segunda-feira, 2 de julho de 2018

“UCI ILIBA CHRIS FROOME DAS ACUSAÇÕES DE DOPING”

Ciclista britânico pode ir ao Tour

Foto: EPA

Chris Froome foi ilibado esta segunda-feira das acusações de doping que recaíam sobre si por um controlo positivo na passada edição da Volta a Espanha, por excesso de salbutamol. Desta forma, o ciclista britânico mantém o seu triunfo da Vuelta de 2017 bem como do Giro de Itália deste ano, podendo igualmente participar no Tour que arranca no próximo sábado.

A defesa de Froome alegava que o ciclista sofreu uma disfunção renal, o que explica o excesso da substância em causa no seu organismo.

"A UCI analisou detalhadamente todas as provas relevantes (consultando os seus próprios peritos e peritos da Agência Mundial Antidopagem [AMA]). Em 28 de junho de 2018, a AMA informou a UCI de que aceitaria, baseada nos factos específicos deste caso, que os resultados da amostra de Froome não constituíssem um AAF [sigla em inglês para resultado analítico adverso]", lê-se no comunicado do organismo que rege o ciclismo mundial.

O Ventilan, nome comercial do salbutamol, é um dos medicamentos mais utilizados no tratamento da asma e é permitido pela AMA sem necessidade de requerer uma isenção de uso terapêutico quando inalado até 1.600 microgramas num período de 24 horas e não mais do que 800 em 12 horas.

A análise de Froome acusou uma concentração de 2.000 nanogramas por mililitro, o dobro do autorizado, mas, como salvaguarda a UCI, a "lista proibida da AMA prevê que um atleta possa estabelecer que o seu resultado anormal foi consequência de um uso permitido e nesse caso não será considerado um AAF".

"Embora a UCI tivesse, obviamente, preferido que o processo tivesse tido termo no início da temporada, tinha de garantir que Froome tivesse um processo justo, como teria feito com qualquer outro corredor, e que a decisão correta fosse tomada. Tendo recebido a posição da AMA em 28 de junho de 2018, a UCI preparou e emitiu a decisão formal fundamentada o mais rapidamente possível", acrescenta o organismo.

Além das edições de 2013, 2015, 2016 e 2017 da Volta a França, o britânico de 33 anos conquistou Vuelta de 2017 e o Giro já este ano.

"A UCI entende que haverá uma discussão significativa sobre essa decisão, mas quer tranquilizar todos os envolvidos e interessados no ciclismo que esta decisão é suportada em opiniões de peritos, por conselhos da AMA e uma avaliação completa dos factos do caso. A UCI espera que o mundo do ciclismo possa agora focar-se e aproveitar as próximas corridas do calendário", concluiu.

A 105.ª edição da Volta a França vai ser disputada entre sábado e 29 de julho.

Fonte: Record on-line

Sem comentários:

Enviar um comentário