segunda-feira, 4 de novembro de 2019

“Tiago Machado assina pela Efapel para ajudar Jóni Brandão na Volta a Portugal”

Ciclista português diz estar motivado e satisfeito com esta mudança

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

Tiago Machado, que alinhava no Sporting-Tavira, assinou pela Efapel, com o objetivo de ajudar Jóni Brandão na Volta a Portugal em bicicleta, anunciou esta segunda-feira a equipa.

Tiago Machado, de 34 anos, vestiu a camisola dos leões em 2019, tendo sido 15.º classificado na Volta a Portugal, depois de nove anos em equipas do WorldTour, casos de RadioSchack, NetApp-Endura e Katusha.

Em declarações reproduzidas pela assessoria de comunicação da Efapel, Tiago Machado disse estar motivado e satisfeito com esta mudança, reconhecendo tratar-se de "um namoro antigo".

"No ano passado foi por pouco que não chegámos a acordo. Espero corresponder às expectativas que o Rúben Pereira [diretor desportivo] tem para mim e acima de tudo ajudar a equipa e o Jóni no grande objetivo que é a Volta a Portugal", afirmou o corredor, natural de Famalicão.

Tiago Machado venceu a Volta à Eslovénia, em 2014, tendo participado em três edições do Tour, cinco da Vuelta e duas do Giro, tendo como melhor resultado o 19.º lugar na Grande italiana de 2011.

Na Volta a Portugal tem como referência o quinto lugar alcançado em 2009, ao serviço do Boavista.

Fonte: Record on-line

“3ª Etapa do Troféu Grande Premio Sul - Monte Ruivo – Loulé”


É já no próximo dia  8 de Dezembro que se realiza a 3ª e Ultima etapa do Troféu Grande Premio Sul - Monte Ruivo - Alte, com partida na pequena povoação do Monte Ruivo, a partida e a chegada será no Grupo Desportivo Serrano pelas 9:00 sairá a primeira serie de atletas, sendo seguido pelas outras, esta etapa tem cerca de 40 Km com cerca de 1000 metros de desnível, percorrendo alguns dos melhores trilhos que a zona tem para oferecer.

Percurso guiado apenas por GPS, com partidas em serie o que faz com que o participante parte numa real aventura.

“Casimiro Coelho Lima distinguido pela Federação Portuguesa de Ciclismo”

A Federação Portuguesa de Ciclismo atribuiu o título de Sócio Honorário, a título póstumo, a Casimiro Coelho Lima, primeiro Presidente da Associação de Ciclismo do Minho e impulsionador da equipa de ciclismo da Coelima.

A deliberação foi aprovada no passado sábado em reunião da Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Ciclismo, no decurso da qual também foi distinguido Luís Almeida (empresário da área dos alumínios) que desde 1996, de forma ininterrupta, patrocina equipas de ciclismo.

Recorde-se que a Associação de Ciclismo do Minho, em novembro de 2012, homenageou Casimiro Coelho Lima e o Grupo Desportivo Coelima pelo contribuito para o desenvolvimento da modalidade.

"A equipa de ciclismo Coelima foi uma das principais estruturas do pelotão português entre 1969 e 1983, participando em todas as principais corridas do País e em algumas fora de fronteiras. Contribuiu para o desenvolvimento da modalidade, criando uma relação de proximidade entre milhares de pessoas e o ciclismo, atraindo adeptos, mas também praticantes, treinadores, comissários e demais agentes", refere a deliberação da Assembleia Geral da FPC que em 2019 assinala 120 anos de existência.

Primeiro presidente e Sócio Honorário da Associação de Ciclismo do Minho, Casimiro Coelho Lima nasceu em São Jorge de Selho (Guimarães) a 16 de janeiro de 1918, tendo falecido a 22 de setembro de 2005.

Com uma intensa e profícua ligação ao associativismo, esteve na fundação da Associação de Ciclismo do Minho e do Clube Industrial de Pevidém, tendo ainda sido Presidente do Vitória Sport Clube.

Casimiro Coelho Lima impulsionou a secção do ciclismo da Coelima e envolveu-se afincadamente no nascimento da ACM.

Aquando da realização da Volta a Portugal em Bicicleta de 1975, agudizaram-se alguns problemas da modalidade, designadamente entraves "económicos e sociais de vária ordem" que "não consentiam que pequenos agrupamentos desportivos pudessem manter a esperança, ou fazer do sonho realidade, de terem também as suas equipas de ciclismo", lê-se num documento editado pela ACM em 1977.

É nesse contexto que, nos inícios desse ano, um grupo de amantes da modalidade – onde pontificava Casimiro Coelho Lima - avança para o apoio às equipas de ciclismo existentes, incentiva outras e lança as bases para a criação da Associação de Ciclismo do Minho.

Naquele momento, porém, dificuldades burocráticas inviabilizaram a criação da associação, tendo-se por isso criado o Departamento de Ciclismo da Associação de Desportos de Braga, do qual Casimiro Coelho Lima foi Vice-Presidente.

"Amanhã será, pela certa, a Associação de Ciclismo" - sentenciava-se na altura - e tal veio a acontecer no dia 12 de Outubro de 1977.

Além da ligação ao Grupo Desportivo da Coelima, Casimiro Coelho Lima foi um dos principais impulsionadores da Associação de Ciclismo do Minho tendo iniciado a construção e ajudado a edificar muitos dos seus projetos.

Fonte: ACM