagrou-se vencedor com 57 pontos, seguido do grego Christos Volikakis, com 53 pontos. Já João Matias somou 43 pontos enquanto que Miguel do Rego acumulou 36.

Por sua vez, na Corrida por Pontos feminina Maria Martins foi 11.ª classificada. Diante da forte concorrência das equipas dos países de Leste, Maria Martins conseguiu pontuar ao quarto sprint, terminando a corrida conquistada pela polaca Lucja Pietrzak, com três pontos.

Os resultados dos primeiros dois dias do Grande Prémio de Minsk são importantes para as aspirações portuguesas nesta competição-ensaio para os Jogos Europeus, no próximo mês. No entanto, o foco da Seleção Nacional neste evento, conforme esclareceu o Selecionador Nacional Gabriel Mendes, encontra-se nas provas de Omnium (masculinos e feminino) e de Madison que se disputam no fim-de-semana.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Portugueses discretos no segundo dia”

Telmo Pinão, a competir na Classe C2, foi 16.º na prova de contrarrelógio da Taça do Mundo de Paraciclismo que se disputa até domingo na Bélgica.

Em representação da Seleção Nacional, Telmo Pinão foi esta sexta-feira 16.º classificado da prova de contrarrelógio da Classe C2. O segundo dia da Taça do Mundo de Paraciclismo, cuja segunda ronda se disputa até domingo em Ostende (Bélgica), arrancou com a disputa da prova individual C2, na qual o australiano Darren Hicks se revelou o mais rápido a percorrer os 27 quilómetros do percurso. Pinão, fez uma prova regular nos tempos intermédios do percurso - três voltas - assinalando no primeiro ponto cronometrado o 17.º registo e, na volta a seguinte, o 16.º melhor tempo.

No final, o 16.º lugar traduziu-se num atraso de 4m37s para o vencedor. Na etapa anterior da Taça do Mundo de Paraciclismo, disputada na passada semana em Corridonia (Itália), Pinão foi 12.º classificado, num percurso com menos quilómetros mas mais exigente.

O segundo dia de competição contou ainda com outros atletas portugueses, a competirem a título individual. Na prova de contrarrelógio Classe C3, Paulo Barreto foi 24.º classificado. Na Classe C4, igualmente no contrarrelógio, João Monteiro foi 13.º classificado.

Fonte. FPC

“GARCÍA CORTINA VENCE NA VOLTA À CALIFÓRNIA E VAN GARDEREN É LÍDER COM POLÉMICA”

O ciclista espanhol Iván García Cortina (Bahrain-Merida) venceu ao sprint a quinta etapa da Volta à Califórnia.

O ciclista espanhol Iván García Cortina (Bahrain-Merida) venceu ao sprint a quinta etapa da Volta à Califórnia, após a qual o norte-americano Tejay van Garderen (Education First) manteve a liderança.

García Cortina, que cumpriu os 218,5 quilómetros entre Pismo Beach e Ventura em 4:56.11 horas, festejou aos 23 anos a sua primeira vitória como profissional, impondo-se ao argentino Maximiliano Richeze (Deceuninck-Quick Step) e ao colombiano Sergio Higuita (Education First).

Os melhores sprinters do pelotão, entre os quais o eslovaco Peter Sagan (BORA-hansgrohe), vencedor da primeira etapa, não estiveram na discussão do triunfo, uma vez que perderam o contacto com o grupo da frente na última subida do dia, uma rampa de três quilómetros.

Van Garderen chegou integrado no primeiro pelotão, com mesmo do vencedor, e teve um dia tranquilo, ao contrário da véspera, em que caiu a oito quilómetros do final e, na sequência de um abrandamento provocado pela queda de outros corredores mais à frente, antes de beneficiar de uma decisão controversa dos comissários que lhe permitiu manter a camisola amarela.

Apesar de o atraso ter acontecido antes dos últimos três quilómetros e de Van Garderen não estar ainda em contacto com o grupo, o júri aplicou a norma que protege os corredores em caso de incidente naquela fase da corrida, atribuindo-lhe o mesmo tempo do vencedor, quando tinha perdido perto de um minuto. A decisão motivou um protesto formal da Astana.

Vencedor da prova em 2013 e líder desde a segunda etapa, Van Garderan tem quatro segundos de vantagem sobre o dinamarquês Kasper Asgreen (Deceuninck-Quick Step), que subiu ao segundo lugar graças a bonificações e remeteu o italiano Gianni Moscon (INEOS) para terceiro, a seis segundos.

Os portugueses Rui Oliveira (UAE-Emirates) e João Almeida (Hagens Berman Axeon), chegaram no segundo grupo, em 35.º e 36.º, respetivamente, a 28 segundos do vencedor, enquanto José Gonçalves (Katusha-Alpecin) terminiu em 100.º, a 6.18. Na geral, Almeida saltou quatro posições, para 36.º, a 8.41, ao passo que Gonçalves segue em 60.º, a 24.43, e Oliveira em 61.º, a 25.28.

A sexta e penúltima etapa, que liga Ontario ao Monte Baldy, tem apenas 127,5 quilómetros, mas duas subidas de primeira categoria e uma de categoria especial, a coincidir com a meta, podem revolucionar a classificação.

Fonte: Sapo on-line

“Equipa Portugal”Miguel Salgueiro é o primeiro líder do Grande Prémio Azores”

Etapa inaugural do Grande Prémio Azores - Volta a São Miguel assinalada com o triunfo de Miguel Salgueiro, primeiro camisola amarela da prova. Grupo de 12 elementos avantajou-se na classificação geral

O arranque dia do Grande Prémio Azores - Volta a São Miguel terminou com o triunfo ao sprint de Miguel Salgueiro, o mais forte findos os 99 quilómetros entre Ponta Delgada e Nordeste. Numa etapa que cruzou localidades como Ribeira Grande, Capelas, Bretanha, Ginetes e Relva, aflorando por vezes a margem com o Oceano Atlântico, o corredor da Sicasal-Constantino fez a diferença nos metros finais e, diante de um grupo restrito, impôs a sua vontade deixando o polaco Pawel Szotska (Kuota/C.Paulino-Oviedo) na segunda posição. Szotska terminou com o mesmo tempo do vencedor, 2h40m46s. As posições imediatas foram igualmente preenchidas por corredores forasteiros, ainda que com segundos perdidos para o vencedor do dia: o espanhol Javier Jorda (Ginestar) foi terceiro classificado, a dois segundos, sendo seguido pelos compatriotas Raul Rico (Vito/Feirense) e Alberto Alvarez (Ginestar). Pedro Andrade (Vito/Feirense) foi sexto classificado, igualmente a dois segundos.

A primeira etapa do Grande Prémio Azores - Volta a São Miguel, competição destinada ao pelotão Sub-23 (Equipas Continentais e de Clube) apresentava um desnível acumulado de 2928 metros de subida e revelou, no final, uma dureza inesperada para grande parte do pelotão participante de 14 equipas, refletida nas diferenças de tempo registadas: o 13.º classificado atrasou-se 2m30s. Esta seleção de valores isolou um grupo de 12 homens em condição favorável para a discussão da classificação geral individual.

A viagem entre Ponta Delgada e ponta Nordeste da ilha de S.Miguel apresentava três contagens de montanha, num crescendo de dificuldade antes dos quilómetros finais, em constante sobe e desce. Primeiramente, ao km 47, escalou-se o Cerrado dos Bezerros (2.ª categoria), subiu-se depois em Agrião (3.ª categoria) antes da subida final à Tronqueira (1.ª categoria), com uma inclinação média de 6,2 por cento. Numa corrida assinalada por frequentes ataques e sem uma escapada que vingasse, Pedro Andrade (Vito/Feirense) decidiu tentar a sua sorte na última subida pontuável. A audácia do corredor feirense, no entanto, não vingou, dado o ritmo imposto na sua perseguição. Com a corrida aberta a discussão da etapa deu-se de acordo com a seleção natural de valores. Na chegada, Miguel Salgueiro foi o mais forte do grupo de 12 elementos.

A Sicasal/Constantino dominou as classificações do dia, impondo-se individualmente com Miguel Salgueiro, igualmente líder dos pontos e da juventude. Daniel Silva, da mesma equipa, é o líder da classificação da montanha (camisola azul). Coletivamente, a Vito/Feirense posiciona-se em primeiro lugar na geral por equipas.

No alinhamento da classificação geral, numa competição sem bonificações atribuídas, Salgueiro encima a tabela ainda que em igualdade de tempo com o polaco Pawel Szotska, segundo classificado e seu mais direto rival na luta pela camisola amarela.

Fonte: FPC

“GIRO: PELLO BILBAO VENCE SÉTIMA ETAPA E VALERIO CONTI MANTÉM LIDERANÇA”

No sábado disputa-se a oitava etapa do Giro de 2019, que liga Tortoreto Lido a Pesaro, na distância de 239 quilómetros.

O ciclista espanhol Pello Bilbao (Astana) venceu hoje isolado a sétima etapa da Volta a Itália, que manteve o italiano Valerio Conti (UAE-Emirates) na posse da camisola rosa, símbolo de líder da prova.

Bilbao atacou a um quilómetro e meio da meta e aproveitou a reação tardia dos outros quatro companheiros de fuga para completar os 185 quilómetros da tirada entre Vasto e L’Aquila em 4:08.27 horas.

O francês Tony Gallopin (BORA-hansgrohe) e o italiano Davide Formolo (Mitchelton) terminaram na segunda a terceira posições, respetivamente, a cinco segundos do vencedor, enquanto Conti chegou integrado no pelotão e manteve a liderança da prova, conquistada na quinta-feira.

No sábado disputa-se a oitava etapa do Giro de 2019, que liga Tortoreto Lido a Pesaro, na distância de 239 quilómetros.

Fonte: Sapo on-line

“FERNANDO GAVIRIA ABANDONA GIRO DEVIDO A DOR NO JOELHO ESQUERDO"

Ciclista colombiano desistiu durante a sétima etapa da prova.

O ciclista colombiano Fernando Gaviria, vencedor da terceira etapa da Volta a Itália de 2019, desistiu hoje durante a sétima etapa da prova, devido a uma dor no joelho esquerdo, anunciou a equipa UAE-Emirates.

“Depois de uma primeira semana muito forte, Gaviria foi obrigado a desistir, devido a uma dor no joelho esquerdo, que já o vinha a afetar há vários dias”, informou no Twitter oficial a UAE-Emirates, na qual alinham os portugueses Rui Costa, Ivo Oliveira e Rui Oliveira, que não estão a disputar a prova italiana.

Gaviria, de 24 anos, era um dos fortes candidatos a vencer mais etapas no Giro deste ano, tendo-se imposto em quatro tiradas na edição de 2017 da Volta a Itália, ano em que chegou a envergar a camisola rosa, símbolo de líder da prova, e triunfou na classificação por pontos.

Fonte: Sapo on-line

“Amaro Antunes: «Nunca pensei estar já nesta posição»”

Escolheu a fuga certa e aproveitou o tempo ganho para subir ao 6.º lugar da geral

Por: Alexandre Reis e Pedro Filipe Pinto

Foto: Filipe Farinha

A presença de Amaro Antunes (CCC) no Giro chegou a estar em dúvida devido a uma lesão num tendão de Aquiles e o português até disse que ia apostar numa estratégia de "gestão de esforço" para se apresentar bem na 3ª semana. No entanto, o algarvio encontra-se, no final da sexta etapa, no sexto posto da geral. E como é que isto aconteceu? Numa etapa em que já se esperava que a Jumbo-Visma ‘entregasse’ a camisola rosa, o ciclista português apostou na fuga certa e, com o tempo ganho, conseguiu subir 38 posições na geral.

Na etapa vencida por Valerio Conti (UAE), que é o novo líder, o antigo corredor da W52-FC Porto fechou em 10º, não tendo conseguido seguir os ataques vitoriosos. Mesmo assim, Amaro Antunes mostra-se orgulhoso com esta prestação. "Não poderia estar mais feliz com este resultado. Numa etapa muito, dura consegui seguir na frente e subir na geral. Nunca pensei estar já nesta posição", frisa o corredor a Record, ele que promete dar tudo até final: "É uma prova muito longa e temos de a encarar dia a dia. Estou bem posicionado e sei que a equipa vai estar ao meu lado, mas tenho de continuar a trabalhar bem."

Susto para Roglic

Depois de Tom Dumoulin (Sunweb) ter abandonado no dia anterior, foi a vez de Primoz Roglic (Jumbo-Visma) apanhar um valente susto durante a etapa de ontem. O ex-líder desta prova foi ‘apanhado’ numa queda no início da tirada e ficou com marcas bem visíveis no corpo. No entanto, apesar do susto, o esloveno continua em prova.

Fonte: Record on-line

“Equipa Portugal/Luís Costa foi oitavo no contrarrelógio”

Paraciclista português repetiu em Ostende (Bélgica) resultado da ronda inaugural da Taça do Mundo e voltou a ser oitavo classificado no contrarrelógio da Classe H5.

O primeiro dia de competições da Seleção Nacional de Paraciclismo na Taça do Mundo foi assinalado pelo oitavo lugar de Luís Costa, no contrarrelógio da corrida H5, destinada a bicicletas de mão e na qual o ciclista se posiciona de joelhos. O corredor algarvio percorreu os 18 quilómetros da prova em 32m11s, ficando a 2m17s do campeão mundial da especialidade, o holandês Tim De Vries. Com este resultado, Luís Costa repetiu, em Ostende (Bélgica), a mesma classificação obtida, na semana passada, em Corridonia, Itália, na primeira prova pontuável da Taça do Mundo de Paraciclismo 2019.
Com este resultado, Luís Costa somou mais 20 pontos ao ranking individual, sendo o 6.º na tabela de contrarrelógio H5.A primeira jornada da ronda de Ostende da Taça do Mundo de Paraciclismo contou com vários corredores portugueses em ação. Na corrida de contrarrelógio da Classe H4, Flávio Pacheco, em representação da Seleção Nacional foi 20.º classificado, a 5m24s do holandês Jetz Plat, que confirmou o favoritismo à partida. Carlos Neves e André Sobreiro, a título individual, competiram na mesma prova, classificando-se, respetivamente, na 31.ª e 32.ª posição.

Por sua vez, na corrida individual da Classe H3, a mais concorrida da Classe H, João Pinto foi 42.º classificado, sendo seguido, entre os portugueses, por Diogo Oliveira, 50.º classificado.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/João Matias no pódio do "ensaio" de Minsk”

Seleção Nacional de Pista com arranque positivo no Grande Prémio de Minsk. João Matias bateu o seu recorde pessoal e foi terceiro na perseguição individual. Em Junho aqui disputam-se os Jogos Europeus

O começo do Grande Prémio de Minsk, na Bielorrússia, decorreu de forma positiva para a Seleção Nacional de Pista que teve, no terceiro lugar de João Matias, o primeiro pódio da competição internacional (CL1) que decorre até domingo. A competir na prova de perseguição individual, na categoria Elite, Matias cumpriu os quatro quilómetros da prova em 4:22,297 disputada à média de 54,9 km/h. O vencedor da prova de perseguição individual foi o russo Lev Gonov, com 4:17,088, seguido do compatriota Ivan Smirnov, com 4m21,774.

Ainda na perseguição individual, Miguel do Rego, igualmente em representação da Seleção Nacional foi 15.º classificado (4:31,528). Na prova feminina de perseguição, Maria Martins foi 14.ª classificada, com o registo de 3m42,048.

"Foi um dia positivo para a Equipa Portugal. O João Matias bateu o seu recorde pessoal na perseguição com uma excelente marca e o Miguel do Rego, 15°, fez também seu melhor tempo de sempre nesta prova. A estreante Maria Martins, que pela primeira vez competiu na perseguição individual, esteve muito bem com um registo final muito interessante", avaliou Gabriel Mendes, Selecionador Nacional.

A participação da Seleção Nacional no Grande Prémio de Minsk dá-se com o objetivo de pontuação para o ranking das Nações, tendo em vista a qualificação para a próxima Taça do Mundo de Pista, em novembro. A presença em Minsk serve ainda os propósitos de preparação para os Jogos Europeus de Minsk, cujas provas de pista decorrem no mesmo Velódromo, entre 27 e 30 de junho.

Fonte: FPC