domingo, 15 de setembro de 2019

“ASFIC CONQUISTA 2 LUGAR GERAL E POR EQUIPAS”

A ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic participou nesta competição, que foi a ultima da época 2019, com 7 atletas (Edgar Oliveira, Humberto Careca, João Letras, Jorge Letras, Anibal Santo, Diogo Sampaio e Rui Rodrigues).

A ASFIC partia para esta prova, com a camisola amarela, uma vez que tinha vencido as duas épocas anteriores.

O Objetivo da equipa passava por tentar vencer a prova, colocando o João Letras, vencedor da edição anterior,  em posição de vencer a mesma.

A corrida teve um andamento rapido desde  o inicio, com várias tentativas de fuga, mas sempre a serem anuladas pelo pelotão.

A passagem da 4 volta, Edgar Oliveira foi vitima de queda e obrigado a discutir.

A discussão da corrida viria a ser discutida ao sprint, com o atleta da Asfic, João Letras, a não conseguir superar o seu adversário por escaços centímetros cortando a meta em segundo lugar.

A ASFIC também obteve o 2º lugar coletivamente, venceu na categoria Elites através do seu atleta João Letras e 2º lugar M40 por Humberto Careca.

A ASFIC acaba assim uma boa época, onde a equipa esteve sempre combativa e em grande evidência em todas as corridas.

Queremos agradecer a todos os atletas da equipa, pela excelente época, onde os ciclistas da ASFIC desempenharam um trabalho exímio durante toda a época, lutando sempre pela vitória, obtendo sempre bons resultados, elevando ao mais alto nível o nome dos patrocinadores, da União de Freguesias de S .joão da Ribeira e Ribeira de S. João, e da cidade de Rio Maior.

A ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic, agradece a todos os seus patrocinadores, e a todos que estão sempre connosco, e de alguma forma nos ajudam ou apoiam.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Vuelta/Roglic: "Estava a pedalar para entrar na história"”

O esloveno mostrou-se feliz por vencer pela “incrível sensação” de vencer a primeira ‘grande volta’ da carreira

O esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), que hoje venceu a 74.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta, mostrou-se feliz pela “incrível sensação” de vencer a primeira ‘grande volta’ da carreira, num dia “bom para o ciclismo na Eslovénia”.

Pouco depois de subir ao pódio enquanto vencedor final e da classificação por pontos, o ciclista da Jumbo-Visma, de 29 anos, mostrava o habitual estilo reservado aos jornalistas, ainda que tenha admitido a “incrível sensação” da vitória, sobretudo “por se verem tantos adeptos da Eslovénia”.

“É bom para o ciclismo esloveno. (...) Hoje, só queria acabar a etapa, nem sequer pensei muito na festa, mas claro, estava a pedalar para entrar na história”, atirou, após a 21.ª e última tirada, em Madrid.

Questionado sobre a capacidade de vencer outra das ‘grandes’ provas velocipédicas, Roglic recusou fazer qualquer previsão, preferindo fazer essa análise “no final da carreira”: “Os números não são importantes, mas sim a conquista muito bonita”, acrescentou.

Antigo campeão do mundo de juniores de saltos de esqui, Roglic chegou à bicicleta há 12 anos, depois de uma queda, e agora atinge uma das grandes ambições da carreira, a vitória numa ‘grande volta’, depois de já ter dado à Eslovénia o primeiro pódio numa dessas provas, na Volta a Itália.

Antes, em 2018 tinha acabado em quarto lugar na Volta a França, com a desejada vitória a chegar agora, após uma ‘Vuelta’ de altos e baixos, que começou com a queda da equipa no contrarrelógio por equipas, passou pela segurança na montanha e a vitória no ‘crono’ individual, decisivo para as contas finais.

Aos 39 anos, o campeão mundial, o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), mostrou-se “muito orgulhoso” por conseguir o sétimo pódio em ‘grandes voltas’, o 10.º ‘top-10’ na ‘Vuelta’ e um ‘vice’ que “sabe a vitória”, segundo admitiu, uma vez que surge 10 anos depois de aqui ter triunfado.

O jovem esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates), que venceu três etapas e a camisola da juventude, classificou também de “incrível” a estreia na Volta a Espanha, com um terceiro posto na geral final a comprovar o surgimento da Eslovénia este ano.

No início do ano, o jovem, de 20 anos, venceu a Volta ao Algarve, um feito que Roglic alcançou dois anos antes, e já na altura Pogacar tinha destacado “o crescimento do ciclismo na Eslovénia, onde há muito trabalho”, tendo deixando desde logo uma garantia: “Vamos ver mais ciclistas eslovenos no WorldTour”.

Fonte: Sapo on-line

“Ricardo Batista em nono nos Europeus de triatlo de sub-23”

Atleta luso acabou a prova em 51.50 minutos, a 32 segundos do novo campeão europeu, o britânico Ben Dijkstra

Por: Lusa

Foto: DIREITOS RESERVADOS

O português Ricardo Batista foi, este domingo, 9.º classificado no campeonato da Europa de triatlo sub-23, com Vasco Vilaça no 15.º posto na prova disputada na cidade espanhola de Valência.

Nascido em 2000, Batista acabou a prova em 51.50 minutos, a 32 segundos do novo campeão europeu, o britânico Ben Dijkstra, que cortou a meta destacado dos rivais, o espanhol Javier Pérez, segundo, e o sueco Gabriel Sandör, terceiro.

Mais abaixo, Vasco Vilaça foi 15.º e Miguel Silva foi 19.º, dentro do 'top 20', enquanto Tiago Fonseca acabou em 47.º entre 58 triatletas.

Na prova feminina, Madalena Almeida foi 10.ª classificada, ao cumprir a prova em 58.55 minutos, com a alemã Lisa Tertsch a sagrar-se campeã da Europa da categoria ao ser a única a cortar a meta antes dos 58 minutos.

A outra portuguesa em prova, Inês Oliveira, acabou em 37.º, com a dupla feminina a juntar-se a Ricardo Batista e Miguel Silva para conseguir o 10.º registo na estafeta mista, entre 12 equipas.

No Europeu de paratriatlo, Filipe Marques foi o único português em prova, na classe PTS5, acabando no 10.º lugar entre 11 participantes.

Fonte: Record on-line

“Vuelta/Roglic confirma triunfo em última etapa ganha ao 'sprint' por Jakobsen”

Alejandro Valverde termina Vuela em segundo e Tadej Pogacar em terceiro

Fonte: Lusa

Foto: EPA

O holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck-Quick Step) venceu este domingo ao 'sprint' a 21.ª e última etapa da Volta a Espanha, na qual o esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma) confirmou o triunfo na geral individual final.

Jakobsen, que já tinha vencido a quarta tirada, cumpriu os 106,6 quilómetros entre Fuenlabrada e Madrid em 2:48.20 horas, batendo sobre a meta o irlandês Sam Bennett (BORA-hansgrohe), segundo colocado, e o polaco Szymon Sajnok (CCC), terceiro.

Roglic confirmou hoje, no circuito de consagração em Madrid que encerrou a 74.ª edição da Volta à Espanha, a primeira vitória da carreira em 'grandes Voltas', à frente do espanhol Alejandro Valverde (Movistar), vencedor da 'Vuelta' em 2009 e, desta feita, segundo posicionado, e do compatriota Tadej Pogacar (UAE Emirates), terceiro.

Fonte: Record on-line

“Maria Martins sexta classificada na segunda etapa do Madrid Challenge da Volta a Espanha”

Ciclista portuguesa, de apenas 20 anos, intrometeu-se entre as ciclistas mais rápidas do pelotão

Por: Lusa

Foto: COFINA MEDIA

A portuguesa Maria Martins (Sopela Women's Team) foi, este domingo, 6.ª classificada na segunda e última etapa do Madrid Challenge, prova de WorldTour organizada pela Volta a Espanha em bicicleta.

Num último dia disputado ao 'sprint', a ciclista de apenas 20 anos intrometeu-se entre as ciclistas mais rápidas do pelotão, numa tirada de 98,6 quilómetros conquistada pela australiana Chloe Hosking (Alé Cipollini), ao cabo de 2:20.31 horas.

A vitória final acabou por recair sobre a alemã Lisa Brennauer (WNT-Rotor Pro Racing), vencedora da primeira etapa, numa classificação geral em que Maria Martins foi 36.ª, e a 14.ª melhor ciclista na classificação de juventude.

Este é o primeiro 'top 10' da portuguesa, medalhada em Europeus de ciclismo de pista, numa prova WorldTour, numa época em que já foi segunda na Clássica de Navarra e quarta nos Europeus sub-23 de estrada.

Por: Record on-line

“Equipa Portugal/Luís Costa 11.º na prova de fundo do Mundial de paraciclismo”

Por: José Carlos Gomes

Luís Costa fechou hoje a participação portuguesa no Campeonato do Mundo de Paraciclismo, em Emmen, Holanda, com a 11.ª posição na prova de fundo para a classe H5.

Os 66,6 quilómetros permitiram que se destacassem oito corredores, que discutiram o título mundial. O mais forte foi um homem da casa, Tim de Vries, que relegou o o italiano Alessandro Zanardi para o segundo lugar e chinês Qiangli Liu para o terceiro posto. Luís Costa chegou num segundo grupo, na 11.ª posição, a 3m06s do vencedor.

Na corrida de classe H4, disputada ao longo de 66,6 quilómetros, Flávio Pacheco foi o 15.º classificado entre 20 participantes. O corredor português ficou a uma volta do vencedor, o holandês Jetze Plat, que juntou o título mundial de fundo ao de contrarrelógio. O pódio completou-se com dois paraciclistas oriundos dos Estados Unidos da América, Thomas Davis e Travis Gaertner, ambos com o mesmo tempo do vencedor.

Luís Costa, nono na prova de contrarrelógio, garantiu a continuidade da integração no projeto paralímpico Tóquio’2020. Telmo Pinão esteve prestes a conseguir o mesmo na corrida de fundo de classe C2, mas caiu na reta da meta, quando sprintava pelo sexto posto. As quedas de sábado entupiram a estrada com carros de apoio, impedindo Bernardo Vieira de chegar aos dez mais em C1. Flávio Pacheco está em processo de evolução, devendo ainda adaptar-se à competição internacional e melhorar a técnica de corrida, considera o selecionador nacional, José Marques.

Fonte: FPC

“Taça de Portugal de XCO”

Mário Costa e Raquel Queirós carimbam triunfo na Taça
Por: José Carlos Gomes

Mário Costa (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) e Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) conquistaram hoje a Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO), mas a quinta e última prova pontuável, disputada em Avis, foi ganha por Daniel McConnell e Githa Michiels, ambos da Primaflor Mondraker Rotor.

A menos de um ano dos Jogos Olímpicos, a prova do norte do Alentejo recebeu vários corredores de bom plano internacional, que, em busca de pontos de qualificação para Tóquio, enriqueceram o nível competitivo da última prova da Taça de Portugal de XCO 2019.

A corrida masculina foi uma luta a três. Mário Costa começou por isolar-se na dianteira, mas o australiano Daniel McConnell e o português David Rosa (Massi) geriram melhor o esforço. O corredor da Oceânia foi o mais forte, cortando a meta com 30 segundos de vantagem sobre Rosa e com 59 segundos à melhor sobre Costa. Nas contas da Taça de Portugal, a corrida de Avis permitiu a Mário Costa impor-se entre a elite masculina. João Rocha (Rodabike/ACRG/Gondomar) venceu a Taça em sub-23.

A prova de elite feminina teve uma dominadora clara, a belga Githa Michiels. A australiana Rebecca McConnell, colega de equipa da vencedora na Primaflor Mondraker Rotor, foi quem deu mais luta, mas, ainda assim, terminou a 4m42s. A melhor portuguesa foi Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), terceira classificada, a 12m12s. A campeã nacional juntou, assim, a Taça de Portugal de elite e de sub-23 ao título nacional de elite, na época em que se estreou na categoria de sub-23.

Em juniores também chegou de fora o vencedor da etapa de Avis. Foi o francês Alex Riboulet (Scott Creuse Oxygen Gueret), que cortou a meta com 34 segundos de vantagem sobre Tiago Coelho (Maiatos). Tiago Sousa (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) foi o terceiro, a 4m57s, um resultado suficiente para conquistar a Taça de Portugal em juniores.

Ana Santos (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) fez o pleno nas juniores femininas, vencendo hoje a quinta prova em outras tantas corridas disputadas. Por isso, é a vencedora da Taça de Portugal na sua categoria etária.

A corrida de cadetes masculinos foi determinante para encontrar o vencedor da geral. João Cruz (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) foi o mais forte em Avis e, desse modo, substituiu André Rocha (ACDRRBTT/LROpticas/RJGroup) no topo da geral. O mesmo aconteceu em cadetes femininas. Ou seja, Íris Chagas (BTT Loulé/Elevis) triunfou na prova deste domingo, resultado que lhe valeu subir ao primeiro lugar da geral, de onde desalojou a colega de equipa Laura Simão.

Entre os veteranos, os vencedores de hoje em master 30, André Filipe (CPR A-do-Barbas/AKIplast/PVS) e Raquel Marques (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde), e em master 50, António Sousa, conquistaram a Taça de Portugal. Em master 40 masculinos, o melhor em Avis foi Hugo Moreira, mas a Taça foi para Davide Inácio (Automóveis Ribeiro/GDVP). No setor feminino, Filomena Paulo (Róódinhas/Santos Silva) ganhou a geral, mas a vitória em Avis pertenceu a Natália Mendes (Freebike Shop/Bike Clube S. Brás).

Fábio Luiz (Marrazes/Gui/Brejinho/BikeZone Leiria) foi o melhor paraciclista no Alentejo e também foi ele o vencedor da Taça de Portugal. 

Coletivamente, a Taça de Portugal vai ornamentar a sala de troféus da Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde.

Fonte: FPC
 

“Fábio Fernandes e Maria de Jesus Barros triunfaram no 3º Grande Prémio RS Bikes”

Fábio Fernandes (Efapel - Escola de Ovar) e Maria de Jesus Barros (Concelho de Porriño / Abanca) foram os vencedores das principais corridas do 3.º Grande Prémio RS Bikes, prova pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã e promovida conjuntamente pela Associação de Ciclismo do Minho e pela RS Bikes.

O 3º Grande Prémio RS Bikes integrou corridas para as categorias de cadetes e de juniores, começando e terminando ambas na rua da Cabreira (Gondar - Guimarães).

Apesar do calor que se fez sentir e da chuva que, por momentos, surpreendeu os ciclistas, a prova de juniores do 3.º Grande Prémio RS Bikes desenrolou-se a alta velocidade - mais de 47km/h - e animou o muito público que se juntou ao longo do circuito que teve início e final em Gondar.

Fábio Fernandes (Efapel - Escola de Ovar) venceu a corrida de juniores da terceira edição do Prémio RS Bikes ao surpreender na volta final os principais candidatos à vitória na prova e na Taça do Minho. O ciclista da Efapel não entrou bem na corrida, tendo ficado no pelotão quando um pequeno grupo de ciclistas encetou uma fuga. O Campeão Nacional de Contrarrelógio não desistiu e a duas voltas do fim da corrida conseguiu colar-se aos fugitivos para atacar a vitória num sprint final muito forte, deixando na segunda posição Diogo Narciso (Bairrada) e na terceira Daniel Dias (Seissa|KTM-Bikeseven|Matias&Araújo|Frulact). O trio da frente percorreu os 78,4 Kms do percurso em 01:39:25h.

João Silva (Bairrada) assumiu as despesas da corrida na segunda volta, tendo vencido três das Metas Volantes situadas na meta, mas acabou por ficar na quarta posição, a 4s do trio da frente. Pela luta e empenho que teve durante toda a corrida foi-lhe atribuído o Prémio da Combatividade.

Por equipas venceu a Efapel – Escola de Ovar, terminando em segundo a Escola de Ciclismo Bruno Neves e em terceiro a Vito/Feirense/PNB.

Maria de Jesus Barros (Concelho de Porriño / Abanca) venceu a prova de Elites Femininos.

Na corrida de cadetes, Tomás Mineiro (Efapel – Escola de Ovar) e Sérgio Silva (SC Bike Team) cedo fugiram do pelotão e venceram as metas volantes situadas na meta. Gustavo Alves (Vilanovense / Coreva / Duorep) foi o primeiro na meta volante Junta de Freguesia de Serzedelo e Lucas Lopes (BMC / Póvoa de Varzim / CDC Navais) na da Junta de Freguesia de Pedome. Tomás Mineiro conquistou a primeira meta volante situada na meta e Sérgio Silva as restantes três.

Luta equilibrada vivia-se mais atrás, com vários ciclistas a tentaram a sua sorte para saírem do pelotão e se colarem ao duo da frente. No entanto, Tomás Mineiro e Sérgio Silva mantiveram-se na frente até ao fim, com o ciclista da Escola de Ovar a mostrar-se mais forte no sprint final e a repetir a vitória conquistada há uma semana em Fafe. Sérgio Silva (SC Bike Team) terminou em segundo com o mesmo do vencedor, enquanto o ciclista de Sérgio Saleiro (Seissa|KTM-Bikeseven|Matias&Araújo|Frulact) foi mais forte que a concorrência e cortou a meta em terceiro.

Na corrida de cadetes o Prémio Combatividade foi entregue a Diogo Mendes, único atleta da Escola de Ciclismo Carlos Carvalho, que trabalhou bastante ao longo do percurso e conseguiu terminar top 20.

Por equipas venceu a Efapel - Escola de Ovar, terminando em segundo a Seissa|KTM-Bikeseven|Matias&Araújo|Frulact e em terceiro a Vito/Feirense/PNB.

Carina Viana (Tensai/Sambiental/Santa Marta) foi a melhor em juniores femininos.
 

Agostinho Faria (Presidente da Junta de Freguesia de Gondar)

Agostinho Faria, presidente da Junta de Freguesia de Gondar, mostrou-se satisfeito com a realização do Prémio RS Bikes: “Esta é uma prova muito importante para Gondar e é uma alegria enorme ver aqui tantos jovens a praticar o desporto que gostam e a lutar pelas melhores classificações. É com orgulho que vejo o organizador a conseguir trazer aqui tanta gente. De resto, Guimarães promove o desporto e nós em Gondar assumimos essa ideia e incentivamos a que se organizem estes eventos. Estamos muito satisfeitos com a realização deste Prémio RS Bike”.

O autarca referiu ainda que “esta é uma forma de mostrar Gondar ao País, porque estão aqui equipas de ciclista de quase todos os pontos de Portugal e com elas vêm os familiares dos ciclistas”.


Ricardo Sampaio (RS Bikes)

Ricardo Sampaio, da RS Bikes, fez um balanço muito positivo da terceira edição do Prémio de Ciclismo. “Correu tudo muito bem. Foram duas corridas muito bem disputadas e em termos organizativos também foi um êxito”, afirmou Ricardo Sampaio garantindo que o Prémio RS Bikes “é um projeto para continuar, contando para isso com o apoio da Associação de Ciclismo do Minho e das entidades, empresas e particulares que apoiam a iniciativa”.

“Fui ciclista e gosto imenso disto. Sou um apaixonado pelo ciclismo de estrada e idealizei esta prova”, explicou Ricardo Sampaio dizendo que o seu sonho é “organizar uma prova do calendário nacional ou trazer uma etapa do Grande Prémio do Minho a Gondar”.

Salientando que “nem tudo é fácil” e que “muitas vezes me disseram para desistir”, Ricardo Sampaio garantiu que “enquanto eu conseguir e a ACM estiver ao nosso lado, vamos continuar a organizar esta prova”. “Temos uma boa parceria com a ACM não só na organização deste evento como de outros. Penso que tem sido uma parceria positiva para os dois lados e é para continuar”, concluiu.
 

Fábio Fernandes (Efapel – Escola de Ovar)

Fábio Fernandes (Efapel – Escola de Ovar) reconheceu que “não entrei muito bem na corrida” mas que foi “fui batalhando até conseguir alcançar o grupo de fugitivos na penúltima volta”. “Apostei tudo para ganhar e consegui. No ano passado venci esta prova como cadete e este ano vinha decidido a vencer. Não foi fácil, mas com muito esforço e empenho consegui. Este é um circuito muito técnico, muito rápido e devido à chuva que caiu tornou-se mais duro, mas consegui atingir a minha meta”, explicou.

Júnior de primeiro ano, Fábio Fernandes faz um balanço muito positivo da época que está prestes a terminar: “Sagrei-me Campeão Nacional de Contrarrelógio, fui quinto na Volta Portugal de Juniores, oitavo na geral do Grande Prémio do Minho e primeiro na classificação de juniores de 1.º ano. Está a ser muito positivo mas ainda quero vencer a Taça do Minho – Arrecadações da Quintã e hoje dei um passo importante”.

O 3º Grande Prémio RS Bikes contou com o apoio das Juntas de Freguesia de Gondar, Pedome e Serzedelo, Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Bombeiros Voluntários de Riba de Ave, Federação Portuguesa de Ciclismo, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Score Tech, Navega Rías Baixas, Guimarpeixe, Agro Jardim, Amape, Bar do Clube - Pedome, Escola de Condução Britense, JMC Auto, Machine Premium, Mibilbanho, Ourivesaria Milenum, Peviconta, Pneus Batoca, Pneus Silva, Pneuvidém, Stand Carmo e Tony Auto.

Fonte: ACM

“E VÃO 14 VITORIAS ESTA ÉPOCA”

Realizou-se o 51.º Circuito Ciclista de Rio Maior, prova federada, que teve a meta instalada na Av. Paulo VI, em frente a pastelaria Avenida, e cujo circuito se desenrolou pela Av. Paulo VI, Rua Mariano de Carvalho, Av. Dr. Mário Soares, Rotunda do Bombeiro,na Av. Dr. João Calado da Maia e novamente entrada na Av. Paulo VI.

O circuito, que teve uma extensão de 75 quilómetros, divididos em 25 voltas de 3 km, contou com a participação de cerca de 80 ciclistas de diversas equipas e escalões.

A jogar em casa, a ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic apresentou-se para esta prova com os seus 9 ciclistas, Rui Rodrigues, João Letras, Edgar Oliveira, Humberto Careca, Jorge Letras, Diogo Sampaio, Daniel Ferreira, Carlos Ochoa e Aníbal Santo.

A equipa tudo fez para tentar vencer a corrida, tentando desde a primeira volta controlar a corrida.

A corrida andou a um ritmo elevado, com 5 passagens de meta, que eram contabilizas de 5 em 5 voltas, a contar para um prémio monetário oferecido pela empresa Riografica.

A passagem da 8 volta, deu-se uma fuga de 5 atletas, de várias equipas, e onde estava o atleta da ASFIC João Letras.

Os fugitivos rodaram isolados até ao fim da prova, com uma vantagem cerca de 50 segundos perante o pelotão.

A vitória viria a ser discutida ao sprint entre os 5 fugitivos, com João Letras da ASFIC a ser o mais rápido e a cortar a meta em 1º lugar.

Coletivamente a ASFIC  conquistou o 2º lugar.

Por escalões, a ASFIC venceu o escalão Elites e o M40, através de João Letras e Rui Rodrigues. Hoje, e perante o povo Riomaiorense a ASFIC mostrou a sua combatividade, ambição e entrega nas corridas, elevando sempre o nome de Rio Maior e dos seus patrocinadores.

A direção da Asfic agradece a presença de todos os Riomaiorenses que saíram a rua apoiar a equipa, sem deixar um agradecimento público pela sua presença do Ex sr  Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior Luis Santana Dias, ao Vereador do Desporto, Miguel santos, ao Sr.  Presidente da União das Freguesias de São João da Ribeira e Ribeira de São João, Leandro Jorge.

Agradecemos ainda em particular no apoio e colaboração para a realização deste evento, ao Moto Clube de Rio Maior, Bombeiros Voluntários de Rio Maior, GNR de Rio Maior, DESMOR e a Camara Municipal de Rio Maior.

Um agradecimento especial a Pastelaria Avenida e ao Talho do Rui (nas pessoas do SR. Miguel e Sr. Rui ), no apoio prestado, com a colocação de um porco no espeto para degustação dos presentes  e equipas participantes.

Por último, porque sem eles nada disto era possível, um agradecimento especial a todos os nossos patrocinadores, pois sabemos que se não fosse a confiança deles na equipa, os nossos objetivos seriam impossíveis de serem alcançados.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC