domingo, 23 de junho de 2019

“Agradecimento”

Hoje foi dia de mais uma reportagem, o tempo pregou uma partida, muita chuva, muito nevoeiro, mas uma vontade de superar, e de fazer mais uma reportagem, mostrando os melhores momentos.

As condições não foram as melhoras, mas a vontade, essa foi muita, e apesar de alguns problemas com as comunicações e os diretos, consegui fazer um excelente trabalho.

Agora é hora de descansar, mas sem deixar um agradecimento ao CCL-Clube de Campismo de Lisboa, em especial ao Rui, pela forma que mais um ano me receberam, apenas tenho uma palavra, Obrigado.

Votos de uma boa semana.

José Morais

“Melgaço acolhe os Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada”

Fina flor do ciclismo português disputa os títulos nacionais em Melgaço, o destino de natureza mais radical de Portugal, na comemoração dos 120 anos da Federação Portuguesa de Ciclismo

Melgaço recebe, de 28 a 30 de junho, os Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada (Elites, Sub 23 e Femininas), competição organizada pela Associação de Ciclismo do Minho, Federação Portuguesa de Ciclismo e Município de Melgaço.

O Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, apadrinhou a cerimónia de apresentação dos Campeonatos que integram o programa comemorativo dos 120 anos da Federação Portuguesa de Ciclismo.

Durante três dias, Melgaço acolherá cerca de 200 ciclistas, as respetivas equipas técnicas e os amantes da modalidade, numa iniciativa que vai dinamizar a economia local e proporcionar um espetáculo de elevada qualidade, oferecido pelos melhores ciclistas portugueses.

O programa arranca com a disputa dos títulos nacionais de contrarrelógio, ao início da tarde de sexta-feira, dia 28. Ao meio-dia inicia-se o contrarrelógio de elite feminina, seguindo-se a prova individual de sub-23 masculinos. As duas corridas serão feitas num traçado de 24,6 quilómetros. Pouco depois das 13h00 sai para a estrada o primeiro corredor masculino de elite. A prova desta categoria terá 32,3 quilómetros. Todos os contrarrelógios vão ligar o Centro de Estágios de Melgaço à Câmara Municipal.

Sábado, 29 de junho, é o dia escolhido para as primeiras provas de fundo. Às 10h00 será dado o tiro de partida para a corrida feminina. As corredoras de elite irão percorrer 88,6 quilómetros, terminando à quarta passagem pela meta, mais uma volta do que as juniores que vão pedalar durante 66,1 quilómetros e mais duas do que as cadetes e as masters que terão de enfrentar 43,6 mil metros. Os sub-23 masculinos também lutam pelo título de fundo no sábado, a partir das 14h30. O percurso dos jovens corredores terá um total de 144,4 quilómetros. Estas duas provas começam e terminam na Câmara Municipal de Melgaço.

A corrida mais esperada é a prova de fundo para elites masculinos, marcada para as 11h00 de domingo, 30 de junho. A partida será em Castro Laboreiro e a chegada na Câmara de Melgaço, à oitava passagem pela meta, depois de percorridos 181 quilómetros.

As provas de fundo vão desenrolar-se num circuito exigente, rompe-pernas, com pouco terreno verdadeiramente plano. A meta está instalada no topo de uma rampa de um quilómetro com inclinação média de 8,5 por cento, destacando-se os 500 metros finais, em empedrado, e com uma pendente de 11 por cento.

A prova de elite e a de sub-23 guardam um ingrediente especial. Uma subida de 3 quilómetros com inclinação média de 4 por cento, que será apenas transposta na última volta, apimentando ainda mais a discussão pelas camisolas de campeão nacional.

O Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, aquando da apresentação dos Campeonatos Nacionais salientou o "espírito descentralizador" dos eventos da Federação Portuguesa de Ciclismo que este ano completa 120 anos de existência.

"Descentralizar também faz parte das preocupações do Governo. Daí o nosso apoio ao ciclismo, porque é uma modalidade que vai encontro das pessoas, basta saírem de casa e têm uma envolvência extraordinária com o Desporto", disse João Paulo Rebelo.

“Os Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada são dos pontos altos do calendário velocipédico nacional”, afirmou Delmino Pereira, Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo salientando que “é das provas que se realiza há mais anos e dos títulos mais cobiçados pelos ciclistas. É também a única prova que recebe todos os ciclistas portugueses, mesmo aqueles que correm no estrangeiro e que vêm cá nesta altura para participar nos Campeonatos Nacionais”.

Manoel Batista, presidente da Câmara Municipal de Melgaço, considerou ser um "privilégio" receber eventos desta dimensão: “Temos um orgulho enorme em receber os Campeonatos Nacionais de Ciclismo e estar ligados há vários anos à modalidade, quer através das provas de estrada como de BTT. É verdade que temos uma boa qualidade de terreno, mas também temos gente que sabe organizar e aqui fica o mérito para a Melsport”.

José Luís Ribeiro, presidente da Associação de Ciclismo do Minho, mostrou-se convicto que os Nacionais serão um “momento marcante na história dos 120 anos da Federação Portuguesa de Ciclismo”, assim como “memoráveis e pautados, por parte dos atletas, pela observância pelos princípios da ética, espírito e da verdade desportiva”.

José Adriano Lima, presidente do Conselho de Administração da Melsport, deixou um desafio aos atletas e às equipas: “venham ao nosso território, tragam energia e vontade de nos proporcionem um grande espetáculo desportivo, que nós, aqui em Melgaço, vamos preparar o resto, ou seja, vamos criar todas as condições para que o evento seja um êxito”.

Daniela Reis, Campeã Nacional de fundo e de contrarrelógio de elite em 2018 considerou que “os Campeonatos Nacionais são o objetivo de qualquer atleta. Poder vestir a bandeira portuguesa ao peito durante toda uma época é um orgulho enorme. No meu caso, a correr no estrangeiro, as equipas dão imenso valor a um campeão nacional e acaba por dar também mais alguma visibilidade ao ciclismo feminino português. A corrida de fundo antevê-se realmente dura, pelo percurso e pelo calor que costuma estar nesta altura do ano. O contrarrelógio parece me mais acessível do que no ano passado, mas não deixa de ser bastante duro para o que o pelotão feminino está habituado”.

João Almeida, Vice-Campeão nacional de fundo e de contrarrelógio de sub-23 em 2018, considerou que os Campeonatos Nacionais em Melgaço vão ser duros: “Acredito que será uma corrida dura e bem disputada. O nível no Nacional é sempre muito alto. A corrida é sempre muito aberta e o fator sorte/oportunidade é muito importante. Estar no sítio certo a hora certa é meio caminho andado para a vitória. Lutar pela vitória é algo muito importante para mim, uma vez que significa representar o nosso país e a nossa bandeira lá fora, dando visibilidade às cores nacionais”.

Os Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada promovidos pela Associação de Ciclismo do Minho, Federação Portuguesa de Ciclismo e Município de Melgaço, contam com o apoio da Melsport, Quintas de Melgaço, Ukubo, Polisport, Cision, Score Tech, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Navega Rías Baixas, Shimano, Vitalis, Bogani, Flynx, Strong Speed, Instituto Português do Desporto e Juventude e Jogos Santa Casa.

 

PROGRAMA

Sexta-feira, 28 de junho de 2019

Provas de Contrarrelógio individual (todas as categorias)

Partida: Centro de Estágios de Melgaço

Chegada: Alameda da Inês Negra, junto à Câmara Municipal de Melgaço

 

12h00: Partida das atletas Femininas

12h30: Partida dos atletas Sub 23 masculinos

13h10: Partida dos aletas Elites masculinos

 

Sábado, 29 de junho de 2019

Provas de fundo de Sub 23 masculinos e Femininas

Partida: Alameda da Inês Negra, junto à Câmara Municipal de Melgaço

Chegada: Alameda da Inês Negra, junto à Câmara Municipal de Melgaço

Femininas: Partida às 10h00 e chegada prevista para as 12h24

Sub 23: Partida às 14h30 e chegada prevista para as 18h21

 

Domingo, 30 de junho de 2019

Prova de fundo de Elites masculinos

Partida (11h00): Castro Laboreiro - Melgaço

Chegada (16h16): Alameda da Inês Negra, junto à Câmara Municipal de Melgaço.

 

MENSAGEM DO PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CICLISMO

Os Campeonatos Nacionais são, em qualquer país, uma das provas-rainhas do ciclismo. Os Campeonatos Nacionais de Estrada são os mais importantes de todos, por juntarem  no mesmo pelotão os corredores da vertente mais desenvolvida e mediática da modalidade.

Esta competição, pela relevância nacional que encerra, é também a oportunidade para afirmar o ciclismo como um desporto que contribui para a unidade territorial do país, levando os principais eventos e os melhores praticantes a todo o país.

O local escolhido para a edição de 2019 foi Melgaço, uma decisão feliz, porque leva a animação e o entusiasmo do desporto de alto nível a um município que investe no desporto e que gosta de ciclismo, recebendo provas de referência em diferentes vertentes e disciplinas da modalidade.

A edição de 2019 dos Campeonatos Nacionais de Estrada será organizada pela Associação de Ciclismo do Minho. Faço votos para que a organização corra de acordo com o programado pelas empenhadas gentes minhotas e para que Melgaço sinta o impacto económico e social positivo de acolher um acontecimento desta dimensão.

Deixo uma palavra final para os corredores e para as equipas participantes, desejando-lhes a melhor sorte e apelando ao sentido de responsabilidade de todos para que estes Nacionais sejam exemplares sob o ponto de vista do desportivismo e da ética.

Delmino Pereira

Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo

 

MENSAGEM DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE CICLISMO DO MINHO

Melgaço, além de possuir excelentes condições para a prática do ciclismo e para acolher e organizar grandes eventos, impulsionou uma parceria entre a Câmara Municipal, a Associação de Ciclismo do Minho e a Melsport que contribui não apenas para a promoção de Melgaço e o desenvolvimento da economia local mas, também, estimula a prática desportiva, nomeadamente do ciclismo.

A parceria tem-se revelado de sucesso, com avaliações positivas para todos, destacando-se as capacidades de inovar e de antecipar o futuro evidenciadas pela Câmara Municipal de Melgaço, pela Melsport e pelos seus colaboradores.

Através de uma estratégia, sustentada e criteriosa, de promoção e de desenvolvimento, Melgaço acolheu anteriormente os Campeonatos Nacionais de BTT Maratonas e de Ciclocrosse, além de ser palco regular de atividades desportivas dos Campeonatos do Minho e da Taça de Portugal de várias vertentes do ciclismo.

Essa estratégia elevou Melgaço a uma condição de excelência e de qualidade que, aliada à ímpar beleza natural, à cultura, à gastronomia, ao incomparável e sublime Alvarinho e à excecional arte de bem receber, é garante de sucesso e induz uma enorme vontade de regressar ao destino de natureza mais radical de Portugal.

A Câmara Municipal de Melgaço e a Melsport merecem o reconhecimento pelo contributo para, entre outros, o desenvolvimento do ciclismo e para a promoção da prática desportiva, numa homenagem extensiva a todos os melgacenses pela forma hospitaleira, pelo apoio e pelo carinho que dedicam ao ciclismo.

Acreditamos e tudo faremos para que a gratidão a Melgaço também ocorra nestes Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada que se realizam no momento marcante e histórico da comemoração dos 120 anos da Federação Portuguesa de Ciclismo.

Esperamos e tudo faremos para que estes sejam uns Campeonatos Nacionais memoráveis e pautados, por parte de toda a comunidade velocipédica, pela observância dos princípios da ética, do espírito e da verdade desportiva.

Desejamos e tudo faremos para que nos Campeonatos Nacionais vençam os melhores. Mas também apostaremos para que todos, no regresso a casa, levem consigo boas recordações do Minho e das suas gentes. E que essas recordações perdurem no tempo.

José Luís Ribeiro

Presidente da Associação de Ciclismo do Minho

 

MENSAGEM DO PRESIDENTE DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO

Melgaço centra-se numa imagem forte e que alavanca toda a oferta complementar. As caraterísticas geográficas e geológicas concedem-nos uma posição de destaque!

Temos tudo para se viver momentos fantásticos, sejam eles gastronómicos, radicais, em volta da natureza e mesmo da cultura e património. Orgulhamo-nos de conseguir praticar os desportos de rio e montanha mais exigentes, durante todo o ano. Temos uma deliciosa gastronomia. Um Alvarinho único!

Este posicionamento remete para uma imagem de natureza ativa, associada à tendência crescente de uma sociedade cada vez mais ativa, mais jovem, com um conceito de luxo associado a isolamento positivo, autenticidade e a ambientes naturais que permitam aos visitantes a prática de desportos e a fruição de recantos ricos em paisagem, história, cultura e tradição.

Temos a certeza de que o Campeonato Nacional de Ciclismo de Estrada mobilizará à nossa região muitas pessoas, não só atletas, como curiosos movidos pela adrenalina do ciclismo. Serão bem recebidos! Juntamente com os parceiros locais, conseguimos oferecer díspares propostas, para todos os gostos e idades: cultura, desporto, gastronomia…!

Não duvidamos de que se vão apaixonar por Melgaço, o destino de natureza mais radical de Portugal!

Um bem-haja a todos os que nos visitam nesse dia, em especial aos atletas que, vão Descobrir Melgaço durante o Campeonato.

Boa sorte!

Manoel Batista

Presidente da Câmara Municipal de Melgaço

 

MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA MELSPORT, EM

Melgaço tem excelentes condições naturais e artificiais, nomeadamente com o seu Complexo Desportivo, para a prática do desporto. Ademais, tem vindo a promover eventos desportivos de referência, a nível regional, nacional e internacional, atraindo atletas de vários pontos do País, mas também de Espanha. Este sucesso muito se deve ao seu «braço armado» para o desporto que é a empresa municipal MELSPORT, EM., a qual tem ao seu dispor equipas de trabalho qualificadas que se envolvem nos diferentes projetos desportivos e que nos permitem, a todos, alcançar o sucesso.

O desporto é uma alavanca de desenvolvimento da economia local e é este caminho que queremos potenciar. Melgaço já é uma referência para a prática de desportos de aventura e de desporto com cariz competitivo e/ou de lazer!

É nossa intenção continuar a apostar no desporto. Foi por este motivo que, em 2019, reforçamos a aposta nas provas de ciclismo de estrada, com o acolhimento das competições mais importantes no panorama nacional.

É um orgulho para nós saber que Melgaço, o destino de natureza mais radical de Portugal, é reconhecido e escolhido para receber provas tão importantes como é o caso do Campeonato Nacional de Ciclismo de Estrada. É, sempre, um desafio! Que nos faz crescer e melhorar sempre a cada evento que recebemos.

Boa sorte a todos!

José Adriano Lima

Presidente do Conselho de Administração da Melsport, EM

Fonte: ACM

“Raúl Alarcón no Grande Prémio Abimota cai e é transportado para o hospital”

Ciclista da W52-FC Porto foi conduzido ao Centro Hospitalar de Baixo Vouga, em Aveiro

Por: Lusa

Foto: Luís Vieira

O espanhol Raúl Alarcón (W52-FC Porto), vencedor da Volta a Portugal em 2017 e 2018, caiu este domingo no 40.º Grande Prémio Abimota, tendo sido transportado para o Centro Hospitalar de Baixo Vouga, em Aveiro.

"O Alarcón vinha bem posicionado para tentar ganhar a etapa. Caiu e não sabemos como está. Está a caminho do hospital e vamos ver", adiantou à Lusa o diretor desportivo, Nuno Ribeiro, que admitiu ainda não saber mais detalhes sobre a lesão do corredor.

Alarcón integrava a fuga do quarto e último dia de prova, uma tirada de 174,5 quilómetros entre Anadia e Águeda, quando caiu, tendo que abandonar a prova, depois de já ter sofrido uma queda na terceira etapa, no sábado, que o fez perder vários minutos.

O espanhol, de 33 anos, começou por liderar o Abimota depois do contrarrelógio por equipas da primeira etapa, em Lisboa, vencido pelos 'dragões', mas acabou por não concluir a prova em Águeda, na sequência de uma queda que acontece a pouco mais de um mês do início da Volta a Portugal, em 31 de julho.

Ainda assim, Nuno Ribeiro explicou que a recuperação do chefe de fila é o mais importante e que os exames de hoje, em Aveiro, serão conclusivos sobre a possibilidade de participar na Volta.

"Hoje já devemos saber se pode correr a Volta ou não. Temos de estar tranquilos e recuperar o atleta e a pessoa", acrescentou.

Vencedor da Volta a Portugal em 2017 e 2018, Alarcón começou a época de 2019 com um 19.º posto na Volta ao Algarve, com nota para um segundo posto na Clássica da Arrábida e o terceiro lugar na Volta ao Alentejo, antes de um 17.º na Volta à Turquia, prova do World Tour.

Fonte: Record on-line

“Triatlo nacional no topo da Europa”

Realizou-se dia 23 de junho o Campeonato Europa de Youth, uma prova para triatletas dos 15 aos 17 anos onde Portugal conquistou excelentes resultados.

Esta prova incluiu várias competições com a final a ser disputada nas distâncias de 250 metros da natação, 9km de ciclismo e 1,5 km de corrida.

O nosso país foi a nação que alcançou os melhores resultados nos campeonatos europeus para menores, juntando os resultados do recente Campeonato Europeu de Juniores, onde Ricardo Batista arrecadou a medalha de bronze e Gabriela Ribeiro alcançou a 6ª posição.

Inês Rico, depois de ter sido apurada para a final na sétima posição da sua série, disputou uma final ao mais alto nível, conquistando um excelente segundo lugar e arrecadando a medalha de prata, pelo que se sagrou vice-campeã da europa de youth, ultrapassada apenas pela atleta da Rússia, Anna Goreva.

O primeiro lugar foi para Anna   Goreva, que fez 00:26:43, seguida de Inês Rico, com mais 7’’, que completou a distância em 00:26:50 e o terceiro lugar no pódio para a suíça Rebecca Beti, com 00:26:57.

No setor masculino, Portugal arrecadou mais uma medalha com Alexandre Montez. Depois de uma semifinal bem disputada, em que conseguiu a terceira posição, o triatleta do OutSystems Olímpico de Oeiras confirmou a sua solidez ao subir na final à terceira posição do pódio, conquistando a medalha de bronze no Campeonato da Europa de Youth.

O espanhol Igor Bellido Mikhailova venceu a competição com 00:24:25, o austríaco Jan Bader conquistou a segunda posição com 00:24:27 e o atleta português Alexandre Montez alcançou o terceiro lugar com 00:24:33, a 8’’ do vencedor.

Aliando os resultados do Campeonato da Europa de Juniores com o Campeonato da Europa de Youth, Portugal é atualmente o país europeu mais medalhado e com o maior número de atletas no top 10. O triatlo conquistou três medalhas, enquanto, por exemplo, a França, Suíça ou Áustria alcançaram duas, Além disso, somos a nação que detém o maior número de triatletas no top 10, com seis atletas, já que outros países fortes como França ou Inglaterra contam com cinco atletas, ou quatro, se nos referirmos a nações como Espanha, Áustria, Suíça ou Itália.

Constata-se que o trabalho nacional da formação tem proporcionado dividendos claros e os atletas têm confirmado indicadores muito positivos, conseguindo concretizar resultados internacionais ao mais alto nível.

Depois das medalhas individuais e coletivas dos últimos anos, aproxima-se mais um ano de confirmação, com cada vez mais atletas a disputar os lugares de topo no triatlo mundial.

O outro atleta em prova foi Gonçalo Balbino que se qualificou para a final B, ficando em 14º lugar da sua série, acabando por desistir na final B.

Na semifinal estiveram também presentes Mariana Carvalho que ficou na 21ª posição, Rui Sousa em 22º lugar, Abel Afonso em 23º e João Dias em 24º (este último atleta seguia bem posicionado no ciclismo quando sofreu uma queda que retirou a possibilidade de ser apurado para a final).

A maioria destes atletas participaram na sua primeira prova internacional, deram o seu melhor em prova e ganharam experiência competitiva.

Fonte: Record on-line

“Rui Costa termina Volta à Suíça em 56.º”

Colombiano Egan Bernal venceu a prova

Por: Lusa

Foto: EPA

O colombiano Egan Bernal (INEOS) venceu este domingo a Volta à Suíça, tendo concluído a nona e última etapa em terceiro lugar, enquanto o português Rui Costa fechou a prova na 56.ª posição da geral.

A derradeira tirada, em Ulrichen, foi vencida pelo britânico Hugh Carthy (Education First), que concluiu os 101,5 quilómetros em 3:01.49 horas, menos 1.02 minutos do que o australiano Rohan Dennis (Bahrain-Merida) e Bernal, segundo e terceiro classificados, respetivamente.

Bernal acabou por ser consagrado vencedor da Volta à Suíça, com 19 segundos de vantagem sobre Dennis, e 3.04 minutos sobre o austríaco Patrick Konrad (BORA-hansgrohe), terceiro da geral final.

O português Rui Costa (UAE Emirates), que já venceu a prova por três vezes, fechou a Volta à Suíça no 56.º posto da geral, a 40.38 minutos do líder, depois de ter sido 38.º na última etapa.

Fonte: Record on-line

“Rui Oliveira termina Volta à Eslovénia no 80.º lugar”

Diego Ulissi (UAE-Emirates) foi o vencedor

Por: Lusa

Foto: DR Record

O ciclista italiano Diego Ulissi (UAE-Emirates) venceu este domingo a Volta à Eslovénia, depois de terminar a quinta e última etapa integrado no pelotão da frente, enquanto o português Rui Oliveira (UAE-Emirates) despediu-se na 80.ª posição.

A etapa que ligou Trebjne a Novo Mesto, num total de 167,5 quilómetros, foi vencida pelo italiano Giacomo Nizzolo (Dimension Data), que cortou a meta após 4:01.55 horas, liderando o grupo em que estava Ulissi e o compatriota Giovanni Visconti (Neri Sottoli-Selle Italia), que também lutava pelo triunfo na prova.

Ulissi manteve os 22 segundos de vantagem sobre Visconti e garantiu o lugar mais alto lugar do pódio, que ficou completo com o russo Aleksandr Vlasov (Grazprom-Rusvelo), que terminou a 25 de vencedor.

No último dia de competição, Rui Oliveira voltou a cair na geral e terminou a 59 minutos de Ulissi.

Fonte: Record on-line

“Taça de Portugal de Downhill”

Vasco Bica e Ana Costa confirmam vitória na Taça de Portugal

Quinta e derradeira prova da Taça de Portugal de Downhill confirmou estatuto dos favoritos e consagrou os Elites Vasco Bica e Ana Costa como vencedores do mais importante troféu de regularidade do calendário nacional de DHI.

Vasco Bica fechou com chave d'ouro a Taça de Portugal de Downhill conquistando, em Tarouca, o triunfo na quinta e última prova pontuável a que se soma a vitória no ranking final. Para o atleta da Miranda Factory Team, num regresso a uma pista onde já foi feliz, a vitória começou a desenhar-se na descida de qualificação, malgrado a ameaça do campeão nacional Emanuel Pombo, mais rápido umas centésimas de segundo. Na descida "a valer", contudo, Bica "voou" (2:47.691) para se impor sobre Emanuel Pombo (2:51.228) por pouco mais de três segundos. Na terceira posição da categoria de Elites masculinos terminou Tiago Ladeira, igualmente a competir com as cores da Miranda Factory Team, com o registo de 2:53.469.

A corrida Elite feminina pautou-se pela diferença conquistada por Ana Costa (Ciclo Madeira Clube Desportivo). A atleta madeirense desceu a qualificação com o melhor tempo e dominou a descida final, com 17 segundos sobre a estoniana Maaris Meier (Maiatos), segunda classificada. A terceira posição foi pertença de Carolina Claro (Casa do Povo de Abrunheira).

As contas finais da Taça de Portugal de DHI confirmaram a vitória confortável de Vasco Bica. O atleta coimbrense somou 820 pontos, contra os 478 de Silas Grandy (Wildpack Algarve Racing) e os 430 do campeão nacional Emanuel Pombo. Nas mulheres, Ana Costa terminou a Taça de Portugal de DHI com 614 pontos conquistados. Myriam Nicole (Commençar/Valldord) foi a segunda classificada na tabela, com 500 pontos, e Margarida Bandeira (Montanha Clube/Louzan Park) acumulou 442 pontos.

A Taça de Portugal de DHI terminou em Tarouca com distintos vencedores. Nas categorias de formação, em cadetes, Rui Freitas (Desportivo Jorge Antunes) foi o mais rápido na última descida do troféu mas foi Nuno Reis quem conquistou a Taça. Na versão feminina, Joana Nunes articipou em apenas duas provas mas foi o suficiente para  festejar os títulos. Nos Juniores, Gonçalo Bandeira (Miranda Factory Team) selou em Tarouca o triunfo final no ranking.

Nas categorias Masters, festejaram a conquista do troféu os seguintes atletas: Daniel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo) em Master 30; José Sousa (Casa do Povo da Abrunheira) em Master 40; Antero Oliveira (Bike House DH Team/Guimarães) em Master 50. Ana Martins (Casa do Povo da Abrunheira) venceu a categoria feminina de veteranas.

A classificação por equipas da Taça de Portugal de DHI foi conquistada pela formação vimaranense da Bike House DH Team/Guimarães).

Fonte: FPC

“Circuito da Maceira, Leiria”

A equipa de ciclismo Riomaiorense ASFIC –  Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic, deslocou-se ontem, 22 de Junho, à localidade de Maceira, no concelho de Leiria, para participar no circuito daquela localidade, prova composta por 10 voltas, com cerca de 8 km, perfazendo um total de 82 km.

Neste circuito, participaram cerca de 80 atletas, estando nesta prova também a discussão do apuramento dos novos campeões regionais da Associação de Ciclismo de Santarem.

A ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic participou nesta competição com 8 atletas da sua formação ( João Portela, João Letras, Humberto Careca, Carlos Ochoa, Diogo Sampaio, Edgar Oliveira, Alexandre Mota e Jorge letras )pois a equipa sofreu algumas baixas. Anibal Santo encontra-se afastado da competição devido a problemas de hérnias discais, Ricardo Gonçalves por fratura da clavícula resultante de um acidente de viação enquanto treinava e Daniel Ferreira com fratura do polegar, resultante de uma queda em competição.

 Ainda assim, a equipa partiu para esta competição com o intuito de tentar se superiorizar aos seus adversários e vencer a corrida.

A prova teve início atrasado, iniciando-se a mesma cerca das 17h30, tendo havido varias tentativas de fuga, sempre controladas pelo pelotão.

A passagem da 5 volta, um atleta conseguiu isolar-se e ganhar alguma vantagem ao pelotão.

A ASFIC respondeu ao ataque por Jorge Letras, na passagem da 7 volta, que também ganhou alguma vantagem ao pelotão, mas a ter grandes dificuldades a chegar ao fugitivo.

Os dois atletas, viriam a ser absorvidos pelo pelotão a cerca de 1,5 km da meta.

A corrida viria a ser discutida ao sprint, onde o enorme trabalho feito pelo João Portela, para a grande colocação do seu colega de equipa, levou à conquista da vitória pelo João letras.

A ASFIC  venceu o Circuito da Maceira, por João Letras, obtendo ainda o 3º lugar por João Portela e 5º por Diogo Sampaio.

Por escalões a ASFIC venceu o escalão de elites e obteve o 2º e 3º lugar M30.

No apuramento do campeão regional, João Letras revalidou o titulo de campeão. A ASFIC obteve ainda o 3 º lugar de elites por Alexandre Mota e no escalão M30 João Portela ficou em 2º lugar e Diogo Sampaio em 3º Lugar.

Na classificação coletiva, a ASFIC conquistou o 1º  lugar por equipas.

Toda a equipa está de parabéns, pois as vitórias são fruto do excelente trabalho desempenhado por todos os ciclistas, da sua entrega e do que se esforçam arduamente no sentido de conseguir sempre bons resultados, elevando aos mais alto nível o nome dos seus patrocinadores.

A ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic, agradece a todos os seus patrocinadores, e a todos que estão connosco, e de alguma forma nos ajudam ou apoiam.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Muita chuva e nevoeiro, marcaram o passeio CCL-Clube Campismo de Lisboa”

Texto e fotos: José Morais

A Costa da Caparica recebeu este domingo mais um evento cicloturistico, a organização esteve a cargo do CCL-Clube de Campismo de Lisboa, e contou com cerca de 120 participantes.

Mais de duas centenas estavam inscritas, mas as más condições climatéricas deu origem a que muitos não comparecessem, mesmo assim bem cedo começaram a chegar os participantes, com vontade de pedalarem.

Confirmadas as inscrições, os últimos preparos, pelas 9,15 era dada a partida ao pelotão, sempre com a água a cair, que não afugentou os cicloturistas, que lá partiram para um trajeto com cerca de 60 quilómetros, percorridos pelo concelho de Almada.

Trafaria, Lazarim, Sobreda, Vale de Figueira, Corroios, Casal do Marco, Coina, Fernão Ferro, Fogueteiro, Paivas, Vale de Milhaços, Sobreda, Trafaria, foram alguns dos pontos de passagem percorridos pelo pelotão, que mesmo com muita chuva não desanimou, e pedalou em animado convívio.

Uma velocidade de verdadeiro cicloturismo, um pelotão sempre compacto, uma organização a saber conduzir o passeio, e um passeio a terminar em grande, com ausência de quedas e incidentes, o que valorizou o mesmo, mas para que isso pudesse acontecer, um trabalho importante da parte dos batedores da PSP, GNR, os Motares do Seixal e de Oeiras, e ainda a participação dos bombeiros de Camarate, que também acompanharam de mota, e que todos em conjunto, fizeram deste passeio apesar das más condições climatéricas, um excelente convívio.

No final, Rui Rodrigues responsável pelo evento fazia um balanço à nossa reportagem ao dizer: “Foi um belo passeio, não tivemos acidentes, todos chegaram bem, todos colaboraram, temos a lamentar o tempo que não ajudou, muitos retraíram-se de virem participar, mas os presentes foram valentes, fazemos votos de que em 2020 possamos contar com estes e outros participantes em mais um Grande Passeio de Cicloturismo, obrigado a todos”.

E pouco mais para dizer, as condições de trabalho foram más, mas como sempre tentamos dar o nosso melhor, e tentamos trazer os melhores momentos, esperando que na próxima edição seja melhor. No final um grande almoço para confraternizar, e lembranças a todos os participantes, não podendo ainda terminar sem deixar um agradecimento como a nossa reportagem foi recebida, um muito obrigado, e despeço-me com os votos de bons passeios, boas pedaladas.
 

Podem ser visualizadas as fotos deste evento em: