segunda-feira, 12 de março de 2018

“KITTEL VOLTA A VENCER SPRINT NA TIRRENO-ADRIÁTICO, KWIATKOWSKI CONTINUA LÍDER”

Nélson Oliveira (Movistar) foi 105.º e caiu uma posição para 52.º, enquanto José Gonçalves (Katusha-Alpecin) foi 116.º a 3.39 e caiu cinco lugares para 28.º, a 8.38.

O ciclista alemão Marcel Kittel (Katusha-Alpecin) voltou hoje a mostrar ser um dos mais fortes ‘sprinters’, vencendo a sexta etapa do Tirreno-Adriático, que o polaco Michal Kwiatkowski (Sky) continua a liderar, a uma tirada do fim.

Kittel, de 29 anos, que tem no currículo 14 triunfos em etapas da Volta a França, ganhou pela segunda vez na prova, ao ser novamente mais forte do que o eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe), campeão do mundo, e do que o argentino Maximiliano Richeze (Quick-Step Floors), no fim dos 153 quilómetros entre Numana e Faro, com 3:49.54 horas.

A chegada em grupo manteve tudo igual na frente, pelo que a Tirreno-Adriático vai ser decidida na terça-feira em contrarrelógio de 10 quilómetros em San Benedetto del Trono.

Kwiatkowski, vencedor da Volta ao Algarve, parte com três segundos de avanço para o italiano Damiano Caruso (BMC) e 23 para o espanhol Mikel Landa (Movistar), enquanto o britânico Geraint Thomas (Sky) está a 29 e o colombiano Rigoberto Uran (Education First) a 34.

Nélson Oliveira (Movistar) foi 105.º a 2.55 minutos e caiu uma posição para 52.º, a 22.43, enquanto José Gonçalves (Katusha-Alpecin) foi 116.º a 3.39 e caiu cinco lugares para 28.º, a 8.38.

O contrarrelógio individual de 10 quilómetros vai decidir na terça-feira o sucessor do colombiano Nairo Quintana na lista de vencedores desta clássica italiana.

Fonte: Sapo on-line

“VOLTA A FRANÇA DE 2020 VAI PARTIR DE NICE”

Pela segunda vez na história da prova

Por: Lusa

Foto: Reuters

A Volta a França em bicicleta de 2020 vai partir de Nice, pela segunda vez na história da competição, anunciaram esta segunda-feira o presidente da câmara da cidade mediterrânica, Christian Estrossi, e o diretor da corrida, Christian Prudhomme.

Com a escolha de Nice, o Tour consolida a sua prática recente de intercalar os locais de partida entre cidades francesas e estrangeiras.

Depois de Düsseldorf, na Alemanha, no ano de 2017, a edição deste ano vai começar na ilha atlântica francesa de Noirmoutier, para em 2019 voltar a afastar-se das suas fronteiras e arranca de Bruxelas.

Em 1981, a 'Grande Boucle' já teve Nice como ponto de partida, com um prólogo em que saiu vencedor o francês Bernard Hinault, que viria a conquistar o seu terceiro Tour.

Na altura, a prova seguiu o sentido dos ponteiros do relógio, com os primeiros dias de montanha a serem vividos nos Pirenéus e os Alpes no fim.

Fonte: Record on-line

“Andar de bicicleta pode travar os efeitos do envelhecimento”

Fotos: STEFANO RELLANDINI/ REUTERS e SERGIO PEREZ/ REUTERS

Andar regularmente de bicicleta pode reduzir os efeitos do envelhecimento e ajudar a rejuvenescer o sistema imunitário. A conclusão é de um estudo britânico que acompanhou um grupo de 125 ciclistas amadores, com idades entre os 55 e os 79 anos, e simultaneamente avaliou um grupo de adultos saudáveis de várias idades, que habitualmente não faziam exercício.

A investigação permitiu perceber que os que praticavam ciclismo preservavam a massa muscular e a força, mantinham os valores de colesterol e de gordura no sangue estáveis e, no caso dos homens, os níveis de testosterona continuavam elevados. Contudo, o resultado mais surpreendente foi que os efeitos da prática regular deste exercício são extensíveis ao sistema imunitário.

A glândula timo, cuja principal função é a produção de células T, também conhecidas como linfócitos T, normalmente começa a atrofiar por volta dos 20 anos. No caso dos ciclistas que esta pesquisa acompanhou, indivíduos mais velhos continuavam a produzir tantas células T como uma pessoa mais nova.

Este órgão especial do sistema imunológico é também uma das mais importantes glândulas do corpo humano.

"Hipócrates (considerado o pai da Medicina) afirmou em 400 a.C. que o exercício é o melhor remédio para o Homem, mas a sua mensagem desvaneceu-se no tempo e nós hoje vivemos numa sociedade incrivelmente sedentária", sublinha Janet Lord, diretora do Instituto do Envelhecimento da Universidade de Birmingham, Reino Unido), e uma das responsáveis por este estudo.

A nossa pesquisa partiu da suposição de que o envelhecimento nos torna mais frágeis. A investigação deu-nos provas consistentes de que podemos encorajar as pessoas a fazer exercício com regularidade ao longo de toda a vida, na medida em que essa é uma solução viável para combater o problema de estarmos a viver mais mas com menos saúde", defende Janet Lord, em entrevista ao The Guardian.

As conclusões desta investigação foram publicadas na revista Aging Cell.

Dados sobre o grupo de ciclistas:

          Ciclistas do sexo masculino tinham de ser capazes de pedalar 100 km em menos de 6h 30m.

          Ciclistas do sexo feminino tinham de conseguir pedalar 60 km em 5h 30m.

Dados sobre o grupo de sedentários:

          75 indivíduos saudáveis com idades entre os 57 e os 80 anos.

          50 jovens adultos entre os 20 e os 36 anos.

Outros estudos já realizados mostraram os benefícios da prática regular de ciclismo. Uma pesquisa, publicada no British Medical Journal em abril do ano passado, concluiu que andar de bicicleta reduz o risco de cancro e de doenças cardíacas em 45%.

Vários especialistas defendem que andar de bicicleta traz múltiplos benefícios à saúde mental. Quem usa esse meio de transporte tem tendência para ser mais feliz e menos propenso a depressões.

A generalização do uso da bicicleta trará também, naturalmente, benefícios para o meio ambiente. Um relatório britânico concluiu que se o Reino Unidos conseguir alcançar as metas para a próxima década, relativas à troca do automóvel pela bicicleta e andar a pé nas deslocações para o trabalho, o país conseguirá reduzir em mais de 13 mil o número de mortes que resultam da poluição atmosférica.

Fonte: SIC Noticias

“ASFIC 3 LUGAR GERAL NA ARRÁBIDA , VENCE COLETIVAMENTE E EM ELITES”


Realizou-se a 11 de Março a 4ª edição do Granfondo da Arrábida, uma corrida inserida no esplêndido cenário da Serra da Arrábida e incontornável Baía do Sado, tendo a ASFIC se deslocado para esta prova, no sábado a tarde e pernoitado no hotel MAR E SOL.

Uma corrida com cerca de 120km e quase 2000 metros de acumulado, que torna esta prova já por si dura, mas que hoje se tornou ainda mais difícil, devido ás intempéries climáticas do dia de hoje, que se verificaram em todo o território nacional.

A partida e chegada deu-se em Setúbal junto à frente ribeirinha do Rio Azul, inserida na estrutura da prova profissional Clássica da Arrábida, tendo Alinhado para esta corrida cerca de 980 atletas, dos quais participaram  11 atletas da ASFIC, não alinhando apenas o Rui Rodrigues, por motivos de saúde.

A ASFIC tentou desde o inicio sempre controlar a corrida, e caso houvesse alguma fuga, tentar estar na mesma com a equipa presente.

Sensivelmente ao km 70, na subida da serra da Arrábida, deu-se uma fuga de vários atletas, chegando ao fim da subida o grupo dividido em dois, com a ASFIC a estar presente no primeiro grupo de 5 atletas com o João Letras, e no grupo mais a retaguarda estavam mais 5 atletas da equipa.

Com cerca de 90 km percorridos, os fugitivos viriam a ser alcançados pelo grupo perseguidor, dando-se nesse momento nova fuga de 4 atletas, onde mais uma vez estava presente o atleta João Letras da ASFIC.

Na segunda passagem a Serra da Arrábida, que apenas subia até aos Casai da Serra, o grupo de fugitivos fica reduzido a três atletas.

Já na descida, as quais se encontravam bastante perigosas, um dos atletas consegue fugir e isolar-se, deixando para trás o João Letras e o outro adversário.

Na última subida da corrida, o João Letras viria a ressentir-se do esforço feito durante toda a corrida e perdeu contacto com o outro atleta.

O vencedor cortou a meta isolado, com cerca de 1 minuto de avanço, para o segundo classificado e 1m10 para o João Letras que cortou a meta em 3 lugar.

O pelotão chegou com uma diferença de 2m30 para o vencedor e cortou a meta ao sprint, com o Jorge Letras a cortar a meta em 7º, e o Hugo Feijão em 13º

A ASFIC subiu ao pódio mais 2 vezes, em virtude do João Letras ter alcançando o 1º Lugar do escalão de Elites e o Jorge Letras o 3º lugar nos escalão master 30.

A ASFIC também conquistou o 1 lugar por equipas, vencendo coletivamente.

Edgar Oliveira, não acabou a corrida, devido a uma queda, da qual resultou alguns ferimentos e a bicicleta danificada, impossibilitando-o de ter acabado a corrida.

Agradecemos a excelente ressecção com que o HOTEL MAR E SOL brindou a equipa, e deixamos um especial agradecimento ao Sr Jorge Cadima proprietário do hotel e apaixonado pela modalidade.

Fonte: ASFIC

“Ir de bicicleta para o trabalho reduz cancro e doenças cardíacas”

Um estudo realizado a 250 mil pessoas no Reino Unido, durante cinco anos, garante haver uma redução para metade do risco de cancro e doenças cardíacas em indivíduos que vão para o emprego de bicicleta.

Para além de analisar as pessoas que se deslocam de bicicleta para o trabalho, este estudo visou ainda os benefícios para quem ia a pé para o trabalho. Também neste caso conclui-se que existem mas benefícios em andar a pé que usar os transportes públicos ou o carro.

A 3.748 dos indivíduos estudados foi diagnosticado cancro, 1.110 tiveram problemas cardíacos e 2.430 morreram.

Durante o decorrer do estudo, comprovou-se que o ciclismo regular reduz o risco de morte por qualquer causa em 41%, a incidência do cancro em 45% e doença cardíaca em 46%.

Os ciclistas faziam uma média de 48 quilómetros por semana, mas a pesquisa concluiu que os benefícios para a saúde aumentam quanto maiores são as distâncias percorridas.

"Esta é realmente a prova viva de que se as pessoas forem para o trabalho de forma ativa, particularmente de bicicleta, estão em menor risco", disse Jason Gill, da Universidade de Glasgow, ao site da BBC.

O estudo, publicado no British Medical Journal, concluiu ainda que não é possível determinar uma clara relação causa-efeito.

A investigação não analisou em detalhe a influência de outros fatores como o tabaco, a alimentação e o excesso de peso. Ficou, contudo, provado nesta pesquisa que andar de bicicleta é melhor para a saúde do que caminhar, pois o exercício praticado no ciclismo é mais intenso.

Fonte: SIC Notícias

“EFAPEL enfrentou Arrábida tenebrosa”

          Queda no último troço de sterrato impediu a equipa de lutar pela vitória

          Volta ao Alentejo é o próximo desafio e começa já na quarta-feira

Foto: FPC

A Equipa EFAPEL enfrentou o exigente desafio que foi a Clássica da Arrábida. A formação liderada por Américo Silva controlou a corrida para discutir a vitória, mas uma queda no último sector de terra batida fez com que os fugitivos ganhassem tempo considerável e, apesar dos esforços, a equipa apenas conseguiu coloca Rafael Silva na 27ª posição, a dois minutos do vencedor, o russo Dmitrii Strakhov.

Encurtada devido ao mau tempo que se fez sentir em Portugal no domingo, dia 11 de Março, a Clássica da Arrábida foi uma prova exigente, dura para os ciclistas, e que proporcionou um excelente espectáculo de ciclismo. A primeira parte foi disputada a alta velocidade. A primeira hora teve uma média de 49 km/h. A Equipa EFAPEL assumiu o comando do pelotão e controlou a fuga sempre com uma diferença abaixo dos 50 segundos.

Mas os percursos de terra batida foram cruciais, em particular o último. Aí, Rafael Silva esteve envolvido numa queda. A equipa procurou recuperar o terreno perdido mas, nessa fase da corrida, já era difícil e, apesar do tremendo esforço, apenas foi possível minimizar os danos.

“Estas corridas de um dia são mesmo assim. Conseguimos controlar a corrida durante grande parte do tempo e sabíamos que a diferença para a fuga era recuperável. Mas quando houve a queda, tudo se complicou”, explicou o director desportivo, Américo Silva.

 

Classificação na Clássica da Arrábida

    Dmitrii Strakhov         Lokosphinx        3h29m49s

    James Fouche        Team Wiggins    a 34s

    Oscar Hernández        Aviludo-Louletano    m.t.


27º    Rafael Silva            EFAPEL        a 2m02s

66º    Sérgio Paulinho        EFAPEL        a 14m28s

67º    Henrique Casimiro        EFAPEL        m.t.

68º    Daniel Mestre        EFAPEL        m.t.

NT    David Arroyo        EFAPEL        a 30m31s

NT    Pedro Paulinho        EFAPEL        m.t.

NT    Bruno Silva            EFAPEL        NT

 

Volta ao Alentejo marca o regresso da equipa a corridas por etapas

A partir de quarta-feira, dia 14, até domingo, dia 18, a Equipa EFAPEL vai pedalar por estradas alentejanas. É a 36ª edição da Alentejana que marca o regresso da formação a provas por etapas, o que não acontecia desde o mês passado, quando participou na Volta ao Algarve.

O objectivo da Equipa EFAPEL é discutir sempre os primeiros lugares, apesar do perfil desta edição ser diferente dos anos anteriores. “Nas últimas edições, com as bonificações, todos os dias eram decisivos e os corredores mais rápidos podiam pensar na vitória final. Desta vez não vai ser assim e o dia mais importante para essa decisão é o penúltimo”, disse Américo Silva.

A Volta ao Alentejo começa na quarta-feira com a etapa entre Vendas Novas e Serpa. Os primeiros três dias poderão ser para sprinters. O destaque desta edição vai para o sábado, dia 17. Chegado aí, o pelotão vai ter duas etapas. A primeira de manhã, com 65 quilómetros e duas montanhas já perto da meta. À tarde realiza-se um curto mas duro contra-relógio individual em Castelo de Vide. A Volta ao Alentejo termina no domingo, com a etapa entre a vila conhecida como Sintra do Alentejo e Évora.

 

Nome da prova: 36ª Volta ao Alentejo

 

Data: De 14 a 18 de Março de 2018

 

Director desportivo

Américo Silva

 

Ciclistas

Daniel Mestre (Sprinter)

David Arroyo (Completo)

Henrique Casimiro (Trepador)

Pedro Paulinho (Sprinter)

Rafael Silva (Rolador/Sprinter)

Sérgio Paulinho (Completo)

Fonte: Efapel

“Fafe no início da época de ciclismo de estrada de juniores”

A época desportiva de ciclismo de estrada da Associação de Ciclismo do Minho arranca no dia 17 de março com a realização do Prémio Cidade de Fafe. A prova destina-se à categoria de juniores e tem o apoio da Câmara Municipal de Fafe.

A prova será disputada ao longo de 85,4 quilómetros, com passagens pelos concelhos de Fafe, Póvoa de Lanhoso e Guimarães, sendo pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã.

O Prémio Cidade de Fafe começará às 15h00 na Praça 25 de Abril e terminará no mesmo local pelas 17h14.

Após a partida simbólica a caravana seguirá por um percurso que terá passagens pelas seguintes localidades: Fafe (15h00 - Praça 25 de Abril - Partida simbólica), Rua Montenegro, Rua do Retiro, S. Comba de Fornelos, EN 207 (partida real), Travassós (15h05), Requeixo, Vila Cova (15h11), Freitas, Serafão (15h16), Arosa, Taíde (15h26), Porto D´Ave, Ralde EN 205, Fontarcada, Póvoa de Lanhoso (15h37), São Martinho do Campo, Santo Emilião, Donim (15h50), Briteiros, São Cláudio de Barco, Caldas das Taipas (16h00), Vila de Ponte (16h03), Fermentões, Selho São Lourenço, Prazins,  EM 583, N207 (Garfe - 16h36), Arosa, Serafão, Freitas, Vila Cova (16h53), Requeixo, Travassós (16h59), Santa Comba de Fornelos, Golães (final de subida - 17h07), CM 1677, Fafe, Rua Serpa Pinto (pelo sentido proibido), Praça 25 de Abril - Meta final (17h14 - junto ao monumento).

No ano passado, Pedro Teixeira venceu destacado o Prémio Cidade de Fafe, prova de abertura da época desportiva de ciclismo de estrada para a categoria de juniores pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã. A formação Seissa | KTM-Bikeseven | Matias&Araújo | Frulact venceu a classificação coletiva. Com o percurso a ser cumprido numa média superior a 38,5 kms/hora, a prova foi disputada por um pelotão de 88 jovens corredores que foram muito aplaudidos e incentivados por muito público ao longo de todo o trajeto.

O Prémio de Ciclismo Cidade de Fafe é organizado pela Associação de Ciclismo do Minho com o apoio da Câmara Municipal de Fafe, Federação Portuguesa de Ciclismo, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Salvaggio, Controlsafe, Fafefuel, Guimarpeixe, Jopedois, Auto Terror, Polícia Municipal de Fafe e Bombeiros Voluntários de Fafe.

Fonte: ACM

“Atualização do Canal NP-TV com o Vídeo “16ª Bênção Nacional dos Ciclistas.2018”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o Vídeo “16ª Bênção Nacional dos Ciclistas.2018”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.