quarta-feira, 26 de junho de 2019

“VOLTA A FRANÇA ENTRE 27 DE JUNHO E 19 JULHO DE 2020 DEVIDO AOS JOGOS OLÍMPICOS”

União Ciclista Internacional (UCI) conciliou a calendarização da prova com a realização de Tóquio2020, entre 24 de julho e 09 de agosto.

A edição de 2020 da Volta a França vai ser disputada entre 27 de junho e 19 julho, segundo o calendário do WorldTour, apresentado hoje pela União Ciclista Internacional (UCI) com adaptações devido aos Jogos Olímpicos.

O organismo conciliou a calendarização com a realização de Tóquio2020, entre 24 de julho e 09 de agosto, antecipando o Tour em uma semana e a Volta a Polónia para julho, em vez de agosto, relegando a Prudential RideLondon Surrey Classic para uma semana depois dos Jogos.

O principal circuito mundial de ciclismo vai contemplar em 2020 um total de 37 corridas, em 14 países de quatro continentes, começando em janeiro com o Tour Down Under, entre 21 e 26, na Austrália, e terminando na China, com a Volta a Guangxi, de 15 a 20 de outubro.

A Volta à Turquia foi excluída deste calendário, depois de não terem comparecido o número mínimo de equipas (10) do WorldTour nos últimos dois anos, sendo a corrida relegada para o circuito ProSeries, que vai ser criado em 2020.

Já conhecidas eram as datas para a Volta a Itália, entre 09 e 31 de maio, e para a Volta a Espanha, de 14 de agosto a 06 de setembro, com mais um dia do que é habitual devido à partida em Utrecht, na Holanda.

Também a calendarização do WorldTour feminino sofreu alterações, com a antecipação em uma semana de todas as provas previstas para o mês de maio.

Os restantes calendários de ciclismo de estrada da UCI vão ser divulgados em setembro, durante os Mundiais, que vão ser disputados em Yorkshire, em Inglaterra.

Fonte: Sapo on-line

“Agenda de Ciclismo/Especial Semana Europeia de Cicloturismo”

Melgaço recebe luta pelos títulos nacionais

Por: José Carlos Gomes

O Campeonato Nacional de Estrada para elite, sub-23 e femininas disputa-se, entre sexta-feira e domingo, em Melgaço. Os veteranos, os amadores e os corredores universitários também correm pelos títulos de estrada, no Alandroal, sábado e domingo.

O programa dos Campeonatos Nacionais de Melgaço inicia-se, na sexta-feira, com os contrarrelógios. Às 12h00 começam a partir as corredoras de elite. Trinta minutos mais tarde sai o primeiro sub-23. As duas categorias vão cumprir 24,6 quilómetros. Os corredores de elite arrancam a partir das 13h30 para um exercício individual de 32,3 quilómetros.

Apesar das distâncias não serem iguais, todas as provas têm partida no Centro de Estágios de Melgaço e chegada junto à Câmara Municipal. São traçados com alguma exigência, não se apresentando como contrarrelógios para roladores puros, abrindo a candidatura ao título a ciclistas que, tendo bons dotes de contrarrelogistas, também apresentam caraterísticas de todo-o-terreno.

Sábado é o dia das primeiras provas de fundo. Às 10h00 será dado o tiro de partida para a corrida feminina. As corredoras de elite irão percorrer 88,6 quilómetros, terminando à quarta passagem pela meta, mais uma volta do que as juniores que vão pedalar durante 66,1 quilómetros e mais duas do que as cadetes e as masters que terão de enfrentar 43,6 mil metros. Os sub-23 masculinos também lutam pelo título de fundo no sábado, a partir das 14h30. O percurso dos jovens corredores terá um total de 143,2 quilómetros. Estas duas provas começam e terminam na Câmara Municipal de Melgaço.

A corrida mais esperada é a prova de fundo para elite, marcada para as 11h00 de domingo. A partida será em Castro Laboreiro e a chegada na Câmara de Melgaço, à oitava passagem pela meta, depois de percorridos 197 quilómetros.

As provas de fundo vão desenrolar-se num circuito exigente, rompe-pernas, com pouco terreno verdadeiramente plano. A meta está instalada no topo de uma rampa de um quilómetro com inclinação média de 8,5 por cento, destacando-se os 500 metros finais, em empedrado, e com uma pendente de 11 por cento.

As provas de elite e de sub-23 guardam um ingrediente especial, uma subida de 3 quilómetros com inclinação média de 4 por cento, que será apenas transposta na última volta, apimentando ainda mais a discussão pelas camisolas de campeão nacional.

Entre as femininas, o favoritismo recai em Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport), que irá bater-se pela revalidação dos títulos de contrarrelógio e de fundo. João Almeida (Hagens Berman Axeon), vice-campeão nacional de fundo e de contrarrelógio em 2018, é o candidato número um para as provas de sub-23 deste ano. No entanto, terá forte oposição dos corredores das equipas portuguesas, especialmente na prova de fundo, na qual o coletivo pode ser determinante, num traçado tão exigente como o de Melgaço.

Entre a elite, Domingos Gonçalves (Caja Rural-Seguros RGA), campeão em título de contrarrelógio e de fundo, está inscrito, mas o momento de forma do minhoto é uma incógnita, devido à paragem a que esteve sujeito, na sequência de uma queda na Volta à Catalunha. No contrarrelógio é de esperar uma forte oposição do irmão gémeo José Gonçalves (Team Katusha Alpecin), mas também de Rafael Reis (W52-FC Porto), Tiago Machado e José Mendes (Sporting-Tavira), Amaro Antunes (CCC Team), Ricardo Vilela e José Neves (Burgos BH).

A incógnita é ainda maior na prova de fundo. Num percurso seletivo, prevendo-se uma batalha a ser travada sob calor intenso, o desfecho é imprevisível e estará muito dependente da capacidade física dos corredores e da agilidade tática, individual e coletiva. José Gonçalves, Tiago Machado, José Mendes e Ricardo Vilela repetem a candidatura. No entanto, a concorrência vai também incluir Nelson Oliveira (Movistar Team), Joni Brandão e Henrique Casimiro (Efapel), João Benta e David Rodrigues (Rádio Popular-Boavista), Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), Edgar Pinto, César Fonte ou João Rodrigues (W52-FC Porto). É provável que as equipas com mais opções tentem ataques de longe. A formação de um grupo numeroso de fugitivos poderá ser determinante, à semelhança do que aconteceu, há um ano, em Belmonte.

O Campeonato Nacional de Masters, Elite Amadores e Universitário de Estrada vai realizar-se no Alandroal. No sábado, a partir das 15h00, disputa-se o contrarrelógio, entre Juromenha e Alandroal, na distância de 16,6 quilómetros. 

As provas de fundo acontecem no domingo, a partir das 11h00. Os amadores de elite os masters 30 vão percorrer 144,7 quilómetros. A distância a cobrir pelos masters 40 é de 108,8 quilómetros, ficando os masters 50 e 60 com a missão de completar 72,9 mil metros.

 

Semana Europeia de Cicloturismo

O maior evento de cicloturismo da Europa vai realizar-se em Portugal. As Aldeias Históricas, com destaque especial para Belmonte, serão palco da Semana Europeia de Cicloturismo, entre 29 de junho e 6 de julho. Vão participar mais de 1200 cicloturistas, oriundos de 12 países.

Durante a semana, irá prevalecer o convívio e a diversão, tendo a bicicleta como companheira inseparável para os percursos mais desafiantes e para as deslocações turísticas às Aldeias Históricas.

 

Mais eventos oficiais

28 a 30 de junho: Racenature, Sabugal

29 de junho: 2 Horas Resistência BTT de Portimão

30 de junho: Circuito de S. Pedro, Macedo de Cavaleiros

30 de junho: 5.º Airães a Pedalar, Airães, Felgueiras

30 de junho: Campeonato de BTT de Vila do Conde, Junqueira

30 de junho: XCO Cidade de Viseu

30 de junho: XCO Rodinhas, Benedita, Alcobaça

30 de junho: 34.º Prémio de Matos Cheirinhos, S. Domingos de Rana, Cascais

30 de junho: Campeonato do Algarve de XCO, S. Brás de Alportel

30 de junho: Campeonato da Madeira de Enduro, Santana, Madeira

Fonte: FPC