domingo, 30 de junho de 2019

“Nova edição mensal da Revista Notícias do Pedal”

A “Revista Notícias do Pedal” acabou de lançar a edição número 286, de junho, a mesma contém uma grande diversidade de notícias, nas mais diversas modalidades, descubra e conheça a mesma, e ainda outras novidades, e outros projetos, e participe.

Temos espaço para divulgar o seu evento antes e após a realização do mesmo, pode divulgar ainda tudo o que se relaciona com a bicicleta, como um acontecimento, um passeio onde participou, uma novidade.

Temos espaço diário, e mensal, e damos liberdade aos nossos leitores, de se pronunciarem, e fazerem as suas divulgações, para que isso aconteça, basta enviarem um pequeno texto, algumas fotos, ou cartazes, e nós tratamos do resto.

Todas as notícias podem ser enviadas para os nossos mails:


A nossa publicação pode ser visualizada em: www.noticiasdopedal.com onde vai encontrar todos os nossos projetos e links para os mesmos.

Boas leituras…

“Federação de ciclismo mantém "aposta na descentralização" dos nacionais”

Localidade anfitriã dos campeonatos de 2020 "ainda não está fechada"

Por: Lusa

A Federação Portuguesa de Ciclismo pretende manter a aposta na descentralização na organização nos campeonatos nacionais de modalidade, levando a prova para diferentes pontos do país.

A garantia foi dada por Sérgio Sousa, dirigente do organismo, embora afirmando que a localidade anfitriã dos campeonatos de 2020 "ainda não está fechada".

"A Federação tem implementado esta política de descentralização dos campeonatos nos últimos 10 anos e será para continuar. Não sabemos onde serão os próximos, ainda estamos a estudar as propostas, mas tentaremos que seja em locais que ainda não receberam este evento, para continuarmos a passar esta boa mensagem do ciclismo pelo país", disse Sérgio Sousa.

O diretor da Federação Portuguesa de Ciclismo considerou que a edição deste ano dos campeonatos nacionais "foi um sucesso".

"Tivemos espetáculo, uma boa moldura humana, e grande entrega dos ciclistas, fazendo jus ao espírito desta competição. Foi um bom fim-de-semana de ciclismo. Melgaço e a Associação de Ciclismo do Minho estiveram incensáveis na organização. Conseguiu-se realizar uns campeonatos de excelência", vincou Sérgio Sousa.

Fonte: Record on-line

“Campeonato Nacional de Estrada/Domingo de festa para o ciclismo amador no Alandroal”

Por: José Carlos Gomes

A vila do Alandroal, no Alentejo encheu-se de cor com a realização dos Campeonatos Nacionais de Estrada para ciclistas amadores, masters e universitários, durante este fim de semana. Para domingo ficaram guardadas as provas de fundo, que juntaram 224 ciclistas.

Os corredores amadores de elite e os masters 30 e 35 enfrentaram um desafio de 144,7 quilómetros, que terminou com uma discussão ao sprint nas três categorias. O vencedor em elite foi João Letras (ASFIC/Grupo Parapedra), o melhor master 30 foi Rui Resende (Precious Space/Soutense/C. Fisioterapia) e Hélder Pereira (Ronda/Restaurante Grelha/Auto Marques).

As provas de masters 40 e masters 45 totalizaram 108,8 quilómetros e ambas terminaram com os vencedores ligeiramente destacados relativamente aos adversários mais diretos, com triunfos de Nuno Inácio (Lusitano de Évora), entre os mais jovens dos veteranos 40, e de Luís Machado (Boavista/Servigás/DuoBike/Nast), nos masters 45.

A corrida de masters 50 e 60 foram de 77,9 quilómetros. Impuseram-se o master 50 Vítor Lourenço (Viveiros Vítor Lourenço/Sintra CC), o master 55 José Afonso (Precious Space/Soutense/C. Fisioterapia), o master 60 João Ramos e o master 65 Manuel Domingos (Swick Cycling Team/CB Almodôvar).

Os Nacionais de masters e de amadores de elite acolheram também os campeonatos nacionais universitários. No setor masculino impôs-se Marvin Scheulen, corredor da equipa continental LA Alumínios-LA Sport, que nesta competição representou AEUE. Isabel Jorge (Nova) foi a melhor feminina.

Fonte: FPC

“Campeonato Nacional de Estrada/Vitória emotiva de José Mendes em Melgaço”

Por: José Carlos Gomes

O minhoto José Mendes (Sporting-Tavira) conquistou hoje, em Melgaço, o título nacional de fundo na categoria de elite, no culminar de uma prova de 197 quilómetros, disputada a alta velocidade, apesar de grande exigência do percurso.

Numa longa corrida praticamente sem um palmo de terreno plano, sucederam-se as fugas depois dos primeiros 60 quilómetros de competição. Primeiro estiveram adiantados oito corredores, entre os quilómetros 60 e 135.

A situação de pelotão compacto não durou muito. Ao quilómetro 143 atacaram mais sete ciclistas. O único repetente das duas iniciativas foi o corredor que alinhou com o dorsal número um, o campeão nacional de 2018, Domingos Gonçalves (Caja Rural-Seguros RGA). Este grupo de fugitivos nunca teve grande margem sobre o pelotão e acabou por cindir-se. Os mais resistentes foram mesmo Domingos Gonçalves e César Fonte (W52-FC Porto), alcançados a 22 quilómetros da chegada.

Quando se esperava que a subida só transposta na última volta fosse palco de ofensivas, não ocorreu qualquer movimentação de relevo. Sendo já na fase de aproximação à meta que Ricardo Mestre (W52-FC Porto) tentou surpreender de longe. O algarvio entrou no último quilómetro isolado, mas José Mendes respondeu nos mil metros finais.

Disputado em subida acentuada, o quilómetro final deixou as emoções ao rubro, nos corredores e no público. Ricardo Mestre resistiu até à última curva, a 50 metros da chegada, mas José Mendes, num último fôlego, passou pelo portista e impôs-se ao fim de 4h39m33s de prova (média de 42,282 km/h). Ricardo Mestre foi o segundo classificado, a 2 segundos. Também a 2 segundos chegaria António Carvalho (W52-FC Porto), que pode lamentar não ter saltado do pelotão mais cedo, pois fez uma grande recuperação nos últimos 150 metros, quase “colando” a José Mendes.

A competir no Minho natal, o vimaranense José Mendes saboreou um triunfo de grande emoção, para o próprio e para os muitos apoiantes que o vitoriaram após o final da corrida.

“É sempre uma corrida especial, nunca se sabe o que vai acontecer. Proporcionou-se estar na frente na fase final e, no último quilómetro, fui buscar forças a todos aqueles que estavam a apoiar-me e a gritar por mim. As últimas pedaladas foram graças a eles. A corrida foi dura, disputada a grande velocidade. Ainda tenho de digerir este resultado”, confessou José Mendes, visivelmente emocionado.

Fonte: FPC

“João Silva 21.º na etapa canadiana do Mundial de triatlo”

Belga Jelle Genns foi o vencedor da prova

Por: Lusa

Foto: EPA

O português João Silva terminou este sábado no 21.º lugar a etapa de Montreal do campeonato do mundo de triatlo, ao cumprir a distância 'sprint' em 55.06 minutos.

O triatleta natural da Benedita concluiu os 750 metros de natação, 20 quilómetros de bicicleta e cinco de corrida em mais 1.17 minutos do que o vencedor, o belga Jelle Genns.

Genns impôs-se ao 'sprint' ao espanhol Mario Mola, que gastou mais um segundo do que o belga, enquanto Tyler Mislawchuk tornou-se no primeiro canadiano a subir ao pódio numa etapa do Mundial de triatlo, ao chegar quatro segundos depois do vencedor.

Fonte: Record on-line

“W52-FC Porto confia em Raúl Alarcón”

Espanhol ainda está em recuperação, mas colegas acreditam no 'triplete'

Por: Pedro Filipe Pinto

Foto: EPA

A última etapa do GP Abimota ficou marcada pela grave queda que vitimou Raúl Alarcón. O espanhol da W52-FC Porto fraturou a clavícula direita e muitos deram como impossível recuperar a tempo para a Volta a Portugal.

No entanto, não é isso que os portistas pensam. António Carvalho deixa bem claro que Alarcón continua a ser o líder da W52-FC Porto. "Partiu a clavícula sim, mas todos sabem o grande atleta que é. Não tenho dúvida de que vai vencer novamente. Ele será fundamental e irá certamente para o 'triplete'", garante o ciclista, de 29 anos, que não pensa em subir na hierarquia portista: "Nem me passa pela cabeça."

Por sua vez, Joaquim Silva admite que a equipa sentiu o 'toque', mas também está convicto na recuperação do líder. "O Sr. Raúl Alarcón... só o nome diz tudo! A preparação estava a correr muito bem e, sim, este foi um pequeno desaire, mas penso que estará em breve de volta aos treinos para estar o melhor possível na Volta. Acredito que vá estar", refere, mas mostra-se cauteloso: "Se não estiver, temos mais um ou dois elementos que estarão prontos."


Rui Vinhas de volta à competição

O vencedor da Volta a Portugal de 2016, Rui Vinhas, vai voltar à competição depois das notícias sobre o seu controlo positivo a betametasona. O português vai estar em Melgaço, para disputar a prova de fundo dos Campeonatos Nacionais de ciclismo.

Fonte: Record on-line