sábado, 10 de março de 2018

“João Pereira vence prémio melhor Atleta do Ano pela ETU”

João Pereira ganhou o prémio de melhor Atleta Ano, distinção anual atribuída pela European Triathlon Union (ETU).

Os outros triatletas nomeados para Atleta do Ano eram Mario Mola, de Espanha, vencedor da World Triathlon Series 2017 e Uxío Abuín Ares, também espanhol, vencedor da Taça do Mundo Weihai, mas o triatleta português acabou por levar o galardão para casa.

Depois de, em 2017, João Pereira ter sido campeão europeu na distância olímpica e na semana seguinte sagrar-se campeão europeu na distância sprint – para além de ter ganho também por equipas – o triatleta que alcançou o 5º lugar nos Jogos Olímpicos, o melhor resultado de sempre, foi distinguido com o prémio de Melhor Triatleta Europeu pela European Triathlon Union (ETU).

«Estou muito satisfeito com esta distinção. Depois de ter sido campeão europeu na distância olímpica e na distância sprint, um resultado nunca antes alcançado, este prémio vem reforçar os resultados e dar-me motivação. Tinha adversários muito fortes e deve ter sido difícil eleger o real merecedor e vencedor deste prémio.»

João Pereira agradeceu o prémio dedicando a todos que têm estado com o triatleta

Segundo o triatleta, a atribuição do prémio é feita não apenas nos resultados alcançados, mas também na persistência necessária para seguir uma carreira na alta competição. «Acho que também conta o jogo limpo com que se compete, assim como o fair play dos atletas», conclui João Pereira.

Para além de João Pereira, este ano Portugal tinha nomeada para Prova do Ano a Taça da Europa, que decorreu no Funchal, na Madeira, que concorreu com com Banyoles, em Espanha, Kitzbuhel, na Áustria, Panavezys, na Lituânia, e Wuustwzel, na Bélgica. Apesar da excelentes caracteristicas da Madeira, quer organizativas quer de clima e percurso, foi Kitzbuhel, na Áutria que ficou em primeiro lugar.

A tradição dos prémios ETU da união europeia das federações de triatlo

Desde 2016 que a European Triathlon Union (ETU) atribui anualmente prémios a personalidades ou entidades promotoras do Triatlo na europa. Em 2016, a cerimónia realizou-se em Paris, o ano passado passou para Roma e este ano a Gala dos Prémios decorreu em Moscovo, dia 10 de março, pelas 17h (hora portuguesa).

De lembrar que João Pereira fez história no triatlo ao realizar em 2017 o feito inédito de subir ao mais alto lugar no pódio na distância Sprint e na distância Olímpica a nível europeu, acabando também por ganhar a competição por clubes. Para além da dobradinha, muito aplaudida no mundo do triatlo, o triatleta que também obteve um 5º lugar nos Jogos Olímpicos, com o melhor tempo no segmento da corrida, venceu também a Taça da Europa de Quarteira 2017, uma competição que se irá disputar este ano no próximo dia 24 de março, em Quarteira.

As categorias para o ano de 2017 da ETU foram:

Pela primeira vez um triatleta conseguiu ser campeão europeu na distância sprint e na distância olímpica

Atleta Feminina do Ano

Atleta masculino do Ano

Federação Nacional do Ano

Federação do Ano Emergente

Técnico Oficial do Ano

Organização do Ano

Prémio do Conselho Executivo ETU

Fonte: FTP

“TAÇA DO MUNDO: VANESSA FERNANDES REGRESSA ÀS PROVAS COM 14.º LUGAR EM MOOLOOLABA”

Australiana Ema Jefcoa venceu a prova

Por: Lusa

Foto: Miguel Barreira

A triatleta portuguesa Vanessa Fernandes regressou este sábado às provas internacionais de triatlo, concluindo na 14.ª posição a Taça do Mundo de Mooloolaba, na Austrália.

A mais medalhada triatleta portuguesa em taças do mundo, com 21 vitórias, completou a prova com 01:01:50.

A australiana Ema Jefcoa conquistou o primeiro lugar do pódio, com 00:59:35, seguida da norte-american Kirsten Kasper, com 00:59:51, e da italiana Angelica Olmo, com 01:00:00.

A próxima competição da portuguesa - que regressou o ano passado ao triatlo depois de um interregno de sete anos - será na Nova Zelândia, em New Plymouth, no próximo dia 25 de março.

Fonte: Record on-line

“ACIDENTE DE VIAÇÃO PROVOCA MORTE DE JOVEM CICLISTA NOS AÇORES”

Samuel Lima, de 22 anos, treinava para participar numa prova domingo, nas Sete Cidades

Por: Luís Silva

Samuel Lima, um jovem ciclista de 22 anos morreu este sábado ao final da manhã após ter sofrido um acidente provocado por uma viatura, na estrada regional da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, Açores.

A PSP confirmou o óbito e está a investigar as causas do acidente. Numa primeira análise foi referido que a viatura efetuou uma ultrapassagem a uma manada de vacas e atingiu o ciclista, que não conseguiu resistir ao impacto e acabou por falecer no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada.

A vítima deste acidente é um jovem ciclista que representava a equipa Bike Mais e deveria participar domingo numa prova nas Sete Cidades.

O evento desportivo acabou por cancelado na sequência deste acidente.

A Associação de Ciclismo dos Açores emitiu um comunicado a lamentar a morte do jovem ciclista.  "Fomos todos apanhados de surpresa na manhã deste sábado com a noticia do atropelamento mortal do jovem Samuel Lima, atleta da Bike Mais, que se encontrava a realizar um dos seus treinos matinais. O momento é de luto, e desejamos à família e amigos do Samuel a maior força neste momento de grande dor."

Fonte: Record on-line

“DAMIANO CARUSO LIDERA TIRRENO-ADRIÁTICO”

Espanhol Mikel Landa ganha a quarta etapa

Por: Lusa

O ciclista italiano Damiano Caruso (BMC) conquistou este sábado a liderança da clássica italiana Tirreno-Adriático, numa quarta etapa ganha ao sprint pelo espanhol Mikel Landa (Movistar).

Caruso integrou o grupo de 10 ciclistas que chegou a seis segundos do quarteto liderado por Landa, que bateu o polaco Rafal Majka (Bora), o australiano George Bennett (Lotto) e o italiano Fabio Aru (UEA -- Team Emirates) ao fim dos 219 quilómetros entre Foligno e Sarnano Sassotetto.

Agora, Caruso tem apenas um segundo de avanço para o polaco Michal Kwiatkowski (Sky) e 11 para o holandês Wilco Kelderman (Sunweb), enquanto o ex-líder, o britânico Geraint Thomas (Sky), que teve um problema mecânico no último quilómetro, caiu para quinto, a 26 segundos, a um de Lanka, quarto.

José Gonçalves (Katusha) foi 30.º a 3.21 minutos e subiu quatro lugares para 28.º, a 4.48, enquanto Nélson Oliveira (Movistar) acabou em 59.º a 11.52, subindo uma posição para 52.º a 16.07.

No domingo, disputa-se a quinta de sete etapas, com 178 quilómetros entre Castelraimondo e Filottrano.

Fonte: Record on-line

“SIMON YATES VENCE 7.ª ETAPA DA PARIS-NICE E LIDERA”

Ciclista britânico concluiu a tirada com um tempo de 5:02.54

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) venceu este sábado isolado a sétima e penúltima etapa da Paris-Nice, assumindo a liderança a uma tirada do fim.

A etapa rainha, com 175 quilómetros entre Nice e La Colmiane, terminou com uma decisiva contagem de montanha de primeira categoria, na qual Yates mostrou ser o mais forte: atacou duas vezes, sendo que na segunda deixou para trás Ion Izagirre (Bahrain Merida), que o tinha acompanhado na primeira tentativa.

Simon Yates concluiu a tirada em 5:02.54, deixando o belga Dylan Teuns (BMC) e Izagirre a oito segundos, enquanto Gorka Izagirre, irmão e colega de equipa de Ion, chegou a 13 segundos na companhia do belga Tim Wellens (Lotto Soudal).

Na geral, Yates, que iniciou a etapa em sétimo, tem agora 11 segundos de vantagem sobre Ion Izagirre e 12 em relação a Gorka Izagirre, com Tim Wellens ainda à espreita do triunfo, a 13.

O espanhol Luis León Sánchez (Astana) partiu na liderança, mas ficou para trás na subida final, chegando em 26.º a 4.22 minutos, e caiu assim para 17.º, a 3.47.

O português Tiago Machado (Katusha-Alpecin) foi 36.º, a 10.41 e subiu 19 lugares para 49.º, a 30.58.

Domingo disputa-se a derradeira etapa, com 110 quilómetros com início e fim em Nice.

Fonte: Record on-line

“Clássica da Arrábida/Percurso encurtado devido às previsões de mau tempo”

Por: José Carlos Gomes

As previsões de mau tempo e a necessidade de preservar a segurança de toda a caravana, especialmente dos 135 ciclistas em prova, levou a organização da Clássica da Arrábida a encurtar o percurso da prova internacional de ciclismo de estrada, que se realiza neste domingo, entre Sesimbra e Setúbal.

O traçado terá 145,4 qulómetros em vez dos 169,6 inicialmente previstos. A partida será dada às 12h00, na Avenida da Liberdade, em Sesimbra, prevendo-se a chegada para cerca das 15h45, na Avenida José Mourinho, Setúbal.

Uma das partes do percurso que teve de ser anulada foi o troço de terra batida na Estrada da Cobra, em Palmela. Ainda assim, o pelotão vai encontrar três outros setores de macadame, que na tarde deste sábado sofreram alguns trabalhos de manutenção para que fosse preservada a segurança dos corredores.

A fase inicial da prova será essencialmente plana, destacando-se os três troços de terra batida. O primeiro setor encontra-se na Estrada de Lagameças, ao quilómetro 59,1, tendo uma extensão de 1,5 quilómetros. Segue-se, ao quilómetro 63,8, o troço de Cajados, com uma extensão de 1700 metros. O terceiro setor, ao quilómetro 67,5, tem 1,4 quilómetros, na zona do Golfe do Montado.

Depois das zonas de macadame, entra-se na fase mais acidentado do percurso, com quatro contagens de montanha. O primeiro é de segunda categoria e está instalado em Palmela, ao quilómetro 95,9. Os restantes são de terceira categoria: Alto das Necessidades (km 108,8), Alto de Picheleiros (Km 117,1) e Arrábida (Km 130,8).

O pelotão será composto por 135 corredores, em representação de 20 equipas. Participam as nove formações continentais e as cinco de clube portuguesas, às quais se juntam a Equipa Portugal – Rúben Guerreiro, Ricardo Vilela, José Mendes e Daniel Viegas -, a Caja Rural-Seguros RGA, a Euskadi Basque Country-Murias, a Team Wiggins, a Lokosphinx e a equipa Aluminios Cortizo-Anova.

Fonte: FPC