quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

“SKY JÁ TEM A DEFESA DE CHRIS FROOME PREPARADA”

A Sky, equipa de ciclismo que Chris Froome representa, já completou o estudo farmacocinético que vai apresentar como defesa do ciclista britânico que acusou positivo num controlo antidoping. De acordo com o jornal espanhol AS, a equipa pretende comprovar que o ciclista não utilizou doping, mas si que o organismo de Froome não mebolizou bem o salbutamol, substância detetada no controlo antidoping da Volta a Espanha-

Frooem tem uma isenção terapêutica por ser asmático. A Fundação Antidopagem da União Ciclista Internacional (UCI) vai agora estudar o relatório e determinará se vai existir uma sanção. Caso seja sancionado, Froome perderia a sua primeira Vuelta para Vincenzo Nibali.

Fonte: Sapo on-line

“Lance Armstrong diz que imagem de Chris Froome está manchada para sempre”

Norte-americano, admite, no entanto, que todo este clima de suspeição se deve muito a ele próprio

Por: Lusa

Foto: Reuters

O antigo ciclista norte-americano Lance Armstrong disse que a imagem do britânico Chris Froome vai ficar manchada para sempre, devido ao controlo antidoping adverso, mesmo que as quatro vezes vencedor do Tour seja ilibado.

"Sou a última pessoa que poderia falar sobre esta situação", começou por dizer Armstrong no seu 'podcast' sobre ciclismo, aludindo ao controlo antidoping adverso de Froome, com a presença do broncodilatador salbutamol acima do admitido para uso terapêutico, numa análise à urina feita a 7 de setembro, durante a última edição da Vuelta.

Armstrong, que foi desapossado de sete triunfos no Tour, por doping, disse estranhar o desenrolar do caso do britânico, que a União Ciclista Internacional (UCI) anunciou no passado dia 13 de dezembro. "Atendendo ao processo, ele deve ter a possibilidade de explicar o que aconteceu. Ele até pode ser completamente ilibado, mas está manchado para sempre. O estrago está feito", frisou.

No episódio de 45 minutos, o norte-americano ainda admitiu parte da culpa pela imagem da modalidade: "O ciclismo é o capacho do desporto mundial e, a propósito, tenho de dizer: Eu tenho muita culpa disso."

"Sim, sou grande responsável por isso, estou a tentar arcar com algumas responsabilidades aqui, porque manchei a modalidade, claro", referiu Armstrong, defendendo Froome de um artigo publicado no New York Times: "Ao ler, ficas com a ideia de que o Froome toma EPO ao pequeno-almoço e isso não é assim, não é justo para ele."

Armstrong advertiu ainda para a demora na resolução do caso, e para as dificuldades que Froome terá de enfrentar. "Esta investigação pode durar meses. Correndo em julho, em França, vai ser um pesadelo. E eu sei como é", rematou.

Froome, vencedor da Volta a Espanha em bicicleta de 2017, disse ter "seguido os conselhos do médico da equipa" Sky, para aumentar a dosagem face ao agravamento da sua asma.

"É do conhecimento público que tenho asma e eu conheço detalhadamente as regras. Eu utilizo um inalador para atenuar os sintomas (sempre dentro dos limites permitidos) e sei que sou, obviamente, controlado em cada dia que uso a camisola de líder", referiu Froome, acrescentado ter fornecido à UCI "toda a informação solicitada".

Segundo a equipa Sky, "as análises indicam a presença de salbutamol a uma concentração de 2.000 nanogramas por mililitro", o dobro do autorizado pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

O organismo acrescentou que, atendendo à substância em causa, o corredor não incorre numa suspensão provisória obrigatória. Salbutamol é utilizado para tratar doenças como asma ou doença pulmonar obstrutiva crónica, podendo também ser usado como doping para melhorar a resistência.

O tetracampeão do Tour, de 32 anos, venceu pela primeira vez a Volta a Espanha, depois de dois segundos lugares, em 2011 e 2014, à frente do italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Merida), segundo classificado, e do russo Ilnur Zakarin (Katusha Alpecin), terceiro.

Froome, que pode perder o título da corrida espanhola e arrisca uma suspensão, anunciou recentemente a vontade de disputar a edição de 2018 da Volta a Itália, para conquistar uma terceira 'Grande Volta' seguida.

Fonte: Record on-line

“Volta ao Algarve/Recorde de equipas WorldTour na edição de 2018”

Por: José Carlos Gomes

A 44.ª Volta ao Algarve, na estrada entre 14 e 18 de fevereiro de 2018, vai contar com 13 equipas do WorldTour, o maior número de formações de primeira divisão que alguma vez competiu na prova portuguesa.

Depois de em 2017 ter sido a corrida 2.HC com mais equipas WorldTour, a Volta ao Algarve continuará, em 2018, a afirmar-se como um dos melhores eventos desportivos portugueses e como uma das provas de referência do circuito europeu de ciclismo. Mais de metade do pelotão de 25 equipas será composto por coletivos da primeira linha internacional.

Entre as equipas confirmadas estão a seis melhores do ranking mundial de 2017: Team Sky (GBR), Quick-Step Floors (BEL), BMC Racing Team (USA), Team Sunweb (GER), Trek-Segadredo (USA) e Movistar Team (ESP). A estas juntam-se Bora-hansgrohe (GER), FDJ (FRA), Lotto NL-Jumbo (NED), Lotto Soudal (BEL), Team Dimension Data (RSA), Team Katusha Alpecin (SUI) e UAE Team Emirates (UAE).

A escolha das equipas continentais profissionais para a 44.ª Volta ao Algarve teve dois critérios fundamentais. Foram escolhidas as duas melhores equipas do ranking continental europeu de 2017, Wanty-Groupe Gobert (BEL) e Cofidis, Solutions Crédits (FRA), assim como a equipa que é, tradicionalmente, a porta de entrada de corredores portugueses no pelotão internacional, Caja Rural-Seguros RGA (ESP).

O prestígio internacional da Volta ao Algarve faz desta corrida uma “montra” importante para as equipas portuguesas. Com o objetivo de dar aos coletivos nacionais uma oportunidade de se baterem com adversários de elevado nível, a organização da Volta ao Algarve, a cargo da Federação Portuguesa de Ciclismo, convida todas as equipas continentais lusas: Aviludo-Louletano, Efapel, LA Alumínios, Liberty Seguros-Carglass, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, Vito-Feirense-BlackJack e W52-FC Porto.

Percurso tradicional

O pelotão de 175 corredores vai encontrar um percurso de cinco etapas, que dará oportunidades a todo o tipo de corredores. A prova arranca com uma ligação de 192,6 quilómetros, entre Albufeira e Lagos, que se prevê decidida ao sprint. A segunda etapa será o primeiro teste à condição física dos candidatos, levando a caravana de Sagres até ao alto da Fóia, ao longo de 187,9 quilómetros. A meta coincide com o ponto mais alto do Algarve, que será alcançado através de uma subida de 15,2 quilómetros, com inclinação média de 5 por cento.

Lagoa recebe a partida e a chegada da terceira etapa, um contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, num percurso para especialistas, que inclui alguns topos que ajudarão a fazer diferenças.

A quarta etapa é a mais longa da competição, 199,2 quilómetros entre Almodôvar e Tavira, com previsível discussão ao sprint. As decisões ficam guardadas para a quinta e última etapa, 173,5 quilómetros entre Faro e o alto do Malhão (Loulé), com a meta a coincidir com uma contagem de montanha de segunda categoria.

Transmissão em direto

A Volta ao Algarve terá, pelo segundo ano consecutivo, transmissão televisiva em direto para mais de 50 países. A cobertura será garantida pela cadeia Eurosport, que, em Portugal, irá partilhar a transmissão com a TVI24.

O direto televisivo permite mostrar o Algarve a mais pessoas, em mais territórios, incluindo em todos os mercados-alvo do turismo algarvio. A Volta ao Algarve é um instrumento de excelência para mostrar ao Mundo uma região que é agradável de conhecer em bicicleta durante todo o ano.

 

Etapas

14 de fevereiro: 1.ª Etapa: Albufeira – Lagos, 192,6 km

15 de fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 187,9 km

16 de fevereiro: 3.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI)

17 de fevereiro: 4.ª Etapa: Almodôvar – Tavira, 199,2 km

18 de fevereiro: 5.ª Etapa: Faro – Malhão (Loulé), 173,5 km


Últimos Vencedores da Volta ao Algarve

2017 – Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo)

2016 - Geraint Thomas (Sky)

2015 - Geraint Thomas (Sky)

2014 - Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep)

2013 - Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep)

2012 - Richie Porte (Sky)

2011 - Tony Martin (HTC-Highroad)

2010 - Alberto Contador (Astana)

2009 - Alberto Contador (Astana)

2008 - Stijn Devolder (QuickStep)

Fonte: FPC