terça-feira, 24 de julho de 2018

“TOUR/ALAPHILIPPE VENCE PELA SEGUNDA VEZ”

Geraint Thomas mantém a liderança numa etapa marcada pelo protesto dos agricultores

Poir: Lusa

Foto: Reuters

O francês Julian Alaphilippe (QuickStep-Floors) venceu esta terça-feira pela segunda vez na presente edição da Volta a França, ao ser o mais rápido na 16.ª etapa, com o britânico Geraint Thomas (Sky) a manter a liderança.

Alaphilippe cortou isolado a meta em Bagnères-de-Luchon, colocada 218 quilómetros após a partida em Carcassone, gastando 5:13.22 horas, menos 15 segundos do que o espanhol Gorka Izaguirre (Barhain-Merida) e do que o britânico Adam Yates (Mitchelton-Scott).

Numa etapa que chegou a estar interrompida após um protesto de agricultores, Thomas manteve 1.39 minutos de avanço sobre o britânico Chris Froome (Sky) e 1.50 sobre o holandês Tom Dumoulin (Sunweb).

Na quarta-feira disputa-se a 17.ª etapa, de apenas 65 quilómetros, entre Bagnères-de-Luchon e Saint-Lary-Soulan, mas com duas contagens de montanha de primeira categoria e uma de categoria especial, coincidente com a meta.

Fonte: Record on-line

“TOUR/PROTESTO DE AGRICULTORES OBRIGA A NEUTRALIZAR ETAPA”

Manifestação após a partida de Carcassone

Por: Lusa

Foto: Reuters

A 16.ª etapa da Volta a França foi, esta terça-feira, temporariamente neutralizada, após um protesto, alegadamente de agricultores, nos primeiros quilómetros, após a partida de Carcassone.

Nas imagens televisivas foi possível ver, junto ao percurso, vários tratores e fardos de palha, que foram atirados para a estrada, obrigando à interrupção da corrida, quando estavam percorridos 29 quilómetros.

Através da transmissão televisiva foi também possível observar vários ciclistas a lavar os olhos, alegadamente devido ao uso de gás lacrimogénio.

De acordo com a equipa QuickStep-Floors, esse gás lacrimogénio terá sido utilizado pela polícia para dispersar os manifestantes, acabando por afetar também alguns corredores.

A corrida acabou por recomeçar, mas de forma neutralizada por alguns minutos, quando faltavam 187,7 quilómetros para o final da tirada, que liga Carcassone a Bagnères-de-Luchon.

Fonte: Record on-line

“TOUR/CHRIS FROOME: «DESDE QUE A SKY CHEGUE EM PRIMEIRO A PARIS FICO CONTENTE»”

Geraint Thomas é o atual camisola amarela

Por: Lusa

Foto: Reuters

O ciclista Chris Froome considerou esta segunda-feira "incrível" que a Sky chegue ao segundo dia descanso da Volta a França com dois ciclistas no topo da classificação e garantiu que ficará feliz se a equipa chegar de amarelo a Paris.

"Neste momento, Geraint Thomas está à frente de todos. Isso não é um problema para mim, se conseguirmos chegar a Paris nesta situação será excelente. Os Pirenéus são muito duros, são a chave para a vitória. Desde de que a Sky chegue a Paris em primeiro lugar fico contente", disse Froome, atual segundo classificado do Tour.

Chris Froome, vencedor de quatro edições do Tour, entre as quais as três últimas, quer chegar ao contrarrelógio de sábado nos lugares cimeiros da classificação, e está consciente de que os principais adversários são o esloveno Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo) e o holandês Tom Dumoulin (Sunweb).

"O ideal seria chegar ao contrarrelógio final em primeiro ou segundo, mas com uma diferença significativa sobre os rivais. Dumoulin e Roglic são dois contrarrelogistas muito fortes, isso é obviamente uma preocupação. Nunca estamos cómodos contra os melhores do mundo", disse Froome.

O britânico considerou Dumoulin como o seu principal adversário, garantindo que o holandês é diferente de todos os rivais que tem tido nos últimos anos.

"Dumoulin é um tipo diferente de todos os meus rivais, como Quintana, Contador e mesmo Nibali. Corre quase como eu. Ele é um contrarrelogista que aprendeu e treinou-se a si mesmo para participar numa grande volta. É diferente até pela forma como enfrentas as subidas, deixando-se ficar uns metros atrás do grupo principal quando há grandes acelerações", disse.

Chris Froome não quis desvendar se a equipa tem um plano especial para as etapas nos Pirinéus, lembrando que a Sky está numa posição confortável.

"Atacar ou não atacar? Estamos numa posição incrível como o primeiro e o segundo lugar da classificação geral, não depende de nós atacar, isso cabe aos nossos rivais do pelotão", afirmou.

Froome segue na segundo posição do Tour com uma diferença de um minuto e 39 segundos em relação a Geraint Thomas, que lidera, e 11 segundos de vantagem sobre Dumoulin, terceiro classificado.

Fonte: Record on-line

“VICENTE DE MATEOS ESTÁ SUSPENSO”

Espanhol da formação do Louletano apresenta irregularidades no Passaporte Biológico

Por: Ana Paula Marques

Depois do 3º lugar alcançado em 2017, atrás da dupla da W52-FC Porto Raúl Alarcón e Amaro Antunes, Vicente de Mateos apresentava legítimas ambições para poder este ano subir mais um degrau, ou mesmo chegar à camisola amarela na Volta. Só que o espanhol, de 29 anos, vê este objetivo hipotecado, uma vez que poderá falhar a presença na edição deste ano, que começa na próxima semana. Tudo porque se encontra suspenso devido a irregularidades no seu Passaporte Biológico.

A notícia, avançada ontem pelo jornal espanhol ‘As’, parece ter apanhado desprevenido o próprio diretor desportivo da equipa do ciclista, Aviludo-Louletano.

"Também soube agora da notícia, não sei o que dizer. A equipa para já ainda não foi informada ou notificada seja do que for, por isso não posso adiantar mais nada", disse-nos Jorge Piedade. " Não sei se pode ou não ir à Volta."

Segundo o ‘As’, Vicente de Mateos, juntamente com o compatriota Ibai Salas (Burgos), são os primeiros desportistas espanhóis a quem foi instaurado um inquérito por parte da AEPSAD (Agência Antidopagem de Espanha), devido ao Passaporte Biológico. Salas conta com valores anómalos de janeiro a junho de 2017, enquanto De Mateos apresenta, segundo a mesma publicação, "mais de cinco irregularidades" desde 2015, ano em que o seu perfil biológico começou a ser elaborado.

Provisório

Os dois ciclistas encontram-se suspensos provisoriamente e numa fase em que o laboratório de Lausana, na Suíça, especializado no Passaporte Biológico, analisa os dados apresentados pelos atletas em sua defesa. Caso não aceite as alegações, os atletas serão alvo de um castigo definitivo, podendo depois recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto.

Entretanto, a Burgos pode ser também alvo de uma suspensão, pois a confirmarem-se as irregularidades de Salas, este será o segundo caso de dopagem na equipa em menos de um ano, depois de Igor Merino ter acusado positivo a Hormona de Crescimento.

Fica em perigo a presença da Burgos e do português José Mendes na Vuelta, sendo que está descartada a participação na Volta a Portugal, pese embora a organização ter anunciado o seu nome.

Fonte: Record on-line

“Agenda de Ciclismo”

Cadetes são os primeiros a dar a Volta

Por: José Carlos Gomes

A Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros, na estrada entre 27 e 29 de julho, é a primeira da série de Voltas a Portugal, antecedendo a de elite, que se disputa de 1 a 12 de agosto, e a de juniores, a realizar entre 23 e 26 de agosto.

A 11.ª Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros, prova para ciclistas de 15 e 16 anos, começa antes das primeiras pedaladas. Às 21h00 de dia 26, próxima quinta-feira, todo o pelotão e respetivas equipas técnicas vão participar na Tertúlia de Ciclismo, no Auditório do Regimento de Apoio Militar de Emergência, em Abrantes.

Marco Chagas, corredor português com mais vitórias na Volta a Portugal e atual comentador televisivo, é o convidado especial, esperando-se que partilhe experiências e opiniões sobre ciclismo com a jovem audiência.

No dia seguinte, aí sim, serão dadas as primeiras pedaladas da competição. A etapa inaugural da Volta a Portugal de Cadetes terá 83,5 quilómetros, com partida, às 13h00, e chegada, às 15h00, em Abrantes.

A prova tem um grau de dificuldade montanhosa crescente. A segunda etapa será mais exigente do que a primeira, com 76,8 quilómetros, traçados em redor de Alenquer, local onde será dada a partida, às 13h00, e onde se espera a chegada, às 15h00.

O fecho da Volta a Portugal de Cadetes acontece em Torres Vedras. Será uma etapa de 74 quilómetros, com o mesmo horário das anteriores, com partida e chegada na sede do concelho de onde é natural Joaquim Agostinho. A dupla passagem no seletivo circuito que já se tornou tradicional no Troféu Joaquim Agostinho prevê-se decisiva.


Mais eventos oficiais

27 a 29 de julho: Volta à Madeira em Bicicleta

28 de julho: BTT Trilhos Escondidos, Vila Nova de Famalicão

28 de julho: 5.º Encontro de Escolas da Beira Litoral, Ovar

28 de julho: Circuito de Ciclismo de A-do-Barbas, Maceira, Leiria

28 de julho: 4.ª Prova do Troféu 7 Colinas, Lisboa

28 de julho: Altimetria Ribeirinho Race, Faro

28 de julho: Maratona BTT da Ilha de Santa Maria, Açores

29 de julho: Campeonato de XCO do Porto, Maia

29 de julho: Maratona BTT de Oliveira do Hospital

29 de julho: Raid BTT de Turquel, Alcobaça

29 de julho: Taça de Ciclismo da Ilha do Pico, Açores

29 de julho: Taça de Ciclismo da Ilha do Faial, Açores

30 de julho: Circuito de Ciclismo das Festas de Lousada

31 de julho a 4 de agosto: Campeonato Mundial Universitário de Ciclismo, Braga, Fafe e Guimarães

Fonte: FPC

“Campeonato da Europa de XCO”

Equipa Portugal com seis corredores no Europeu de XCO

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal compete com seis corredores no Campeonato da Europa de Cross Country Olímpico (XCO) para sub-23 e juniores, que se realiza em Graz, Áustria, no próximo domingo.

O selecionador nacional de BTT, Pedro Vigário, convocou os sub-23 Bruno Silva (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), João Rocha (Rodabike/ACRG/Gondomar) e Marta Branco (Maiatos/Reabnorte), e os juniores Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), Rafael Rita e Rodolfo Serafin (BTT Loulé/Elevis).

O programa de competições arranca com a prova feminina de juniores, às 8h00, seguindo-se a corrida de juniores masculinos, às 10h00, a prova feminina de sub-23, às 12h00, e a corrida masculina de sub-23, às 14h00.

“Estamos a trabalhar os nossos corredores desde o início da época, tendo sempre esta competição em mira, enquanto grande objetivo da temporada”, conta Pedro Vigário.

O selecionador nacional tem, no entanto, noção de que a tarefa dos pupilos será exigente. “Os seis corredores são muito jovens e vão estrear-se em Campeonatos da Europa. Mais importante do que os resultados absolutos que venham a conseguir é o processo e a evolução que denotam ao longo do ano”, explica o responsável técnico.

Graz recebe agora o Campeonato da Europa de Sub-23 e Juniores, num teste para o Campeonato da Europa de Elite, Sub-23 e Juniores e irá acolher em 2020.

Fonte: FPC

“Fafe recebe a última etapa do Campeonato do Minho de BTT Maratonas - AFA Cycles”

O concelho de Fafe recebe no dia 16 de setembro a última etapa do Campeonato do Minho de BTT XCM - AFA Cycles que será decisiva para a atribuição dos títulos de Campeões do Minho de Maratonas.

A Rota da Vitela também se destina a praticantes desportivos informais que participam em atividades numa perspetiva de lazer, estando previstos percursos de Maratona e Passeio. As inscrições podem ser efetuadas online (www.acm.pt)

Organizada pelo Clube de Ciclismo - Fafe a Pedalar, em parceria com a Associação de Ciclismo do Minho, a Rota da Vitela será disputada em trilhos do concelho de Fafe, começando e terminando no centro da cidade. A partida está marcada para as 10h00, tendo o percurso da Maratona a extensão de 70 quilómetros e do passeio 40.

Aberta à participação de todos os interessados, independentemente de serem ou não atletas federados, a Roya da Vitela prevê a inscrição nas habituais categorias de competição, de lazer e de paraciclismo, estando contemplados percursos de Maratona e Passeio.

A participação na Maratona tem o custo de 10 euros e no passeio de 8 euros, havendo a possilidade de inscrição com almoço com  valor adicional de 10 euros. Ss inscrições podem ser formalizadas no site da Associação de Ciclismo do Minho (www.acm.pt).

A Rota da Vitela tem o apoio da Câmara Municipal de Fafe, Freguesia de Fafe, Bombeiros Voluntários de Fafe, Federação Portuguesa de Ciclismo, AFAcycles, Cision, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, Transnos, RTI - Isolamentos, BikeSmile, Casa Saúde Guimarães, Água São Martinho, Cleimag, Vinha da Rita, Foto Rodrigo, RumaBor, Like Bike, Grupo Celeste, Turbotest, Jucar, Cadeinor, Montelongo - Transportes, Petro Basto, PGTEX Europa - Malhas, Fisioperform, J. M. Moniz Rebelo e PLB - Publicidade.

Fonte: ACM

“Minho recebe os Mundiais de Ciclismo Universitário”

A região do Minho acolhe, de 31 de julho a 4 de agosto, os Campeonatos do Mundo de Ciclismo Universitário () promovidos conjuntamente pela Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) e pelos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho (SASUM), em parceria com a Associação de Ciclismo do Minho, Federação Portuguesa de Ciclismo e FADU – Federação Portuguesa de Desporto Universitário.

Braga, Guimarães e Fafe são as cidades onde serão atribuídos os títulos mundiais universitários de Ciclismo de Estrada (fundo e contrarrelógio), BTT Cross Country Olímpico e BTT Down Hill.

Naquela que será a maior participação de sempre em mundiais de ciclismo universitário, cerca de duas centenas de atletas, em representação de 20 países, participarão na sétima edição da competição internacional. A Europa é o continente com maior representação, seguindo-se a Ásia e África, Oceânia e América.

Braga acolherá, além das cerimónias de abertura e de encerramento, as provas de contrarrelógio individual (31 de julho) e o início e final das corridas de fundo (4 de agosto), cujos percursos (masculino e feminino) incluem passagens por Guimarães e Póvoa de Lanhoso.

O Centro de Ciclismo do Minho - Guimarães (Souto Santa Maria) será o local de realização das provas de BTT Cross Country Olímpico (1 de agosto) enquanto Fafe recebe a competição de Down Hill (3 de agosto) que será disputada em Armil, na renovada pista do Monte de São Salvador que já acolheu diversas competições do Minho, nacionais e internacionais.

Rui Vieira de Castro, Reitor da Universidade do Minho, considerou na cerimónia de apresentação dos Mundiais de Ciclismo Universitário que a competição “traduz a manifestação de disponibilidade da Universidade do Minho para acolher grandes eventos”, salientando que, apesar da “visibilidade” ter “efeito interessante”, “o essencial, quando organizamos estes eventos, é termos presente que aquilo que estamos fazer é criar condições para uma formação mais adequada, para uma melhor formação das pessoas. É sobretudo isso que nos deve mover”.

Nuno Reis, Presidente da AAUM e Presidente do Comité Organizador, considerou os Mundiais de Ciclismo Universitário “uma competição exigente” do ponto de vista organizativo e formulou o desejo de que a “Academia possa ter uma elevada participação, sobretudo no âmbito do voluntariado e na contribuição para o legado e desenvolvimento do desporto e do ciclismo”. “Para além de ser a primeira vez que recebemos o Mundial em Portugal, é também a primeira vez que conseguimos juntar três autarquias (Braga, Guimarães e Fafe) na mesma organização de uma competição desportiva académica, o que representa um esforço conjunto em prol do Desporto Universitário”, referiu o dirigente aquando da apresentação do evento.

“Este campeonato mundial de ciclismo muito acrescenta ao país, à FADU e, sobretudo, ao desporto universitário nacional”, salientou na ocasião Pedro Castro, Vice-Presidente da FADU.

José Luís Ribeiro, Presidente da Associação de Ciclismo do Minho que integra o Comité Organizador também em representação da Federação Portuguesa de Ciclismo, afirmou que “as sementes do Mundial de Ciclismo Universitário no Minho, para além do impacto desportivo e na região, contribuirão para uma desejável aproximação entre o meio universitário e o meio desportivo federado”.

“O evento não só potenciará o desenvolvimento da modalidade como contribuirá para ampliar a mensagem de que as carreiras duais são possíveis e desejáveis”, afirmou o dirigente desportivo defendendo ser “fundamental que os jovens que estão no desporto federado e que equacionam abandonar os estudos, percebam a importância de os prosseguirem e entendam que podem compatibilizar a carreira académica com a prática desportiva”.

“Nesse particular”, prosseguiu, “a Universidade do Minho é um exemplo, sendo até difícil encontrar melhor descrição do que a que consta do preâmbulo do projeto Tutorum (Programa de Apoio Tutorial aos Estudantes Atletas de Alta Competição da Universidade do Minho): “O estudo e o desporto complementam-se e potencializam-se reciprocamente na formação do indivíduo”.

O dirigente desportivo, ao salientar que “a região do Minho tem o privilégio de acolher uma competição mundial” (que “será, certamente, bem disputada em todas as vertentes”), formulou o desejo de que os Mundiais de Ciclismo Universitário sejam “um sucesso e um momento marcante a todos os níveis, no qual o apoio da população aos atletas e a demonstração da ‘arte minhota de bem receber’ seja uma realidade”.

Recorde-se que Portugal participou pela primeira vez num Mundial Universitário de ciclismo em 2006, através do ciclista vimaranense José Mendes, aluno da Universidade do Minho (Engenharia Eletrónica Industrial) que integra atualmente o pelotão profissional da modalidade representando a equipa Burgos - BH.


PROGRAMA GERAL www.wuccycling2018.uminho.pt 


30 de julho (segunda-feira)

18h30: Cerimónia de abertura (Braga)


CICLISMO DE ESTRADA - CONTRARRELÓGIO (Femininos: 18 kms / Masculinos: 27 kms)

31 de julho (terça-feira)

Braga > Braga (Rua José Afonso Machado > Variante do Fojo > Rua José Afonso Machado)

Partida: 14h00 (1º corredor)

Treinos: 31 de julho (09h00 às 12h00)


BTT XCO (Femininos / Masculinos)

1 de agosto (quarta-feira)

Centro de Ciclismo do Minho - Guimarães (Souto Santa Maria)

Partida: 10h30 (femininos) e 14h30 (masculinos)

Treinos: 31 de julho (10h00 às 17h00)


BTT DHI (Femininos / Masculinos)

3 de agosto (sexta-feira)

Armil - Fafe

Manga Qualificação: 14h00

Manga Classificação: 16h00

Treinos: 1 de agosto (10h00 às 12h00 e 14h00 às 17h00) e 3 de agosto (10h00 às 12h00)
 

CICLISMO DA ESTRADA - PROVA EM LINHA (Femininos: 89,2 kms / Femininos: 121 kms)

4 de agosto (Sábado)

Braga > Braga (Rua da Estrada Nova)

Partida: 08h55 (femininos) e 13h55 (masculinos)

Chegada: 11h20 (femininos) e 17h12 (masculinos)
 

Reconhecimento percurso: 1 de agosto (14h00 às 17h00)

4 de agosto (sábado)

19h30: Cerimónia de encerramento (Braga)

Fonte: ACM

“DANIEL DE ALTO NÍVEL NA ESTREIA DA NACIONAL 2”

Texto: AfterTwo //works

Fotos: Jacintha Amorim, Helena Dias e João Fonseca

Daniel Silva foi o 19º atleta mais rápido na estreia da nova competição nacional de ciclismo que percorreu os 738 quilómetros da Nacional 2, a mais longa estrada da europa e terceira maior do mundo, que liga as extremidades do território português numa viagem fascinante entre Chaves e Faro.

O ciclista algarvio da Sicasal-Constantinos-Delta Cafés esteve sempre ao mais alto nível durante as cinco etapas da prova, rolando com bastante maturidade entre a elite dum pelotão internacional já com ritmo de Volta a Portugal, prova que dá as primeiras pedaladas no próximo dia 1 de agosto em Setúbal.

Numa competição que teve como vencedor Raul Alarcon da W52 FC Porto, precisamente o herói da última edição da maior prova velocipédica portuguesa, os atletas da formação de Torres Vedras tiveram uma atitude indicadora de grande evolução e sentido de equipa, fazendo antever a possibilidade dum futuro risonho no ciclismo profissional.

Mesmo com muita altimetria nas duas primeiras etapas, a prova desenvolveu-se sempre a alta velocidade, atingindo médias superiores a 45 quilómetros por hora nos dois últimos dias. Os jovens atletas aguentaram bem a pressão e não fora alguns condicionalismos de ordem física e poderiam ter alcançado uma classificação coletiva de maior sucesso.

Marvin Scheulen iniciou a prova ainda em recuperação de um pequeno problema de saúde que o vinha a afetar desde o início da semana, impossibilitando-o de estar ao seu melhor nível. O ciclista de Almada terminou a prova na 112ª posição. Diogo Sardinha foi vitimado por uma queda logo ao quilómetro quatro da terceira etapa, que resultou em várias escoriações no corpo e fortes dores no cotovelo.

Ainda assim, o atleta Sintrense não desistiu e após pronta assistência do seu staff e da equipa médica do evento, voltou à corrida, recolou ao pelotão e terminou a etapa a nove minutos do vencedor. Apesar das mazelas impeditivas de um melhor desempenho, Sardinha terminou a prova na 94ª posição, a mesma que ocupava antes do incidente.

Já Tiago Henriques, que também foi vítima de queda mas na etapa 4, não teve a mesma sorte, tendo terminado ali a resistência deste atleta de Alenquer que faz em 2018 a sua estreia na categoria sub-23. Marcelo Salvador também esteve em excelente plano, fazendo uma prova muito regular que lhe valeu a 43ª posição na tabela classificativa.

Francisco Morais continua a evoluir muito positivamente e foi um dos grandes protagonistas da quinta e última etapa ao integrar uma fuga a três que durou cerca de 40 quilómetros. O jovem atleta de Pêro Pinheiro terminou a competição na 105ª posição da geral. Hélder Miranda, diretor desportivo da equipa, fez assim a sua leitura da prova: " para mim foi a corrida mais consistente que a equipa fez esta época.

Estiveram sempre bem colocados no pelotão e bastante unidos em defesa da melhor classificação possível do Daniel e ainda disponíveis para entrar na batalha das fugas todos os dias, com sucesso em algumas. Saímos desta competição com a confiança de podermos fazer uma grande Volta a Portugal do Futuro, nosso maior objetivo da época "   

 Fonte: Academia Joaquim Agostinho

“Chronopost aposta em bicicletas elétricas para distribuir encomendas em Lisboa”

Por: Sara Mota

Depois de Toulouse e Nuremberga, Lisboa foi a próxima cidade a receber as Cargo Bike, bicicletas elétricas que a Chronopost utiliza para entregar encomendas no centro das cidades. Este projeto-piloto, que envolve a utilização de bicicletas elétricas como meio de transporte, vai permitir desenvolver uma nova abordagem sustentável na forma como as encomendas são entregues no mercado nacional.

A Chronopost, empresa líder no mercado doméstico do transporte expresso, explica que o projeto-piloto, inserido na área da mobilidade urbana sustentável, arrancou em Fevereiro, na zona do Parque das Nações em Lisboa, com duas bicicletas elétricas. Durante os primeiros dez dias as bicicletas elétricas distribuíram encomendas apenas no período da manhã, tendo sido entregues 187 volumes em 142 visitas. A caixa de transporte da bicicleta tem capacidade para 0,25 m3, mas o número de encomendas que pode levar depende sempre do volume das caixas.

David Pinhol, responsável da Chronopost pela área de Urban Logistics, sublinha que “as bicicletas de transporte são hoje uma alternativa real aos veículos de entrega convencionais, especialmente em centros urbanos onde a mobilidade está cada vez mais condicionada. No caso concreto do projeto-piloto em Lisboa, devido às características geográficas da nossa cidade, os condutores tiveram um desafio adicional na locomoção, nomeadamente nas subidas e descidas de passeios. Contudo, o balanço dos testes é bastante positivo”.

O projeto, que se insere no âmbito do programa DrivingChange do DPDgroup, vai continuar em fase experimental, de forma a apurar mais alguns dados relevantes para a atividade da Chronopost. No entanto, o objetivo é alargar esta solução de mobilidade a outras cidades portuguesas. De acordo com estudos realizados pelo DPDgroup a utilização destes veículos significa uma real redução de CO2 por ano, bem como um aumento na eficiência da distribuição de correio expresso nas grandes cidades, onde o trânsito é caótico e os estacionamentos inacessíveis aos locais de entrega.

“Tendo em conta possíveis restrições iminentes de acesso aos grandes centros urbanos, o desenvolvimento de soluções logísticas sustentáveis tem vindo a tornar-se cada vez mais importante. Nas ruas movimentadas e muitas vezes estreitas no centro das cidades, essas bicicletas são mais práticas e eficientes do que as carrinhas tradicionais de entrega. Além disso, as bicicletas de transporte não produzem emissões nocivas ao ambiente e, consequentemente não geram partículas nocivas para o meio ambiente. Como tal, defendemos que a bicicleta é um dos transportes mais ecológicos e uma alternativa viável às formas mais convencionais de fazer entregas nas cidades”, refere David Pinhol.

 

Projeto global de mobilidade sustentável do DPDgroup

Demonstrando uma gestão focada na sustentabilidade e uma preocupação com o meio ambiente, o DPDgroup lançou os primeiros projetos que envolviam bicicletas em 2016 e 2017. Em Toulouse (França), a Chronopost estabeleceu uma parceria com a Alternmobil, uma empresa especialista em mobilidade elétrica que garante uma entrega eficiente no quilómetro final, para realizar as entregas no centro da cidade com bicicletas ou pequenos carros elétricos. Também na Eslovénia o DPDgroup adquiriu um novo tipo de veículos – a DPD Bike – para entregar encomendas no centro da cidade de Lujbljana.

Mais recentemente, o DPDgroup escolheu a cidade de Nuremberga para testar a utilização de três bicicletas de transporte eletricamente assistidas em diferentes áreas residenciais do centro da cidade. Neste caso em concreto, o projeto-piloto está sob a supervisão científica da Universidade Técnica de Nuremberga. Cada bicicleta de transporte pode substituir totalmente um veículo comercial de entrega convencional, tendo a caixa de transporte da bicicleta uma capacidade de 0,25 m³. Até ao momento, o DPDgroup já entregou mais de 80 mil encomendas em bicicletas elétricas. A empresa assume que, graças ao uso de cinco e-bikes, foi possível substituir quase a mesma quantidade de veículos de entrega tradicionais.
 

Sobre a DPDgroup

DPDgroup é a segunda maior rede de entrega de encomendas internacionais na Europa. Combina tecnologias inovadoras e experiência local para oferecer serviços simples e flexíveis quer a expedidores, quer a destinatários. Através do Predict, o DPDgroup estabeleceu novos standards de serviço, ao colocar os clientes no centro do processo de entrega.

Com 60.000 colaboradores e uma rede de 36.000 pontos Pickup, o DPDgroup entrega 4,8 milhões de encomendas diariamente em 230 países, através das suas marcas: DPD, Chronopost e SEUR.

DPDgroup é a rede de entrega de encomendas da GeoPost, a qual apresentou receitas de €6.8 mil milhões em 2017. A GeoPost é uma holding detida pelo Grupo La Poste.


Sobre a Chronopost

A Chronopost Portugal, empresa líder no mercado doméstico do transporte expresso, detém 13 estações (Vila Real, Porto, Guarda, Viseu, Coimbra, Leiria, Torres Novas, Póvoa de Santa Iria, Lisboa, Corroios, Évora, Faro e Funchal) e uma frota própria de 400 viaturas de distribuição e 10 viaturas pesadas. Emprega 800 colaboradores.

Fonte: Chronopost International Portugal

“RAÚL ALARCÓN VENCEDOR DO GP NACIONAL 2”

João Matias conquistou a última etapa da prova

Por: Lusa

Foto: LUSA

O português João Matias (Vito-Feirense-BlackJack) venceu este domingo a quinta e última etapa do Grande Prémio Nacional 2, enquanto o espanhol Raúl Alarcón (W52-FC Porto) confirmou o triunfo na geral.

Matias foi o mais rápido nos 142,8 quilómetros que ligaram Ferreira do Alentejo a Faro, numa tirada que foi decidida ao sprint.

Rafael Silva (Efapel) e Yannis Yssaad (Caja Rural-Seguros-RGA) ficaram na segunda e terceira posições, respetivamente.

Raúl Alarcón terminou dentro do pelotão e confirmou a vitória final, depois de ter vestido a camisola amarela logo após a primeira etapa.

O espanhol ficou à frente dos seus compatriotas Mário González (Sporting-Tavira), a 2.39 minutos, e David de la Fuente (Aviludo-Louletano-Uli), a 2.49.

Fonte: Record on-line

“Efapel Nacional 2/Rafael Silva em segundo na chegada a Faro”

          Sprint valeu o segundo posto na última etapa da prova que percorreu a N2

          Rafael Silva concluiu a prova na sétima posição da geral individual

          Equipa EFAPEL aponta baterias para a Volta a Portugal

O quinto e último dia do Grande Prémio Portugal Nacional 2 foi aquele em que a Equipa EFAPEL esteve mais perto da vitória. Rafael Silva discutiu o sprint na chegada a Faro, depois de quase 150 quilómetros percorridos, e foi o segundo a cruzar a meta, só batido por João Matias. Na geral individual, o ciclista da formação liderada por Américo Silva concluiu esta competição de cinco dias no sétimo posto, a 2m55s do camisola amarela, Raul Alarcon.

Pela primeira vez, o pelotão internacional percorreu, ao longo de cinco etapas, a estrada mais longa da Europa. No último dia, os ciclistas partiram de Aljustrel e chegaram a Faro. Nesta jornada, com 143,2 quilómetros, a média de velocidade foi, de novo, muito elevada. Tal como na véspera, ficou acima dos 45 km/h.

Além de Rafael Silva, destaque para Bruno Silva que fechou no 17º lugar da geral. O ciclista da EFAPEL também esteve em bom plano, em particular no dia de ontem, quando integrou a fuga que vingou no final. A nível colectivo, a Equipa EFAPEL completou os cinco dias de corrida e ficou no quarto posto.

Concluída esta prova velocipédica, o pelotão faz uma pausa de duas semanas para voltar a correr na mais importante competição do ano. De 1 a 12 de Agosto vai para a estrada a 80ª edição da Volta a Portugal.

Fonte: Efapel

“A equipa de ciclismo, participou no dia 22 de junho, no 1 circuito transwhite”

Depois de a ASFIC – Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic ter estado em evidência na vila de Grândola, vencendo coletivamente e individualmente as 2 provas, hoje, a equipa deslocou-se a freguesia do Nadadouro, para participar no 1 circuito Transwhite, prova federada e organizada pela Associação de ciclismo de Santarém.

 A ASFIC participou nesta prova, com menos 3 atletas da sua formação, Edgar Oliveira e Fábio Leaça, estão afastados da competição por tempo ainda indefinido, resultado de uma queda ocorrida no circuito de Grândola. Já Claudio Paulinho, não participou por motivos pessoais.

Assim, a equipa da ASFIC estava composta por 9 atletas: Rui Rodrigues, Jorge Letras, João Portela, Hugo Feijão, Aníbal Santo, João letras, Luís vicente, Pako Ochoa e Humberto Careca.

O circuito foi composto por 25 voltas de 2,5km, num percurso bastante duro e com alguma dificuldade técnica.

A partida para os cerca de 60 atletas de várias equipas foi dada cerca das 16horas, e logo no inicio o pelotão rodou num ritmo forte, tendo a ASFIC iniciado a corrida logo ao ataque, na tentativa fazer uma seleção de atletas e entrar numa fuga que permitisse a vitória da equipa.

Inicialmente a equipa atacou com o João Portela, e posteriormente já com um grupo de atletas selecionado, pela passagem da 5 volta, João Letras atacou forte para se tentar isolar, levando consigo outro atleta de outra equipa, para companhia de fuga.

João letras andou cerca de 3 voltas acompanhado na fuga, mas o atleta que estava consigo não conseguiu acompanhar o João Letras numa subida, dando um pouco de espaço o que o levou a perder o contacto com o atleta da ASFIC.

João letras fez assim uma fuga a solo para a vitória durante 17 voltas, ficando o seu companheiro inicial de fuga, também a solo e intermédio com outro grupo composto de 5 atletas, este também com algum avanço para o pelotão, e onde se encontravam mais 3 atletas da ASFIC a tentar controlar o grupo.

João Letras viria a ter um percalço a 3 voltas do fim, vitima de um furo na roda dianteira, ainda assim, a distância confortável que tinha de vantagem para o atleta intermédio e a rápida resposta dos colegas de equipa, que haviam deixado o pelotão e encostado, permitiu a troca da roda e continuar em fuga isolado, terminado a prova com a vantagem de cerca de 2 minutos para o atleta intermédio, o 2 classificado.

O grupo intermedio dos 5 atletas, chegou com cerca de 2m30 de desvantagem para o João Letras, tendo João Portela cortado a meta em 4º lugar, Jorge Letras em 5º e Humberto Careca em 7º. Hugo Feijão cortou a meta na 10 posição.

A ASFIC venceu o primeiro circuito Transwhite, coletivamente e individualmente, e ainda nos escalões master 30 / 40.

A ASFIC venceu também o premio de o atleta com o maior numero de voltas, a passar a meta no 1º lugar.

João Letras, actual campeão regional de Santarém, nas provas federadas da Associação de de Ciclismo de Santarém, veste um equipamento com a publicidade da ASFIC, mas de cor branca e lista azul ao meio.

 Os atletas da equipa, dedicam a vitória ao seu companheiro de equipa, Edgar Oliveira, que se encontra em casa, mas debilitado com dores resultantes da queda sofrida.

ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC
 

“Campeonato Nacional de Cross Country Olímpico (XCO)”

Ricardo Marinheiro e Joana Monteiro campeões em Marrazes

Por: José Carlos Gomes

Ricardo Marinheiro (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) e Joana Monteiro (Brujula Bike Racing Team) venceram as provas de elite do Campeonato Nacional de Cross Country Olimpico (XCO), disputadas na pista de Marrazes, Leiria.

A ausência do lesionado David Rosa, vencedor de oito das nove últimas edições do Campeonato Nacional, abriu a porta ao surgimento de novos protagonistas entre a elite masculina. Ricardo Marinheiro assumiu a cabeça de corrida desde as pedaladas iniciais e não deixou escapar a oportunidade de sagrar-se campeão nacional, impondo-se em solitário.

A luta pelas restantes posições no pódio foi eletrizante, assistindo-se a constantes mudanças ao longo da prova. José Dias (DMT Racing Team) fez cerca de metade da corrida a marcar de perto Ricardo Marinheiro, mas partiu o guiador e desistiu. Mário Costa (Brujula Bike Racing Team), que furou no início, conseguiu recuperar, chegando ao segundo posto, a 1m53s de Ricardo Marinheiro. Rúben Almeida (BTT Seia), que também teve uma prestação em crescendo, foi o terceiro, a 2m58s.

Joana Monteiro prolongou o domínio pessoal no panorama português de XCO, alcançando o quarto título nacional consecutivo na categoria de elite. Fê-lo em grande estilo, distanciando-se das rivais desde o início da competição para terminar com uma folgada vantagem de 3m04s sobre a segunda classificada, Daniela Pereira (Saertex Portugal/Edaetech), e de 4m41s face à terceira, Ângela Gonçalves (BTT Seia).

João Rocha (Rodabike/ACRG/Gondomar) reinou entre os sub-23, fazendo uma corrida sempre na dianteira. Miguel Salgueiro (Maiatos/Reabnorte) foi o segundo classificado, a 1m30s, enquanto o azarado Bruno Silva (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), vítima de problemas mecânicos, conseguiu a terceira posição, a 3m02s do vencedor.

Marta Branco (Maiatos/Reabnorte) não deu qualquer hipótese às restantes sub-23 em pista, vencendo com 16m26s de vantagem sobre Débora Figueiredo (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) e com 18m22s sobre Beatriz Lopes (AEBTT Rio/Mr. Pint), segunda e terceira, respetivamente.

A corrida de juniores masculinos foi palco de um intenso despique entre Guilherme Mota (CPR A-do-Barbas) e Rafael Rita (BTT Loulé/Elevis), que se adiantaram à concorrência e levaram o mano a mano até à meta. Guilherme Mota, que se tem destacado como um dos melhores juniores nacionais na estrada, mostrou que também deve ser tido em conta no XCO, ganhando a corrida. Rafael Rita foi segundo, com o mesmo tempo. Rodolfo Serafin (BTT Loulé/Elevis) foi o terceiro, a 1m16s.

Já no setor feminino foi clara a superioridade de Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), que venceu destacada a corrida júnior. O pódio completou-se com Ana Fernandes (Ass. 20 Km Almeirim/Restaurante O Forno), a 7m21s, e com Jéssica Costa (ASC/Focus Team/Vila do Conde), a 9m41s.

O BTT Loulé/Elevis dominou as corridas de cadetes, vencendo no setor masculino por intermédio de Diogo Neves e no setor feminino através de Daniela Campos.

Marrazes também coroou seis campeões nacionais nas categorias de veteranos: os masters 30 André Filipe (CPR A-do-Barbas) e Raquel Marques (ASC/Focus Team/Vila do Conde), os masters 40 Davide Inácio (Automóveis Ribeiro/GDVP) e Filomena Paulo (Róódinhas/Santos Silva), o master 50 Rodolfo Lopes (ASC/Focus Team/Vila do Conde) e o master 60 Carlos Cabrita (BTT Loulé/Elevis), único ciclista desta categoria presente na prova.

A correr em casa, Fábio Luiz (Marrazes/Gui/Brejinho/Bike Zone Leiria) bateu a concorrência na prova de paraciclismo.

O BTT Loulé/Elevis ganhou a classificação por equipas.

Fonte: FPC

“CAMPEOBATO DA EUROPA DE TRIATLO EM TARTU”

RICARDO BATISTA BRILHA NA ESTÓNIA

Por: Paulo Vieira

RICARDO BATISTA conquistou um brilhante 4ºLUGAR no CAMPEONATO DA EUROPA DE TRIATLO realizado na cidade de Tartu na Estónia, na passada sexta-feira, 20 de Julho, ao serviço da Seleção Nacional de Triatlo em Juniores, e no domingo, 22 de Julho, integrou a equipa que venceu categoricamente a prova de estafetas mistas incluída neste Campeonato da Europa de Triatlo, conquistando para Portugal a MEDALHA DE OURO. Excelentes resultados para o triatlo português com a conquista deste título europeu, e para o TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS.

RICARDO BATISTA confirmou que se encontra num excelente momento de forma ao conquistar o 4ºlugar no Campeonato da Europa de Triatlo realizado na Estónia, a apenas 5 segundos da medalha de bronze, depois de alcançar também um excelente resultado no início deste mês de Julho, a medalha de bronze na Taça da Europa de Juniores realizada em Holten na Holanda.

RICARDO BATISTA realizou uma excelente natação ao sair na 6ªposição da água, e posicionou-se bem no 1ºgrupo no segmento de ciclismo. Foi neste segmento que se decidiu esta competição, com 2 atletas destacarem-se a meio do percurso, o norueguês Vetle Thorn e o alemão Tim Hellwig, conquistando a medalha de ouro e a de prata respetivamente. RICARDO BATISTA lutou até ao fim pela medalha de bronze com o húngaro Csongor Lehmann, e realizou o 2ºmelhor tempo no segmento de corrida, concluindo a sua prova com um tempo de 54m21s.

PAULO ANTUNES técnico na ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS, que integra também a equipa técnica da Seleção Nacional de Triatlo, comenta que RICARDO BATISTA fez uma prova extraordinária, e sente um orgulho imenso, pois são poucos os que realmente têm noção do trabalho e compromisso diário que este atleta teve durante os últimos anos, para chegar a este nível.

Também nesta competição esteve presente outro atleta torrejano a representar a Seleção Nacional de Triatlo. JOSÉ PEDRO VIEIRA também realizou um bom de segmento de natação, ao sair na 10ªposição, e conseguiu integrar o 1ºgrupo de ciclismo. No entanto, este segmento que tinha um percurso bastante seletivo, o que não permitiu a José Pedro Vieira chegar ao parque de transição integrado no pelotão da frente para a corrida, terminando a sua prova no 32ºlugar com um tempo de 57m20s.

Entretanto, estes 2 atletas torrejanos vão rumar até à Republica Checa, para representarem mais uma vez a Seleção Nacional de Triatlo em Juniores, em mais uma Taça da Europa de Triatlo em Tabor, que se realiza no próximo domingo, dia 29 de julho.

Fonte: ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS