quinta-feira, 28 de julho de 2016

“Volta a Portugal de Juniores Liberty Seguros”

João Almeida vence em Braga

O campeão nacional de juniores, João Almeida (Bairrada), deu hoje seguimento à época excecional que está a viver, impondo-se, em Braga, na primeira etapa da Volta a Portugal de Juniores Liberty Seguros.

O corredor natural das Caldas da Rainha impôs-se em solitário ao cabo dos 108,6 quilómetros que, sob calor intenso, ligaram São João de Ver a Braga.

João Almeida integrou a principal fuga do dia, formada por oito corredores, quando estavam percorridos cerca de 50 quilómetros. O campeão nacional de fundo e de contrarrelógio não gostou da companhia e, a quilómetro e meio do fim, isolou-se para cortar a meta sozinho. Seguiram-se dois corredores da RH+ Polartex-Fundación Contador, Tomeu Gelabert, a 6 segundos, e Alejandro Ropéro, a 7 segundos.

“Vinha na fuga e ataquei na última subida. Tenho como objetivo levar a camisola amarela até ao final. Conto com os meus companheiros de equipa para essa tarefa. Aliás, a equipa unida que tenho é o segredo das vitórias que conquistei neste ano”, afirmou o camisola amarela.

A Volta a Portugal de Juniores não tem bonificações, pelo que a classificação geral replica a classificação da etapa. João Almeida junta a camisola dos pontos à amarela. A Bairrada comanda por equipas. O espanhol Tomeu Gelabert é o melhor trepador e Pedro Lopes (Alcobaça CC/Crédito Agrícola), quarto da geral, é o primeiro entre os juniores de primeiro ano.

A segunda etapa corre-se nesta sexta-feira, levando a caravana de Vila Verde até Fafe, ao longo 88 quilómetros. Esta tirada designa-se Troféu Peixoto Alves, homenageando o corredor minhoto, depois de a ligação de hoje ter lembrado Joaquim Sousa Santos.

Classificações

1.ª Etapa e Geral Individual

1.º João Almeida (Bairrada), 2h52m14s (Mèdia: 37,832 km/h)

2.º Tomeu Gelabert (RH+ Polartex/Fundación Contador), a 6s

3.º Alejandro Ropéro (RH+ Polartex/Fundación Contador), a 7s

4.º Pedro Lopes (Alcobaça CC/Crédito Agrícola), mt

5.º Daniel Viegas (Bairrada), a 15s

6.º José Carlos Amil (Seleção da Galiza), a 24s

7.º Fábio Silva (Escola Ciclismo Carlos Carvalho), a 1m14s

8.º Hugo Garcez (ACDC Trofa), a 1m23s

9.º André Rafeiro (Bairrada), mt

10.º Diogo Ferreira (Sicasal/Liberty Seguros/Bombarralense), mt

Fonte: FPC

“Volta Portugal/'Marca' destaca aposta de FC Porto e Sporting na modalidade”

Por: Fábio Lima

Foto: Marca

Jornal espanhol dá outros exemplos da ligação futebol-ciclismo

Aproveitando o facto de a Volta a Portugal se encontrar já na estrada, o jornal espanhol 'Marca' decidiu esta quinta-feira destacar o facto de, no nosso país, duas equipas de futebol (FC Porto e Sporting) se terem ligado ao ciclismo, aproveitando também para recordar o passado dos grandes do futebol espanhol na modalidade. Além de dragões e leões, o jornal espanhol cita o Al Ahli Club (ligado à Skydive Dubai Pro Cycling Time), o Al Nasr (Pro Cycling Team - Dubai), Sparta Praga e Team Dukla Praga.

No mesmo artigo, o jornal 'Marca' aponta o Benfica como "um dos clubes com mais história dentro do desporto das duas rodas", destacando as passagens de Alfredo Luís Piedade, José Azevedo e Rui Costa, mas também dos espanhóis Melchor Mauri, David Plaza e Rubén Plaza.

“Volta Portugal/Fafense do pelotão antevê enchente no salto da Lameirinha”

Foto: NUNO VEIGA / LUSA

Rui Rodrigues anteviu a reedição velocipédica do salto da Lameirinha, passagem emblemática do Rali de Portugal.

Na sexta-feira, aos 142 dos 160 quilómetros da segunda etapa, entre Viana do Castelo e Fafe, a Volta a Portugal vai percorrer o troço de terra até à contagem de montanha de terceira categoria.

Espetáculo e muito público é o que o único representante de Fafe do pelotão da 78.ª Volta a Portugal, Rui Rodrigues (Louletano-Hospital de Loulé), espera na reedição velocipédica do salto da Lameirinha, passagem emblemática do Rali de Portugal.

Na sexta-feira, aos 142 dos 160 quilómetros da segunda etapa, entre Viana do Castelo e Fafe, a Volta a Portugal vai percorrer o troço de terra até à contagem de montanha de terceira categoria, coincidente com o salto da Pedra Sentada, no troço da Lameirinha, antes de descer para a meta.

“É um troço do Rali de Portugal e é muito conhecido pelo salto da Pedra Sentada. Nós já passámos lá várias vezes a treinar e acho que, para a modalidade e para o público, vai ser uma oportunidade espetacular. Acho que o povo vai aderir em massa e vai apoiar esta iniciativa”, explicou Rui Rodrigues à agência Lusa.

A pedalada não será suficiente para reeditar as imagens espetaculares proporcionadas pelo desporto motorizado, mas, nem por isso, diminui a curiosidade sobre este troço de 2,2 quilómetros, que, segundo o diretor da prova, Joaquim Agostinho, confronta o desporto “com as dificuldades dos primórdios do ciclismo.”

“Vai chamar muito a atenção e muita curiosidade como é que os ciclistas podem passar lá. A mim já me questionaram muitas vezes sobre isso... requer um bocado de cuidado, com atenção para que os nossos líderes passem lá bem colocados, mas, com a experiência e qualidade que o pelotão tem, acho não vai haver problema nenhum, até porque já passámos por estradas piores durante o ano”, sublinhou Rui Rodrigues, habitual espetador do salto nos ralis.

Ainda com 167,4 quilómetros da primeira etapa em linha para percorrer, entre Ovar e Braga, o corredor da formação algarvia admitiu alguma ansiedade para voltar a casa, onde, “mesmo sem o salto as pessoas já gostam de ciclismo”.

“Quando uma etapa passa na nossa terra é bom, apesar de conhecermos as estradas e estarmos perante o nosso público, é a etapa que mais anseio”, frisou.

A ‘missão’ coletiva de colocar o chefe de fila, João Benta, entre os da frente minimiza as ambições de Rui Rodrigues: “Uma pessoa sonha sempre, mas a equipa tem prioridades e é isso que vou respeitar. Se tiver a oportunidade ideal, certamente vou aproveitar”.

Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Volta Portugal/Daniel Mestre vence em Braga e veste de amarelo”

Fabuloso trabalho de toda a equipa na preparação do sprint

Daniel Mestre fechou da melhor forma um trabalho fantástico de toda a equipa EFAPEL que culminou com a vitória do alentejano na chegada a Braga e subida ao primeiro lugar da classificação geral individual. No dia em que se realizou a primeira etapa em linha, o pelotão da Volta a Portugal em Bicicleta pedalou desde a praia do Furadouro, em Ovar, até à cidade dos arcebispos. Na meta, depois de uma descida feita no limite, Filipe Cardoso lançou Daniel Mestre que foi o mais forte de todos e levantou bem os braços para celebrar o triunfo e vestir a camisola amarela.

Num dia marcado pelas temperaturas altas, o pelotão enfrentou a primeira etapa em linha. Eram quase 170 quilómetros percorridos entre as regiões Centro e Norte de Portugal. Desde Ovar à capital minhota, formou-se uma fuga que foi eliminada a 42 quilómetros do fim. Com a dupla passagem pelo Sameiro e pelo Bom Jesus, houve ataques. Mas os corredores da EFAPEL, com a etapa bem estudada e comandados pelo director desportivo, Américo Silva, imprimiram um ritmo extremamente forte na derradeira subida, absorveram todos os fugitivos e mantiveram-se na frente durante a descida.

Com a aproximação à meta, Filipe Cardoso levou Daniel Mestre na sua roda até que este discutiu o sprint com vários adversários, em particular Davide Vigano. Foi superior e concretizou um sonho. “Acreditei sempre. Os meus colegas fizeram tudo para eu chegar nas melhores condições à meta. Consegui concretizar um sonho meu, da minha família e de todas as pessoas que me apoiam ao longo destes anos. Senti que era difícil mas não baixei os braços. As vitórias só se vêem no risco de meta. O Vigano lançou sprint cedo mas tudo fiz e consegui cortar a meta em primeiro”, afirmou Daniel Mestre.

O corredor da EFAPEL vai vestir a camisola amarela amanhã mas deixou bem claro que o grande objectivo da equipa é outro. “Queremos levar o Jóni Brandão à vitória. Queremos que ele chegue a Lisboa com a amarela vestida. Hoje mostrámos que a equipa está forte e que trabalhámos bastante bem para chegar da melhor forma a esta Volta a Portugal.”

Amanhã realiza-se a segunda etapa. São 160 quilómetros entre Viana do Castelo e Fafe. Esta jornada tem a particularidade de passar pelo mítico troço de terra do Rali de Portugal, Fafe - Lameirinha. Para além disso, há quatro prémios de montanha, um de quarta, outro de terceira e dois de segunda categoria, e três metas volante.

 

Classificação na 1ª etapa da Volta a Portugal

    Daniel Mestre            EFAPEL        4h21m27s

    Davide Vigano            Androni Giocatoli    mt

    José Gonçalves        Caja Rural        mt


13º    Filipe Cardoso        EFAPEL        mt

30º    António Barbio        EFAPEL        mt

34º    Jóni Brandão            EFAPEL        mt

43º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 7s

73º    Rafael Silva            EFAPEL        a 4m47s

89º    Nuno Almeida        EFAPEL        a 6m58s

109º    Álvaro Trueba        EFAPEL        a 12m44s

 

Classificação individual após o 1ª etapa da Volta a Portugal

    Daniel Mestre            EFAPEL        4h26m03s

    José Gonçalves        Caja Rural        6s

    Jóni Brandão            EFAPEL        a 9s


    Filipe Cardoso        EFAPEL        a 12s

34º    António Barbio        EFAPEL        a 26s

36º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 27s

72º    Rafael Silva            EFAPEL        a 5m06s

99º    Nuno Almeida        EFAPEL        a 7m50s

109º    Álvaro Trueba        EFAPEL        a 13m16s

Fonte: Efapel

“Volta Portugal/Disparo de Mestre rumo à Amarela”

Quando a máquina vai desenvolvida é muito difícil que me passem”


O segundo dia de competição da 78ª Volta Portugal Santander Totta foi forte e quente em emoções. Com a temperatura a rondar os 40 graus, a festa em Braga aqueceu, ainda mais, com o espetáculo das bicicletas que fez vibrar uma Avenida da Liberdade repleta de entusiasmados fãs da Volta que assistiram a um longo e empolgante sprint de onde saiu vencedor Daniel Mestre.

 
O alentejano da Efapel venceu a primeira etapa em linha, esta quinta-feira, estreando-se a ganhar na Volta passando a ser o novo líder. Com uma longa reta da meta a expectativa sobre o vencedor foi vivida até aos últimos centímetros quando Mestre cruzou a meta à frente do italiano Davide Vigano, que em 2014 tinha ganho em Braga, e tornou um sonho realidade. “Não sou um puro sprínter, mas sou um homem bastante rápido. Quando a máquina vai desenvolvida é muito difícil que me passem”, disse sorridente o corredor da Efapel, que conquistou o Prémio da Combatividade Conselheiros da Visão.

José Gonçalves (Caja Rural) foi terceiro e, fruto das bonificações, conseguiu subir ao segundo posto da classificação geral, à frente de Jóni Brandão (Efapel). Frederico Figueiredo (Rádio Popular) venceu o último Prémio de Montanha no Sameiro e vestiu a Camisola Azul Liberty Seguros.

 
Pinto da Costa visitou Clube da Volta


Depois das primeiras contas feitas em Oliveira de Azeméis, com o Prólogo, a caravana concentrou-se à partida da 1ª etapa da Volta na Praia do Furadouro, em Ovar. Pinto da Costa, presidente do Futebol Clube do Porto, foi figura proeminente no Clube da Volta trocando com o director da prova, Joaquim Gomes, algumas ideias sobre o regresso dos dragões ao ciclismo.

 
O espaço que serve de acolhimento à caravana e aos convidados antes de cada partida, ganhou ainda mais animação com as especialidades gastronómicas vareiras, como o Pão de Ló, que este ano voltaram a fazer as delicias de todos quantos estiveram no Clube. Com a partida da etapa assistiu-se a um dia movimentado e de muito calor que apesar de subir duas vezes ao Bom Jesus e ao Sameiro seria resolvido muito perto da meta quando Daniel Mestre disparou para a vitória no centro de Braga.


Quem é Daniel Mestre?
É um dos poucos alentejanos do pelotão nacional. Nasceu a 1 de abril de 1986, em Almodôvar e chegou ao profissionalismo em 2007 no Clube de Ciclismo de Tavira. Depois de nove anos na equipa algarvia, Mestre mudou-se esta temporada para a Efapel. Na Volta nunca tinha estado de amarelo mas já este ano foi líder pontual ao envergar a camisola mais desejada na Volta à Bairrada e no Grande Prémio Jornal de Notícias.

 
Um salto até Fafe

 
A 78ª Volta a Portugal Santander Totta continua pelo Minho esta sexta-feira quando acontecer a 2ª etapaque vai ter partida emViana do Castelo.Até Fafe há 160 quilómetros e uma enorme expectativa para assistir, já muito perto da meta, aos 2,2 Km que serão percorridos num estradão de terra que faz parte do Rally de Portugal, o famoso salto da “Pedra Sentada”. Estão prometidas emoções suplementares que só vão mesmo terminar com a sempre espetacular chegada no empedrado no centro de Fafe.

Fonte: Podium