domingo, 15 de maio de 2016

“Giro/Brambilla mais candidato a vencer o Giro de Itália”

Foto: EPA/LUCA ZENNARO

André Cardoso (Cannondale) foi 179.º, a oito minutos do vencedor, descendo de 28.º para 34.º, a 10.25, Brambilla mantém Camisola Rosa
O ciclista italiano Gianluca Brambilla (Etixx-Quickstep) mantém-se 'vivo' na luta da Volta à Itália ao manter a camisola rosa, após contrarrelógio de 40,5 quilómetros, referente à nona etapa, vencido pelo eslovaco Primoz Roglic (Lotto Jumbo).
Depois de assumir a liderança na jornada anterior, numa fuga em solitário, Brambilla aproveitou o percurso de 'sobe e desce' para se 'defender' dos mais especialistas, mantendo vantagem de um segundo para o companheiro de equipa luxemburguês Bob Jungels (Etixx-Quickstep) e 32 para o costa-riquenho Andrey Amador (Movistar).
O 'puncheur' italiano continua na frente da prova, não perdendo tempo relevante para outros trepadores que se dão bem no contrarrelógio, caso de Steven Kruijswijk (Lotto Jumbo) e do compatriota Vincenzo Nibali (Astana), quarto e quinto classificado na geral, a 51 e 53, respetivamente.
Os espanhóis Alejandro Valverde (Movistar) e Mikel Landa (Sky) permanecem no 'top-10', em sexto e oitavo, a 55 segundos e a 1.18, respetivamente, depois de terem contrariado as expetativas que os davam como os mais prejudicados pelo contrarrelógio.
O holandês Tom Dumoulin (Giant Alpecin), candidato à vitória de etapa, acusou o esforço da oitava etapa, quando se viu sozinho a perseguir os principais candidatos, e foi 15.º na tirada, estando agora a 58 segundos de Brambilla, em sétimo.
Nas contas da etapa, Roglic cumpriu a distância da nona tirada do Giro em 51.45 minutos, dez segundos à frente do austríaco Matthias Brandle e 17 do norueguês Vegard Stake Laengen, ambos da IAM Cycling, e relevou a dificuldade do percurso: "Era um contrarrelógio duro. Mesmo sem subidas incríveis, tive que arriscar bastante nas descidas".
O asfalto escorregadio e a chuva causaram algumas quedas. O russo Ilnur Zakarin (Katusha), que até pedalava a bom nível, caiu por duas vezes, finalizando a 3.51 do vencedor, ficando a 2.09, quase sem possibilidades de lutar pela vitória.
Os colombianos Esteban Chaves (Orica GreenEdge) e Rigoberto Uran (Cannondale) também se viram distanciados na geral.
André Cardoso (Cannondale) foi 179.º, a oito minutos do vencedor, descendo de 28.º para 34.º, a 10.25.
A décima etapa, entre Campi Bisenzio e Sestola, de 219 quilómetros, corre-se terça-feira, depois do segundo dia de descanso da 99.ª edição da prova italiana.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

Sem comentários:

Publicar um comentário