terça-feira, 8 de agosto de 2017

“Volta a Espanha homenageia Contador dando-lhe o dorsal número um”

Ciclista espanhol retira-se no final da prova

Por: Lusa

Foto: Reuters

O espanhol Alberto Contador, que na segunda-feira anunciou a retirada após a Volta a Espanha, vai partir para a próxima edição da prova com o dorsal número um, "como homenagem à sua brilhante carreira", anunciou a organização.

Habitualmente, o dorsal um é reservado ao vencedor da edição anterior, mas, face à ausência do colombiano Nairo Quintana, a organização decidiu atribui-lo a Contador, vencedor da prova em 2008, 2012 e 2014.

"Queremos agradecer, de coração, a generosidade que sempre demonstrou como ciclista e que voltou a demonstrar com esta decisão. Alberto foi, é, e será sempre um histórico do ciclismo no nosso país e no estrangeiro", afirmou Javier Guillén, diretor geral da Vuelta.

Na segunda-feira, Alberto Contador (Trek--Segafredo) anunciou o adeus à alta competição após a Volta a Espanha, que se disputa entre 19 de agosto e 10 de setembro.

O anúncio foi feito por Contador, de 34 anos, num vídeo publicado nas suas contas oficiais nas redes sociais.

"Digo-o feliz e não com pena. É uma decisão muito bem ponderada e não creio que haja melhor despedida na corrida de casa, no meu país", referiu no vídeo.

Além da prova espanhola, Alberto Contador tem também no currículo duas vitórias na Volta a França, em 2007 e 2009, e outras duas na Volta a Itália, em 2008 e 2015.

Fonte: Record on-line

“Campeonato da Europa de Maratona BTT”

Tiago Ferreira vai lutar pelo título europeu na Eslováquia

A Equipa Portugal compete, no próximo domingo, no Campeonato da Europa de Maratona BTT (XCM), em Svit, Eslováquia, apresentando Tiago Ferreira como candidato ao pódio.

O atual vice-campeão mundial e europeu de XCM é o único convocado pelo selecionador nacional, Pedro Vigário, para este Europeu. Tiago Ferreira conseguiu lugares no pódio nos dois Mundiais e no mais recente Europeu. Em 2016 foi campeão mundial e vice-campeão europeu de XCM e, já em 2017, conseguiu a medalha de prata no Campeonato do Mundo, no qual apenas foi batido ao sprint por Alban Lakata.

Este currículo dá confiança a Pedro Vigário, que acredita no potencial do corredor para bater-se pelas primeiras posições. “Vamos lutar pela vitória. Sabemos que é uma tarefa difícil e que os adversários são fortes, mas é um objetivo concretizável”, frisa o selecionador nacional.

A corrida disputa-se a partir das 7h05 de domingo (hora portuguesa). Os corredores vão encontrar um percurso anormalmente extenso, com 134 quilómetros, e um acumulado de subida de 4200 metros, o que indicia muita dificuldade. “O percurso é longo e duro, muito mais ao jeito do Tiago do que o traçado do Campeonato do Mundo”, avalia Pedro Vigário.

Pedro Vigário e Tiago Ferreira viajaram hoje para a Eslováquia, prevendo-se que o reconhecimento do percurso no terreno se faça amanhã. O corredor tem, contudo, as metas bem definidas. “Sabemos que é um percurso longo, com 4200 metros de acumulado e que passará numa zona com 2200 metros de altitude. Falta ver o traçado concreto para perceber se será mais um estradão ou em ‘single track’. Mas as expectativas são as de lutar pelo pódio. No ano passado fui segundo e agora quero fazer melhor. É para isso que aqui estou”, assume Tiago Ferreira.

Fonte: FPC

“Michal Kwiatkowski prolonga contrato com a Sky”

Ciclista polaco acordou uma extensão de três temporadas.

O ciclista polaco Michal Kwiatkowski, que esta época venceu as clássicas Milão-San Remo e de San Sebástian, prolongou, por três anos, o contrato com a Sky, anunciou hoje a equipa britânica.

Kwiatkowski, campeão mundial de estrada, teve um papel bastante importante no recente terceiro triunfo consecutivo do seu companheiro de equipa Chris Froome na Volta a França.

O polaco, de 27 anos, que em 2014 sucedeu ao português Rui Costa como campeão mundial de estrada, está na Sky desde 2016.

“Estou muito contente por poder renovar por mais três anos, tive grande apoio da equipa nas duas épocas passada, e, sobretudo no ano passado, quando tive uma temporada muito difícil”, disse.

Fonte: Sapo on-line

“WTS Montreal”

Foto: ITU

Terminou domingo, dia 6 de Agosto, a participação lusa na segunda etapa canadiana do circuito mundial WTS. O evento teve lugar em Montreal, Canada, e recebeu os melhores triatletas do mundo para a disputa da competição pontuável para o Campeonato do Mundo da modalidade.

Uma semana após a prova disputada em Edmonton, no formato sprint, a competição deslocou-se a Montreal para a conclusão da campanha americana do circuito com um desafio de 1,5km de natação, 40,5km de ciclismo e 10km de corrida. João Pereira foi o português melhor classificado no final da competição ao cortar a meta na 38ª posição. Na mesma prova, Miguel Arraiolos foi forçado a abandonar a corrida e, na frente feminina, Melanie Santos não sentiu condições de poder continuar a disputar a prova acabando, igualmente, por abandonar.

A competição masculina ficou marcada pelo regresso às vitórias de Javier Gomez. O espanhol voltou a subir ao topo de uma prova do circuito após um interregno de quatro competições consecutivas sem conquistar um lugar no pódio. Kristian Blummenfelt, Noruega, foi segundo e o sul africano Richard Murray encerrou o pódio masculino na terceira posição.

Ashleigh Gentle foi a grande vencedora da competição feminina. A australiana destronou Flora Duffy, Bermudas, vencedora das últimas quatro etapas do circuito mundial, e conquistou a primeira vitória da carreira em provas das World Triathlon Series. Duffy foi segunda classificada e Andrea Hewitt, Nova Zelândia, terminou a prova no terceiro lugar.

 Fonte: FTP

“Volta a Portugal/Vídeo da 5ª etapa”

Como tem acontecido diariamente, aqui fica o vídeo do trajeto da 5ª etapa em linha, com ligação de Boticas a Viana do Castelo, numa extensão de 179.6 quilómetros.

“Volta a Portugal/79ª Volta a Portugal em Bicicleta/A Volta dia a dia pelo diretor Joaquim Gomes/5ª Etapa”

5ª Etapa – Boticas» Viana do Castelo – 179,6 KM - 9 agosto, 4ª feira

Das Terras do Barroso a “Viana da Foz do Lima”

Não fosse a difícil travessia do Gerês, o final em subida no Santuário de Santa Luzia, e um pelotão fatigado mas inconformado e quase se poderia adivinhar um dia calmo para apreciar os 180 km de uma das mais belas etapas da “Volta”. Na realidade quem sair como líder desta primeira fase da prova que termina em Mondim de Basto, passará a ter, assim como a sua equipa, a ingrata missão de tentar controlar os intentos de um, ainda, alargado número de adversários, que habitualmente
colocam o seu inconformismo na busca de oportunidades que estas etapas de transição proporcionam. As fugas “consentidas” com mais de metade dos corredores a dezenas de minutos dos primeiros, terão agora máximo protagonismo. Ainda assim, julgo, pela importância desta etapa, que a vitória será discutida entre os principais candidatos.

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/Raúl “Alacampeon” dominou a Srª da Graça em Mondim de Basto”

Sempre sonhei com esta vitória

Terminada a etapa que subiu ao Monte Farinha, em Mondim de Basto, esta terça-feira, 8 de agosto, estão revelados os verdadeiros candidatos e favoritos à vitória da 79ª Volta a Portugal Santander Totta. O Camisola Amarela, Raúl Alarcón (W52-FC Porto) deu-se ao luxo de vencer pela segunda vez nesta Volta e logo numa das etapas decisivas. O espanhol de 31 anos atacou “à campeão” nos últimos 500 metros e foi conquistando, sozinho e metro a metro, o triunfo na mítica Srª da Graça mantendo-se, de pedra e cal, no comando e dilatando a vantagem sobre a concorrência.

"Sempre sonhei com a vitória na Sra. da Graça” sintetizou o espanhol que viu Amaro Antunes, companheiro de equipa, terminar em segundo na etapa e com esse resultado chegar ao terceiro lugar da classificação geral, a 29 segundos de diferença. Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), segundo na etapa, ascendeu à vice liderança e ficou a 25 segundos do comandante. “Podem acontecer tantas coisas… Estou a sentir-me bem, mas temos de ver o que acontece dia após dia. Estamos nos dez primeiros e vamos tentar manter a Amarela na equipa”, sublinhou Alarcón que, com o triunfo em Mondim de Basto, também continua na posse da Camisola Verde Rúbis Gás, símbolo da liderança por pontos e do Prémio Kia Kombinado que resulta da soma da pontuação nas diversas classificações - geral individual, montanha e pontos.

Entre os dez primeiros classificados passou a existir 1’38’’ de diferença estando neste lote certamente o homem que vai vestir de Amarelo em Viseu quando a Volta terminar a 15 de agosto. Entre eles estão quatro elementos da equipa azul e branca e dois do Sporting-Tavira, Rinaldo Nocentini e Alejandro Marque mas também Vicente Garcia de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), João Benta (RP-Boavista) e Sérgio Paulinho (Efapel).

Com exceção da subida ao ponto mais alto de Mondim de Basto este foi um dia “morno”. Partiram de Macedo de Cavaleiros 130 homens para uma etapa que sendo a mais curta era uma das mais complicadas. Só nos últimos dez quilómetros a W52-FC Porto tomou conta do pelotão impondo um ritmo difícil de acompanhar pela Efapel que também tentou a sorte no grupo. A dois quilómetros da meta eao lado do Camisola Amarela, Amaro Antunes anulou a fuga deitando por terra o esforço de Filipe Cardoso (RP-Boavista) que se aguentou na frente, ao lado de Beñat Txoperena (Euskadi), durante quase 57 quilómetros. A persistência de Filipe Cardoso valeu-lhe o Prémio da Combatividade Conselheiros da Visão. A vitória nos dois primeiros prémios de montanha, Pópulo e Velão, consolidou a liderança de João Matias (LA Alumínios-Metalusa Blackjack) na montanha, Camisola Azul Liberty Seguros. O campeão da Letónia, KristsNeiland, (Israel CyclingAcademy) é o novo dono da Camisola Branca RTP por ser o melhor jovem em prova.

5ª Etapa – 9 agosto 2017

Boticas – Viana do Castelo (179,6 km) - Hora da Partida – 12h40

O espetáculo das chegadas em alto vai continuar na 79ª Volta a Portugal Santander Totta. Com a Serra do Barroso como pano de fundo, a vila de Boticas vai dar sinal de partida à quinta etapa que terminará em Viana do Castelo. Não fosse a difícil travessia do Gerês, o final em subida no Santuário de Santa Luzia e um pelotão fatigado mas certamente inconformado, quase se poderia adivinhar um dia calmo para apreciar os 180 quilómetros de uma das mais belas etapas da “Volta”.


Volta a Portugal é uma Volta Ecológica

Quando a corrida passar junto ao Parque Nacional da Peneda–Gerês, depois de Montalegre, a organização vai chamar a atenção da caravana para a iniciativa Bosque Encantado, um carvalhal que vai confirmar, no futuro, o compromisso da Volta a Portugal com a sustentabilidade. Com esta acção a “Portuguesa” poderá ser certificada como a primeira Prova Amiga do Ambiente. Ainda que a prática do ciclismo seja inofensiva para o ambiente, é previsível que a caravana da Volta a Portugal deixe uma pegada ecológica de 800 toneladas de CO2.

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/Domingos Gonçalves: «Faltou solidariedade»”

Queixa-se de falta de ajuda dos colegas após entrar na fuga do dia de ontem

Por: Alexandre Reis

Foto: João Fonseca

O verniz estalou no seio da RP-Boavista. O combativo Domingos Gonçalves, melhor português da classificação geral com o 3º lugar (a 12 segundos de Alarcon), entrou na fuga do dia, com ganas de ganhar a 3ª etapa da Volta a Portugal, mas o tiro saiu-lhe pela culatra quando foi absorvido pelo pelotão, criticando a falta de ajuda no seio da equipa orientada por José Santos.

"Houve falta de solidariedade dos meus colegas, pois andei 80 km na fuga sem qualquer ajuda. O grupo era grande e sabiam que eu estava bem na geral. Querem chegar frescos à Senhora da Graça... Vamos ver como corre, naquela que é uma das etapa rainha, mas vou estar só por mim, a defender a minha posição, ou pelo Rui Sousa [chefe de fila da RP-Boavista]", disse Domingos Gonçalves inconformado.

O irmão gémeo de José Gonçalves (Katusha) estava a sacrificar-se: "Ando a dar tudo para vencer, mas assim torna-se complicado", adiantou Domingos Gonçalves.

Paciência de Santos

Confrontado com as declarações bombásticas de Domingos Gonçalves, José Santos não se acanhou na resposta a uma das suas pérolas: "Conheço-o há muito tempo e é preciso paciência para aturá-lo. Ele entrou na fuga porque quis. Ninguém o mandou para lá. E se entrou, ninguém teria de o acompanhar", esclareceu o diretor desportivo da RP-Boavista."

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Rafael Silva 'sobreviveu' à terceira etapa”

Ciclista da Efapel enfrentou tirada com 17 pontos nas costas

Por: Lusa

Foto: Facebook de Rafael Silva

O ciclista português Rafael Silva (Efapel) sobreviveu esta segunda-feira à terceira etapa da 79.ª Volta a Portugal em bicicleta, para a qual partiu com 17 pontos nas costas, resultantes da queda sofrida na véspera em Castelo Branco.

Apesar de mal conseguir andar à partida em Figueira de Castelo Rodrigo, Rafael Silva, que alinhou com o braço direito completamente ligado e com hematomas um pouco por todo o corpo, conseguiu concluir os 162,7 quilómetros da terceira tirada.

O ciclista de 26 anos chegou a Bragança no último grupo a cortar a meta, a 25.36 minutos do vencedor da etapa, o francês Bryan Alaphilippe (Armée De Terre).

Silva ficou envolvido na queda no final da segunda etapa da Volta a Portugal, que motivou o abandono de Edgar Pinto (LA Alumínios-Metalusa-Blackjack).

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Rui Sousa convoca jornalistas para Dia de Descanso”

Foto: José Morais
Rui Sousa, chefe de fila da equipa RP-Boavista, e a organização da 79ª Volta a Portugal Santander Totta anunciam a realização de uma conferência de imprensa para o Dia de Descanso da Volta, 11 de agosto.

A iniciativa está agendada para as 15h30 no Gabinete de Imprensa, a funcionar no Pavilhão Multiusos de Fafe. 

Com 41 anos, Rui Sousa, o corredor profissional português há mais tempo em atividade está a  fazer a 19ª participação na Volta a Portugal em Bicicleta.

Em tantos anos de carreira, o veterano do pelotão português orgulha-se de apenas ter falhado uma Volta devido a lesão, em 2003. Natural de Barroselas, Viana do Castelo, Rui exibe um palmarés com uma fantástica lista de vitórias e as três vezes em que terminou a Volta a Portugal em terceiro lugar. Em todos estes anos apenas lamenta nunca ter conquistado a prova que mais lhe desperta os sentidos, a “Portuguesa”.

O apoio dos adeptos do ciclismo tem sido ao longo dos últimos anos o tónico que faz Rui Sousa continuar um percurso exatamente com a mesma dedicação de quando, em 1998, começou a carreira profissional.

Fonte: Podium