domingo, 11 de março de 2018

“MICHAL KWIATKOWSKI LIDERA TIRRENO-ADRIÁTICO”

A quinta etapa foi ganha pelo britânico Adam Yates

Por: Lusa

O ciclista polaco Michal Kwiatkowski (Sky) subiu este domingo à liderança da Tirreno-Adriático, numa quinta etapa ganha pelo britânico Adam Yates (Mitchelton-Scott).

Yates cumpriu os 178 quilómetros entre Castelraimondo e Filottrano em 4:16.35 horas, com sete segundos de avanço para o pelotão, liderado pelo eslovaco Peter Sagan (Bora), que bateu ao sprint o novo comandante da prova, Kwiatkowski.

O polaco tem agora o italiano Damiano Caruso (BMC), ex-líder, a três segundos, e o espanhol Mikel Landa (Movistar) a 23.

O britânico Chris Froome, chefe de fila da Sky de Kwiatskowski e que venceu por quatro vezes a Volta a França, teve problemas mecânicos a cinco quilómetros da meta e perdeu 8.05 minutos.

Froome, que apontou a Volta a Itália, em maio, como o seu primeiro objetivo da época, ainda tem a pairar sobre si a ameaça de uma possível suspensão devido a controle positivo de doping na Volta a Espanha de 2017.

José Gonçalves (Katusha) foi 15.º a 15 segundos e subiu cinco lugares para 23.º, a 4.59, enquanto Nelson Oliveira (Movistar) acabou em 56.º, a 3.45, subindo uma posição para 51.º, a 19.48.

Na segunda-feira, disputa-se a sexta de sete etapas, de 153 quilómetros entre Numana e Fano.

Fonte: Record on-line

“PARIS-NICE: MARC SOLER VENCE”

Tiago Machado acabou clássica no 51.º lugar

Por: Lusa

Foto: Movistar Team

O ciclista espanhol Marc Soler (Movistar) venceu este domingo a clássica Paris-Nice, após integrar uma fuga com mais dois compatriotas e que resultou no triunfo de David de la Cruz (Sky), na oitava e última etapa.

Juntamente com Cruz, Soler, de 24 anos, atacou a pouco mais de 40 quilómetros da meta e juntou-se ao fugitivo e também compatriota Omar Fraile (Astana) no alto de Eze, numa subida do percurso seletivo de 110 quilómetros com início e fim em Nice.

O trio manteve uma vantagem que resultaria no triunfo final de Marc Soler, superando, no computo geral da prova, o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) por apenas quatro segundos, enquanto Gorka Uzagrirre Insausti (Bahrain Merida Pro) completou o pódio, a 14.

Soler abdicaria do 'sprint' e chegaria a três segundos de de la Cruz, que se impôs mesmo em cima da meta: Yates integrou um grupo de oito ciclistas que não conseguiu anular a vantagem, chegando à meta a 38 segundos do primeiro.

David de la Cruz venceu pelo segundo ano consecutivo a última etapa, enquanto Marc Soler obteve o seu primeiro triunfo na carreira em prova de etapas.

Tiago Machado (Katusha) chegou em 61.º a 21.50, caindo dois lugares para o 51.º final, a 52.15.

Fonte: Record on-line

“CONVOCATÓRIA PARA A TAÇA DA EUROPA DE TRIATLO DE QUARTEIRA – JUNIORES”

JOANA MIRANDA, RICARDO BATSITA E JOSÉ PEDRO VIERIRA NASELECÇÃO PORTUGUESA DE TRIATLO

A ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS teve mais um momento que ficará marcado na sua história, pelo 4º ano consecutivo consegue que os seus triatletas estejam presentes na principal prova de triatlo que se realiza em Portugal, a TAÇA DA EUROPA de Triatlo de Quarteira.

O trajeto destes jovens com idades entre os 16 e os 17anos tem sido delineado pelo seu técnico PAULO ANTUNES, que tem vindo conscientemente a preparar os mesmos para ultrapassarem etapa a etapa, e assim conseguirem os seus objetivos.

JOANA MIRANDA, estudante no 12º ano na Escola Secundária do Entroncamento e residente em Riachos, este ano além desta convocatória, já se sagrou Vice-campeã Nacional de Duatlo em Juniores.

RICARDO BATISTA, estudante no 12º ano na Escola Maria Lamas em Torres Novas e residente em Torres Novas, este ano além desta convocatória, já se sagrou Campeão Nacional de Duatlo em Juniores.

JOSÉ PEDRO VIEIRA, estudante no 11º ano na Escola Maria Lamas em Torres Novas e residente em Torres Novas, este ano além desta convocatória, já se sagrou Campeão Nacional de Duatlo em Cadetes.

PAULO ANTUNES, para além destes três atletas da nossa Escola, está também de parabéns pelos vários atletas que treina a nível nacional e que também conseguiram alcançar este objetivo.

A grandeza deste evento traduz os números de 2017, onde participaram no Triatlo de Quarteira, 700 atletas, estando representados 31 países, tendo uma audiência de 500 mil pessoas. Em 2018, a TAÇA DA EUROPA DE TRIATLO DE QUARTEIRA realiza-se nos dias 24 e 25 de março.

No primeiro dia do evento, terá lugar a prova de elites mundial e europeia, em que 150 atletas de 26 países irão efetuar um triatlo na distância olímpica (1500m/natação, 40km/ciclismo e 10km/corrida).

No segundo dia de prova, domingo dia 25 de março, é a vez dos escalões juniores participarem, onde 130 atletas de 16 países, terão que realizar um segmento de natação de 750m, um segmento de ciclismo de 20Km e por fim um segmento de corrida com 5Km. As atletas femininas, onde a JOANA MIRANDA irá estar a competir, disputam a prova a partir das 8h45, enquanto a prova do setor masculino, aonde estarão os atletas RICARDO BATISTA e JOSÉ PEDRO VIEIRA, a prova tem o seu início previsto para as 10h00.

 

Entretanto realiza-se no dia 17 de março na Madeira, a 2ªetapa do Campeonato Nacional de Triatlo Jovem, o Aquatlo de Machico que contará com a presença de alguns atletas jovens torrejanos, depois de neste fim-de-semana o mau tempo ter impedido a realização da jornada dupla no Algarve. As 2 provas a contar para o Campeonato Nacional de Clubes de Triatlo foram canceladas, tendo o Triatlo olímpico de Lagoa já data marcada para o dia 29 de abril.

Fonte: ESCOLA DE TRIATLO DO CLUBE DE NATAÇÃO DE TORRES NOVAS

“Clássica da Arrábida/Vitória heróica de Dmitrii Strakhov”

Por: José Carlos Gomes

O russo Dmitrii Strakhov (Lokosphinx) venceu hoje a Clássica da Arrábida – Cyclin’Portugal, após pedalar mais de 50 quilómetros em solitário. Óscar Hernández (Aviluado-Louletano-Uli) foi o terceiro e assumiu o comando do Troféu Liberty Seguros.

Os 145,4 quilómetros, entre Sesimbra e Setúbal, foram tão épicos como se esperava. A chuva e o vento endureceram uma clássica já de si difícil, com três setores de terra batida e quatro subidas pontuáveis para o prémio da montanha.

O pelotão não se atemorizou com as condições adversas e pedalou a alta velocidade. Na primeira hora percorreram-se 49 quilómetros e os principais responsáveis pela alta velocidade foram os 19 homens que atacaram quando estavam percorridos cerca de 20 quilómetros.

O grupo de escapados foi ganhando vantagem sobre o pelotão e passou unido pelos três setores de macadame. No entanto, a 51 quilómetros da meta, na subida de segunda categoria para Palmela, a primeira das quatro escaladas pontuáveis, Dmitrii Strakhov arrancou para uma aventura em solitário.

O russo, décimo primeiro classificado na Volta a França do Futuro de 2017, foi galgando terreno e conquistando vantagem sobre os perseguidores e sobre o pelotão. Passou na frente em todas as contagens de montanha e desceu a serra da Arrábida como uma flecha para cruzar o risco isolado, em Setúbal, ao fim de 3h29m49s de corrida.

Dmitrii Strakhov conquistou, de forma heróica, a primeira vitória profissional da carreira. A 34 segundos chegaram James Fouche (Team Wiggins) e Óscar Hernández (Aviludo-Louletano-Uli), segundo e terceiro, respetivamente. Nos 15 primeiros apenas se colocaram ciclistas da fuga inicial de 19 elementos.

O russo ganhou a clássica e a classificação dos trepadores, enquanto a Lokosphinx foi a melhor equipa. O neozelandês James Fouche impôs-se entre os sub-23.

A Clássica da Arrábida foi a segunda de três provas pontuáveis para o Troféu Liberty Seguros. O espanhol Óscar Hernández, com o terceiro posto em Setúbal, assumiu o comando do Troféu, somando agora 90 pontos, mais 15 do que Strakhov e Tiago Machado.

 

Clássica da Arrábida

1.º Dmitrii Strakhov (Lokosphinx), 3h29m49s

2.º James Fouche (Team Wiggins), a 34s

3.º Óscar Hernández (Aviludo-Louletano-Uli), mt

4.º Mark Downey (Team Wiggins), a 36s

5.º Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista), a 37s

6.º Gonzalo Serrano (Caja Rural-Seguros RGA), a 42s

7.º Jon Aberasturi (Euskadi Basque Country-Murias), a 50s

8.º Oscar Pelegri (Caja Rural-Seguros RGA), mt

9.º Justin Oien (Caja Rural-Seguros RGA), mt

10.º Mamyr Stash (Lokosphinx), mt

Fonte: FPC

“Taça de Portugal de Juniores/João Afonso ganha em Alcobaça”

Por: José Carlos Gomes

João Afonso (CC Barcelos/AFF/Orbea/Onda) ganhou hoje a primeira corrida da Taça de Portugal de Juniores, disputada em Alcobaça. O corredor da equipa minhota foi o mais rápido do trio que chegou à meta adiantado.

A corrida de 111,9 quilómetros foi sempre muito atacada, como é apanágio da categoria júnior, começando a definir-se com cerca de 60 quilómetros percorridos. Foi nessa altura que se isolaram seis corredores que viriam a discutir o triunfo.

O entendimento entre o sexteto nem sempre foi perfeito, com vários ataques entre os seus elementos. Nesta toada desportivamente beligerante, deram-se melhor três ciclistas, que se destacaram ligeiramente dos demais.

João Afonso foi o primeiro a passar a meta, ao fim de 3h06m39s de prova. Com o mesmo tempo chegaram Diogo Ribeiro (Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana) e João Macedo (Sicasal/Liberty Seguros/Bombarralense).

O Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana ganhou por equipas. Rafael Gouveia (LA Alumínios/SGR Ambiente/CC Aldeia Paio Pires) foi o rei dos trepadores e Rúben Simão (Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana) venceu a classificação das metas volantes.

 

Classificação

1.º João Afonso (CC Barcelos/AFF/Orbea/Onda), 3h06m39s

2.º Diogo Ribeiro (Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana), mt

3.º João Macedo (Sicasal/Liberty Seguros/Bombarralense), mt

4.º Guilherme Mota (Alcobaça CC/Crédito Agrícola), a 3s

5.º Rúben Simão (Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana), a 6s

6.º Pedro Andrade (Vito/Feirense/BlackJack), a 30s

7.º Francisco Marques (ACD Milharado/EC Manuel Martins), a 1m15s

8.º Francisco Guerreiro (Sicasal/Liberty Seguros/Bombarralense), mt

9.º Rodrigo Caixas (Bairrada), mt

10.º Pedro Silva (Seissa/KTM Bikseseven/Matias & Araújo/Frulact), mt

Fonte: FPC

“Pedalar no trânsito e na estrada”

Texto: José Morais
Fotos: Arquivo NP
Os acidentes na estrada com ciclistas continuam, falta de respeito, má educação, um sem número de coisas tem originado, acidentes graves, onde o elo mais fraco é sempre o ciclista, dando depois a acidentes com danos graves para quem pedala, onde muitos desses acidentes acabam por ser mortais.

Todos nós sabemos que muitos condutores não gostam de ciclistas, são contra a bicicleta, e muitos tentam atropelar os mesmos, porém, a penalizações para os mesmos, não tem sido muito severas que se conheçam, o que vai deixando muitas mazelas a quem pedala, mas… muitos são os ciclistas que às vezes desconhecem as suas obrigações, e colocam tanto a sua vida em perigo com a de terceiros, por isso deverá haver mais consciência, e responsabilidade, e para se ser respeitado, terá de também se respeitar.

As autoridades portuguesas até agora ainda não foram rigorosas, tem sido benevolentes, e deixado passar muitas coisas, mas tudo pode mudar, e as penalizações podem vir a acontecer, por isso é bom prevenir, e ter cuidado.

Em Espanha as autoridades, são mais rígidas, e vejam o caso recente de 'PURITO' MULTADO POR FILMAR ENQUANTO CONDUZIA" em 80 euros, porque apesar de se tratar de uma bicicleta, a lei diz que quando se conduz não se pode utilizar o telefone, e isso aplica-se a todos os veículos. Em Portugal já aconteceu a um ciclista que seguia de bicicleta com uma taxa de álcool superior ao permitido, e lhe apreendida a carta de condução, por isso cuidado, e ficam aqui umas dicas.


Trânsito: carros e mais carros, autocarros, motociclistas apressados, pedestres.


E nós, ciclistas. Como é que nós fazemos?

Pedalar no trânsito parece impossível para muitos, principalmente para quem mora em cidade grandes. Será mesmo? Se isto é verdade, por que tem aumentado o número de ciclistas nas ruas?
 

O que é verdade ou imaginação sobre segurança no trânsito?

 Segurança no trânsito é estabelecida a partir de números, estatísticas, encontradas através de pesquisas realizadas com base científica, que dizem de fato o que é seguro, perigoso ou inseguro para o condutor de um veículo, pedestre ou qualquer outro que esteja participando do trânsito.
 

 O resto é imaginação (ou ficção) popular, e esta sim, costuma ser perigosa.

Normalmente, quando acontece um acidente a história corre de boca em boca, e em pouco tempo parecerá que houve um acidente em cada esquina e a cada minuto. Há um certo prazer em contar e ouvir histórias deste tipo. Mesmo depois de muito tempo, um acidente sempre é uma conversa interessante. O que foi um tombo causado por um susto acaba se transformando num coitado sob as rodas de um autocarro.

 É como no caso dos aviões: há em média 2 (sim, dois!) acidentes para cada milhão de decolagens, o que transforma o avião no meio de transporte mais seguro existente. Mesmo assim só se fala nos que se desfazem quando caem. Detalhe: nestes dois raríssimos acidentes não necessariamente houve morte, nem um arranhão sequer (o avião apenas pousou de barriga).

A imensa maioria dos ciclistas pedala sem sofrer acidentes de trânsito! Mas, bom mesmo é quando há sangue na conversa. 

 O fato é que as pessoas se agarram a certas verdades muito mais para evitar a possibilidade de mudanças em suas vidas do que para qualquer outra coisa. "Vai que pedalar é muito mais seguro que imagino, eu vou ter que assumir que estava errado todo este tempo".

O que é novo é estranho e traz receios. Para quem pedala pela primeira vez no trânsito a situação pode parecer assustadora. Só nos conscientizamos que a maioria dos perigos são imaginários com a convivência, a prática.

Trânsito é previsível, tem lógica, responde à física. Há uma parte psicológica? Sim, mas esta também é previsível.

Todo o acidente é causado por um erro, uma falha. Se não houver erro ou falhas, não haverá acidente. É óbvio, parece uma afirmação besta, idiota, mas não é, muito pelo contrário. Quem compreende esta verdade, entende o que é segurança no trânsito e praticamente zero a possibilidade de um acidente.

Antes de culpar o outro, descubra qual é seu erro e você descobrirá a solução para o conflito.


Para o ciclista em qualquer lugar:

1. Seja educado

2. Obedeça às leis de trânsito

3. Sempre sinalize suas intenções, mudanças de direção e paragens

4. Use roupas claras ou chamativas

5. Use e mantenha os refletores limpos, usando luzes se pedalar à noite

6. Evite ruas e avenidas mais movimentadas

7. Mantenha-se à direita e na mão de direção

8. Não faça zig-zag: procure pedalar mantendo uma linha reta

9. Aprenda a ouvir o trânsito

 

Pedalar com segurança

Se o ciclista seguir algumas regras básicas, o risco de acidente pode cai praticamente a zero. Sempre haverá possibilidade de alguma tensão ou conflito, mas será bem mais difícil a ocorrência de um acidente.

O importante é você entender que, enquanto pedala e conduz a bicicleta, você é um ciclista, e não um motorista ou motociclista. Bicicleta acelera, mantém a velocidade e desacelera de uma maneira completamente diferente de qualquer veículo motorizado. Por causa disto a relação do ciclista com o trânsito tem suas particularidades que tem ser respeitadas.

Muitos dos acidentes de trânsito envolvendo ciclistas são responsabilidade do próprio ciclista, não excluindo a responsabilidade dos muitos condutores que não respeitam o ciclista.


 Pedalar tranquilo

Acredite no que a prática de mais de 100 anos diz. Segurança no trânsito, de verdade, é construída a partir da experiência, que vira estatísticas, o que permite construir uma ciência, que acaba mostrando o que é de fato seguro ou não. Isto vale para os condutores de todos veículos, incluindo o ciclista. Lendo documentos oficiais e de especialistas, do mundo inteiro, é possível afirmar sobre a segurança no trânsito do ciclista que:

1. Muitos acidentes é causada muitas vezes pelo próprio ciclista. Quase todos acidentes tem responsabilidade direta ou indireta do próprio condutor; por distração, desrespeito a sinalização, falha mecânica, erro de cálculo, falta de bom senso, mas uma grande parte também da responsabilidade dos muitos condutores que não respeitam o mesmo.

2.         Praticamente todos acidentes envolvendo ciclistas acontecem em cruzamentos e esquinas. Colisão lateral é uma das principais causas de mortes de ciclistas.

3.         Colisão por trás também acontece muito. Aumenta quando o ciclista pedala em avenidas, vias expressas e estradas.

4.         Pedalar na contra-mão é a situação mais perigosa para o ciclista e em caso de acidente normalmente acaba em sequelas graves, irreversíveis, ou morte.

5.         Ciclista que veste roupas claras ou chamativas e sinaliza suas intenções, diminui sensivelmente a possibilidade de acidente.

6.         Boa parte dos acidentes são também causados por falha na manutenção da bicicleta.

7.         Pedalar completamente relaxado acreditando que ciclovias são completamente seguras é causa de vários acidentes. O número de colisões entre ciclistas também acontece.

8. Atropelamento de peões por bicicletas é fato comum, principalmente quando o peão cruza a rua, ciclovia. Normalmente causa lesões, até graves, para os dois, peão e ciclista.


 A relação com o condutor:

1. Quanto espaço ele precisa para travar

2. Para onde ele está olhando quando conduz

3. Olho no olho do condutor ou peão

4. Se não é possível ver o olho do condutor, olhe para as rodas dianteiras do carro

5. Tente antecipar a reação do trânsito: olhe longe, pense adiantado

6. Cuidado com a abertura das portas dos carros


 O que nunca se deve fazer:

1. Nunca pedale em contra-mão, a não ser que esteja sinalizado

2. Não pedale onde o conduor não o pode ver

3. Nunca entre nos cruzamentos, esquinas ou saídas de estacionamentos se tomar precauções

4. Nunca force uma situação contra um carro, moto ou autocarro, tentando disputar com o mesmo, a bicicleta é o elo mais fraco

5. Não pedale muito próximo do veiculo da frente

6. Não fique olhando para trás o tempo todo, somente o tempo necessário para perceber o trânsito no caso de necessidade de mudança de direção ou faixa. Preocupe-se com o que vem pela frente

7. Não use telemóvel


 Precauções:   

1. Pedale de forma com que o seu comportamento transmita segurança aos outros

2. Só olhe para trás quando for realmente necessário

3. Em descidas fortes, evite deixar a bicicleta tomar velocidade excessiva que não possa controlar

4. Cuidado com mudanças de piso e suas diferentes aderências

5. Tampas de esgoto em aço ou sinalização pintada no solo quando molhadas escorregam muito

6. Com chuva ou chão escorregadio diminua a velocidade

7. Com chuva a visibilidade de todos fica prejudicada e reduzida

8. Esteja sempre com a mudança correta introduzida, em especial quando sobe, para não ter de parar repentinamente. Antes de parar a bicicleta nos cruzamentos coloque uma mudança correta que lhe permita arrancar rapidamente

9. Respeite o peão, sempre


 Para o condutor:

1. Faixas de rodagem são calculadas para a passagem de um veículo por vez

2. A maioria dos condutores não pedala, portanto não sabe como a bicicleta se comporta em movimento

3. A diferença de velocidade entre uma bicicleta e um automóvel é grande e o tempo de reação do condutor é baixo

4. Condutores precisam prestar atenção em muita coisa ao mesmo tempo. A bicicleta é visualmente o menor dos veículos no trânsito, portanto o mais difícil de ser percebido

5. Condutores de qualquer veículo grande não tem uma boa visibilidade externa, portanto o ciclista deve guardar distância

6. Um carro ou uma moto travam mais rápido que uma bicicleta

7. A bicicleta desaparece no ângulo formado pela coluna de um carro


 Para o peão e outros:

1. Peões tem prioridade sobre ciclistas. Lembre-se que você também é um peão. Respeite para ser respeitado

2. Um peão pode mudar de direção de maneira muito brusca. Aproxime-se devagar, avisando sua chegada e passe guardando sempre uma distância

3. Patins e skates também mudam de direção muito rápido, cuidado

4. Cães e gatos tem reações inesperadas. Evite assustá-los, se for atacado por um cão, tente parar e defender-se, continuar a pedalar pode ser perigoso

5. Próximo das árvores pode haver raízes perigosas, cuidado

Finalizando, com mais atenção e respeito entre todos pode-se evitar mais acidentes com ciclistas, se muitos condutores, especialmente os automobilistas são mais agressivos com os ciclistas, os motociclistas respeitam mais os mesmos, porém, acima de tudo terá de haver mais civismo, e respeito, porque na estrada existe sem dúvida espaço para todos, para isso terá de haver bom comportamento, e assim se evitar danos muito graves, e mortes para quem usas a bicicleta.