quinta-feira, 9 de agosto de 2018

“24 HORAS DE CICLISMO (LE MANS)”

Vai começar a corrida das 520 equipas para a 10ª edição!
O Ciclismo de 24 Horas de Le Mans e o máximo de 520 equipas foram alcançados até a data normal de fechar das inscrições.
2464 pilotos de 11 nacionalidades vão rodar no circuito de Le Mans no sábado, dia 25 de agosto, às 15h00. Quase 70 pilotos enfrentarão o "Dunlop uphill" solitário, mas a maioria será dividida em equipas de 2 a 8 membros. De ciclistas experientes a desportistas de domingo, todos vão viver no seu próprio ritmo as suas "24 Horas de Le Mans ... De bicicleta" num ambiente alegre e descontraído.
Ciclista profissional 1973-1982 incluindo sete Tour de France, gerente da Peugeot Sport Então, Z, Gan e Credit Agricole equipes, Roger Legeay vai começar a corrida. "Não poderia ser de outra maneira!", Comenta Romain Gasnal para a organização. Godfather e Assessor Técnico da Raça desde a primeira hora, ele vai levar o começo para o 10º ano consecutivo em movimento ativista segurança dos pilotos, 'Eu dupla - eu discordo 1,50m'.
Batido no sprint em 2017, todos os olhos estarão voltados para o treinamento Socopa Meats 1 para a vitória geral.
Utilizada no Top 10, a Socopa participará com três equipes dirigidas por Dany Maffeïs. O piloto CC Nogent-sur-Oise ganhou fama ao fazer a melhor volta absoluta do circuito de Bugatti em 5 minutos e 11 segundos, a mais de 29 milhas / h.
Contamos também com o Sarto Endurance Team, 9º em 2017 para a Baum Cycles. Esta formação holandesa pode ser um sério candidato ao pódio. No final de julho, a equipe terminou em 2º do Rad am Ring, a corrida de 24 horas que acontece no circuito alemão de Nürburgring.
Muitas personalidades estarão presentes, como Sandy Casar. Ciclista profissional de 1999 a 2013 para a equipe dos Jogos Franceses, ele correrá pelo prazer de descobrir o circuito de Le Mans com a equipe da Polícia Nacional Francesa. Tony Hurel e Julien Guay vão correr numa equipa de 4 pilotos para Roadborn. Eles vêm como amigos e são rivais reais. Vigiem este espaço!




Para os não concorrentes e famílias, não perca o evento da manhã "La Matinale Maine Libre". Espera-se que mais de 1500 pessoas descubram o circuito de Bugatti durante este passeio de uma hora. Esta convenção ciclo-turística está aberta a todos com todo tipo de bicicleta. O acesso é gratuito para crianças menores de 10 anos.
Os espectadores terão acesso livre ao local e exposições propostas na Vila. Serão criadas áreas dedicadas para eles no Dunlop, o local perfeito para desfrutar da corrida ou do campeonato de defesa de clubes da França. Todos os ingredientes serão reunidos com a família.
The Pearl Izumi 24 horas de ciclismo (figuras)
- Informação:
www.24heuresvelo.fr/en/
- Vídeo:
www.24hoursvelo.fr/?videos=24-hours-velo-pearl-izumi-2018
- 2018: 2464 pilotos registrados
- 520 equipas registadas: 68 singles (5 mulheres), 42 pares (5 mixes), 135 equipas de 4 pilotos, 215 equipas de 6 pilotos (25 mistas e 2 mulheres) e 60 equipas de 8 pilotos (11 mistas e 1 mulher)
- 31 equipas internacionais (118 pilotos): Alemanha, Austrália, Bélgica, Chipre, Escócia, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Itália, Holanda e Reino Unido.
- Circuito Bugatti: 2.600 milhas - Subida: 656 yd. de 3,5% a 7% - Descida: 1094 yd. a 2%
- The Morning Free Maine: Uma hora de bicicleta das 12: 15h às 13: 15h no sábado - Registo no local: 10 €
- Visitantes: Acesso ao circuito pela entrada principal "24 Hours Tour" - Entrada gratuita e estacionamento à disposição
- Campeonato Francês dos Clubes da Defesa: Sábado das 8h00 às 10h00 - Informação sobre
www.ligueouest-fcd.fr/


Quem somos
Criado em 1995, o CGO Event é uma agência de eventos. Na França ou no exterior, trabalhamos em eventos Gestão de Empresas para o Cliente B2B: incentivo, team building, convenção, lançamento de produtos, jantar de gala, reunião.
Nossa agência também está propondo uma hospitalidade VIP durante as 24 Horas de Le Mans em junho. É uma solução de relações públicas chave na mão para viver este famoso evento em ambiente privilegiado.
Criamos em 2009 as 24 horas de ciclismo no circuito Bugatti em Le Mans. É uma corrida de ciclismo em revezamento por equipa de 2, 4, 6, 8 ciclistas ou mesmo para um único ciclista. Aberto a todos.


Fonte: CGO Event

“XIV MARATONA BTT "TRILHOS da "RAIA"”


 
 

Mais uma ano a XIV MARATONA BTT "TRILHOS da "RAIA", que se realiza a 14 de Outubro, tem as inscrições a decorrer.
Para as inscrições tem que aceder ao nosso sítio em www.acin.com.pt
Aos participantes que desejarem ter a oferta do jersey, junto enviamos a foto do mesmo. O valor da inscrição é diferente com ou sem oferta do jersey.
Ficamos a aguardar a sua inscrição.
Boas pedaladas
Fonte: ACIN - Associação de Cicloturismo de Idanha-a-Nova

“Volta à Polónia: Rui Costa andou em fuga mas a vitória foi para Georg Preidler”

Michal Kwiatkowski segue líder após a sexta etapa

Por: Lusa

O ciclista austríaco Georg Preidler (Groupama -- FDJ) venceu esta quinta-feira a sexta etapa da Volta à Polónia, com o polaco Michal Kwiatkowski (Sky) a segurar a liderança da classificação geral individual. Preidler, de 28 anos, completou os 129 quilómetros entre Zakopane e Bukowina Tatrzanska em 3:16.01 horas, batendo num sprint reduzido de nove elementos o alemão Emanuel Buchmann (BORA-hansgrohe), segundo, e o camisola amarela.

O melhor português na tirada foi Rui Costa, ciclista da UAE-Team Emirates que fez parte da fuga do dia. "Depois de um período de paragem longo, voltei em Londres e agora vim à Polónia. Hoje a etapa era exigente e estava com vontade de atacar. Não foi fácil entrar na fuga, mas acabou por consegui-lo, o que foi bom para a equipa e também porque me deu boas impressões sobre o meu estado de forma. Não estou no meu melhor, mas é importante sentir-me cada vez melhor", declarou o português, 56.º colocado na etapa.

Na geral, Kwiatkowski lidera com 16 segundos de vantagem sobre o belga Dylan Teuns (BMC), segundo, e 24 para o neozelandês George Bennett (LottoNL-Jumbo), terceiro. Rui Costa (UAE Team Emirates), depois de ter sido 56.º na etapa, subiu nove posições na geral, para o 54.º lugar, já a 9.12 minutos do líder, enquanto Nuno Bico (Movistar) é 90.º, depois de ter cortado a meta em 127.º.

Na sexta-feira, a última etapa tem partida e chegada em Bukowina Tatrzanska, com um traçado acidentado de 136 quilómetros a testar Kwiatkowski e os perseguidores.

Fonte: Record on-line

“Ángel López vence terceira etapa e lidera Volta a Burgos”

Português José Mendes ficou em 11.º lugar

Por: Lusa

Foto: EPA

O colombiano Miguel Ángel López (Astana) venceu esta quinta-feira a terceira etapa da Volta a Burgos, assumindo a liderança da classificação geral individual, com o português José Mendes (Burgos-BH) em 11.º lugar.

López, de 24 anos, cumpriu os 149 quilómetros entre Sedano e Espinosa de los Monteros em 3:59.30 horas, batendo o compatriota Iván Sosa (Androni Giocattoli-Sidermec), segundo com o mesmo tempo, e o espanhol David de la Cruz (Sky), terceiro a 32 segundos.

O colombiano assumiu a liderança da geral, com dois segundos de vantagem para Sosa, com o eritreu Merhawi Kudus (Dimension Data) no terceiro lugar, a 27 segundos.

José Mendes rolou esta quinta-feira com os melhores na primeira etapa de montanha da 40.ª edição da 'ruta', terminando no 11.º posto e subindo ao 12.º da geral, a 1.41 minutos do camisola amarela.

Nelson Oliveira (Movistar) foi hoje 43.º, a 5.48 minutos do vencedor, e subiu para o 49.º lugar da geral, já a 8.54 do líder.

Na sexta-feira, os ciclistas partem de Monasterios San Pedro Cardeña em direção à antiga cidade romana de Clunia, numa ligação de 165 quilómetros com chegada em alto no final.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Acácio da Silva espera por outro português de amarelo no Tour”

«A Volta a França é a maior e vai continuar a ser a maior», afirmou o antigo ciclista

Por: Lusa

Foto: Lusa

Acácio da Silva, único português a andar de amarelo no Tour, esperava que, quase 30 anos depois, já tivesse havido outro compatriota a liderar "a maior" de todas as corridas de ciclismo.

Em 1989, Acácio da Silva andou quatro dias de amarelo na Volta a França, depois de ter vencido a primeira etapa, no Luxemburgo, país para onde imigrou.

"Não esperava ser tanto tempo, esperava que houvesse um que conquistasse a camisola outra vez. Este ano já não dá, mas era bom para o ano, mas não é fácil. A Volta a França é a maior e vai continuar a ser a maior", disse, à agência Lusa.

De visita à Volta a Portugal, que hoje parte de Montalegre, sua cidade natal, Acácio da Silva considera que "os atletas portugueses estão a desenvolver-se bem".

"Já temos bons atletas, mas também é preciso ter sorte. Temos bons atletas, é preciso metê-los no bom caminho e acreditar neles", referiu.

Com uma agência imobiliária no Luxemburgo há 20 anos, o transmontano confessa que "é algo especial quando a Volta está presente na terra" e que é algo que "faz bem à terra, faz bem a tudo".

Este ano, a Volta a Portugal tem ainda mais um aliciante para Acácio da Silva, uma vez que o seu irmão Francis é o diretor desportivo da luxemburguesa Differdange-Losch.

"Não desliguei tudo [em relação ao ciclismo], mas não estou tão ligado com o meu irmão, também tem mais tempo para isso. Eu estou mais na sombra", admitiu.

Sobre as diferenças do seu tempo para o ciclismo atual, Acácio da Silva diz que "são muitas, nas táticas, no material".

"Mas há uma coisa que está lá sempre, que é preciso pedalar. Se não pedalas, não chegas. Está sempre a melhorar-se muita coisa, equipamentos, os controlos antidoping, a segurança na estrada. É normal que esteja tudo a melhorar", referiu.

Antes da partida da sétima etapa da Volta a Portugal, que liga Montalegre a Viana do Castelo, Acácio da Silva vai apresentar um livro biográfico.

"Acácio da Silva - A carreira excecional de um ciclista cosmopolita" é o título da obra, escrita em português e francês por Henri Bressler e Rosa Carvalhal.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Um olhar pela Volta dia-a-dia”

8ª Etapa Barcelos/Braga

Texto: José Morais

Fotos: Podium

Esta sexta-feira 10 de agosto, a 8ª etapa em linha é percorrida entre Barcelos e Braga, numa distância de 147,6 quilómetros com duas metas volantes de 3ª, 1 de 4ª, e uma de 2ª, quase em final de etapa.

A etapa de hoje não mudou nada os primeiros lugares da geral, Raúl Alarcón mantem o primeiro lugar a 00:00:52 do segundo Joni Brandão, Enrique Sanz (Euskadi-Murias) ganhou em Viana do Castelo depois da difícil calçada até ao Santuário de Santa Luzia, quando falta três etapas para o final da Volta.

E esta sexta-feira adivinha-se um dia complicado, numa etapa curta, de sobe e desce, e de grande dificuldade, onde se pode definir já amanhã, o próximo vencedor da Volta a Portugal 2018.

E a Volta vai continuar, Barcelos fica a pouco mais de 30 quilómetros de Viana do Castelo, com a etapa de hoje a terminar novamente cerca das 17.30, existe sem dúvida muito mais tempo para descansar, amanhã, olhando para a altimetria, os primeiros 60 quilómetros iniciam-se num sobe e desce, com o primeiro premio de montanha a surgir, seguindo-se até Braga o sobe e desce os ciclistas vão encontrar a partir dai muitas dificuldades, o que tudo aponta para uma etapa muito complicada, será que vai haver surpresas.  

Será que os ciclistas estarão recuperados, e ficam preparados amanhã para mais um grande desafio, que as mazelas das etapas anteriores provocaram, quem aguenta, quem fica pelo caminho, e será que a camisola mudará, no final teremos essa resposta, por agora fica a altimetria, o mapa do percurso, como a partida e a chegada.

 

“Volta a Portugal/Sprint empinado deu vitória espanhola em Viana do Castelo”

Enrique Sanz (Euskadi-Murias) conquistou a sétima etapa da 80ª Volta a Portugal Santander no alto de Santa Luzia, em Viana do Castelo. Num final sempre selectivo com subida de três quilómetros, onde surgiram na frente os principais candidatos a atacar o líder Raúl Alarcón, foi Sanz quem teve mais potência num final explosivo, frustrando novamente as intenções da Efapel e de Daniel Mestre que foi segundo classificado. Os 17 primeiros da etapa, onde estavam os favoritos, terminaram todos com o tempo do vencedor.

Nas classificações, as camisolas mantém-se nos mesmos ciclistas, mas Joni Brandão começa a ameaçar a Azul Liberty Seguros de Alarcón, estando a apenas um ponto. Xuban Errazkin (Vito-Feirense-BlackJack) veste a Branca RTP da juventude, Vicente García de Mateos a Verde Rubis Gás dos pontos, enquanto o Sporting-Tavira não larga a liderança coletiva.

Nos rápidos 165,5 quilómetros entre Montalegre e Viana do Castelo com média horária que passou os 44 quilómetros/hora foram muitas foram as tentativas de fuga, mas todas consecutivamente anuladas, a última já depois de atravessar a cidade a caminho do Santuário. A W52-FC Porto mantém o controlo da Camisola Amarela, enquanto a Efapel está a procurar incessante uma vitória de etapa.

Em oito dias de prova, o triunfo de Enrique Sanz foi a quarta vitória espanhola. Agora com a Volta a Portugal concentrada no Minho chega a fase decisiva.

Com a classificação geral a ficar na mesma após a chegada a Viana do Castelo, Joni Brandão (Sporting-Tavira) é o único que está a menos de um minuto (52 segundos) do comandante Raúl Alarcón que surgiu nesta etapa com uma KTM em tons de amarelo, diferente das demais bicicletas usadas pelos corredores da equipa azul e branca.

A etapa desta sexta-feira, a oitava, que vai terminar em Braga será curta, 147,6 quilómetros, mas potencialmente complicada. Reserva duas contagens de montanha de terceira categoria, uma de quarta e a última de segunda já perto da meta.

Será uma oportunidade para quem quiser atacar a liderança de Alarcón, antes da Srª da Graça, em Mondim de Basto. Fafe receberá o contrarrelógio final e vai aplaudir o vencedor desta edição da Volta.

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/José Santos e Domingos Gonçalves: «Temos zangas momentâneas»

Diretor desportivo fala do 'enfant terrible' da RP-Boavista

O diretor desportivo da RP-Boavista, José Santos, admitiu que nem sempre é fácil lidar com Domingos Gonçalves, mas, mesmo que haja algum desentendimento, tudo acaba resolvido com uma boa conversa com o seu ‘enfant terrible’: "Temos algumas zangas mas são momentâneas, devendo-se às próprias circunstâncias da corrida.

O Domingos é um grande corredor, sendo muito difícil alguém apanhá-lo quando ganha uns metros." As relações entre os dois nem sempre é pacífica. Basta recordar aquilo que aconteceu numa das etapas desta Volta. Domingos teve uma avaria mecânica, José Santos passou por ele sem o reconhecer, tendo o ciclista recebido apoio do carro da Vito-Feirense-Blackjack, depois de pontapear com raiva a roda traseira da sua bicicleta: "Tenho de ter mais calma, mas as emoções são muito fortes."

José Santos explicou ainda a estratégia de Domingos Gonçalves: "Não foi a sorte que nos ajudou, foi um triunfo preparado, pois lançámos vários ataques, antes do Domingos arrancar, preparando-lhe o momento certo. Atacou o João Benta, depois o Daniel Silva, para desgastarmos os adversários e preparar o momento certo. Depois de ganhar uns segundos, foi como fazer um crono até à meta. Com esta vitória já ganhámos a Volta, mas queremos mais."

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Pinto da Costa orgulhoso da W52-FC Porto”

Líder portista esteve com equipa para dar alento a Rui Vinhas e os parabéns a Raúl Alarcón

Por: Alexandre Reis

O presidente dos dragões, Pinto da Costa, levantou-se ontem às 6 horas da manhã para tomar o pequeno-almoço com a equipa da W52-FC Porto. O líder portista destacou o caráter de Rui Vinhas, que na 5ª etapa ficou bastante ferido após uma queda feia, mas ontem foi um dos operários na defesa da amarela de Alarcón.

"Mantém-se o espírito desta equipa. O que se passou com Rui Vinhas é de realçar, porque depois da queda fez 120 km com um grande sacrifício, sendo um exemplo de verdadeiro campeão para todos os atletas de qualquer clube. Foi notável como a equipa reagiu ao sofrimento do colega, o que deu mais um estímulo ao ‘irmão’ Alarcón para vencer a Volta.

O camisola amarela está a demonstrar que é o melhor do pelotão e espero que, depois da Supertaça, possamos conquistar a Volta a Portugal", considerou Pinto da Costa ao Porto Canal, tendo falado apenas para os órgãos de comunicação social sediados a norte.

Rui Vinhas agradeceu: "Ter a companhia de Pinto da Costa vem dar-me uma grande motivação. Foi arrepiante quando o vi entrar no hotel. Veio dar-me um abraço e agradecer tudo o que tenho feito pelo clube. Disse-me que eu era um herói e que estava muito orgulhoso pela minha garra. Vou lutar e sofrer para chegar a Fafe."

Raúl Alarcón também agradeceu a Pinto da Costa e a Rui Vinhas: "Obrigado pela confiança do presidente e pela ajuda do meu ‘irmão’. É um guerreiro."

Fonte: Record on-line