domingo, 31 de dezembro de 2017

“Nova edição da Revista Notícias do Pedal”

Chegamos ao final de 2017, e aqui vai a última edição do ano, a mesma já está on-line mais uma edição da “Revista Notícias do Pedal”, a edição de Dezembro, a número 268, contém uma grande diversidade de notícias, nas mais diversas modalidades, pode mensalmente ser visualizada em: www.noticiasdopedal.com descubra ainda outras novidades, conheça e esteja por dentro de todos os nossos projetos, boas leituras, e até 31 de Janeiro de 2018, com algumas novidades…

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

“Estatísticas Notícias do Pedal no Facebook”

Por: José Morais

Mesmo em final de ano, acabamos de ter uma excelente notícia, as nossas audiências mais uma vez subiram, desta vez em flexa, algumas das notícias publicadas foram bem recebidas, e na última noite, após a minha intervenção na Antena 1, no programa do José Candeias, e depois de ter divulgado em direto, e ter colocado um link para o nosso espaço no Facebook do programa, as visitas, o alcance semanal, as pessoas envolvidas, e um número de gostos subiu sem dúvida de forma que não se esperava.

Um agradecimento especial ao José Candeias, e a todos que nos visitaram, como ainda a todos que nos continuam a seguir e a apoiar.

Aqui ficam os resultados, bom ano de 2018 para todos.

 

Visitas na Página - ↑ - 2300,0%

Alcance total por semana - ↑ - 6877,7%

Pessoas envolvidas - ↑ - 13012,5%

Número total de Gostos da Página - ↑ - 256,4%

“Riccò vende gelados e pensa voltar a correr aos 40 anos”

Suspenso por doping pondera regressar em 2023 às competições
O ciclista italiano Riccardo Riccò, sancionado com doze anos de suspensão por acusar doping, quer, em 2023, ano em que termina a sanção e festeja o seu 40º aniversário, regressar às corridas.
À Gazzetta dello Sport o ciclista assegura que será "competitivo novamente", "bem treinado" e "mais forte do que antes". A sua esposa, Melissa, acredita que Riccò só vai encontrar paz interior quando voltar às competições.
Atualmente, o ciclista vende gelados em Tenerife, num local designado por Choco Loco.
Em fevereiro de 2023 termina a sanção que lhe foi aplicada, altura em que procura regressar ao ciclismo. Riccò afirmou que existem equipas que se interessariam por ele e, se não houver, cria uma.
Fonte: Record on-line

“José Gonçalves e Tiago Machado na equipa da Katusha para a Volta ao Algarve”

Anunciou a Federação Portuguesa de Ciclismo em comunicado

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

Os ciclistas portugueses Tiago Machado e José Gonçalves vão integrar a equipa da Katusha-Alpecin que vai disputar a Volta ao Algarve, anunciou a Federação Portuguesa de Ciclismo em comunicado.

A equipa suíça terá o português José Azevedo como diretor desportivo e o alemão Tony Martin, vencedor da prova em 2011 e 2013, como principal candidato ao triunfo final.

Além do quatro vezes campeão mundial de contrarrelógio, a Katusha-Alpecin apresenta no seu conjunto o esloveno Simon Spilak, vencedor da Volta à Suíça em 2015 e em 2017 e da Volta à Romandia em 2010.

A francesa FDJ apresenta na Algarvia uma equipa com três campeões nacionais de fundo, o francês Arnaud Démare, principal figura do conjunto, o holandês Ramon Sinkeldam e lituano Ignatas Konovalovas.

A Caja Rural-Seguros RGA, que não faz parte do World Tour, apresenta no seu lote de sete ciclistas os portugueses Rafael Reis e Joaquim Silva.

A 44.ª Volta ao Algarve vai realizar-se de 14 a 18 de fevereiro de 2018.

Fonte: Record on-line

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

“Volta ao Algarve/Katusha, FDJ e Caja Rural anunciam equipas para o Algarve”

Por: José Carlos Gomes

A pouco mais de mês e meio da 44.ª Volta ao Algarve, que vai realizar-se de 14 a 18 de fevereiro, as equipas participantes começam a enviar à organização os boletins de inscrição. É o caso da FDJ, da Team Katusha Alpecin e da Caja Rural-Seguros RGA.

A suíça Katusha Alpecin chegará ao Algarve comandada pelo português José Azevedo, que escolheu um bloco de sete corredores capaz de lutar pela vitória final, além de poder disputar as etapas mais importantes, o contrarrelógio e as chegadas em alto.

O alemão Tony Martin, quatro vezes campeão mundial de contrarrelógio e vencedor da Volta ao Algarve em 2011 e em 2013, será um dos mais sérios candidatos à camisola amarela, dado que o contrarrelógio de 2018 é propenso a fazer maiores diferenças do que em anos anteriores e as etapas em linha não terão bonificações. O esloveno Simon Spilak, vencedor da Volta à Suíça em 2015 e em 2017 e da Volta à Romandia em 2010, é outro pretendente à camisola amarela.

Os dois portugueses da equipa, José Gonçalves e Tiago Machado, também estarão presentes e, sendo corredores completos, a luta pelas primeiras posições só dependerá da missão que o coletivo lhes venha a reservar. A Team Katusha Alpecin alinha ainda com o croata Robert Kiserlovski, com o holandês Maurits Lammertink e com o colombiano Jhonatan Restrepo.

A francesa FDJ surge no Algarve com uma equipa de campeões, uma vez que inscreveu três campeões nacionais. Arnaud Démare, campeão francês de fundo, é a estrela da companhia e a certeza de que os gauleses terão uma palavra a dizer nas duas etapas que se prevêem discutidas ao sprint. O diretor desportivo Frédéric Guesdon também escalou para a corrida portuguesa o campeão nacional de fundo da Holanda, Ramon Sinkeldam, e o campeão nacional de fundo e de contrarrelógio da Lituânia, Ignatas Konovalovas.

A FDJ aposta no potencial de Démare para as chegadas em pelotão e, por isso, não descurou o “comboio” do francês, tendo também inscrito David Cimolai, Jacopo Guarnieri, Antoine Duchesne e Olivier le Gac.

A Caja Rural-Seguros RGA chega à Volta ao Algarve com um coletivo em que pontificam os corredores portugueses e os jovens. Rafael Reis será colocado à prova no contrarrelógio de Lagoa e Joaquim Silva terá as suas oportunidades nas chegadas à Fóia, em Monchique, e ao Malhão, em Loulé. A dupla portuguesa será acompanhada por Josu Zabala, Gonzalo Serrano, Mauricio Moreira, Miguel Ángel Benito e Julen Amezqueta.

 

Etapas

14 de fevereiro: 1.ª Etapa: Albufeira – Lagos, 192,6 km

15 de fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 187,9 km

16 de fevereiro: 3.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI)

17 de fevereiro: 4.ª Etapa: Almodôvar – Tavira, 199,2 km

18 de fevereiro: 5.ª Etapa: Faro – Malhão (Loulé), 173,5 km

Últimos Vencedores da Volta ao Algarve

2017 – Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo)

2016 - Geraint Thomas (Sky)

2015 - Geraint Thomas (Sky)

2014 - Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep)

2013 - Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep)

2012 - Richie Porte (Sky)

2011 - Tony Martin (HTC-Highroad)

2010 - Alberto Contador (Astana)

2009 - Alberto Contador (Astana)

2008 - Stijn Devolder (QuickStep)

Fonte: FPC

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

“16ª Bênção Nacional dos Ciclista.2018”

Dia 25 de Fevereiro de 2018

Texto e imagem: José Morais

A tradicional Bênção Nacional dos Ciclistas que se realiza anualmente em Fátima, já tem data marcada para o próximo dia 25 de Fevereiro de 2018, o programa já está a ser elaborado, e brevemente daremos a informação completa do local da concentração, dos horários, juntamente com o cartaz que já está a ser elaborado.

Marque já na sua agenda, dia 25 de fevereiro todas as pedaladas vão com rumo a Fátima, faça como nós que marcaremos presença, para recolher os melhores momentos da Bênção e tudo que decorrerá em redor da mesma.

Um evento que mais um ano é organizado pela União de Ciclismo de Leiria, e contará mais uma vez com o apoio da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta.

“Reportagem no “Jornal de Ciclismo” de “Cicloturismo em Retrospetiva 2017”

OJornal de Ciclismo”, publicou o artigo “Cicloturismo em Retrospetiva 2017” um balanço do que foram as pedaladas de 2018 o mesmo pode ser visualizada em: http://jornalciclismo.com/?p=46698 ou em: http://jornalciclismo.com onde pode ainda visualizar outras notícias.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

“Sporting começa época em África”

Temporada em África arranca com a participação na Tropicale Amissa Bongo, em janeiro

Por: Ana Paula Marques

Pela primeira vez desde que regressou ao ciclismo, há três anos, o Sporting vai mostrar as suas camisolas em África, ou seja, o leão vai competir no seu ‘habitat’ natural. A formação liderada por Vidal Fitas não vai fazer um qualquer safari, mas o seu diretor-desportivo esclarece que os resultados não serão o foco principal para a primeira corrida de 2018, de 15 a 21 de janeiro, no Gabão.

Entre os eleitos do Sporting-Tavira para a 13ª edição da Tropicale Amissa Bongo estão os três ‘pesos-pesados’ do plantel: o português Joni Brandão, o italiano Rinaldo Nocentini, e o galego Alejandro Marque. A equipa fica completa com o italiano Nicola Toffali, o português Fábio Silvestre e o espanhol Mario Gonzalez

"Nesta altura do ano não é importar levar ou não a melhor equipa, mas sim preparar o início de época. O objetivo principal não será lutar pela vitória, mas se der não será desperdiçado", frisou ao nosso jornal Vidal Fitas, alertando para a qualidade das equipas da casa. "Não sabemos como estaremos, como estarão, aliás, todas as europeias, uma vez que será para todas a primeira prova da época. Já as seleções e equipas africanas estão mais rodadas, o calendário delas já está na estrada há algum tempo. Vão chegar a esta corrida com outra disponibilidade", disse o diretor-desportivo.

Clima será problema?

A equipa portuguesa só viaja dois dias antes. Será suficiente para a adaptação ao clima, bem diferente do que se vive agora na Europa? "Da experiência que já tive com a equipa anterior na Argentina e no Dubai, não deve haver problemas. Temos informação que as temperaturas não passarão dos 30/32 graus. O fuso horário é que costuma ser problemático e neste caso também não será, pois é só uma hora de diferença", explica Fitas, para quem é importante mostrar as camisolas do Sporting. "Seja no Gabão ou noutro país. Mas não é fácil entrar nas corridas fora de Portugal. Por outro lado, ainda que tenhamos algumas lacunas no calendário nacional, o principal objetivo são sempre as provas nacionais", esclarece.

Em fevereiro já há a Volta ao Algarve. "Tentaremos fazer uma boa corrida, mas com o pelotão da qualidade que vai ter não é fácil. Agora, tentar não custa"

Tudo bem com Joni Brandão

Para Joni Brandão, a corrida africana será mais especial, por marcar o seu regresso à competição, depois de ter falhado a Volta a Portugal devido a problemas de saúde. "Está tudo bem com ele, os problemas que teve estão resolvidos desde setembro/outubro", esclareceu Vidal Fitas. "A partir daí, tem feito um caminho normal, de pré-temporada". Joni chegou à equipa este ano e será de novo a aposta para a Volta de 2018.

Fonte: Record on-line

sábado, 23 de dezembro de 2017

“Atualização do Canal NP-TV com o “Vídeo Rotas Btt Serra de Cazorla, Segura e Las Villas, Província de Jaén, Andaluzia, Espanha.2017"

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o “Vídeo Rotas Btt Serra de Cazorla, Segura e Las Villas, Província de Jaén, Andaluzia, Espanha.2017

Para ver o vídeo no YouTube, clique no link: https://www.youtube.com/watch?v=YvyRRojprh4

Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

“LOVE TILES DOURO GRANFONDO”

Por: Hernâni Duarte

Aceitar os desafios faz-nos grandes, vencê-los torna-nos mortais, por isso vem preparar-te para a subida do INFERNO em Armamar.

No dia 18 de Março de 2018 venha conhecer uma das dificuldades do Love Tiles Douro Granfondo e participe na "Subida ao Inferno", aonde os atletas são desafiados a cortarem a meta nos três primeiros lugares tendo direito a prémio monetário.

Este evento percorrerá as estradas do concelho dando a conhecer aos participantes o que de bom Armamar tem para oferecer aos amantes da bicicleta.

PRÉMIO PARA OS 3 PRIMEIROS:

1 Lugar = 150€

2 Lugar= 50€

3 Lugar= 25 €

Informações e inscrições em: http://apedalar.pt/eventos/info/1637#
 
 

“Inscrições abertas para o Campeonato Ibérico de Média Distância”

Estão aberta as inscrições para o Campeonato Ibérico de Média Distância que terá lugar no próximo dia 17 de Junho de 2018 em Salamanca, Espanha. A competição será parte integrante do Triatlo de Média Distância de Salamanca, fazendo igualmente parte do calendário competitivo da Federação de Triatlo de Portugal e da Federação Espanhola de Triatlo, tendo início marcado para as 9h no cenário inigualável do Rio Tormes, junto à Catedral de Salamanca.

Salamanca, Cidade de Cultura e Turismo, faz uma aposta forte no desporto como meio de promoção e, nesse sentido, será uma excelente anfitriã para todos os participantes e respectivos acompanhantes durante o decorrer do fim-de-semana. O número de vagas para a prova são 300 e as inscrições podem ser realizadas no site www.triatloncastillayleon.com

Para consultar mais informações sobre a prova, poderá consultar o sitio oficial na internet em www.triatlonmediadistanciasalamanca.es

“Campeão turco de 'crono' deixa equipa israelita devido às tensões provocadas por Trump”

Ahmet Orken integrava a Israel Cycling Academy

Por: Lusa

Foto: Ahmet Orken Facebook

O turco Ahmet Orken, tetracampeão da Turquia de contrarrelógio, vai deixar a Israel Cycling Academy, primeira equipa israelita profissional de ciclismo, devido ao agudizar das tensões no Médio Oriente provocadas pelo presidente norte-americano, Donald Trump.

"Estou muito grato pela oportunidade. Infelizmente, os eventos recentes forçaram-me a isto. A minha família em Konya - e especialmente a minha mãe e o meu irmão - ficaram numa situação horrenda. Embora agradecido por ser um ciclista profissional, sou, acima de tudo, um filho e irmão dedicado", disse Ahmet Orken, citado pela equipa israelita.

A Israel Cycling Academy concordou libertar o corredor do seu vínculo, válido até ao final de 2019, naquela que considerou uma "decisão de partir o coração".

Já depois de ter cumprido o primeiro estágio com a equipa, as tensões na região aumentaram, sobretudo depois dos Estados Unidos reconhecerem Jerusalém como capital de Israel, a 6 de dezembro.

"Esta é uma decisão que nos parte o coração. O Ahmet é um grande atleta e uma excelente pessoa. Uniu-se ao nosso programa com a visão e o compromisso de colocarmos o desporto - e com isso a paz - acima da política. Foi uma decisão corajosa e que foi recebida com amplo apoio por israelitas e turcos. Apesar da desilusão, só queremos o melhor para ele e para a sua família", referiu o diretor-geral da equipa, Ran Margaliot.

Esta formação israelita foi criada em 2014, com a ajuda do tricampeão do mundo de fundo Peter Sagan, e tornou-se a primeira do país a alcançar o estatuto de Continental Profissional, em 2017, ambicionando também tornar-se a pioneira em grandes Voltas, nomeadamente com a Volta a Itália de 2018, que vai partir de Jerusalém.

A decisão norte-americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, divulgada a 6 de dezembro provocou fortes reações internacionais.

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, tem sido um dos mais veementes críticos da decisão do Presidente norte-americano.

Israel anexou a parte leste de Jerusalém, que passou a controlar desde a guerra de 1967, e votou uma lei que torna a cidade santa a sua capital "indivisível". Esta anexação nunca foi reconhecida pela comunidade internacional e os palestinianos consideram Jerusalém leste como a capital do seu futuro Estado.

A Turquia e Israel normalizaram as suas relações em 2016, após uma grave crise diplomática motivada por um 'raide' israelita contra um navio de uma ONG turca que se dirigia para a Faixa de Gaza em 2010.

Os dois países intensificaram a sua cooperação, em particular no domínio da energia, mas Erdogan continua a criticar regularmente a política israelita.

Na quinta-feira, o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel foi declarado "nulo e sem efeito" por 128 países-membros da Assembleia-geral da ONU numa votação que decorreu na sede das Nações Unidas.

Entre os 193 países-membros da ONU, nove votaram contra a resolução, sem caráter vinculativo, e 35 optaram pela abstenção.

Fonte: Record on-line

“Diretor do Tour não quer Froome na prova sob investigação”

Christian Prudhomme pede à UCI que acelere apuramento dos factos

O diretor da Volta a França, Christian Prudhomme, pediu esta sexta-feira à União Ciclista Internacional (UCI) uma rápida investigação no caso de doping de Chris Froome, ciclista que não quer no Tour sob investigação.

A UCI solicitou a Froome, quatro vezes vencedor do Tour (2013, 2015, 2016 e 2017), que explicasse o porquê de uma sua amostra de urina na Volta a Espanha mostrar o dobro do nível de concentração de salbutamol permitido para uso terapêutico.

"Queremos a situação clarificada, para sairmos deste estado de escuridão e ambiguidade. Queremos, obviamente, que uma investigação seja conduzida e queremos que não dure meses e meses, pelo que queremos uma resposta breve da UCI no início da próxima temporada", disse Prudhomme, à televisão francesa.

Se for considerado culpado de doping, o ciclista da Sky, de 32 anos, pode perder o título de vencedor da Vuelta e ser suspenso por um longo período.

Froome tem prevista a participação na edição 2018 do Tour e Prudhomme quer evitar que se repita um cenário idêntico ao que sucedeu com o espanhol Alberto Contador, que correu e ganhou a Volta a Itália de 2011, numa altura em que estava sob investigação por doping, e acabou perder o título e ser suspenso por dois anos.

Em 2017, o britânico venceu o Tour pela quarta vez e, depois, ainda ganhou a Vuelta, prova em que acusou uma dose de salbutamol acima do permitido.

O salbutamol ajuda a aumentar a capacidade pulmonar e pode ser usado com um medicamento que aumenta o desempenho e a resistência. A agência mundial antidoping permite que seja tomado apenas por inalação e em quantidades limitadas.

A Sky afirmou que Froome teve de aumentar a dose, sem exceder o admissível, durante a Volta a Espanha, devido a "sintomas agudos de asma".

"Salbutamol não é uma substância proibida. O que importa é a quantidade tomada e é por isso que os especialistas têm de se pronunciar, embora pareça que a dose encontrada foi o dobro do nível permitido", afirmou o diretor do Tour.

Fonte: Record on-line

“Mais uma morte,Jovem ciclista morre atropelado”

Jason Lowndes treinava na Austrália quando foi abalroado por um carro

O australiano Jason Lowndes, que completou 23 anos há uma semana, faleceu esta sexta-feira, em Victoria, na Austrália, depois de ter sido atropelado por um carro enquanto treinava, informa a Israel Cycling Academy nas redes sociais. O ciclista preparava-se para se juntar a outra equipa continental, a JLT Condor.

Considerado um sprinter muito talentoso, Jason Lowndes foi 6º no Mundial de Esperanças em Doha, em 2016, além de ter estado em três pódios de etapa nas Voltas à Áustria e à Coreia do Sul.

Fonte: Record on-line

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

“SKY JÁ TEM A DEFESA DE CHRIS FROOME PREPARADA”

A Sky, equipa de ciclismo que Chris Froome representa, já completou o estudo farmacocinético que vai apresentar como defesa do ciclista britânico que acusou positivo num controlo antidoping. De acordo com o jornal espanhol AS, a equipa pretende comprovar que o ciclista não utilizou doping, mas si que o organismo de Froome não mebolizou bem o salbutamol, substância detetada no controlo antidoping da Volta a Espanha-

Frooem tem uma isenção terapêutica por ser asmático. A Fundação Antidopagem da União Ciclista Internacional (UCI) vai agora estudar o relatório e determinará se vai existir uma sanção. Caso seja sancionado, Froome perderia a sua primeira Vuelta para Vincenzo Nibali.

Fonte: Sapo on-line

“Lance Armstrong diz que imagem de Chris Froome está manchada para sempre”

Norte-americano, admite, no entanto, que todo este clima de suspeição se deve muito a ele próprio

Por: Lusa

Foto: Reuters

O antigo ciclista norte-americano Lance Armstrong disse que a imagem do britânico Chris Froome vai ficar manchada para sempre, devido ao controlo antidoping adverso, mesmo que as quatro vezes vencedor do Tour seja ilibado.

"Sou a última pessoa que poderia falar sobre esta situação", começou por dizer Armstrong no seu 'podcast' sobre ciclismo, aludindo ao controlo antidoping adverso de Froome, com a presença do broncodilatador salbutamol acima do admitido para uso terapêutico, numa análise à urina feita a 7 de setembro, durante a última edição da Vuelta.

Armstrong, que foi desapossado de sete triunfos no Tour, por doping, disse estranhar o desenrolar do caso do britânico, que a União Ciclista Internacional (UCI) anunciou no passado dia 13 de dezembro. "Atendendo ao processo, ele deve ter a possibilidade de explicar o que aconteceu. Ele até pode ser completamente ilibado, mas está manchado para sempre. O estrago está feito", frisou.

No episódio de 45 minutos, o norte-americano ainda admitiu parte da culpa pela imagem da modalidade: "O ciclismo é o capacho do desporto mundial e, a propósito, tenho de dizer: Eu tenho muita culpa disso."

"Sim, sou grande responsável por isso, estou a tentar arcar com algumas responsabilidades aqui, porque manchei a modalidade, claro", referiu Armstrong, defendendo Froome de um artigo publicado no New York Times: "Ao ler, ficas com a ideia de que o Froome toma EPO ao pequeno-almoço e isso não é assim, não é justo para ele."

Armstrong advertiu ainda para a demora na resolução do caso, e para as dificuldades que Froome terá de enfrentar. "Esta investigação pode durar meses. Correndo em julho, em França, vai ser um pesadelo. E eu sei como é", rematou.

Froome, vencedor da Volta a Espanha em bicicleta de 2017, disse ter "seguido os conselhos do médico da equipa" Sky, para aumentar a dosagem face ao agravamento da sua asma.

"É do conhecimento público que tenho asma e eu conheço detalhadamente as regras. Eu utilizo um inalador para atenuar os sintomas (sempre dentro dos limites permitidos) e sei que sou, obviamente, controlado em cada dia que uso a camisola de líder", referiu Froome, acrescentado ter fornecido à UCI "toda a informação solicitada".

Segundo a equipa Sky, "as análises indicam a presença de salbutamol a uma concentração de 2.000 nanogramas por mililitro", o dobro do autorizado pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

O organismo acrescentou que, atendendo à substância em causa, o corredor não incorre numa suspensão provisória obrigatória. Salbutamol é utilizado para tratar doenças como asma ou doença pulmonar obstrutiva crónica, podendo também ser usado como doping para melhorar a resistência.

O tetracampeão do Tour, de 32 anos, venceu pela primeira vez a Volta a Espanha, depois de dois segundos lugares, em 2011 e 2014, à frente do italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Merida), segundo classificado, e do russo Ilnur Zakarin (Katusha Alpecin), terceiro.

Froome, que pode perder o título da corrida espanhola e arrisca uma suspensão, anunciou recentemente a vontade de disputar a edição de 2018 da Volta a Itália, para conquistar uma terceira 'Grande Volta' seguida.

Fonte: Record on-line

“Volta ao Algarve/Recorde de equipas WorldTour na edição de 2018”

Por: José Carlos Gomes

A 44.ª Volta ao Algarve, na estrada entre 14 e 18 de fevereiro de 2018, vai contar com 13 equipas do WorldTour, o maior número de formações de primeira divisão que alguma vez competiu na prova portuguesa.

Depois de em 2017 ter sido a corrida 2.HC com mais equipas WorldTour, a Volta ao Algarve continuará, em 2018, a afirmar-se como um dos melhores eventos desportivos portugueses e como uma das provas de referência do circuito europeu de ciclismo. Mais de metade do pelotão de 25 equipas será composto por coletivos da primeira linha internacional.

Entre as equipas confirmadas estão a seis melhores do ranking mundial de 2017: Team Sky (GBR), Quick-Step Floors (BEL), BMC Racing Team (USA), Team Sunweb (GER), Trek-Segadredo (USA) e Movistar Team (ESP). A estas juntam-se Bora-hansgrohe (GER), FDJ (FRA), Lotto NL-Jumbo (NED), Lotto Soudal (BEL), Team Dimension Data (RSA), Team Katusha Alpecin (SUI) e UAE Team Emirates (UAE).

A escolha das equipas continentais profissionais para a 44.ª Volta ao Algarve teve dois critérios fundamentais. Foram escolhidas as duas melhores equipas do ranking continental europeu de 2017, Wanty-Groupe Gobert (BEL) e Cofidis, Solutions Crédits (FRA), assim como a equipa que é, tradicionalmente, a porta de entrada de corredores portugueses no pelotão internacional, Caja Rural-Seguros RGA (ESP).

O prestígio internacional da Volta ao Algarve faz desta corrida uma “montra” importante para as equipas portuguesas. Com o objetivo de dar aos coletivos nacionais uma oportunidade de se baterem com adversários de elevado nível, a organização da Volta ao Algarve, a cargo da Federação Portuguesa de Ciclismo, convida todas as equipas continentais lusas: Aviludo-Louletano, Efapel, LA Alumínios, Liberty Seguros-Carglass, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, Vito-Feirense-BlackJack e W52-FC Porto.

Percurso tradicional

O pelotão de 175 corredores vai encontrar um percurso de cinco etapas, que dará oportunidades a todo o tipo de corredores. A prova arranca com uma ligação de 192,6 quilómetros, entre Albufeira e Lagos, que se prevê decidida ao sprint. A segunda etapa será o primeiro teste à condição física dos candidatos, levando a caravana de Sagres até ao alto da Fóia, ao longo de 187,9 quilómetros. A meta coincide com o ponto mais alto do Algarve, que será alcançado através de uma subida de 15,2 quilómetros, com inclinação média de 5 por cento.

Lagoa recebe a partida e a chegada da terceira etapa, um contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, num percurso para especialistas, que inclui alguns topos que ajudarão a fazer diferenças.

A quarta etapa é a mais longa da competição, 199,2 quilómetros entre Almodôvar e Tavira, com previsível discussão ao sprint. As decisões ficam guardadas para a quinta e última etapa, 173,5 quilómetros entre Faro e o alto do Malhão (Loulé), com a meta a coincidir com uma contagem de montanha de segunda categoria.

Transmissão em direto

A Volta ao Algarve terá, pelo segundo ano consecutivo, transmissão televisiva em direto para mais de 50 países. A cobertura será garantida pela cadeia Eurosport, que, em Portugal, irá partilhar a transmissão com a TVI24.

O direto televisivo permite mostrar o Algarve a mais pessoas, em mais territórios, incluindo em todos os mercados-alvo do turismo algarvio. A Volta ao Algarve é um instrumento de excelência para mostrar ao Mundo uma região que é agradável de conhecer em bicicleta durante todo o ano.

 

Etapas

14 de fevereiro: 1.ª Etapa: Albufeira – Lagos, 192,6 km

15 de fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 187,9 km

16 de fevereiro: 3.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI)

17 de fevereiro: 4.ª Etapa: Almodôvar – Tavira, 199,2 km

18 de fevereiro: 5.ª Etapa: Faro – Malhão (Loulé), 173,5 km


Últimos Vencedores da Volta ao Algarve

2017 – Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo)

2016 - Geraint Thomas (Sky)

2015 - Geraint Thomas (Sky)

2014 - Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep)

2013 - Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep)

2012 - Richie Porte (Sky)

2011 - Tony Martin (HTC-Highroad)

2010 - Alberto Contador (Astana)

2009 - Alberto Contador (Astana)

2008 - Stijn Devolder (QuickStep)

Fonte: FPC

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

“Alexandre Vinokourov julgado na Bélgica por ter comprado vitória”

Ciclista terá pago 150 mil euros a Alexander Kolobnev para o deixar vencer a corrida Liège-Bastogne-Liège em 2010

Por Lusa

Foto: Reuters

O antigo ciclista cazaque Alexandre Vinokourov vai ser julgado em 13 de março de 2018, no Tribunal Criminal de Liège, por alegadamente ter comprado a vitória na Liège-Bastogne-Liège, em 2010, anunciou um porta-voz do tribunal.

"Confirmo a data do julgamento, 13 de março", disse o porta-voz à agência noticiosa francesa AFP.

Segundo a acusação, o ciclista cazaque, agora com 44 anos, pagou 150 mil euros ao russo Alexander Kolobnev, que também será julgado, para o deixar vencer a corrida em 2010, a segunda de duas vitórias na clássica, depois de 2005.

A investigação conta com correio eletrónico trocado entre as duas partes e registos de pagamentos alegadamente relativos à conversa que ambos tiveram a poucas centenas de metros da chegada a Liège, em 25 de abril de 2010.

Vinokourov, que na altura corria na Astana, foi suspenso em 2007 durante dois anos por ter acusado doping durante a Volta a França, regressando dois anos depois à equipa cazaque.

A maior vitória da carreira de Vino surgiu em 2006, quando conquistou a Volta a Espanha, antes de ter vencido a medalha de ouro na prova de fundo, à frente do colombiano Rigoberto Urán, nos Jogos Olímpicos Londres2012.

Fonte: Record on.line

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

"Boas Festas"

O Natal é quando o homem quer, infelizmente muitos apenas nesta época pensam um pouco nos outros, aqueles que ao longo do ano pouco ou nada se fala, esta é uma época sem dúvida de reflexão, de amor, de carinho, que sensibiliza o mais rijo dos corações, onde todos gostavam de poder ter alguém para lhes fazer companhia, de compartilhar uma noite de Natal, mas que num mundo muitas vezes de cão, isso não pode acontecer.

Na impossibilidade de enviar individualmente a todos meus familiares, amigos, e leitores, fica aqui para todos vós, os votos de um Feliz Natal, com muita paz, amor, saúde e prosperidade, com o Ano Novo cheio de muitas felicidades e muitas realizações.

José Morais

“Nibali não quer vitória na Volta a Espanha”

Foi segundo e pode passar a primeiro após doping de Chris Froome

Foto: DR Record

O italiano Vincenzo Nibali não está interessado em ser coroado vencedor da Volta a Espanha deste ano se o britânico Chris Froome perder o título depois de ter sido apanhado nas malhas do doping.

"Isto nunca me aconteceu antes. Tudo o que sei é que dei tudo para ganhar. Estive no segundo degrau do pódio e se me derem a vitória as emoções nunca serão as mesmas. Não estou interessado neste tipo de vitória", contou o corredor transalpino de 33 anos ao site 'cyclingnews'. "Acredito nas regras e nos regulamentos e confio que as autoridades vão fazer o que tem de ser feito. Mas seja o que for que resulte daí, as emoções nunca serão as mesmas."

Na semana passada foi revelado que o quatro vezes vencedor do Tour acusou elevados níveis de salbutamol (um medicamento para a asma) numa análise realizada após a 18ª etapa da Vuelta. O ciclista insiste não ter feito nada de mal e que apenas usou mais vezes o inalador devido ao facto de os sintomas da asma terem piorado durante a corrida.

Em 2007 o sprinter italiano Alessandro Petacchi foi suspenso depois de exceder os limites de salbutamol no Giro desse ano e foi destituído da vitória em cinco etapas da prova.

Fonte: Record on-line

“Movimento por um ciclismo credível pede à Sky que suspenda Froome”

Em causa controlo antidoping positivo do britânico na Volta a Espanha deste ano

O movimento por um ciclismo credível (MPCC) pediu esta segunda-feira à equipa Sky para suspender voluntariamente Chris Froome, até ao final do processo de inquérito ao controlo antidoping positivo do britânico na Volta a Espanha.

A Sky não é membro do MPCC, um movimento que representa 43 equipas do pelotão profissional da WorldTour e do Continental Profissional (1.ª e 2.ª divisão), que, segundo as suas regras, criadas em 2007, são obrigadas a suspender "imediatamente" um ciclista após a primeira comunicação de um controlo positivo.

"Essas disposições impostas pelas equipas membros da MPCC foram tomadas com o objetivo claro de transparência no interesse de todos e do ciclismo", sublinha o movimento presidido por Roger Legeay.

Em julho, o britânico dominou o Tour, vestiu pela quarta vez a amarela no pódio final - e isolou-se no segundo lugar da lista de maiores vencedores da prova francesa, a apenas um triunfo dos recordistas -, e, menos de dois meses depois, festejou a vitória na Vuelta, tornando-se o primeiro ciclista, desde o francês Bernard Hinault, em 1978, a alcançar a dobradinha naquelas duas grandes voltas.

O ano mais memorável do líder da Sky converteu-se em pesadelo: Froome acusou níveis proibitivos do broncodilatador salbutamol, um medicamento usado para asma, numa análise à urina feita em 07 de setembro, durante a Vuelta, e encontra-se agora sob investigação, podendo vir a perder o título da corrida espanhola.

"É por isso que o MPCC e seu conselho de administração estão a pedir à Sky, sem prejuízo da decisão final, para suspender voluntariamente o seu ciclista até o final do processo. Assim pode prosseguir com a sua defesa em paz e evitar as tensões entre dirigentes e corredores", acrescenta o movimento que pretende estar na vanguarda da luta contra o doping.

A União Internacional de Ciclismo (UCI) instituiu processos contra o britânico, sem que, por causa da natureza da substância, o quatro vezes vencedor do Tour tenha sido suspenso preventivamente.

A MPCC também pediu à Sky que abra uma investigação após as revelações do ex-treinador Shane Sutton, que admitiu recentemente que "alguns medicamentos que exigem uma autorização de uso terapêutico (TUE) podem ter sido usados para melhorar o desempenho".

Fonte: Record on-line

“Froome tranquilo mantém rotinas”

Nada parece perturbar o estágio da Sky, em Maiorca, nem os valores do salbutamol do corredor

Por: Ana Paula Marques

Foto: Reuters

Nada parece perturbar o estágio que a Sky faz por estes dias em Maiorca, no país vizinho. Nem mesmo o caso Chris Froome, ciclista que está a ser investigado por ter acusado o dobro do permitido de salbutamol na Volta a Espanha, incorrendo num suspensão e na perda de todos os resultados desde essa prova, incluindo naturalmente o triunfo na corrida espanhola.

A equipa britânica tem dado conta de alguns pormenores da concentração, como reuniões e treinos, tendo ontem mesmo publicado nas redes sociais uma galeria de fotos, onde se vê Chris Froome bem-disposto e a treinar-se normalmente pelas estradas daquela ilha das Baleares, que serve de quartel-general também a muitas outras equipas do World Tour que estagiam nesta altura.

Desde a primeira hora que a Sky manifestou o seu apoio ao vencedor do Tour e Vuelta de 2017 e por agora optou por não suspender o ciclista, como muitos defendem, entre eles o manager da Bahrain-Merida, sendo verdade que esta é via normalmente adotada pelas equipas do World Tour quando um ciclista está sob suspeita ou a ser investigado...

Froome vai dando sequência normal ao plano de treinos tendo em vista 2018, cujo objetivo é vencer o Tour e Giro, enquanto os seus advogados preparam a sua defesa.

Contador, Sharapova...

O que têm em comum Chris Froome, Alberto Contador e Maria Sharapova? Os três acusaram positivo num controlo antidopagem e escolheram o mesmo advogado para os defender, ou seja, o ciclista britânico contratou o compatriota Mike Morgan, que já tinha defendido o espanhol e a russa.

Segundo contam os meios de comunicação social britânicos, Froome socorre-se da vasta experiência de um advogado em assuntos relacionados com o doping e que defendeu, entre outros, Alberto Contador (clembuterol no Tour de 2010) e a tenista Maria Sharapova (meldonium em 2016). Um e outro acabaram por ser suspensos, sendo que Contador perdeu mesmo o triunfo no Tour desse ano e o Giro em 2011.

Segundos alguns indicadores, Chris Froome, nascido no Quénia, há 32 anos, poderá escapar à sanção mais grave, dois anos, e levar um castigo a rondar os seis meses, de modo a não travar a sua participação na Volta a Itália.

Fonte: Record on-line