terça-feira, 7 de maio de 2019

“DOPING: CICLISTA DA W52-FC PORTO COM CONTROLO POSITIVO NA VOLTA A PORTUGAL DE 2018”

Rui Vinhas poderá ser ilibado, se justificar o uso da substância em causa

Rui Vinhas pode estar em 'maus lençóis' e tem a participação na Volta a Porrtugal em risco. O ciclista da W52-FC Porto teve um controlo positivo na Volta a Portugal de 2018. A notícia é do jornal Record, na sua edição desta terça-feira.

Escreve o matutino desportivo que Rui Vinhas acusou positivo num controle antidoping, dois dias depois da etapa da Senhora da Graça. O ciclista da equipa portista acusou o consumo de Betametasona, um anti-inflamatório, a mesma substância que afastou César Fonte, também da W52-FC Porto, da competição, num processo que está na sua fase final.

Diz o Record que, tal como César Fonte, Rui Vinhas deverá ser ilibado, uma vez que a substância em causa, se usado com justificação, pode ilibar o atleta. Só que o inquérito poderá não ficar concluído antes do início da Volta a Portugal de 2019, pelo que a participação do atleta na prova esta em risco. Rui Vinhas venceu a Volta a Portugal em bicicleta em 2016.

Apesar de não estar suspenso, este processo irritou o ciclista da W52-FC Porto. "Notificaram-me no Dia do Pai, vai ficar marcado na minha memória, depois de tudo o que passei naquela Volta, naquele dia e naquela queda", sublinhou, ao Record.

Rui Vinhas referia-se ao dia em que protagonizou um ato heróico, ao continuar em prova para ajudar o seu colega de equipa, Raul Alcarcón, a vencer a prova, depois de ter sido vítima de uma violenta queda. Foi depois da queda que foi submetido a um controle antidoping. Para o ciclista da equipa do FC Porto, este processo é uma perseguição.

"A UCI [n.d.r. União Ciclista Internacional] já me tinha pedido esclarecimentos sobre a queda, os tratamentos, e os esclarecimentos foram logo dados. Estava tudo bem, agora alguém em Portugal quer implicar comigo, andar a perseguir a nossa equipa só porque subimos de escalão", disse, ao Record.

Em 2013, Alejandro Marque também acusou a mesma substância na Volta a Portugal que venceu mas acabou ilibado, quase um ano depois, pela Real Federação Espanhola de Ciclismo.

A Betametasona é um medicamento com ação anti-inflamatória.

Fonte: Sapo on-line

“CICLISMO: PORTUGUÊS AMARO ANTUNES VAI ESTREAR-SE NO GIRO”

O ciclista, de 28 anos, que será o único português no Giro

O português Amaro Antunes vai estrear-se numa grande volta, depois de a equipa polaca CCC ter confirmado hoje o seu nome na convocatória para a Volta a Itália, na qual dará “liberdade total para os seus ciclistas”.

“Estou muito feliz por alinhar na minha primeira grande volta. Tenho sentimentos mistos sobre o Giro, porque, por um lado, estou excitado e motivado para começar, mas, por outro, não tenho 100 por cento de certeza sobre a minha condição”, disse Amaro Antunes, aos canais de comunicação da equipa.

O ciclista, de 28 anos, que será o único português no Giro, estabeleceu como meta pessoal “melhorar ao longo da corrida”, que irá decorrer de 11 de maio a 02 de junho, e dar o seu melhor “para ajudar a equipa nos momentos mais difíceis”.

A CCC alinha no sábado para a largada do Giro, a primeira grande volta do ano, com uma equipa “forte e motivada” composta por ciclistas jovens e outros mais experientes, mas tendo sempre como objetivo “alcançar vitórias”.

O diretor desportivo da equipa, o ex-ciclista Gabriele Missaglia, quer a CCC a “competir agressivamente, com todos os oito ciclistas a ter liberdade de correrem pelos seus próprios resultados, mas a manter um olho na classificação geral”.

“Temos uma equipa muito completa e com ciclistas que podem tirar o máximo proveito em todas as fases da corrida e tentar entrar nas decisões mais importantes”, assegurou Gabriele Missaglia, apontando como objetivo principal “vencer etapas”.

O diretor assegura que, apesar de ter nenhum dos ciclistas favoritos ao triunfo no Giro, está confiante na capacidade da equipa e na sua capacidade para lutar pelas vitórias, em especial o espanhol Victor la Parte e o holandês Laurens ten Dam.

Fazem ainda parte da equipa os polacos Kamil Gradek e Lukasz Owsian, o checo Josef Cerny, o italiano Jakub Marecsko e o espanhol Francisco Ventoso, que já venceu etapas no Giro.

Gabriele Missaglia destacou ainda o facto de a equipa apresentar três ciclistas estreantes no Giro, entre os quais o português Amaro Antunes, do qual espera que vá melhorando ao longo da prova, principalmente nas duras etapas de montanha.

Fonte: Record on-line

“Caja Rural-RGA e Burgos-BH entre as equipas convidadas para a Vuelta”

Organização anunciou as quatro formações que vão juntar-se às 18 do principal escalão na partida para a corrida

Por: Lusa

Foto: DR 1/2

A Caja Rural-RGA, de Domingos Gonçalves, a Burgos-BH, de Ricardo Vilela, José Neves e Nuno Bico, a Euskadi-Murias e a Cofidis foram convidadas pela organização para disputarem a edição de 2019 da Volta a Espanha.

A organização anunciou esta terça-feira as quatro formações que vão juntar-se às 18 do principal escalão (WorldTour) na partida para a corrida, que vai ser disputada entre 24 de agosto e 15 de setembro, entre Salinas de Torrevieja e Madrid.

Vilela conta duas presenças na Vuelta, tendo terminado em 48.º em 2015, pela Caja Rural, e 49.º em 2017, ao serviço da Manzana Postobon, enquanto Gonçalves, Neves e Bico nunca disputaram nenhuma das Grandes Voltas.

A 74.ª edição da Vuelta vai percorrer 3.272 quilómetros, em 21 etapas, oito das quais com chegadas em alto.

Fonte: Record on-line

“Melanie Santos 19.ª na Taça do Mundo de Madrid”

Já Vasco Vilaça foi o melhor nos homens, em 29.º

Por: Lusa

O alemão Justus Nieschlag venceu este domingo, ao sprint, a Taça do Mundo de triatlo de Madrid, impondo-se ao compatriota Lasse Luhrs numa prova em que Vasco Vilaça foi o melhor português, em 29.º.

Os dois primeiros cumpriram a prova em 55.51 minutos, menos seis segundos do que o espanhol Roberto Sánchez Montecon, que completou o pódio.

Vasco Vilaça concluiu a prova em 57.24, melhor do que Miguel Arraiolos, que foi 38.º, com 57.58.

Nas mulheres, Melanie Santos foi 19.ª com o tempo de 1:03.52, em prova ganha pela francesa Émile Morier, em 1:02.18, que bateu a compatriota Sandra Dodet por apenas um segundo.

A italiana Angélica Olmo ficou a 12 segundos e levou o bronze, enquanto Helena Carvalho, a outra lusa na partida, foi 35.ª com 1:05.16.

Fonte: Record on-line

"SHIMANO GRX APRESENTA AO MERCADO MUNDIAL A PRIMEIRA SÉRIE DE COMPONENTES DEDICADOS AO GRAVEL / AVENTURA"

Por: Nuno Candeias

Apresenta-se com múltiplas opções incluindo sistema de transmissão simples e duplo, mecânico ou com mudanças electrónicas, 11 e 10 velocidades, sistema integrado para estrada e uma gama alargada de andamentos para se adaptar aos mais diversos estilos de gravel e de ciclismo de aventura. 

Tendo em conta todo o processo com pesquisas detalhadas, testes e desenvolvimentos, adicionando o feedback dos pilotos no terreno nos mais diversos segmentos e níveis de competição, a Shimano introduz no mercado uma nova série de componentes denominada como GRX, uma família de componentes para gravel / aventura desenvolvidos para os mais diversos estilos de ciclismo e terrenos.  

O GRX apresenta-se com as séries RX800, RX600 e RX400, transmissões de 1x11vel., 2x11vel. e 2x10 vel. e sistemas de comutação mecânicos ou Di2 , o que permite ao ciclista tirar o melhor partido da sua experiência nos mais diversos terrenos e explorar mais além dos seus habituais limites aventurando-se em outras áreas e terrenos.

Desenvolver esta nova série levou a equipa de desenvolvimento da shimano para fora do seu espaço de conforto o que permitiu criar uma plataforma que vá ao encontro das necessidades actuais dos ciclistas e num futuro próximo.

 

Os componentes

Entrando mais em detalhe, o GRX inclui três opções de cranques: 1x11, 2x11 ou 2x10 vel., mudanças da frente e mudanças de trás, sistema de travão de disco com uma manete de travão secundária para topo de guiador,  manetes STI hidráulicas, com opções de comutação mecânicas ou Di2.

Nos componentes GRX desenvolvidos estão presentes tecnologias da Shimano utilizadas no desenvolvimento dos produtos de montanha e de estrada de modo a garantir uma excelente estabilidade e precisão de comutação. Com o GRX o resultado final é um sistema de transmissão suave e rápido especialmente desenhado para as características únicas dos terrenos de gravel, posições na bicicleta e estilos de bicicleta.

Para simplificar, o Shimano GRX vai utilizar correntes e cassetes de montanha ((Deore XT, SLX ou Deore) e estrada (Ultegra, 105, Tiagra) existentes na gama. Além do líder de categoria Shimano GRX série 800, teremos componentes de 11vel. mais acessíveis, pedaleiro e manípulos da série 600 que podem ser combinados com produtos da série 800, e pedaleiros, mudanças e manetes ST de 10vel. Significa isto que podemos conseguir efectuar diversos tipos de montagem de bicicleta com diferentes níveis de valores. 

Pedaleiros GRX:

Desenvolvidos para lidar com os mais diferentes tipos de terreno e diferentes estilos de ciclismo, toda a gama foi aumentada com + 2,5mm na linha de corrente para garantir um aumento na distância o que permite a montagem de pneus  mais largos. Os pedaleiros simples GRX têm apenas necessidade de trabalhar com sistemas de comutação traseiro ( cassetes RX800/RX600 40D ou cassetes RX800 de 42D), para melhorar a retenção e evitar ressaltos em terrenos mais acidentados as rodas pedaleiras utilizam a tecnologia Shimano’s Dynamic Chain Engagement tooth.  Temos ainda o  pedaleiro duplo GRX RX810 com uma diferença de 17D, com a sua relação de andamentos 48-31D, é neste momento o nosso racio de mudança mais largo, que junto com os pedaleiros duplos RX600-11/10vel. com opções 46-31D, garantem uma vasta gama de andamentos ideais para lidar com as subidas e descidas mais agrestes.

Pedaleiros GRX: 1x11: FC-RX810-1: 655g (foto), FC-RX600-1: 753g. 2x11: FC-RX810-2: 722g (foto), FC-RX600-11: 816g, FC-RX600-10: 819g

 

Mudança frente GRX (FD):

Complementado os pedaleiros as mudanças da frente Di2 (FD-RX815) ou mecânicas (FD-RX810/RX400) foram desenvolvidas para funcionar com uma maior linha de corrente 2,5mm para suportar pneus mais largos (medidas até 42mm). Isto significa que as mudanças da frente GRX  devem ser combinadas com os pedaleiros duplos com linha corrente +2,5mm. Todas as mudanças da frente foram desenvolvidas para garantir as melhores performances de comutação. As mudanças da frente Shimano  DI2 podem ser perfeitamente ajustadas usando os controles integrados do sistema Di2, enquanto que a mudança mecânica  com uma passagem extremamente suave, traz uma construção de fixação de cabo  que permite ter mais opções de passagem de cabo e um parafuso de ajuste de tensão de cabo para um ajuste mais fácil e preciso.

Mud. frente GRX: FD-RX815-F: 131g (foto), FD-RX810-F: 94g (foto), FD-RX400: 95g
 

 

Mudanças Trás GRX (RD):

 Adoptando a tecnologia introduzida em 2018 com a mudança Shimano traseira RX, as mudanças GRX Di2 (RD-RX815/RX817) ou as mecânicas(RD-RX810/RX812/RX600) foram desenhadas para funcionar com passagens suaves , silenciosas  e confiáveis  nos terrenos mais acidentados, com o sistema estabilizador denominado SHADOW RD+ conseguimos aumentar a tensão da corrente, evitar ruídos da corrente na escora e ressaltos na cassete, melhorando desta forma a performance de passagem das mudanças. O GRX chega ao mercado com 4 opções de mudança traseira dependendo da cassete ou do modo de comutação que se pretenda utilizar.  Um ciclista que utilize uma cassete 11-30/34D da gama Ultegra, 105 ou Tiagra  irá precisar de utilizar uma mudança com caixa mais curta, a mudança Di2 RD-RX815 ou a mecânica RD-RX810, enquanto que ciclistas que utilizem cassetes 11-40/42D das gamas Deore XT, SLX ou Deore necessitam de uma instalar uma mudança de caixa mais longa,  Di2 RD-RX817 ou mecânica RD-RX812, ambas têm um racio de passagem muito semelhante às mudanças de trás para estrada da Shimano.

Pesos mudanças trás GRX: Di2: RD-RX815/RD-RX817 (foto): 288/322g. Mecânica: RD-RX810/RD-RX812 (Foto): 251/264g

 

Manetes STI GRX:

Com uma ergonomia desenvolvida especificamente para o gravel (Di2: ST-RX815 ou Mecânica: ST-RX810/RX600/RX400, ST-RX810-LA) e características muito específicas tais como, um eixo da manete travão que foi reajustado  +18mm para melhorar o apoio natural da mão, alavanca de travão melhorada para melhorar o apoio dos dedos, um repousa-mãos com uma nova textura anti-derrapante  garante uma melhor aderência em terrenos mais acidentados.

Para se conseguir a integração de espigões telescópicos no estilo Gravel, a Shimano desenvolveu especificamente uma manete mecânica esq. GRX ST-RX810-LA para travão hidráulico que quando utilizada  com o sistema de transmissão simples 1x11 dá a possibilidade de controlar o espigão de selim telescópico, com o mesmo formato e ergonomia da manete direita conseguimos ter um cockpit com um aspecto ‘arrumado’.

A Gama SHIMANO GRX inclui, contundo, conjuntos de manetes de travão hidráulico nas séries RX800 e RX600 sem a opção de controlo remoto. A manete esquerda Di2 1x11(ST-RX815)  inclui 3 botões de operação ( 2 botões laterais e um no topo do repousa-mãos) para funcionar com equipamentos de terceiros como por exemplo luzes ou outros acessórios computadorizados.

Pesos manetes mud./trav. STI GRX : ST-RX815-L/R Di2: 565g, ST-RX600-L/R: 611g, ST-RX400-L/R (10-velocidades): 613g

 

Sistemas de travagem GRX:

A preocupação primária de um ciclista gravel é garantir que tem potência de travagem para controlar a velocidade em curvas acentuadas e descidas mais íngremes. E é por isso que a série topo de gama RX800 vai oferecer uma variante de travão hidráulico ( ST-RX815) que integra tecnologia ‘Servo Wave’ proveniente dos sistemas de montanha da Shimano. Esta tecnologia permite obter maior potência de travagem com grande capacidade de modulação quando se pretende um ciclismo mais agressivo. Com esta tecnologia basta um ligeiro toque na alavanca de travão para fazer accionar o travão. Estará disponível no mercado as opções RX810 ou RX600 e RX400 para quem preferir apenas instalar um bom sistema de travão confiável mais acessível em termos de valores sem a opção ‘servo Wave’ 

A adicionar à gama de travões, teremos uma manete secundária para travão de disco (BL-RX812-L/R) que se conecta ao circuito principal de travagem na bicicleta na frente ou atrás. Esta manete de travão está desenhada para ser instalada no topo da haste de guiador próximo do avanço, o que permite ao ciclista ter uma opção de travagem quando pedala com as mãos colocadas no topo do guiador ou surge mudanças repentinas de situações.

BL-RX812L/R:

As pinças de travão GRX  (BR-RX810/400) seguem o design Flatmount da Shimano utilizado na estrada de modo a conseguir uma melhor performance de travagem, com funcionalidades de excelência tais como, sistema de sangramento one-way bleeding, pastilhas e discos com tecnologia ICE TECHNOLOGIES  que permite uma maior eficiência na dissipação de calor e arrefecimento do sistema de travagem.

Pinças GRX: BR-RX810: ? BR-RX400: 143g

         

Conjunto de rodas específicas para gravel:

Para completar a experiência, a Shimano entrou por completo no espírito do gravel apresentado um conjunto de rodas inspiradas para Gravel/aventura, com eixo passante de 12mm nas medidas de 700C e 650b (WH-RX570-TL-F12/R12), tubeless ready, foram desenvolvidas para garantir um equilíbrio único entre peso, rigidez e durabilidade com uma largura de aro  interior de 21,6mm e altura de aro de 22mm

Conjunto  Rodas GRX: WH-RX570 700c: 1600g/par, WH-RX570 650b: 1540g/par

De um modo geral, o GRX  com as suas múltiplas opções e especificações, pretende atrair ciclistas de todas as disciplinas.

SHIMANO GRX: EXPLORA MAIS ALÉM


Fonte: Sociedade Comercial Vouga

“Voltas e Escaladas deixam vários fora do Jogo”

A Sicasal Constantinos participou este fim-de-semana na estreia do novo "Troféu O Jogo/Leilosoc", prova de duas etapas que percorreu as estradas dos concelhos de Póvoa de Varzim e Vieira do Minho num total de 236 quilómetros. 

A etapa de sábado foi em quase tudo idêntica à já disputada pela equipa torriense na Clássica da Primavera, com as várias escaladas ao Monte de São Félix a serem uma vez mais determinantes para o desfecho da corrida, repartindo o pelotão em vários grupos. Francisco Morais foi um dos protagonistas da primeira parte da corrida, participando numa fuga que se iniciou logo nos primeiros quilómetros e apenas foi alcançada à 4ª volta do Circuito Poveiro.

Daniel Silva foi o único atleta da equipa que conseguiu manter-se até ao final num dos grupos da frente, concluindo a etapa na 35ª posição, 3 minutos e 55 segundos depois do grande vencedor, Luís Mendonça da Radio Popular Boavista. Marcelo Salvador terminou na 44ª posição em simultâneo com Diogo Sardinha (45º), seguindo-se Francisco Morais (60º) e Iuri Leitão (70º).

A segunda etapa, também disputada em modo circuito, contemplava um total de 12 voltas de 9 kms, para as quais a equipa da Academia Joaquim Agostinho\UDO partiu com enorme determinação, estando presente em todas as fugas do dia. A primeira, que durou as 5 primeiras voltas, teve em Iúri Leitão um dos protagonistas, vencendo inclusive a 1ª contagem de montanha.

Diogo Sardinha, que também andou integrado numa fuga, foi o melhor elemento da equipa na linha de meta, terminando a etapa na 29ª posição a cerca de 1 minuto do vencedor, Joni Brandão da Efapel. Apesar da enorme atitude dos atletas na 2ª etapa, a equipa terminou o Troféu apenas com dois elementos, falhando assim o objetivo da classificação coletiva.


Daniel Silva foi 35º da geral e 11º nas contas da juventude. Diogo Sardinha foi o 37º da geral, 12º entre os mais jovens, e demonstra estar no caminho da excelente forma que o notabilizou na época passada.


Salgueiro na Taça das Nações

Miguel Salgueiro mereceu uma vez mais a confiança do selecionador nacional José Poeira e foi um dos 6 atletas eleitos para disputar o “L’Étoile d’Or”, prova francesa da Taça das Nações pontuável para a qualificação para a Volta a França do Futuro. O atleta de Odivelas viria a abandonar a prova após excelente trabalho para anular a fuga do dia.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho
 

“Juniores garantem bronze na Taça de Portugal”

Texto:AfterTwo //works

Fotos: João Fonseca - Federação Portuguesa de Ciclismo

A equipa júnior da Academia Joaquim Agostinho foi a 3ª melhor do ranking final da Taça de Portugal de ciclismo, após a 5ª e última prova da competição na tarde deste domingo em Valongo. A formação torriense foi ao norte do país disputar as duas últimas provas da taça com o objetivo de se manter entre as 3 melhores do panorama nacional.

Se na penúltima prova o desempenho coletivo ficou aquém do esperado com a obtenção do 5º lugar, na derradeira a equipa mostrou-se merecedora do estatuto de bronze. Disputada no sábado em Braga, a 4ª prova começou animada no tradicional Circuito de Palmeira, com André Silva e Miguel Carvalho a integrarem um grupo que encetou a fuga do dia ainda antes do quilómetro 10.

A mesma viria a manter-se até à primeira de duas exigentes subidas ao Alto do Sameiro, momento em que Diogo Narciso do Bairrada decide partir a solo para uma vitória arrebatadora. Daniel Fortes na 17ª posição foi o elemento mais rápido da equipa, trazendo atrás de si Henrique Frois (21º) e Bernardo Jorge (22°), imediatamente seguidos de Miguel Carvalho em 24º.

Domingo começou com uma homenagem a Ribeiro da Silva, ciclista natural de Lordelo que conquistou a Volta a Portugal em 1955 e 1957. Nesta freguesia do concelho de Paredes teve início a última viagem de 114 kms que levou os atletas até ao Alto de Santa Justa em Valongo.

Na prova decisiva houve várias tentativas de fuga, mas nenhuma com o sucesso desejado. A equipa manteve-se sempre na frente até aos últimos metros de corrida, altura em que o inclinado e empedrado caminho de Santa Justa fez a diferença para os mais fortes, tendo a vitória sorrido a André Domingues da Escola de Ciclismo Bruno Neves que cortou a meta isolado, 40 segundos depois surgem Henrique Frois e Bernardo Jorge, os mais rápidos da equipa torriense.

No apuramento do ranking final da edição 2019, destaque para André Silva e Henrique Frois que ocuparam respetivamente as duas últimas posições do top 10, numa competição em que a equipa de Torres Vedras conquistou o 3º lugar do pódio coletivo entre as 14 formações participantes.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho

“3ª Prova da Taça Regional de XCM do Centro”

Por: Nuno Almeida

No passado dia 5 de Maio, o atleta do Intercaimabike, Nuno Almeida, deslocou-se a Arganil, para participar na 12ª Maratona de Arganil, a contar para a 3ª Prova da Taça Regional de XCM do Centro.

A prova foi disputada por trilhos e caminhos na serra do Açor, situada na Cordilheira Central, entre a Serra da Lousã e a Serra da Estrela, onde por volta das 9:30h foi dada a partida para mais uma edição da taça do centro de XCM. Com o sol bem lá no alto e o calor a fazer-se sentir, os 300 participantes arrancaram serra acima, para mais uma aventura em BTT.

Prova muito dura devido às longas subidas e à sua acentuada inclinação, descidas muito rápidas com bastante pedra, trilhos recortados na encosta da serra, que mais pareciam de outro mundo (muito trabalho por parte da organização), obrigando a atenção e destreza redobrada por parte dos atletas, singletracks finais em zig-zag super rápidos, acrescentando assim ainda mais adrenalina ao percurso. Adorei :) parabéns à organização.

Marcações em geral visíveis e bem colocadas ao longo da prova, cruzamentos bem controlados e reforços líquidos e sólidos bem distribuídos ao longo do percurso.

Resultado obtido no final dos 62Kms e 2000 acumulado:

Nuno Almeida - 6º Federado Master 45 e 56º da geral na maratona.

Depois de um fim-de-semana com treino na serra São Macário, uma ida a Fátima no feriado, parece que a condição física do atleta está a evoluir, o que lhe permitiu concluir esta exigente maratona num bom lugar da sua classe, subindo do 9º para o 6º lugar no ranking da taça Regional do Centro de XCM.

Agradecimento a todos aos patrocinadores.

Fonte: Intercaimabike

“Saul Lopes e Raquel Queirós conquistaram o 5º BTT XCO Vila de Melgaço”

Saul Lopez (Academia Postal - Actyon - MMR - Maceda) e Raquel Queirós (Quintas das Arcas/Jetclass/Xarão) foram os grandes vencedores, em elites, do 5º BTT XCO Vila de Melgaço, pontuável para o Campeonato do Minho de BTT XCO - SCORE Tech que se realizou no Complexo Desportivo e de Lazer / Centro de Estágios de Melgaço.

Promovida em conjunto pela Associação de Ciclismo do Minho e por Melgaço Sports Center (Complexo Desportivo e de Lazer / Centro de Estágios de Melgaço - www.melgacosportscenter.com), com o apoio do Município de Melgaço, a quarta prova do Campeonato do Minho de BTT XCO - SCORE Tech foi mais uma excelente jornada de BTT, com os atletas a disfrutarem das boas condições, das paisagens magníficas e do bom tempo que se fez sentir.

Com a presença de várias equipas da Galiza, o BTT XCO de Melgaço confirmou o espanhol Saul Lopez (Academia Postal – Actyon – MMR – Maceda) como o grande vencedor da prova na categoria de elites. António Azevedo (Tomatubikers/Toyota – Macedo&Macedo) terminou na segunda posição Fábio Martins (BTT Braguinhas/Padim da Graça) completou o pódio.

Na corrida de elites femininas, Raquel Queirós (Quintas das Arcas/Jetclass/Xarão) fez uma prova bastante rápida, concluindo o percurso com a diferença de 10:19m para a segunda classificada e líder do Campeonato do Minho de BTT XCO – SCORE Tech, Daniela Pereira (SAERTEX Portugal/Edaetech). Na terceira posição classificou-se Leandra Gomes (Batotas/Ponte de Lima).

Em sub-23, a vitória também sorriu a um espanhol, neste caso a Estefan Gonzalez (Burgas Bike Team C.D.), enquanto Eduardo Teles (Saertex Portugal/Edaetech) foi segundo classificado e Tiago Alves (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde) o terceiro.

Em Juniores, triunfou Lucas Braga (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) que assim reforçou a liderança do Campeonato do Minho de BTT XCO – SCORE Tech. O atleta barcelense deixou Rúben Queirós (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde) a mais de quatro minutos, enquanto Francisco Afonso foi terceiro.

Na prova feminina, Joana Santos e Rute Silva, ambas do Tomatubikers/Toyota – Macedo&Macedo, preencheram o pódio, enquanto em Cadetes João Cruz (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde) e Laura Mira (Redondela II Piccolo) saíram de Melgaço com a vitória.

Duarte Monteiro (Joane BTT/Trilhos Bike) venceu em Masters 30, deixando nos lugares imediatos os atletas do BTT Braguinhas/Padim da Graça, Cláudio Veloso e Henrique Carvalho.

Em Masters 40 a vitória foi para António Viana (Bombos S. Sebastião/MonçãoBike/Lusomotor), enquanto António Rocha (Saertex Portugal/Edaetech) foi segundo e Roberto Lopes (Batotas/Ponte Lima) terceiro.

Na prova de Masters 50 Rodolfo Lopes (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde) trinfou perante António Sousa e João Amaro (Batotas/Ponte Lima), respetivamente segundo e terceiro classificados.

Em Open 1, evidenciou-se para Manuel Carvalho, seguido de Bruno Loureiro e José Rodrigues.

A AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde voltou a dominar por equipas, somando a sua terceira vitória em quatro provas e reforçando o comando do Campeonato do Minho de BTT XCO - SCORE Tech. Na segunda posição ficou a Saertex Portugal e na terceira o BTT Matosinhos

 

Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira voltou a vencer em escolas

Nos escalões de escolas, a Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira foi a vencedora por equipas do BTT XCO de Melgaço, quarta prova do Campeonato do Minho de BTT XCO -SCORE Tech, classificando-se em segundo a Seissa/KTM -Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact e em terceiro a Escola BTT Matosinhos.

Em termos individuais Miguel Lopes (Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira) e Matilde Fernandes (Seissa/KTM - Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) foram os melhores na prova de Pupilos -Benjamins.

Em Iniciados a vitória sorriu a Pedro Martins (Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira) e a Diana Silva (Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira), tendo José Cardoso (Tomatubikers/Toyota -Macedo&Macedo) e Sofia Sousa (Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira) ganho em Infantis.

João Martins (Seissa/KTM - Bikesen /Matias&Araújo/Frulact) e Matilde Fraga (Bila Bikers/Carnes Silva/Cycles Oliveira) triunfaram em juvenis.

 

Saertex Portugal/Edaetech satisfeita com o desempenho

A Saertex Portugal/Edaetech terminou a prova de Melgaço na segunda posição por equipas, classificação que agradou ao diretor desportivo Rafael Rocha. “Foi um bom resultado mas nós queríamos mais. Gostaríamos de ter ficado em primeiro lugar, mas não corremos com o mesmo número de atletas que outras equipas. Por isso, conquistamos um bom resultado por equipas”.

Rafa Rocha, como é mais conhecido, confessou que “o grande objetivo da equipa era ganhar o Campeonato do Minho, sabemos que é uma meta muito difícil de conquistar porque nesta prova participam equipas com outros argumentos, com mais atletas. Nós para o número de atletas com que participamos até estamos a fazer uma boa campanha”.

 

José Adriano Lima (Vereador da Câmara Municipal de Melgaço)

José Adriano Lima, vereador do Desporto da Câmara Municipal de Melgaço, congratulou-se pela forma como decorreu o 5º BTT XCO Vila de Melgaço, quarta prova do Campeonato do Minho de BTT XCO - SCORE Tech

“Estas são provas muito importantes para Melgaço e fazem parte de uma parceria que temos com a Associação de Ciclismo do Minho e Federação Portuguesa de Ciclismo. Esta é já a quinta prova do 5º BTT XCO Vila de Melgaço e estamos satisfeitos com a forma como tudo decorreu. Tive oportunidade de ouvir as equipas, que também se mostraram satisfeitas com as condições que aqui encontraram e que são muito boas para a prática da modalidade”.

O Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Melgaço lembrou que Melgaço é cada vez mais conhecido pela sua ligação ao desporto: “Melgaço é conhecido pelo vinho Alvarinho, pela gastronomia, mas cada vez mais é também conhecido pelo desporto. Temos o centro de estágios, que é utilizado pelos clubes das várias modalidades para fazer as suas preparações e com estes eventos reforçamos a posição no ciclismo e nestas vertentes. Um dos nossos objetivos é que os locais acabem por praticar um pouco mais o ciclismo nas suas mais variadas vertentes”.

José Adriano Lima destacou ainda a importância destes eventos no desenvolvimento da economia local referindo que “estes eventos têm um impacto direto da economia de Melgaço. Quando recebemos este tipo de eventos, recebemos a visita de muitas pessoas, algumas até vêm de véspera, passam cá a noite, fazem cá as suas refeições, visitam os locais mais turísticos e depois acabam por vir a Melgaço noutra alturas, em lazer e isso é muito importante para nós”.

 

Escola BTT Matosinhos: “provas da ACM têm cariz mais competitivo”

José Lapa, diretor da Escola BTT Matosinhos, mostrou-se satisfeito com o desempenho dos seus atletas dos escalões de Escolas, salientando que “terminar em terceiro e ir ao pódio já é muito bom, muito positivo. É o fruto do trabalho que vamos fazendo com os atletas. Durante a semana vamos treinando, passamos alguns ensinamentos e depois gostamos de os trazer às provas e ver a reação deles”.

A Escola de BTT Matosinhos pertence à Associação de Ciclismo do Porto mas José Lapa refere que “gostamos de participar nas provas da Associação de Ciclismo do Minho porque têm um cariz mais competitivo, uma boa organização e tem no seu calendário muita e boas provas para os miúdos aprenderem e evoluírem”.

A Escola BTT Matosinhos (que este ano também se iniciou nas provas de estrada com três atletas femininas) participa no BTT há 14 anos, tendo os escalões de formação em pleno funcionamento: “começamos com os Pupilos, temos vários meninos, alguns chegam aqui e nem sabem andar de bicicleta, mas nós damos-lhes tempo para aprender. Durante a semana temos os treinos sob a orientação da Rita Vigário e ao sábado treinamos todos juntos de uma forma mais intensa”.

O 5º BTT XCO Vila de Melgaço teve o apoio do Município de Melgaço, Federação Portuguesa de Ciclismo, Cision, Score Tech, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, Arrecadações da Quintã, POPP Design e do comércio e industria local.

O Melgaço Sports Center (Complexo Desportivo e de Lazer / Centro de Estágios de Melgaço), onde foi promovida a competição, é um espaço idealizado e construído de forma a oferecer um serviço de elevada qualidade, com equipamentos adjacentes que visam a atividade desportiva, tanto na vertente lúdica como na vertente competitiva ao mais alto nível.

O complexo, centro de treinos oficializado pela UEFA, constitui-se como um pólo dinamizador do desenvolvimento do desporto, lazer e turismo na região e posiciona-se como um dos mais modernos, melhor equipados e mais completos complexos desportivos.

Divide-se em duas grandes áreas. A primeira é a área de lazer, com diversos equipamentos que permitem a prática do desporto de manutenção e equipamentos destinados a atividades lúdicas e culturais.

A segunda grande área é destinada ao desporto de alta competição. Está servida por infraestruturas capazes de acolher diversas modalidades, tanto para competição como para treino. É nesta área que se situa o Centro de Estágios, dotado de um conjunto de equipamentos próprios, disponibilizados em exclusivo aos clubes em estágio. É composto por estádio de futebol, pista de atletismo, campo de treinos, balneários, clube saúde, ginásio de manutenção, salas de tratamentos e massagem, entre outros.

Estes equipamentos encontram-se vedados ao exterior, mas interligados entre si, visando oferecer as condições necessárias a um melhor estágio, em segurança, tranquilidade e com privacidade.

Fonte: ACM

“TRIATLO DE OEIRAS RICARDO BATISTA e MADALENA ALMEIDA CAMPEÕES NACIONAIS ABSOLUTOS”

Por: Paulo Vieira

RICARDO BATISTA e MADALENA ALMEIDA venceram o Triatlo de Oeiras e sagraram-se CAMPEÕES NACIONAIS DE TRIATLO em 2019.

Esta prova realizada no domingo de manhã, dia 5 de maio, na Marginal junto a Oeiras, teve o seu início na Praia da Torre, e tratou-se do Campeonato Nacional de Triatlo Individual na categoria de Elites, em distância sprint (750m/natação, 20kms/ciclismo e 5kms/corrida).

Depois das excelentes prestações na Taça da Europa em Quarteira no fim-de-semana anterior, estes 2 atletas do Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas, voltaram a brilhar, e desta vez a dominarem as provas em que participaram.

RICARDO BATISTA saiu na frente da natação, e percorreu os 20kms ciclismo sempre isolado na frente, conseguindo uma boa vantagem para o grupo perseguidor (mais de 1 minuto), o que lhe permitiu terminar a sua prova completamente destacado dos restantes atletas.

Da mesma forma, MADALENA ALMEIDA, também conseguiu realizar a sua prova, o que permitiu a “dobradinha” para as cores do CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS.

JOSÉ PEDRO VIEIRA, foi outro atleta torrejano em destaque, demonstrando uma corrida mais consistente, alcançou o 4ºlugar absoluto, e sagrou-se VICE-CAMPEÃO NACIONAL em Juniores, sendo o seu colega de equipa, RICARDO BATISTA, também o CAMPEÃO NACIONAL neste escalão.

AFONSO DO CANTO, demonstrou que continua a melhorar o seu desempenho em prova, entrou no TOP10, com o 9ºlugar alcançado em prova (4º Junior).

Ainda em Oeiras, disputou-se no formato super-sprint (300m/natação, 8kms/ciclismo e 2kms/corrida), a prova de apuramento para o Campeonato da Europa de Triatlo em Youth (Cadetes), com 2 atletas do Clube de Natação torrejano, a alcançarem excelentes resultados. GONÇALO BALBINO, subiu ao pódio no 3ºlugar, e ABEL AFONSO foi 5ºclassificado, o que abre boas perspetivas para fazerem parte da Seleção Nacional que se desloca à Áustria no próximo mês de Junho.

No mesmo cenário decorreu também a prova do Campeonato Nacional de Triatlo Individual para Grupo Idades.

Marco Sousa e Gonçalo Neves venceram nos Grupos de Idade 40-44 anos e 45-49 anos, respetivamente, sagrando-se Campeões Nacionais nestes Grupos de Idade, e Catarina Neves subiu ao pódio no 3ºlugar, também no Grupo de Iaddes 45-49 anos.
 
No próximo fim-de-semana, disputa-se no sábado de manhã, a Taça da Europa de Triatlo em Elites, com a presença em representação da Seleção Nacional de Triatlo, de RICARDO BATISTA, JOSÉ PEDRO VIEIRA, AFONSO DO CANTO e MADALENA ALMEIDA.

Ainda em Sines, mas no sábado à tarde, realiza-se a 3ªetapa do Campeonato Nacional Jovem, o Aquatlo de Sines, e no domingo de manhã, dia 12 de maio, em Torres Novas, terá lugar o Campeonato Nacional de Biatle nas Piscinas Municipais Fernando Cunha e no Jardim das Rosas.  

Fonte: Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas

“HUMBERTO CARECA e JOÂO PORTELA EM EVIDÊNCIA NO DOURO GRANFONDO”

Decorreu  o LOVE TILES DOURO GRANFONDO 2019, com partida e chegada no Peso da Régua

João Portela e Humberto Careca, deslocaram-se a esta prova levando a companhia das suas famílias, aproveitando o passeio em familia e o facto de poderem competir.

 Os dois atletas da ASFIC participaram na distância média, o  Mediofondo com 112 km e 2150 metros de acumulado e onde estavam inscritos quase 1500 atletas.

A prova iniciou a hora prevista e os dois atletas andaram sempre no grupo da frente, que se foi fracionando naturalmente com a dureza do percurso.

Na parte final, dois atletas adversários conseguiram distanciarem-se do grupo, cortando a meta isolados.

João Portela cortou a meta em 6º Lugar e Humberto Careca em 14º lugar.

Por categorias, Humberto Careca conseguiu levar a camisola da ASFIC ao 3º lugar do pódio na categoria master40 e João Portela obteve o 5º lugar master 30.

Mais uma vez a camisola da ASFIC e patrocinadores foram honrados pelos 2 atletas.

Fonte: ASFIC

“Vieira do Minho recebe a Maratona BTT Serra da Cabreira (Campeonato do Minho BTT XCM - Discover Melgaço)”

Vieira do Minho recebe no dia 12 de maio a 1ª Maratona BTT Serra da Cabreira, quarta prova do Campeonato do Minho BTT XCM - Discover Melgaço. Promovida conjuntamente pela Associação de Ciclismo do Minho, Bike Treino e Câmara Municipal de Vieira do Minho, a iniciativa prevê a inscrição nas categorias de competição, paraciclismo e promoção. As inscrições podem ser feitas online.

Integrada no evento “Cabreira Challenge” que, no mesmo dia, agregará atividades de outras modalidades, a 1ª Maratona BTT Serra da Cabreira prevê percursos de Maratona masculina (75 km e 2100 de acumulado), Maratona feminina e Masters 50 (56 km e 1400 de acumulado) e ainda de Meia Maratona para as restantes categorias (39km e 1100 de acumulado). A inscrição de participantes federados pode ser efetuada online (www.acm.pt), podendo ser obtidas informações complementares em www.cabreirachallenge.pt.

Apresentando como desafio a Serra da Cabreira, cujo cume, o Talefe, com 1262 metros de altitude, oferece ao visitante uma paisagem verdadeiramente deslumbrante e sublimes panorâmicas sobre as aldeias serranas, albufeiras e a Serra do Gerês, a maratona começará e terminará no Largo do Município de Vieira do Minho. Os atletas terão para enfrentar um percurso que inclui a subida ao ponto mais alto da Serra da Cabreira, situada no Baixo Minho e no Baixo Barroso.

João Cabreira, da Bike Treino, garante que “em Vieira do Minho já tudo está organizado e orientado para receber a 1ª Maratona Serra da Cabreira”, faltando agora “começar a marcar o percurso”, algo que será feito apenas nos dias anteriores à prova.

Apesar da previsão de chuva para esta semana, João Cabreira não está preocupado até porque “para o fim-de-semana prevê-se muito bom tempo, o ideal para os atletas poderem disfrutar dos trilhos e das excelentes paisagens da Serra da Cabreira”.

A 1ª Maratona BTT da Serra da Cabreira está inserida no projeto “Cabreira Challenge” que juntar´ no mesmo dia e no mesmo local a prova de BTT e uma outra de Trail. “É um projeto diferente que pretende unir duas modalidades distintas a competir num mesmo local, a Serra da Cabreira, mas com percursos diferentes para evitar conflitos, acidentes ou contacto entre os atletas. Seja como for está tudo pensado e salvaguardado. Deu trabalho, mas acredito que vai ser uma grande jornada de BTT e de Trail”, explica João Cabreira.

Salientando que a Maratona BTT tem como objetivo, entre outros, “incentivar a prática do BTT”, João Cabreira espera que no próximo domingo “se assista a uma festa muito interessante, que os atletas disfrutem da prova e tirem partido das lindas paisagens da Serra da Cabreira. De resto, esperamos que não haja percalços, que ganhe o melhor, mas que todos se divirtam”.

A Maratona BTT Serra da Cabreira surge como uma evolução das várias provas que a Bike Treino tem organizado com o apoio da Câmara Municipal de Vieira do Minho, sendo que em integra, pela primeira vez, o Campeonato do Minho BTT XCM - Discover Melgaço. “Vai tornar a prova mais competitiva, vai trazer mais atletas e, com certeza, vai dar mais visibilidade à iniciativa”, explica João Cabreira afirmando que “a Associação de Ciclismo do Minho está a fazer um excelente trabalho, procura incentivar e fazer parcerias com associações que têm feito boas organizações neste tipo de eventos, como foi o caso do BTT Margens do Cávado, com a realização da 1ª Maratona Cidade de Braga. Nós pretendemos seguir o exemplo e transformar esta Maratona Serra da Cabreira num evento de referência a nível nacional”.

A 1ª Maratona BTT Serra da Cabreira é uma organização conjunta da Associação de Ciclismo do Minho, Bike Treino e a Câmara Municipal de Vieira do Minho, contando com o apoio, entre outros, da Federação Portuguesa de Ciclismo, Discover Melgaço, Score Tech, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, Cision, Arrecadações da Quintã e POPP Design.

Fonte: ACM

“Agenda de Ciclismo”

Fundão na rota da qualificação olímpica de XCO

A terceira prova da Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO) realiza-se no próximo domingo, no Fundão. É uma corrida de classe 2 internacional, pontuável para o ranking de qualificação para os Jogos de Tóquio. Também na rota do ciclismo internacional, a Madeira recebe uma corrida do Enduro World Series.

São esperados cerca de 300 corredores para o XCO internacional do Fundão, a disputar no Parque do Convento, em plena serra da Gardunha. O programa competitivo abre com as provas de cadetes, masculinos e femininas, às 9h00. Segue-se, às 10h00, a corrida de juniores masculinos e das restantes categorias femininas. Às 12h00 é a vez dos masters e dos paraciclistas. A corrida de elite masculina está agendada para as 14h30.

Com duas etapas da Taça já disputadas, tudo continua, naturalmente, em aberto na luta pelo troféu. Mário Costa (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde) encabeça a geral masculina, papel desempenhado por Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) entre as femininas.

A Madeira recebe, nos dias 11 e 12 de maio, a terceira etapa do circuito Enduro World Series. Os trilhos com paisagens magníficas dos concelhos de Machico, Santa Cruz e Funchal serão palco de uma competição, que é também uma oportunidade de ouro para conhecer a natureza madeirense, unindo a vertente desportiva à turística e de lazer.

A freguesia da Quinta do Conde, Sesimbra, é o local escolhido para o Encontro Inter-Regional de Escolas de Ciclismo, na vertente de estrada, que vai decorrer no domingo, a partir das 9h30.

 

Mais eventos oficiais

11 de maio: Bairrada Ultra Marathon, Águeda

11 de maio: 6.º Passeio Oliveira de Azeméis - Arouca

11 de maio: 5.º BTT Noturno de Quarteira, Loulé

12 de maio: Prémio de Ciclismo de Barroselas, Viana do Castelo

12 de maio: Raid de Cicloturismo Porto – Braga – Porto

12 de maio: X Rota da Adegas, Cantanhede

12 de maio: 32.º Passeio de Cicloturismo “Vinha em Flor”, Palmela

12 de maio: 3.ª Prova Taça do Algarve de XCM, Almodôvar

12 de maio: 12.º Passeio de Cicloturismo Coobital, Faro

“Grande Final Volta a Portugal regressa aos Aliados Contrarrelógio final discutido entre Gaia e Porto”

Foi preciso esperar 30 anos para a cidade do Porto voltar a receber um final de Volta a Portugal em Bicicleta. Finalmente as vontades conjugaram-se e, no próximo 11 de agosto, a Avenida dos Aliados vai, à imagem do que aconteceu no passado, festejar novamente de forma apoteótica o final da competição.

“É uma honra para o Porto voltar a acolher este apaixonante evento, que é justamente considerado uma das grandes festas populares do desporto em Portugal”. As palavras de Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, revelam o entusiasmo que envolve o final da 81ª Volta a Portugal Santander.

Será a nona vez que o Porto vai ser palco de um fim de Volta. “Era fundamental e imperioso reatarmos esta ligação, recuperando este espetáculo único para a nossa cidade e região. Unindo esforços e sinergias com o Município de Vila Nova de Gaia, nosso parceiro em tantas outras organizações desportivas, preparámos um percurso tão belo quanto exigente e que terá, certamente, o seu momento alto com a chegada e a celebração do vencedor em plena Avenida dos Aliados. Tenho a certeza que vamos proporcionar a todos, participantes, público e organização, um memorável fim de festa”.

Joaquim Gomes, diretor da Volta, acredita que o nome do vencedor da Volta de 2019 será conhecido apenas nos últimos quilómetros do contrarrelógio que vai terminar na Avenida dos Aliados, o que faz aumentar ainda mais as expetativas para o Grande Final da Volta. “Nessa altura ficaram para trás nove etapas que terão selecionado um grupo restrito de possíveis vencedores, mas acredito que vamos ter competição até ao fim e seja preciso esperar por este último dia”.

O percurso do contrarrelógio individual que vai encerrar a Volta tem a extensão de 19,5 quilómetros e vai começar na freguesia de Canidelo, em Gaia. Depois de atravessar a Ponte do Infante, sensivelmente a meio do crono, os ciclistas vão percorrer algumas artérias do centro histórico do Porto até à Avenida dos Aliados. Satisfação é o adjetivo utilizado por Eduardo Rodrigues, presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, por ver a autarquia envolvida neste final.

“Ano após ano, o evento surge com a mesma força que tem feito com que esta seja considerada a prova rainha do ciclismo nacional. Vila Nova de Gaia e o Porto voltam a provar que juntas são mais fortes, apoiando uma iniciativa que não só apela à prática desportiva, mas também dá a conhecer, de uma forma única, as duas cidades.

Delmino Pereira, Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo e antigo corredor, também se mostra entusiasmado com o Final da Volta a Norte. “Porto e Gaia são hoje um dos principais polos de atração turística em Portugal. Com a Volta, esses territórios que já gostam muito de desporto, ganham ainda mais expressão.”

Da última chegada aos Aliados, em 1989, o responsável federativo guarda célebres memórias. “Tive o privilégio de, enquanto profissional da bicicleta, participar e testemunhar esse momento que jamais esquecerei. A baixa portuense estava repleta de adeptos da Volta, era uma multidão vibrante e muito entusiasmada que ladeava as ruas do contrarrelógio incentivando todos os atletas. Estou convencido que voltaremos a ter o mesmo entusiamo tantos anos depois.” A 81ª Volta a Portugal Santander corre-se entre 31 de julho e 11 de agosto sendo o percurso total da prova apresentado em Lisboa a 6 de junho.

Fonte: Podium