quinta-feira, 21 de junho de 2018

“Caramulo recebeu meia centena de motos com mais de 30 anos”

OITAVA EDIÇÃO DO RIDER COM FORTE PARTICIPAÇÃO INTERNACIONAL

Foto: Bernardo Lúcio 
Decorreu no passado fim-de-semana o Rider – Passeio de Motos Clássicas, que juntou no Caramulo e em Tondela mais de 50 motos clássicas, de proveniências tão distintas como Portugal, Espanha, França, Holanda, Reino Unido ou Suíça. A elevada afluência de participantes que regressam a cada ano e outros que se juntam pela primeira vez ao evento, afirma o Rider pela sua singularidade, colocando-o assim na lista de passeios de motos de referência internacional. 

Com passagem por uma das estradas mais conhecidas pelo seu traçado sinuoso, a Nacional 230 até à Serra da Estrela, com paisagens abertas de serra ou beira-rio, foram colocadas à prova motos que, com mais de 30 anos, demonstraram a perícia da condução em asfalto e do equilíbrio entre rectas, curvas e contra curvas.

Ao longo dos três dias de passeio, com partida e chegada a Tondela, tanto os participantes nacionais, como estrangeiros, foram sucessivamente surpreendidos pelos mais insólitos recantos de Portugal, desde a costa litoral até ao interior do país e pelas variadas experiências culturais e gastronómicas que foram proporcionadas em Aveiro, em Tondela, no Caramulo, em Gouveia, na Ponte das 3 Entradas, no alto da Serra da Estrela e em São Pedro do Sul.

Sobre o Museu do Caramulo Com mais de 60 anos de existência e visitado por mais de um milhão e meio de pessoas, o Museu do Caramulo alberga no seu espólio uma colecção de arte, uma colecção de automóveis, motos e bicicletas e uma colecção de brinquedos antigos. O Museu do Caramulo produz ainda, de forma regular, exposições temáticas e temporárias, e organiza vários eventos como o Salão Motorclássico, o Caramulo Motorfestival, o Espírito do Caramulo, a Noite dos Museus ou o Rider. Mais informação em www.museu-caramulo.net

Fonte: Museu Caramulo/Parceria Notícias do Pedal

“Belmonte define os novos campeões de ciclismo de estrada com ausentes de peso”

Nelson Oliveira e Rui Costa não vão participar na competição.

Os novos campeões portugueses de ciclismo de estrada vão ser conhecidos no fim-de-semana, em Belmonte, em provas com percursos exigentes que poderão ficar marcadas pelas ausências de Nelson Oliveira e Rui Costa.

Na sexta-feira, ficam a conhecer-se os campeões de contrarrelógio, nas categorias de elites masculinos e femininos e de sub-23 masculinos.

Depois de no ano passado um problema burocrático o ter impedido de lutar por um quinto título no 'crono', Nelson Oliveira deverá voltar a não participar, não estando inscrito na prova, algo que, contudo, ainda poderá ser revertido.

Quarto classificado no último Mundial, o ciclista da Movistar abrirá a porta a ciclistas como Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista), campeão em título, ou Rafael Reis (Caja Rural), num traçado de 33,7 quilómetros com um perfil irregular.

Ao contrário do ano passado, as provas femininas disputam-se no mesmo fim-de-semana, ficando também a conhecer-se na sexta-feira a sucessora de Soraia Silva no contrarrelógio feminino e de José Fernandes no exercício individual masculino de sub-23. O percurso para ambos será de 24,1 quilómetros.

No sábado, correm-se as provas em linha femininas (além das elites correm ao mesmo tempo juniores e masters) e de sub-23 masculinas, com percursos de 107 e 160,4 quilómetros, respetivamente.

Em 2017, o campeão de sub-23 foi Francisco Campos, com os três ciclistas da Hagens Berman Axeo - João Almeida, segundo na Volta a Itália do escalão e vencedor da Liège-Bastogne-Liège também de sub-23, e os irmãos Ivo e Rui Oliveira - a surgirem como os nomes mais sonantes.

A prova feminina de 2017 foi ganha por Celina Carpinteiro, numa prova totalmente dominada pela equipa 5Quinas-Albufeira.

A prova mais aguardada começa às 11:00 de domingo, com os elites masculinos a percorrerem 180,1 quilómetros, com cinco passagens pelo circuito de Belmonte, cujos últimos 1.500 metros são em constante subida.

Ruben Guerreiro (Trek-Segafredo) defende o título conquistado no ano passado, numa prova bastante aberta, com vários candidatos.

Provavelmente sem Rui Costa (UAE Emirates) em prova, os 'emigrantes' Tiago Machado (a regressar à competição após um problema de saúde), José Gonçalves, que vem de um 14.º lugar no Giro, Joaquim Silva (Caja Rural), Ricardo Vilela (Manzana Postobon) e José Mendes (Burgos BH), antigo campeão, prometem lutar pelo título.

O experiente Sérgio Paulinho (Efapel) venceu há poucos dias em Belmonte, durante o Grande Prémio Abimota, e pode voltar a tentar surpreender, tal como António Carvalho ou Rui Vinhas, da W52-FC Porto, ou Joni Brandão, do Sporting-Tavira.

Programa dos Nacionais de ciclismo:

- Sexta-feira, 22 jun:

11:00 - Contrarrelógio elites femininas (24,1 km), sub-23 masculinos (24,1) e elites masculinas (33,7).

- Sábado, 23 jun:

11:00 - Prova de fundo de elites femininas (107 km)

15:00 - Prova de fundo de sub-23 masculinos (160,4 km)

- Domingo, 24 jun:

11:00 - Prova de fundo de elites masculinas (181,8 km)

Fonte: Sapo-on-line

“GÉMEOS GONÇALVES EM LADOS OPOSTOS”

São favoritos para os Nacionais em Belmonte

Por: Ana Paula Marques

Foto: DR

São irmãos, gémeos até, já partilharam, por mais de uma vez, a mesma equipa, mas agora estão em lados opostos. E amigos, amigos, negócios à parte, como diz o ditado, porque há títulos nacionais para conquistar. José Gonçalves (Katusha) e Domingos Gonçalves (RP-Boavista), 29 anos, estão entre os favoritos, talvez mesmo os mais favoritos, a conquistarem ambas as provas – contrarrelógio e prova em linha –, dos Campeonatos Nacionais, que vão decorrer entre amanhã e domingo em Belmonte.

A primeira decisão é amanhã, com o contrarrelógio, onde curiosamente um deles defende o troféu. Trata-se de Domingos Gonçalves, que o ano passado, em Gondomar, rolou mais rápido que Rafael Reis (2º) e Sérgio Paulinho (3º), ciclistas que este ano voltam a ser forte oposição. Já José foi campeão da especialidade em 2012.

"Estou bem fisicamente, mas também interessa ver como estão os adversários", começou por nos dizer José Gonçalves, ciclista da Katuska, que esteve em bom plano no Giro, com o 14º lugar. E entre os opositores está pois o irmão gémeo. "Não temos falado muito sobre os Nacionais. Falamos mais sobre coisas do dia a dia". Mas refere que Domingos "está mais pressionado, porque defende o título".

Da lista provisória para o contrarrelógio de amanhã, na distância de 33,7 Km, para além dos irmãos Gonçalves e dos já referidos Rafael Reis (Caja Rural) e Sérgio Paulinho (Efapel) há ainda a destacar a participação de Tiago Machado (Katusha), também um sério candidato aos lugares do pódio.


Programa

Amanhã também se disputam os Nacionais de contrarrelógio para elites e sub-23 femininos e ainda para os sub-23 masculinos.

Daniela Reis, Ivo Oliveira e João Almeida são nomes referenciados para conquistarem os respetivos títulos, sendo que sábado e domingo serão disputadas as provas em linha. Nas elites, Ruben Guerreiro (Trek) é o atual campeão nacional, mas os manos Gonçalves também estão de olho neste título.

Fonte: Record on-line

“ASFIC DOMINOU TODAS AS FRENTES EM PORTALEGRE”

Realizou.se no dia 17 de junho, o São Mamede Granfondo, prova que este ano teve início na vila de Marvão.

A equipa riomaiorense da ASFIC deslocou-se para esta prova com 9 unidades: Rui Rodrigues, João Portela, Jorge Letras, Humberto Careca, João Letras, Edgar Oliveira, Cláudio Paulinho, Fábio Leaça e Aníbal Santo, tendo todos eles participado no médio fundo, prova com a distância de 104 km e quase 2000 metros de acumulado, com passagem por Castelo de Vide e Portalegre, no coração do Parque Natural da Serra de São Mamede.

Além das aspirações de ganhar a prova, os atletas partiram para esta prova com a finalidade de avaliar as condições para o campeonato nacional, que decorrerá no próximo fim-de-semana em Monsaraz.

A prova teve início às 09h00 e até cerca dos 30km o pelotão rodou compacto, altura em que se conseguiram escapar 8 atletas do pelotão, entre eles 3 da ASFIC, Rui Rodrigues, João Letras e Jorge Letras. A fuga interessava à ASFIC e por isso a equipa assumiu as despesas de tentar vingar a fuga.

Sensivelmente ao km 60, Jorge Letras escapou ao grupo dos fugitivos, tendo andado isolado até à penúltima subida para a meta, sendo  apanhado a cerca de 10 km da chegada.

Quando Jorge Letras é apanhado pelo grupo da fuga, o irmão João Letras atacou, conseguindo isolar-se na frente da corrida, não sendo mais apanhado pelo grupo da fuga, cortando a meta isolado no primeiro lugar.

Com João letras isolado e com alguma vantagem, o seu colega de equipa Rui Rodrigues também consegue fugir ao grupo, cortando a meta em 2.º lugar.

Humberto Careca, que tinha saído do pelotão sozinho, conseguiu alcançar a fuga, e no sprint final para a meta alcançou o 3.º lugar, preenchendo assim o último lugar do pódio, todo ele composto por ciclistas da formação riomaiorense.

Os restantes elementos da equipa tiveram a missão fundamental de controlar o pelotão, vencendo a ASFIC também coletivamente.

A ASFIC venceu ainda no escalão de elites, com João Letras a ser 1.º e Fábio Leaça 3.º, e no escalão master 40, com Rui Rodrigues a vencer, ficando Humberto Careca no 2.º lugar.

A ASFIC felicita a organização da prova, e em especial o seu responsável José Presado.

Fonte: ASFIC

 

“Tiago Machado, José Mendes, José Gonçalves e Domingos Gonçalves são padrinhos do Grande Prémio do Minho”

Os ciclistas minhotos Tiago Machado, José Mendes, José Gonçalves e Domingos Gonçalves são padrinhos os padrinhos da 30ª edição do Grande Prémio do Minho que regressa à estrada de 6 a 8 de julho. Guimarães, Melgaço e Vieira do Minho assumem um papel de destaque no desenrolar da competição destinada ao escalão de juniores e organizada pela Associação de Ciclismo do Minho, em colaboração com a Federação Portuguesa de Ciclismo. O 30º Grande Prémio do Minho será disputado por um pelotão de cerca de centena e meia de ciclistas em representação de equipas portuguesas e espanholas.

Com o arranque da competição no Centro de Ciclismo do Minho – Guimarães (Souto Santa Maria), a primeira etapa terminará na União de Freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião (Guimarães), junto à sede da Associação de Ciclismo do Minho. Depois de uma primeira etapa mais propícia para roladores, o pelotão do 30º Grande Prémio do Minho rumará até Melgaço, o Município mais a Norte de Portugal, para enfrentar um trajeto delineado no “destino de natureza mais radical de Portugal” que terminará em Castro Laboreiro. Vieira do Minho, terra de encantos, ao acolher a partida e chegada da última etapa será o concelho que consagrará o vencedor da 30ª edição do Grande Prémio do Minho. Durante os 277, 7 quilómetros das três etapas estarão em disputa diversas contagens de montanha e metas volantes, assim como as classificações gerais individual por tempos (Camisola Amarela: CJR - Cândido José Rodrigues, SA), por pontos (Camisola Verde: Controlsafe), da Montanha (Camisola Azul: Arrecadações da Quintã), do melhor júnior de primeiro (Camisola Laranja: Cision), do melhor atleta da Associação de Ciclismo do Minho (Camisola Branca: Universidade do Minho) e por equipas.

O 30º Grande Prémio do Minho é apadrinhado por quatro ciclistas profissionais minhotos formados em clubes da Associação de Ciclismo do Minho: o famalicense Tiago Machado (Katusha-Alpecin), o vimaranense José Mendes (Burgos BH) e os gémeos e barcelenses José Gonçalves (Katusha-Alpecin) e Domingos Gonçalves (Rádio Popular/Boavista).

Além das principais formações portuguesas, quatro equipas espanholas têm presença confirmada na edição deste ano do Grande Prémio do Minho: Fundacion Oscar Pereiro, Ginestar - ULB, Arte en Transfer - Leon, Aleata - CC Farto e Clube Ciclista Cidade de Lugo - Pescados Ruben.

As equipas portuguesas inscritas até ao momento são as seguintes: Sporting / Tavira / Formação Engº Brito da Mana, Academia Joaquim Agostinho / UDO, ACD Milharado / Escola de Ciclismo Manuel Martins, Anipura - G.D.M. Escola Alexandre Ruas, Bairrada, Centro Ciclista Barcelos / A.F.F / Orbea / Onda, Escola de Ciclismo Bruno Neves, Jorbi – Team José Maria Nicolau, Maia Formação, Mato-Cheirinhos / Vila-Galé / Etopi, Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact, Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel, Tensai / Sambiental / Santa Marta, Vito - Feirense - Blackjack / SC S. João Ver e Peçamodôvar / Delta-Cafés / Polisport – SC Bike Team / SC Bike Team.

Recorde-se que no ano passado, com emoção até ao último metro, Pedro Lopes (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) sagrou-se vencedor da 29ª edição do Grande Prémio do Minho. O jovem vimaranense venceu as classificações geral individual (Camisola Amarela – Empiqua) e a de melhor atleta da ACM (Camisola Branca – Força Minho). Diogo Vieira (Tensai/Sambiental/Santa Marta) conquistou a classificação geral dos pontos (Camisola Verde – ControlSafe), o espanhol Abel Álvarez (Bathco) a classificação geral da montanha (Camisola Azul – Arrecadações da Quintã), Afonso Silva (Sporting / Tavira / Formação Eng. Brito da Mana) venceu a classificação da juventude (Camisola Laranja – Cision) e por equipas venceu a Academia Joaquim Agostinho / UDO.

Fonte: ACM

“Volta a Portugal descansa em Viseu”

12ª Etapa da Volta Via Verde RTP e Miguel Araújo em terras de Viriato

Viseu é uma das cidades que ao longo dos anos mais tem aplaudido a Volta a Portugal em bicicleta. O município é ponto de paragem da caravana consecutivamente desde 2003 e já contabiliza 64 presenças na prova entre partidas e chegadas. Este ano, durante a 80ª Volta a Portugal Santander, Viseu recebe o final da 5ª etapa e todas as atividades do Dia de Descanso, a 7 de agosto.

Para o presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, esta tradição é um motivo de orgulho: “Já nos habituámos a que a Volta a Portugal passe pela cidade onde o ciclismo vive todo o ano e faz vibrar as populações. Este ano em Viseu volta a unir-se a cultura ao desporto e lazer, é com prazer que recebemos os atletas com o espírito que caracteriza as nossas gentes. A cidade-região será sempre a tela e o palco perfeitos para o ciclismo.”

A 5ª etapa, a 6 de agosto, vai encerrar a primeira fase da competição e terá pouco mais de 191 quilómetros ligando o Sabugal a Viseu, com o pelotão a chegar à emblemática Avenida da Europa cerca das17h30. Terminada a etapa começam as inúmeras e animadas iniciativas da autarquia e da organização da Volta para festejar a presença em Viseu. O Concerto da Volta de Miguel Araújo vai acontecer no Largo da Sé, às 21h30. A Festa da Volta continua noite dentro na discoteca “NB Club”.

Na terça-feira, 7 de agosto, enquanto o pelotão profissional da Volta a Portugal Santander aproveita o Dia de Descanso para recuperar forças realiza-se em, Viseu, a já tradicional “Etapa da Volta” dedicada à comunidade cicloturista. A “Etapa da Volta Via Verde RTP” comemora o décimo segundo aniversário e está pela sexta vez em Viseu. A partida vai acontecer às 10 horas, na Avenida da Europa. Os cicloturistas vão fazer um percurso de aproximadamente 90 quilómetros, sendo os últimos 20 percorridos em “andamento livre”. As inscrições para a 12ª Etapa da Volta Via Verde RTP estão abertas em www.volta-portugal.pt ou no site da Via Verde.

A 80ª Volta a Portugal Santander realiza-se de 1 a 12 de agosto com Prólogo em Setúbal e a festa final em Fafe.

Fonte: Podium