sábado, 3 de junho de 2017

“Arripiado recebe Campeonato Nacional Jovem”

O Arripiado volta a receber centenas de pequenos talentos para a disputa da sétima etapa do Campeonato Nacional Jovem. Desta feita o evento juntará clubes, atletas e espetadores para a realização de provas de Aquatlo que prometem preencher a Chamusca de harmonia e competitividade.

Dia 11 de Junho será a data que marcará o Arripiado e o calendário nacional jovem. Os jovens atletas serão desafiados a percorrer distâncias que variam entre 50m de natação e 400m de corrida e 300m de natação e 2km de corrida. Deslocando-se até ao Parque da Frente Ribeirinha de Arripiado, local que receberá o segmento de corrida. Durante o segmento de natação as capacidades de todos os presentes serão testadas numa lagoa local abastecida pelo Rio Tejo.

No mesmo dia haverá espaço para a realização de uma prova aberta, também disputada no formato de aquatlo, que oferecerá a possibilidade de competir nos mesmo percursos que a prova jovem.

O Campeonato Nacional Jovem soma no Arripiado a segunda etapa consecutiva disputada no formato de Aquatlo. Contando com a presença de todos para mais um grande evento organizado conjuntamente entre a Câmara Municipal da Chamusca e a Federação de Triatlo de Portugal e que conta com a parceria do Núcleo Sportinguista Concelho da Golegã.

Fonte: FTP

“Equipa Portugal/Tiago Antunes décimo na etapa e na geral”

Tiago Antunes foi hoje o décimo classificado na segunda etapa da Corrida da Paz, subindo a igual lugar na classificação geral desta corrida da Taça das Nações de Sub-23, que decorre na República Checa até amanhã.

A tirada de 151 quilómetros, entre Krnov e Dlouhé stráně era considerada a etapa-rainha da competição, pois terminava em alto, na segunda passagem pela exigente subida de 12 quilómetros a Dlouhé stráně. As expectativas não saíram goradas e a classificação levou uma reviravolta completa no final da jornada.

A Equipa Portugal cumpriu o objetivo de lutar pelas primeiras posições, colocando Tiago Antunes no grupo restrito que iniciou na frente a derradeira ascensão. As dificuldades da subida fizeram a seleção, com a seleção da Bélgica a demonstrar ser a mais forte, ganhando a etapa através de Bjorg Lambrecht e conseguindo ainda o terceiro e o quinto postos.

Tiago Antunes, que ainda é sub-23 de segundo ano, voltou a estar ao nível que já demonstrara na recente Ronde de l’Isard, cortando a meta no décimo lugar, com mais 2m59s do que o vencedor da etapa. Jorge Magalhães foi o 45.º, a 14m08s, Ivo Oliveira, que furou num momento decisivo da etapa, acabou a tirada na 48.ª posição, a 14m37s, e David Ribeiro, que deu a roda a Ivo Oliveira no momento do furo, acabou no 85.º posto, a 25m13s. João Almeida não terminou a etapa.

“O Tiago Antunes teve um desempenho que considero excelente. Encheu-me as medidas com a corrida inteligente que fez. Está no décimo lugar, cumprindo as expectativas que tínhamos, de colocar pelo menos um corredor num lugar que garanta pontos para a Taça das Nações. Tentaremos manter a posição na última etapa”, afirma o selecionador nacional, José Poeira.

A geral é encabeçada pelo belga Bjorg Lambrecht, seguido pelo dinamarquês Niklas EG, a 12 segundos, e pelo checo Michal Schlegel (República Checa), a 16 segundos. Tiago Antunes é décimo, a 3m11s, Jorge Magalhães 45.º, a 14m21s, Ivo Oliveira 47.º, a 14m40s, e David Ribeiro 85.º, a 25m33s.

A Equipa Portugal é a 11.ª formação entre as 21 seleções nacionais classificadas.

A terceira e última etapa, a disputar neste domingo, é a mais longa e a montanha volta a estar presente ao longo dos 160 quilómetros com início e final em Jeseník. A tirada encerra com uma exigente subida de 2,5 quilómetros, quinto prémio da montanha do dia.

Fonte: FPC

“Enquanto pedalar, Rui Sousa vai sonhar com a amarela da Volta”

Ciclista da RP-Boavista participa na segunda edição do Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela.

Foto: NUNO VEIGA / LUSA

Rui Sousa assumiu que enquanto pedalar não vai deixar de sonhar com a camisola amarela da Volta a Portugal em bicicleta, mas reconheceu que os 41 anos podem pesar negativamente na sua demanda.

“Posso deixar de sonhar com a amarela no dia em que deixar de correr. Enquanto eu estiver aqui há sempre uma possibilidade. Entendo que não é fácil, que são 40 anos e na Volta a Portugal já serão 41. Naturalmente, alguém como eu, que tem cinco pódios na Volta a Portugal, acha que pode e deve sonhar com essa vitória. Agora sei que é difícil”, reconheceu o ciclista da RP-Boavista à agência Lusa, nos bastidores da segunda edição do Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela.

Quatro vezes terceiro (2002, 2011, 2012 e 2013) e uma vez segundo (em 2014), o eterno favorito dos portugueses, que no ano passado reconsiderou um anunciado abandono, quer despedir-se em grande do pelotão.

“É mesmo o meu último ano. Gostaria de fechar a minha carreira com algo de bonito, como forma de agradecimento a todos aqueles que me têm apoiado, a todas as equipas por onde passei e que acreditaram em mim, sobretudo a RP-Boavista, e a todos os adeptos que me seguem fervorosamente e vão estando em vários pontos do país. Esse carinho talvez seja fruto da minha longevidade, dos 20 anos no pelotão, e gostava de o retribuir com algo de interessante”, confessou.

Ciente das dificuldades que vai ter pela frente, na 79.ª edição, que cruza as estradas nacionais entre 04 e 15 de agosto, Rui Sousa admitiu que, caso não consiga vestir-se de amarelo, já ficaria “muito feliz” um lugar de destaque ou com uma vitória numa daquelas etapas que para si são mais marcantes.

“Mais uma vez não há chegada à Torre, infelizmente para mim, que já lá venci duas vezes e que por seis vezes lá fiz segundo em etapas da Volta. Gostaria que a chegada fosse lá, porque é essa a minha etapa, aquela que levo sempre no coração e aquela em que as pessoas acreditam mais em mim. Mas é a Volta possível, é a Volta que há, e eu tenho que lutar com todas as minhas forças”, sublinhou.

Com quase 41 anos – faz anos a 17 de julho -, o corredor vianense não esconde que atingir o pico de forma é “um bocadinho” mais complicado, atendendo não só à idade, mas também a tudo aquilo que a sua vida, hoje em dia, envolve.

“Eu tenho outras atividades e uma, nomeadamente, com uma dificuldade grande [é presidente da Junta da União das Freguesias de Barroselas e Carvoeiro]. Assumi essa responsabilidade e não vou ‘abandonar’ aquilo que foi a vontade das pessoas. Isso acaba por me retirar tempo. Há três anos que vivo assim. Estou aqui com o intuito de me preparar e vou lutar até agosto, porque é esse o objetivo”, completou.

A dois meses do seu grande objetivo, Rui Sousa está no Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela para apurar a forma e não para lutar pela etapa de domingo, a terceira, que vai levar o pelotão a escalar, pela primeira vez esta temporada, a Torre.

“Ainda estou um bocadinho longe daquela que é a minha capacidade física. Ainda tenho peso a mais na perspetiva de uma subida com a dificuldade da Torre. Muito honestamente, não será fácil, mas tentarei dar o meu contributo aos meus colegas de equipa”, concluiu.

Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Pódio é tónica dominante para a EFAPEL”

Mestre foi terceiro, Del Pino mantém posição na geral e Paulinho é o camisola verde

Segundo dia no Grande Prémio Internacional das Beiras e Serra da Estrela e a EFAPEL mantém a tónica dos resultados entre os três primeiros. Depois do segundo posto de Jesus del Pino, que lhe vale o último lugar do pódio na geral individual, hoje foi a vez de Daniel Mestre ser o terceiro na etapa. O ciclista da formação de Ovar foi o segundo melhor no sprint discutido 16 segundos depois de Omar Mendonza ter alcançado o triunfo em Trancoso.

Com 192 quilómetros a ligar Fornos de Algodres e Trancoso, o pelotão voltou a ter uma etapa bastante exigente, com as temperaturas altas a deixarem marca. Apesar da média ligeiramente mais baixa face à véspera, os ciclistas voltaram a pedalar muito depressa e cumpriram quase 200 quilómetros em pouco mais do que cinco horas.

Na equipa EFAPEL, a estratégia foi controlar. A formação de Américo Silva estava interessada numa chegada em grupo e trabalhou nesse sentido juntamente com outras formações. “Foi um dia intenso em que mantivemos o grupo coeso no pelotão a trabalhar em conjunto. Procurámos a discussão da etapa com o Daniel [Mestre] e agora vamos ver o que acontece na etapa de amanhã, em que a montanha vai ditar as regras”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Jesus del Pino é terceiro a apenas dez segundos de diferença do camisola amarela e a equipa não deixará passar a oportunidade de discutir o triunfo. A equipa também está na discussão pela vitória na classificação das metas volantes, com Sérgio Paulinho na frente e, por isso, amanhã vai envergar a camisola verde.

Pela frente, os ciclistas têm 163 quilómetros entre Belmonte e Manteigas com passagem pelo ponto mais alto de Portugal Continental, o Alto da Torre. Há apenas uma meta volante porque é a montanha a marcar este derradeiro dia de competição. São três contagens, uma de terceira, uma de segunda e, por fim, a de primeira, na Torre, a 25 quilómetros do final.

Classificação na segunda etapa

    Omar Mendonza            Equipo Bolivia            5h09m16s

    Vicente Mateos            Louletano/Hospital de Loulé    a 16s

    Daniel Mestre                EFAPEL            mt


21º    Henrique Casimiro            EFAPEL            mt

25º    Jesus del Pino            EFAPEL            mt

31º    Bruno Silva                EFAPEL             mt

36º    Sérgio Paulinho            EFAPEL            mt

66º    Rafael Silva                EFAPEL             a 3m06s

71º    Mateo Garcia                EFAPEL             a 5m54s

93º    António Pereira Barbio        EFAPEL            a 19m06s

Classificação geral individual

    Alexander Evtushenko        Lokosphinx            10h23m24s

    Ricardo Mestre            W52/FC Porto            a 8s

    Jesus del Pino            EFAPEL            a 10s


    Daniel Mestre                EFAPEL            a 3m45s

    Sérgio Paulinho            EFAPEL            a 3m45s

10º    Bruno Silva                EFAPEL             a 3m47s

21º    Henrique Casimiro            EFAPEL            a 3m49s

51º    Rafael Silva                EFAPEL             a 7m57s

58º    Mateo Garcia                EFAPEL             a 9m42s

84º    António Pereira Barbio        EFAPEL            a 39m56s

Fonte: Efapel

“Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela”

Omar Mendoza ganha isolado em Trancoso

O colombiano Omar Mendoza (Equipo Bolivia) ganhou hoje a segunda etapa do Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, uma ligação de 192 quilómetros, entre Fornos de Algodres e Trancoso, que permitiu ao russo Alexander Evtushenko (Lokosphinx) manter a camisola amarela.

Omar Mendoza saiu do pelotão, na segunda montanha do dia, a escalada de Cidadelhe, para defender a camisola azul, de melhor trepador. Mas as circunstâncias da corrida ditaram outro rumo para a tirada. Vendo-se com mais de 3 minutos de vantagem sobre o pelotão, o colombiano tentou chegar isolado a Trancoso e foi bem sucedido.

O vencedor do dia cortou a meta ao fim de 5h09m16s de corrida, menos 16 segundos do que o pelotão, encabeçado por Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) e Daniel Mestre (Efapel), segundo e terceiro, respetivamente.

“Foi uma vitória com um grande significado para toda a equipa, que é nova e que nasceu com corredores muito motivados para correr na Europa e mostrar qualidades. Foi a primeira vitória da equipa e provavelmente a última. Não sei qual será o meu futuro, talvez regresse à Colômbia”, confessou Omar Mendoza, referindo-se aos problemas financeiros do conjunto, que devem fazer deste Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela a última prova disputada pela formação boliviana.

Antes das decisões, a primeira parte da etapa foi animada por cinco homens que abalaram do pelotão com cerca de 20 quilómetros percorridos. Oscar Quiroz (Burgos BH), Rui Rodrigues (Louletano-Hospital de Loulé), Ian Bibby (JLT Condor), Rui Sousa (RP-Boavista) e Carlos Amurrio (Equipo Bolivia) chegaram a ter mais de 6 minutos de vantagem sobre o pelotão, onde o trabalho da Efapel e da W52-FC Porto provocou a aproximação.

Na entrada na segunda metade da viagem tudo mudou. As três contagens de montanha da jornada aniquilaram a fuga inicial, da qual só resistiu Oscar Quiroz, que recebeu a companhia de Omar Mendoza (Equipo Bolivia), que saltara do pelotão em defesa da camisola da montanha, objetivo que conseguiu, mas que acabou por ser secundário face ao triunfo na etapa, conseguido depois de deixar a companhia de Quiroz para vencer em solitário.

Nas contas da geral, tudo na mesma. O russo Alexander Evtushenko segue na dianteira, tendo Ricardo Mestre (W52-FC Porto), a 8 segundos, e Jesús del Pino (Efapel), a 10 segundos, nas posições imediatas.

É grande a expectativa quanto ao desfecho do Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, que termina neste domingo com a etapa-rainha da competição, 162,6 quilómetros, desde Proença-a-Nova até Manteigas. A viagem engloba uma subida ao alto da Torre, na serra da Estrela, e a meta coincide com uma contagem de montanha de terceira categoria.

Classificações

2.ª Etapa: Fornos de Algodres - Trancoso, 192 km

1.º Omar Mendoza (Equipo Bolivia), 5h09m16s (Média: 37,249 km/h)

2.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 16s

3.º Daniel Mestre (Efapel), mt

4.º César Fonte (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), mt

5.º Raúl Alarcón (W52-FC Porto), mt

6.º Luís Fernandes (Sporting-Tavira), mt

7.º Luís Gomes (RP-Boavista), mt

8.º João Benta (RP-Boavista), mt

9.º Ibai Salas (Burgos BH), mt

10.º Sergei Shilov (Lokosphinx), mt

Geral Individual

1.º Alexander Evtushenko (Lokosphinx), 10h23m24s

2.º Ricardo Mestre (W52-FC Porto), a 8s

3.º Jesús del Pino (Efapel), a 10s

4.º Beñat Txoperena (Euskadi Basque Country-Murias), a 13s

5.º Nikodemus Holler (Bike Aid), a 3m07s

6.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 3m43s

7.º Daniel Mestre (Efapel), 3m45s

8.º Sérgio Paulinho (Efapel), mt

9.º David de la Fuente (Louletano-Hospital de Loulé), a 3m46s

10.º Bruno Silva (Efapel), a 3m47s

Fonte: FPC

“Atualização do Canal NP-TV com o “Vídeo Promocional Grande Passeio Cicloturismo CCL.2017”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o “Vídeo Promocional Grande Passeio Cicloturismo CCL.2017”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.