quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

“A SHIMANO SAINT RESPONDEU ÀS PREÇES DA EQUIPA DH MONDRAKER”

Por: Nuno Candeias
O Fabricante de componentes de ciclismo Shimano e a equipa de Downhill MS Mondraker, casa para o campeão do mundo DH Danny Hart, anunciaram no dia 14/02 uma parceria para os próximos 2 anos.
A Equipa MS Mondraker vai correr na alta competição com os componentes de transmissão Shimano SAINT nas próximas duas épocas.
A equipa  não se caracteriza apenas pelo actual e duas vezes campeão do Mundo Danny Hart, mas também pela  grande sensação no DH Laurie Greenland, que volta a correr com a marca que usou para ganhar em 2015 o titulo de campeão do Mundo em Junior.
Hart e Greenland são dois pilotos produtivos, que com as  idades de 25 e 19, têm já três títulos de campeão do mundo de Elite entre eles. Mais ainda, como os melhores do mundo forneceram aos engenheiros da Shimano o melhor caso de estudo para o desenvolvimento de produto.
A estes pilotos junta-se dois outros pilotos familiares que já pisaram o topo do pódio, a antiga campeã do mundo Emmeline Ragot e ex campeão europeu Markus Pekoll.
O Manager da Equipa MS Mondraker: “ Quando sonhámos  na criação de uma equipa de DH, estabelecemos logo à partida a nossa visão num patamar elevado, para termos campeões do mundo a ajudar a alavancar o desenvolvimento do desporto. Agora juntos com a Shimano a possibilidade de realizar este sonho pode ser realizável.”
Hart, Greenland, Ragot and Pekoll vão ter os componentes SAINT  instalados nos seus  furtivos quadros Mondraker carbono Summum 27,5. Discos Shimano com Tecnologia Ice para melhor gestão de calor, Uma pedaleira  simples duralumínio e mudança traseira SAINT 10 velocidades  com tecnologia SHADOW+, que se caracteriza pelo seu mecanismo estabilizador da corrente.
O Director de marketing desportivo Rudy Bouwmeester:” A Shimano está emocionada com a parceria realizada com uma das mais fortes equipas de DH, MS Mondraker está comprometida a superar as ambições da equipa  no circuito mundial. Estamos ansiosos por começar a trabalhar com todos os atletas e mecânicos da MS Mondraker de modo a continuarmos a desenvolver componentes da mais alta qualidade.”
A MS Mondraker arranca para a taça do Mundo de DH em Abril nos dias 29 e 30 em Lourdes, França, embora a equipa esteja a prepara-se para as competições domésticas, incluindo o Brithish Downhill Series.
Informações mais detalhadas sobre os componentes SAINT: http://www.ridesaint.com/pt/
Fonte: Soc.Com.Vouga

“RAID DO FACHO BTT - CAMPEONATO DO MINHO XCM”

O dia 19 de fevereiro de 2017 marcará a 8ª edição consecutiva do Raid do Facho BTT, prova que marcará o arranque do Campeonato do Minho de XCM - Raiz Carisma.

Percurso diversificado e transversal às múltiplas preferências dos participantes, decorrerá por freguesias do concelho e ainda em algumas limítrofes. Englobará um percurso entre os vales do rio Neiva e do rio Cávado, entre as cidades do Galo e dos Arcebispos, onde a História e a Natureza convivem mutuamente.

Actividades:

Campeonato do Minho de BTT-XCM - Raiz Carisma

Maratona 70 Kms

Meia-maratona BTT 40 Kms

Passeio/Mini-Raid BTT 20 Kms

Aula de Zumba e Caminhada Saudável (isenta de inscrição).

As inscrições tem um valor de 10,00€ (9,00€ Federados) e incluem Dorsal, Controlo de tempos, Troféus, Seguro AP, Abastecimentos, Lembranças e Bifana no Final.

Almoço 5,00€ (opcional)

Restantes informações em: www.raiddofacho.com

“EMEL procura voluntários para testar rede de bicicletas partilhadas em Lisboa”

Por: Lusa
Foto: myStromer AG

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) vai abrir candidaturas para voluntários que queiram, durante o mês de Março, testar a rede de bicicletas partilhadas no Parque das Nações, fazendo depois recomendações ao projecto.

"A experiência que nós temos, com [a aplicação] ePark foi de envolver os utilizadores a experimentar a aplicação, a dar-nos feedback e, de facto, isso permitiu enriquecer muito a solução final", disse à agência Lusa o administrador da EMEL, João Dias.

Por isso, a EMEL quis através do 'bike sharing' [rede de bicicletas partilhadas] dar "a oportunidade aos utilizadores de eles próprios serem co-criadores da solução e, durante um período de tempo e num espaço limitado" testarem e depois darem sugestões, acrescentou o mesmo responsável, que falava no final de uma apresentação sobre o tema, em Picoas, Lisboa.

Continuar a leCaberá depois à empresa "selecionar as melhores sugestões e incorporá-las na solução final, que vai estar a funcionar na cidade antes do verão", assinalou João Dias.

Em causa está uma rede de 1.410 bicicletas (940 elétricas e 470 convencionais) distribuídas por 140 estações: 92 no planalto central da cidade, 27 na baixa e frente ribeirinha, 15 no Parque das Nações e seis no Eixo Central (que abrange as avenidas Fontes Pereira de Melo e da Liberdade).

Em Março, arranca apenas uma fase piloto com "10 estações e um máximo de 100 bicicletas" no Parque das Nações, apontou João Dias.

Quem se quiser voluntariar a experimentar, de forma gratuita, poderá inscrever-se através de um 'website' que a empresa vai criar nos próximos dias. O teste será também feito por convidados da EMEL.

"Queremos comportar o número máximo de pessoas", vincou o administrador, apontando que se pretende que haja rotatividade (pessoas que dêem lugar a outras) "até o sistema comportar".

No que toca ao impacto de tais sugestões no projecto final, o representante admitiu que não provocará "alterações de estrutura", mas antes "pequenas melhorias" ao nível dos equipamentos e da tecnologia usada.

O investimento da EMEL no projecto é na ordem dos 23 milhões de euros, através de um contrato de prestação de serviços celebrado com a empresa portuguesa Órbita, para um período de oito anos.

De acordo com o plano de negócio do projecto, divulgado em Fevereiro do ano passado, o passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário dez euros, pelo que a empresa perspectiva uma receita de 897.321 euros por ano.

Questionado pela Lusa sobre s estes valores se mantêm, João Dias escusou-se a responder, garantindo apenas que será um "tarifário muito, muito acessível". Os números "podem ser ligeiramente diferentes, mas a mensagem que temos do nosso acionista, a câmara, é que isto é para ser uma solução de transporte público muito acessível, principalmente para os residentes ou para as pessoas que já tenham um título de transporte, ou seja um passe", precisou.

Pela publicidade, o plano de negócio prevê a cobrança de 350 euros por bicicleta, o que deverá representar um encaixe financeiro anual superior a 400 mil euros.

No que toca às idades dos utilizadores, a rede só estará acessível a partir dos 16 ou dos 18 anos, para haver "cobertura do seguro de responsabilidade civil", adiantou João Dias.

A iniciativa, que decorreu no Centro de Informação Urbana de Lisboa, foi promovida pela agência municipal de energia Lisboa E-Nova. 

Fonte: Jornal de Negocios.pt

“Volta a Omã: Rui Costa segundo na 2.ª etapa”

Ciclista português sobe ao mesmo lugar da classificação geral

Foto: D.R.

O português Rui Costa (UAE Abu Dhabi) terminou esta quarta-feira na segunda posição a 2.ª etapa da Volta a Omã, subindo ao mesmo lugar da classificação geral, atrás do alemão Bem Hermans (BMC), vencedor da tirada.
Uma contagem de montanha - a quarta do dia - a cerca de cinco quilómetros da meta fracionou o pelotão, com Bem Hermans a libertar-se de Rui Costa e do dinamarquês Jakob Fulgsang (Astana) nos metros finais, gastando 3:20.49 horas para cumprir os 145,5 quilómetros entre Nakhal e Al Bustan.

Na geral, Ben Hermans lidera com quatro segundos de avanço sobre Rui Costa e sete sobre Jakob Fulgsang, enquanto o primeiro líder da prova, o sprinter norueguês Alexander Kristoff (Katusah-Alpecin), perdeu 3.43 minutos numa etapa que se adequava pouco às suas características.
Na quinta-feira, os ciclistas terão de percorrer 162 quilómetros entre a Universidade Sultão Qaboos, em Mascate, e Quriyat.

A meta estará instalada no final de uma curta subida de 2,8 quilómetros, com uma pendente média de 6,5%.

Fonte: Record on-line

“Valverde e Contador ao ataque na Volta a Andaluzia”

Líder da Movistar Team impôs-se ao sprint na meta em Granada

Por: Lusa

Foto: EPA

O espanhol Alejandro Valverde, líder da Movistar Team, ganhou esta quarta-feira a primeira etapa da Volta a Andaluzia, impondo-se na meta em Granada, ao sprint, a um grupo de apenas seis ciclistas.
Os 156 quilómetros de Rincón de la Victoria a Málaga tiveram já montanha de primeira, com o Alto de Monachil, o que permitiu que meia dúzia de concorrentes, entre os quais Valverde e Alberto Contador (Trek-Segafredo), chegasse com avanço de alguns segundos sobre os mais diretos perseguidosres.
Foi Contador que atacou no Monachil, mas seria o veterano Valverde - 36 anos - que mais beneficiou, averbando o triunfo em 4:02.28 horas, numa tirada em que não houve bonificações.
Com o tempo de Valverde entraram o holandês Wout Poels (Sky), o suíço Sebastien Reinchenbach (FDJ), o italiano Diego Rosa (Sky), o espanhol Ion Izaguirre (Bahrain) e Contador.
O espanhol Mikel Landa (Sky), o colombiano Rigoberto Uran (Cannondale) e os franceses Thibaut Pinot (FDJ) e Warren Barguil (Sunweb) minimizaram os estragos e cederam somente cinco segundos, mas o resto do pelotão soma já atrasos na casa das dezenas de segundos ou minutos.
Entre os ciclistas que perderam algum tempo para os primeiros esteve o português André Cardoso, da Trek-Segafredo - chegou em 37.º, a 1.04 minutos do sexteto da frente.
Na quinta-feira, a Volta a Andaluzia avança já para a etapa rainha, indo de Torredonjimeno até ao

“EFAPEL sem sobressaltos entre a elite mundial”

Corredores da equipa concluíram primeira etapa integrados no pelotão

A equipa profissional de ciclismo EFAPEL cumpriu sem problemas o primeiro dia de competição da 43ª Volta ao Algarve em Bicicleta. Num dia indicado para os velocistas mostrarem serviço, a chegada a Lagos foi discutida ao sprint. Rafael Silva, 15º na meta, foi o melhor representante da formação de Ovar numa etapa em que a principal preocupação era chegar com todos os corredores sem sofrer percalços.

O primeiro dia de competição fica sempre dominado por algum nervosismo, em particular devido a uma chegada em pelotão compacto. Com quase 190 quilómetros entre Albufeira e Lagos, os corredores da EFAPEL pedalaram praticamente durante toda a jornada integrados no grande grupo e chegaram ao fim com o mesmo tempo do vencedor, o colombiano Fernando Gaviria. Durante este desafio, ainda aproveitaram para fazer algum trabalho específico.

“Estamos numa prova que tem os melhores sprinters e lançadores do mundo. Só falta o Marcel Kittel. De resto, estão cá todos. Aproveitámos para fazer algum trabalho de equipa em termos de colocação a pensar nas próximas provas. Perante o nível, conseguir o 15º lugar com o Rafael Silva deixa-nos satisfeitos. Amanhã vai ser um dia completamente diferente com outros protagonistas. Preparámo-nos bem e acreditamos que podemos conseguir um bom resultado”, afirmou o director desportivo, Américo Silva.

Depois de um dia sem grandes dificuldades na estrada, o pelotão prepara-se para um percurso mais selectivo na etapa de amanhã. A distância entre Lagoa e o Alto da Fóia é praticamente a mesma da jornada de hoje, mas com duas metas volantes e três montanhas categorizadas, uma de terceira, uma de segunda e uma última, coincidente com a meta, de primeira categoria.

 
Classificação da primeira etapa

    Fernando Gaviria        Quick-Step Floors            4h28m31s

    André Greipel            Lotto Soul                mt

    Nacer Bouhanni        Cofidias                mt


15º    Rafael Silva            EFAPEL                mt

94º    Daniel Mestre            EFAPEL                mt

112º    Mateo Garcia            EFAPEL                mt

124º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt

138º    António Pereira Barbio    EFAPEL                mt

141º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                mt

144º    Jesús del Pino        EFAPEL                mt

161º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt

 
Classificação geral individual

    Fernando Gaviria        Quick-Step Floors            4h28m21s

    Christoph Pfingsten        Bora-Hansgrohe            a 1s

    André Greipel            Lotto Soul                a 4s


18º    Rafael Silva            EFAPEL                a 10s

96º    Daniel Mestre            EFAPEL                mt

113º    Mateo Garcia            EFAPEL                mt

125º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt

139º    António Pereira Barbio    EFAPEL                mt

142º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                mt

145º    Jesús del Pino        EFAPEL                mt

161º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt

Fonte: Efapel

“Volta ao Algarve/Cavendish em Portugal para se preparar para o resto da temporada”

Ciclista britânico afirmou que não pretende 'sprintar' muito na Volta ao Algarve

Foto: Lusa

O britânico Mark Cavendish garantiu hoje que não está na 43.ª Volta ao Algarve em bicicleta para ‘sprintar’, mas sim para preparar-se para o resto da temporada e para ajudar a sua Dimension Data.

‘Estrela’ mais sonante de um elenco invejável de ‘sprinters’, que entre hoje e domingo vão abrilhantar a ‘Algarvia’, Cavendish rejeitou assumir-se como candidato ao triunfo na primeira e quarta etapas, as únicas talhadas para os homens rápidos do pelotão.

“É verdade, Este ano estão cá os melhores ‘sprinters’. Mas eu não vim para ‘sprintar’, mas para ajudar a equipa”, respondeu o ciclista da Ilha de Man quando questionado sobre a fortíssima concorrência, que inclui o seu arquirrival alemão André Greipel (Lotto Soudal), o colombiano Fernando Gaviria (Quick-Step Floors), os franceses Arnaud Démare (FDJ) e Nacer Bouhanni (Cofidis) e o também alemão John Degenkolb (Trek-Segafredo).

Ainda assim, aquele que é considerado o melhor ‘sprinter’ de sempre – tem 144 vitórias no currículo, 30 das quais no Tour – lá foi dizendo que seria “porreiro” sair da prova portuguesa com um novo triunfo, para juntar ao conquistado em 2014.

“Gosto muito de vir ao Algarve, é um lugar muito bonito. Viemos tentar conseguir um bom resultado e desfrutar da corrida”, assumiu.

De regresso à Volta ao Algarve, após dois anos de ausência, o ciclista da Dimension Data mostrou-se mais disponível e bem-disposto do que na anterior visita, elogiando a prova que escolheu para dar início à sua época europeia, depois da participação na Volta ao Dubai.

“É a minha terceira vez aqui. É uma ótima prova. É dura, mas é perfeita como preparação para a temporada. Os organizadores esforçam-se para que tudo saia bem. Não é um caos, nem uma corrida de loucos. Por isso, é muito bom”, salientou o ciclista britânico, de 31 anos, antes do arranque da primeira etapa, em Albufeira.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Volta ao Algarve: Tiago Machado diz que a estrada decidirá o líder na Katusha”

Português já foi terceiro por duas vezes (2010 e 2015)

Por: Ana Paula Marques

Foto: Filipe Farinha

Por duas vezes já ficou no pódio na Volta ao Algarve: terceiro em 2010, com a RadioSchak, e a mesma posição em 2015, com a Katusha. Será 2017, o ano para Tiago Machado subir mais um degrau na corrida portuguesa? "As pernas estão bem, não estou doente, vamos ver se consigo ter sorte", disse esta quarta-feira à partida da etapa inaugural em Albufeira.
A Katusha surge no sul do país com três potenciais vencedores. Para além do português, apresenta o alemão Tony Martin e o esloveno Simon Spilak. O discurso é cauteloso, sem euforias, por parte do famalicense. "A estrada vai decidir quem será o líder. O Zé [Azevedo, manager] deixou três hipóteses e é sempre melhor ter várias opções". Tiago Machado considera, de resto, que para esta época José Azevedo construiu "um plantel à sua imagem".
E na Katusha há este ano um outro Zé. O José Gonçalves, um dos reforços do plante. "É sempre bom termos um compatriota no pelotão, na mesma equipa. Pomos a conversa em dia e desabafamos na mesma língua".

Fonte: Record on-line

“43.ª Volta ao Algarve”

Fernando Gaviria é o mais veloz em Lagos

O colombiano Fernando Gaviria (Quick-Step Floors) venceu hoje a primeira etapa da 43.ª Volta ao Algarve, uma ligação de 182,9 quilómetros, que arrancou em Albufeira e terminou, ao sprint, em Lagos.

O terceiro triunfo da temporada de Fernando Gaviria foi construído com o poderio físico do colombiano e com trabalho coletivo. Já nas últimas centenas de metros, Massimiliano Richeze, colega de equipa, atacou, destabilizando o trabalho das restantes formações. Com esta movimentação Fernando Gaviria teve apenas de concentrar-se nos rivais mais diretos, disparando para o triunfo, nos derradeiros 100 metros.

Fernando Gaviria impôs-se diante de outros dois velocistas de referência do pelotão internacional, o alemão André Greipel (Lotto Soudal) e o francês Nacer Bouhanni (Cofidis), segundo e terceiro.

A vitória em Lagos, perante uma multidão entusiasta, deixou Fernando Gaviria em posse da Camisola Amarela Turismo do Algarve. Partirá para a etapa de quinta-feira com 1 segundo de vantagem sobre o alemão Christoph Pfingsten (Bora-hansgrohe) e com 4 segundos sobre outro germânico, André Greipel.

A etapa começou em Albufeira, perante milhares de pessoas que quiseram incentivar os corredores à partida para a competição. E cinco homens não esperaram muito para retribuir o calor popular. Christoph Pfingsten (Bora-hansgrohe), Justin Oien (Caja Rural-Seguros RGA), Brian van Goethem (Roompot-Nederlandse Loterij), Adam de Vos (Rally Cycling) e João Benta (RP-Boavista) saíram do pelotão com 2,5 quilómetros percorridos.

Adam de Vos foi o primeiro a passar na única montanha do dia, na Picota, ao quilómetro 22. Garantiu, assim, a posse da Camisola Azul Liberty Seguros, que premeia o melhor trepador. E, ato contínuo, desinteressou-se da fuga, aguardando pelo pelotão.

Os restantes aventureiros mantiveram-se em cabeça de corrida, chegando a ter mais de sete minutos e meio de vantagem sobre o grande grupo, mas não resistiram à perseguição movida pelas equipas com ambição de ganhar ao sprint. A 25 quilómetros da meta morreu a fuga a consolidou-se a convicção de que seriam os velocistas a merecer os holofotes da glória no final da jornada.

O primeiro lugar de Fernando Gaviria assegurou ao colombiano três lideranças. Além da Camisola Amarela Turismo do Algarve, é o dono da Camisola Vermelha Cofidis, dos pontos, e da Camisola Branca Sicasal, da Juventude. A Quick-Step Floors comanda por equipas.

“É a minha terceira vitória do ano, a primeira desta temporada na Europa. É importante começar a ganhar cedo no ano, dá-nos confiança para as próximas corridas. Foi um sprint longo e algo confuso diante de grandes especialistas. Fico feliz por dar mais uma vitória à minha equipa e vestir de amarelo na Volta ao Algarve. O meu próximo objetivo são os Campeonatos Nacionais na Colômbia. Não digo ganhar, mas espero discutir a vitória na quarta etapa da Volta ao Algarve”, afirmou Fernando Gaviria.

“O objetivo da etapa passava por discutir a camisola da montanha e as metas volantes. É a minha segunda corrida do ano, mas as sensações eram boas e a fuga teve sucesso. Depois de ter vestir a camisola naturalmente que a gostava de a defender por mais um dia, mas será muito difícil tendo em conta as dificuldades de montanha e o nível dos adversários”, disse Adam de Vos, antecipando o que se passará na jornada seguinte.

A segunda etapa, a disputar nesta quinta-feira, deverá modificar as classificações. Os ciclistas vão percorrer 189,3 quilómetros, entre Lagoa e o alto da Fóia, em Monchique, com a meta a coincidir com uma contagem de montanha de primeira categoria. Será o primeiro teste à forma dos candidatos, permitindo perceber quais são os corredores com capacidade para discutir a geral.

Classificações/Results

1.ª Etapa/1st Stage: Albufeira - Lagos, 182,9 km

1.º Fernando Gaviria (Quick-Step Floors), 4h28m31s (40,869 km/h)

2.º André Greipel (Lotto Soudal), mt

3.º Nacer Bouhanni (Cofidis), mt

4.º Dylan Groenewegen (Team Lotto NL-Jumbo), mt

5.º John Degenkolb (Trek-Segafredo), mt

6.º Baptiste Planckaert (Team Katusha Alpecin), mt

7.º Matteo Trentin (Quick-Step Floors), mt

8.º Andrea Pasqualon (Wanty-Groupe Gobert), mt

9.º Lukasz Wisniowski (Team Sky), mt

10.º Edvald Boasson Hagen (Team Dimension Data), mt

Geral/Overall

1.º Fernando Gaviria (Quick-Step Floors), 4h28m21s

2.º Christoph Pfingsten (Bora-hansgrohe), a 1s

3.º André Greipel (Lotto Soudal), a 4s

4.º Justin Oien (Caja Rural-Seguros RGA), mt

5.º Nacer Bouhanni (Cofidis), a 6s

6.º João Benta (RP-Boavista), a 8s

7.º Dylan Groenewegen (Team Lotto NL-Jumbo), a 10s

8.º John Degenkolb (Trek-Segafredo), mt

9.º Baptiste Planckaert (Team Katusha Alpecin), mt

10.º Matteo Trentin (Quick-Step Floors), mt

Fonte: FPC

“ADoP faz controlo na Volta ao Algarve”

Seis equipas visitadas durante a noite

Por: António Varela

Foto: Reuters

A Autoridade de Antidopagem de Portugal (ADoP) esteve na terça-feira à noite na Volta ao Algarve. Um controlo a seis equipas, Sporting-Tavira, W52-FC Porto, Efapel, RP-Boavista, LA Alumínios-Metalusa Blackjack e Louletano-Hospital de Loulé, tendo sido recolhidas análises à EPO e passaporte biológico.
A Volta ao Algarve arrancou esta quarta-feira, com a 1.ª etapa a fazer a ligação Albufeira a Lagos, num percurso de 182,9 quilómetros. A prova algarvia decorre até domingo. 

Fonte: Record on-line