sexta-feira, 7 de julho de 2017

“Bracara Urban Race | a.pedro&braga”

Bracara Urban Race | a.pedro&braga é a designação das 3 horas de resistência noturna que a Trilhos do Cávado - Associação Desportiva promove no próximo dia 15 de julho no centro histórico da cidade de Braga. Oficializada como prova aberta, a iniciativa tem o apoio da Associação de Ciclismo do Minho.

Depois do assinalável êxito da primeira edição da Bracara Urban Race | a.pedro&braga, a Trilhos do Cávado - Associação Desportiva organiza a resistência BTT de Braga que decorrerá, entre as 20h30 e as 23h30, num circuito fechado com cerca de 6 quilómetros no perímetro urbano da cidade de Braga, percorrendo a zona histórica, praças e jardins emblemáticos. A zona de partida e de chegada será na Praça do Município de Braga.

A iniciativa é aberta à participação individual e de duplas, estando previstos prémios para diversos escalões etários. As inscrições têm o custo de 10 euros por participante e devem ser efetuadas, impreterivelmente, até às 24 horas do dia 13 de Julho, em www.classificacoes.net.

Trilhos do Cávado - Associação Desportiva, um dos clubes filiados na Associação de Ciclismo do Minho, é uma associação sem fins lucrativos que começou por promover em 2009 o Raid BTT Margens do Cávado com o objetivo de angariar fundos para a sustentabilidade da Associação de Solidariedade Social de São Paio (IPSS).

Ano após ano o Raid BTT Margens do Cávado foi-se afirmando no contexto do BTT com mais de 500 participantes de várias regiões do País e da vizinha Espanha a integrarem uma romaria de cor, alegria e muito movimento.

Em julho de 2014 foi formalmente constituída a Trilhos do Cávado - Associação Desportiva, que, sendo aberta a todos os amantes do BTT, ambiciona ser um meio aglutinador de bons projetos, para as localidades e para a cidade de Braga, nas áreas desportiva e cultural e mantendo a matriz solidária que esteve na sua origem.

Informações complementares sobre a II Bracara Urban Race | a.pedro&braga podem ser obtidas através dos seguintes contactos: 917897179, 961709480, Email: margenscavado@gmail.com,www.bttmargensdocavado.com  ou https://www.facebook.com/trilhos.bttmargensdocavado  

Fonte: ACM

“Etapa de Cascais bate recorde de inscritos em provas de estreia do Ironman”

Prova portuguesa a rondar as 2.000 inscrições

Por: Lusa

Foto: Lusa

O Ironman Cascais superou o recorde mundial de inscritos em provas de estreia da marca Ironman, ao aproximar-se dos 2.000 participantes, informou esta sexta-feira a organização.

Em comunicado, a organização da etapa portuguesa deste 'franchising' revelou que, ao rondar as 2.000 inscrições, o Ironman 70.3 Portugal-Cascais ultrapassou os 1894 inscritos conseguidos, em 2014, pelo Ironman 70.3 Galway, na Irlanda.

"Esta organização demonstra muita vontade de fazer e dar o melhor, sobretudo para mostrar a identidade de Portugal e de Cascais. Não há melhor exemplo do bom trabalho que está a ser feito pela organização do que o interesse demonstrado por tantos atletas. Todo o investimento em tempo e dinheiro necessários à organização de uma prova de magnitude mundial está a ter excelentes resultados", defendeu o diretor de gestão do Ironman, Agustí Pérez, que está de visita a Cascais.

Já Jorge Pereira, diretor da empresa organizadora 3 Iron Sports, considerou que este recorde é o sinal de que a etapa portuguesa do Ironman está a prestar "um grande serviço ao triatlo em Portugal".

Fonte: Record on-line

“Antigo ciclista Robert Millar agora chama-se... Philippa York”

Britânico mudou de sexo e fez anúncio oficial esta sexta-feira

Por: Fábio Lima

O antigo ciclista britânico Robert Millar, que durante a sua carreira somou vitórias em etapas nas três Grandes Voltas, anunciou esta sexta-feira a sua nova identidade. Agora, aos 58 anos, Robert Millar passa a ser Philippa York, depois de ter completado um processo de mudança de sexo.

"Sabia que era diferente desde os cinco anos, mas saber a diferença e como lidar com ela foi algo que demorou muito tempo. Digamos que não foi um processo do dia para a noite", confessou, ao portal Cyclying News, o antigo ciclista, que se mostrou contente pelo facto de agora "haver maior aceitação e maior entendimento sobre o tema por parte das pessoas".

Agora, já sob a nova identidade, Philippa York é comentadora na ITV4, juntamente com outros ex-profissionais do ciclismo, como Chris Boardman e David Millar. "Estou muito contente por ter aceite o novo desafio com a ITV4. Tenho muita vontade de enfrentar este desafio e creio que este é o momento adequado para voltar a ter um papel ativo no ciclismo, um desporto que sempre amei", frisou.

Fonte: Record on-line

“Kittel "orgulhoso" depois de vitória por seis milímetros”

Alemão venceu Edvald Boasson Hagen no photo finish

Por: Lusa

Foto: Reuters

Marcel Kittel (Quick Step-Floors) já é, embora em ex-aequo, o mais vitorioso dos ciclistas alemães nas 104 edições da Volta a França, depois de esta quinta-feira se ter imposto pela terceira vez no Tour de 2017, num triunfo decidido pelo photo finish.

A ilusão ótica atribuiu a vitória ao norueguês Edvald Boasson Hagen (Dimension Data), mas o soberano photo finish determinou que a etapa pertencia, pela terceira vez nesta edição e por apenas seis milímetros, a Kittel, que assim somou o 12.º triunfo no Tour e igualou o recorde absoluto de Erik Zabel, o homem que subiu, durante seis anos consecutivos, ao pódio dos Campos Elísios como vencedor da classificação da regularidade (1996-2001).

"É um feito incrível. Estou verdadeiramente orgulhoso", reconheceu o bom gigante, referindo-se à marca que poderá superar ainda na 104.ª edição, antes de prosseguir com rasgados elogios à sua equipa: "Estou numa forma estupenda e estou super feliz com o trabalho da equipa. Penso que fizemos um bom lançamento, acreditámos nesta vitória".

Kittel tem sido mesmo o garante de animação destas longas tiradas. Para celebrar a estreia das transmissões integrais de todas e cada uma das 21 jornadas do Tour, a organização resolveu presentear os espetadores, e também os ciclistas, com cinco etapas com mais de 200 quilómetros nos sete primeiros dias. Resultado? Horas e horas de apatia, coloridas apenas por fugas formadas assim que a partida é dada.

Hoje, o filme da sétima etapa, uma ligação de 213,5 quilómetros entre Troyes e Nuits-Saint-Georges, não foi diferente das anteriores: Maxime Bouet (Fortuneo-Oscaro) atacou, Manuele Mori (UAE Team Emirates), Yohann Gène (Direct Energie) e Dylan van Baarle (Cannondale-Drapac) responderam, e os quatros andaram na frente por mais de duas dezenas de quilómetros, com uma vantagem máxima de quatro minutos.

Com as equipas dos sprinters a calcularem milimetricamente todos os timings da jornada, inclusive o momento oportuno de absorção dos fugitivos, a aproximação à meta foi feita em filas paralelas, que iam assinalando, de mão no ar, as perigosas divisórias nos últimos quatro quilómetros.

Os encostos entre os homens velozes sucederam-se- o campeão francês Arnaud Démare (FDJ) deu um chega para lá no seu arquirrival Nacer Bouhanni (Cofidis)-, sempre em busca da melhor colocação, que Kittel, uma vez mais, falhou.

Completamente fechado, o alemão descobriu um buraco na imensa rede de sprinters e negou a vitória certa a Boasson Hagen. Embora, num primeiro momento, as câmaras televisivas denunciassem um triunfo do norueguês, a realização do Tour mostrou-se convicta de que era outro o vencedor, não largando o portento da Quick Step-Floors até este ver confirmado o seu tri.

"É de loucos. Regressar ao Tour, depois de 2013 e 2014 [ganhou quatro etapas em ambas as edições], estar a festejar o terceiro sucesso é incrível. Estou tão feliz", confessou o alemão, que cumpriu a tirada em 5:03.18 horas, à frente de Boasson Hagen e do australiano Michael Matthews (Sunweb).

Se Kittel é, incontestavelmente, o melhor dos sprints, Chris Froome (Sky) continua a ser o melhor da geral: o britânico vai encarar, de amarelo, a importante jornada de sábado, uma ligação de 187,5 quilómetros entre Dôle e Les Rousses, que inclui uma contagem de primeira categoria a dez quilómetros de meta.

O britânico tem 12 segundos de vantagem sobre o companheiro Geraint Thomas e 14 sobre o italiano Fabio Aru (Astana), numa geral em que Tiago Machado (Katusha Alpecin) é 53.º, a 7.56 minutos.

Fonte: Record on-line

“Marcel Kittel vence sétima etapa no 'photo finish'”

Alemão superou Boasson Hagen de forma milimétrica

Por: Lusa

Foto: Reuters

Marcel Kittel (Quick Step-Floors) conquistou esta sexta-feira o tri na 104.ª Volta a França, ao vencer a sétima etapa, e igualou o recorde de maior número de vitórias de um ciclista alemão na prova.

Tour'2017: 'Photo finish' definiu vencedor da sétima etapa

Kittel, que já tinha triunfado na segunda e sexta etapas, bateu o norueguês Edvald Boasson Hagen (Dimension Data), no final dos 213,5 quilómetros entre Troyes e Nuits-Saint-Georges, com o vencedor a ser decidido pelo photo finish.

No dia em que o corredor da Quick Step-Floors igualou o recorde absoluto de Erik Zabel (12), o australiano Michael Matthews (Sunweb) foi terceiro e o camisola amarela Chris Froome (Sky) chegou integrado no pelotão, com as mesmas 05:03.18 horas de Kittel.

Fonte: Record on-line

“EFAPEL supera chegada no Alto de Montejunto”

Equipa continua em segundo na classificação colectiva

A segunda etapa do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras/Troféu Joaquim Agostinho marcou o primeiro final em montanha. Depois do prólogo e de uma chegada ao sprint, hoje foi o momento em que quem sobe melhor se pôde mostrar. Sérgio Paulinho acabou por ser o primeiro elemento da equipa EFAPEL a cruzar a linha de meta no alto de Montejunto, 1m14s depois do vencedor, Amaro Antunes, da W52/FC Porto. Com este resultado a equipa coloca o corredor no quinto posto geral individual, a 38s do camisola amarela, José Fernandes, da Liberty Seguros-Carglass.

No dia em que o pelotão enfrentava uma das etapas mais montanhosas desta competição que se realiza na região Oeste, a equipa EFAPEL esteve sempre muito activa. António Pereira Barbio, Rafael Silva, pontuaram em diversas contagens de montanha. O mesmo aconteceu nas metas volantes e Henrique Casimiro foi o terceiro melhor na meta dos pontos quentes.

Com a aproximação à meta, a subida foi feita de forma intensa e Sérgio Paulinho manteve-se entre os mais fortes para segurar uma posição entre os melhores da classificação geral individual. “A etapa correu muito bem. O trabalho foi desenvolvido como tínhamos planeado e agora vamos para as próximas duas etapas para tentar vencer”, explicou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Completada a primeira etapa de montanha desta corrida, o pelotão volta a rolar no dia de amanhã. É uma etapa dividida em dois sectores. De manhã, os corredores pedalam 78 quilómetros entre Atouguia da Baleia e Vimeiro. Para a tarde está reservado o selectivo Circuito de Torres Vedras com uma distância de 111 quilómetros.

Classificação na segunda etapa

    Amaro Antunes            W52/FC Porto            3h51m52

    Frederico Figueiredo            Sporting/Tavira        a 23s

    José Fernandes            Liberty Seguros-Carglass    a 32s


10º    Sérgio Paulinho            EFAPEL            a 1m14s

14º    Rafael Silva                EFAPEL             mt

19º    António Pereira Barbio        EFAPEL            mt

36º    Álvaro Trueba            EFAPEL            mt

62º    Bruno Silva                EFAPEL             mt

65º    Daniel Mestre                EFAPEL             mt

69º    Jesus del Pino            EFAPEL            mt

72º    Henrique Casimiro            EFAPEL            mt

Classificação geral individual

    Andreas Vangstad            Team Sarebanken        10m23s

    Gustavo Veloso            W52/FC Porto            a 8s

    Sérgio Paulinho            EFAPEL            a 17s


    Daniel Mestre                EFAPEL             a 20s

16º    Álvaro Trueba            EFAPEL            a 30s

17º    Rafael Silva                EFAPEL             a 31s

24º    António Pereira Barbio        EFAPEL            a 39s

32º    Henrique Casimiro            EFAPEL            a 46s

37º    Bruno Silva                EFAPEL             a 47s

67º    Jesus del Pino            EFAPEL            a 1m14s

Fonte: Efapel

“Grande Prémio Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho”

Amaro Antunes ganha etapa e José Neves veste amarela

Por: José Carlos Gomes

Os corredores portugueses assumiram o protagonismo na segunda etapa do Troféu Joaquim Agostinho. Amaro Antunes (W52-FC Porto) foi o primeiro a cortar a meta no alto de Montejunto, depois de percorridos 155 quilómetros, desde Sobral de Monte Agraço. O sub-23 José Neves (Liberty Seguros/Carglass) subiu ao comando da geral individual.

A etapa foi disputada a alta velocidade, com constantes ataques de grupos numerosos e resposta, no pelotão, das equipas menos representadas nas fugas. Esta situação fez com que o desgaste se acumulasse antes da chegada aos 7,6 quilómetros finais, sempre a subir, até ao Avenal e ao alto de Montejunto.

Amaro Antunes atacou de longe e conseguiu isolar-se, cortando a meta ao fim de 3h51m52s de prova. O adversário mais direto foi Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), a 23 segundos. O terceiro classificado foi o campeão nacional de contrarrelógio na categoria de sub-23 e recente vencedor da Volta a Portugal do Futuro, José Neves.

“A equipa tinha como objetivo ganhar esta etapa. Ataquei logo no início da subida, lançado por um colega. Era esse o plano, servindo de teste para a Volta a Portugal e para avaliar a condição neste momento. Aguentei toda a subida e ganhei. Não deu para chegar à camisola amarela, porque a corrida começou mal, com uma queda no prólogo, mas vamos lutar pela vitória até ao último dia”, prometeu Amaro Antunes.

O terceiro lugar no alto de Montejunto deixou José Neves no topo da geral individual, algo que surpreendeu o ciclista sub-23, que soube da novidade apenas quando chegou ao pódio para vestir a camisola da juventude. José Neves comanda com 11 segundos de vantagem sobre Amaro Antunes e 23 face a Rinaldo Nocentini.

“Tenho uma equipa espectacular e tudo faremos para conservar a camisola amarela até ao fim da corrida. Esta semana tem sido de viragem na minha carreira”, admitiu o novo comandante, que continua a demonstrar dotes de trepador, escondidos até à Volta a Portugal do Futuro da última semana.

O Montejunto ajudou a definir a classificação, mas tudo continua em aberto, pois as diferenças ainda são curtas. A W52-FC Porto, com três homens nos dez primeiros, e o Sporting-Tavira, com dois no top 10, são as formações com mais armas para dar a volta à classificação.

Amaro Antunes não conseguiu vestir a amarela, mas comanda as classificações por pontos, da montanha e do combinado. César Martingil (Liberty Seguros/Carglass) está na frente das metas volantes e José Neves acumula a juventude com a geral individual. A W52-FC Porto continua na frente da classificação por equipas.

A terceira etapa do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho, a disputar neste sábado, divide-se em dois setores. De manhã os corredores vão pedalar ao longo de 78 quilómetros, desde Atouguia da Baleia, de onde partem às 10h00, até ao Vimeiro, onde chegam cerca das 12h00, na curta mas inclinada rampa para o Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro. O setor vespertino é o tradicional Circuito de Torres Vedras, ao qual serão dadas cinco voltas, totalizando 111 quilómetros. A partida será dada às 16h00, antecedida da inauguração da Rotunda Pelotão, prevendo-se a chegada para perto das 18h30. 


Classificações

2.ª Etapa: Sobral de Monte Agraço - Montejunto, 155 km

1.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), 3h51m52s (Média: 40,058 km/h)

2.º Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), a 23s

3.º José Neves (Liberty Seguros/Carglass), a 32s

4.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 1m00s

5.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), mt

6.º Manuel Sola (Caja Rural-Seguros RGA), a 1m03s

7.º Pablo Torres (Burgos BH), a 1m11s

8.º João Benta (RP-Boavista), mt

9.º Hugo Sancho (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), a 1m14s

10.º Sérgio Paulinho (Efapel), mt

Geral Individual

1.º José Neves (Liberty Seguros/Carglass), 7h35m47s

2.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), a 11s

3.º Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), a 23s

4.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), a 26s

5.º Sérgio Paulinho (Efapel), a 38s

6.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 40s

7.º Raúl Alarcón (W52-FC Porto), a 54s

8.º João Benta (RP-Boavista), a 57s

9.º Pablo Torres (Burgos BH), a 1m04s

10.º Gustavo César Veloso (W52-FC Porto), a 1m06s

Fonte: FPC

“EFAPEL mantém posição após primeira etapa”

Sérgio Paulinho continuou em terceiro lugar
Concluída a primeira etapa do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras - Troféu Joaquim Agostinho, a equipa EFAPEL manteve-se na frente da prova com Sérgio Paulinho na terceira posição. A classificação geral individual sofreu poucas alterações nas posições cimeiras, após a chegada ao sprint que aconteceu em Arruda dos Vinhos. Yannis Yssad venceu e Andreas Vangstad continua de amarelo.
Ao longo de 140 quilómetros a corrida foi animada por uma fuga, mas os corredores da EFAPEL pedalaram integrados no pelotão, numa estratégia que pretendia dar continuidade ao bom trabalho realizado no prólogo da véspera. A união entre os elementos é evidente e o trabalho resultou no que se pretendia para este dia.
A etapa que ligou Ventosa a Arruda dos Vinhos terminou com a chegada do pelotão compacto, o que não se espera que aconteça sexta. Para a segunda etapa desta importante competição do calendário português foi desenhado um percurso com 155 quilómetros entre Sobral de Monte Agraço e o Alto de Montejunto. A chegada coincide com uma contagem de primeira categoria. %,5 quilómetros antes há outra montanha categorizada.
Classificação na primeira etapa
1º Yannis Yssad Armee de Terre 3h32m39s
2º Samuel Caldeira W52/FC Porto mt
3º Oscar Pelegri Caja Rural mt
14º Rafael Silva EFAPEL mt
19º António Pereira Barbio EFAPEL mt
36º Álvaro Trueba EFAPEL mt
62º Bruno Silva EFAPEL mt
65º Daniel Mestre EFAPEL mt
66º Sérgio Paulinho EFAPEL mt
69º Jesus del Pino EFAPEL mt
72º Henrique Casimiro EFAPEL mt
Classificação geral individual
1º Andreas Vangstad Team Sarebanken 10m23s
2º Gustavo Veloso W52/FC Porto a 8s
3º Sérgio Paulinho EFAPEL a 17s
6º Daniel Mestre EFAPEL a 20s
16º Álvaro Trueba EFAPEL a 30s
17º Rafael Silva EFAPEL a 31s
24º António Pereira Barbio EFAPEL a 39s
32º Henrique Casimiro EFAPEL a 46s
37º Bruno Silva EFAPEL a 47s
67º Jesus del Pino EFAPEL a 1m14s
Fonte: Efapel