quarta-feira, 11 de maio de 2016

“Giro/Greipel de 'outro planeta' mantém poderio alemão ao 'sprint'”

Foto: EPA/PIROSCHKA VAN DE WOUW

a segunda tirada mais longa da prova, com 233 quilómetros, entre Praia a Mare e Benevento, Greipel não precisou de contar com o habitual 'comboio' para o 'sprint' e arrancou a 400 metros da meta, celebrando a quarta vitória da época.
O ciclista alemão André Greipel (Lotto Soudal) não se atemorizou com o empedrado e com a ligeira subida dos últimos metros da quinta etapa da Volta à Itália e garantiu superiormente o primeiro triunfo na prova em 2016
Na segunda tirada mais longa da prova, com 233 quilómetros, entre Praia a Mare e Benevento, Greipel não precisou de contar com o habitual 'comboio' para o 'sprint' e arrancou, no seu estilo possante, a 400 metros da meta, celebrando a quarta vitória da época.
O germânico, creditado com o tempo de 5:40.35 horas, impôs-se ao francês Arnaud Démare (FDJ) e ao italiano Sonny Colbrelli (Bardiani), segundo e terceiro. O holandês Tom Dumoulin conservou a camisola rosa, símbolo da liderança.
As inclinações do terreno e o 'pavé' dificultaram a vida do líder da classificação dos pontos, o alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), já vencedor de duas etapas, que, em dia de aniversário, terminou a quase quatro minutos. Em igual modo, ficou o italiano Elia Viviani, 'sprinter' da Sky.
A fuga do dia composta por quatro elementos - o italiano Daniel Oss (BMC), o espanhol Amets Txurruka (Orica-GreenEdge) e os russos Pavel Brutt (Tinkoff) e Alexander Foliforov (Gazprom-Rusvelo) – foi neutralizada a sete quilómetros do fim, já na primeira passagem pela meta.
"Foi um dia duro, com muito trabalho para anular a fuga. Os corredores da Giant puxaram muito, mas nós cumprimos a nossa tarefa e os meus companheiros, que fizeram um grande trabalho, colocaram-me perfeitamente. Vi-me bem colocado e pensei: ‘não estragues tudo agora’. Consegui ganhar uns metros e acho que fiz um grande ‘sprint’”, afirmou Greipel.
O luxemburguês Bob Jungels (Etixx-QuickSteo), que enverga a camisola da juventude e segue na segunda posição da geral, foi quarto na etapa e um dos que 'resgataram' quatro segundos a Dumoulin, estando agora a 16 segundos do líder, enquanto o italiano Diego Ulissi (Lampre-Merida) é terceiro, a 20.
O espanhol Alejandro Valverde (Movistar) e o russo Ilnur Zakarin (Katusha) também aproveitaram o corte e estão em sétimo e oitavo da geral, a 27 e a 35 segundos de Dumoulin. O italiano Vincenzo Nibali (Astana) mantém o sexto lugar, a 26.
O espanhol Mikel Landa (Sky) mantém-se a 47 segundos da liderança e o polaco Rafal Majka (Tinkoff) continua a 45, depois de ter conseguido reentrar no pelotão, após problema mecânico.
O único português em prova, André Cardoso (Cannondale), fez o 44.º posto na etapa, a quatro segundos do vencedor, e garantiu esse mesmo lugar na geral, a 2.10 minutos de Dumoulin.
A sexta etapa da Volta à Itália é o primeiro teste em montanha, com uma ascensão de 18 quilómetros a finalizar a tirada de 157 quilómetros entre Ponte e Roccaraso.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário