sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

"Troféu Internacional de Pista Município Anadia"

Dois pódios para Portugal em dia de equilíbrio entre as várias selecções

Por: Ana Nunes

João Matias (Portugal) e Iuri Leitão (Portugal) arrecadaram neste primeiro dia de competição do Troféu Internacional de Pista Município de Anadia dois pódios na corrida por pontos e scratch.

A corrida por pontos de elite masculina foi disputada até ao final entre Rhys Britton (Grã-Bretanha) e João Matias. O britânico acabou por levar a melhor, já no final da prova, batendo o português com um total de 50 pontos. Matias ficou com um ponto a menos que Britton e o polaco Filip Prokopyszyn fechou na terceira posição, com um 43 pontos.

Quanto a Iuri Leitão foi terceiro em scratch masculino sub-23, numa prova dominada pelos britânicos Ethan Vernon e William Tidball, que terminaram em segundo e terceiro lugar, respetivamente.

A equipa da Holanda foi superior no feminino, em sub-23, com a vitória de Lonneke Uneken, em scratch. A segunda posição ficou para a polaca Wiktoria Pikulik e Mylene Zoete (Holanda) fechou o pódio com mais uma bandeira holandesa. As portuguesas Maria Martins e Daniela Campos também estiveram em competição nesta prova, tendo terminado em quinto e nono lugar, respetivamente.

Na corrida por pontos de elite feminina foi Daria Pikulik (Polónia) a levar a melhor, ao somar um total de 46 pontos e Lucja Pietrzak (Mat Atom Deweloper Wroclaw) a fechar na segunda posição com 40 pontos. Já a holandesa Lonneke Uneken voltaria a subir ao pódio, desta feita em terceiro lugar, com 36 pontos.

A selecção russa distinguiu-se na disciplina de velocidade em elite masculina, com Aleksander Dubchenko a sair vencedor. Ekain Jimenez (Federación Vasca de Ciclismo) conseguiu impedir um pódio exclusivamente russo com um segundo lugar e Dmitry Nesterov terminou em terceiro.

Na prova de velocidade de elite feminina a Holanda voltou a ser líder, desta vez com Shanne Braspennincx (K.N.W.U Dutch National Team) a terminar na primeira posição. Em segundo ficou a ucraniana Olena Starikova, seguida por Laurine Van Riessen (K.N.W.U Dutch National Team), em terceiro.

Este foi o primeiro de três dias de competição que irá continuar durante o fim-de-semana no Velódromo Nacional, em Sangalhos, Anadia. No dia de amanhã as provas irão realizar-se entre as 10h00 e as 12h30, recomeçando depois às 15h30 e terminando às 18h20.

Fonte: FPC

“Lançamento Powerman Portugal 2020”

Realizou-se hoje no Edifício Municipal de Serviços de Mafra o lançamento primeira edição do Powerman Portugal

Esta prova, que irá realizar-se no dia 16 de fevereiro, receberá cerca de 300 atletas de 16 nacionalidades.

Participantes de toda a europa e, também, do Japão ou da Austrália marcarão presença neste evento que inclui três segmentos e duas distâncias: 10km de corrida – 60km de ciclismo – 10km de corrida e 5km de corrida – 30km de ciclismo – 5km de corrida.

O percurso de corrida será essencialmente urbano, com a partida realizada junto ao imponente Real Edifício de Mafra, continuando até ao Parque Desportivo Municipal onde decorre em terra batida. Por sua vez, o ciclismo percorre as bonitas e sossegadas estradas de Mafra, num trajeto muito desafiante, que inclui subidas e descidas, algumas delas bastante acentuadas. Percorrendo a Murgueira, Codeçal, Sobral da Abelheira, Picanceira, até chegar novamente ao Real Edifício onde se encontra a gloriosa meta.

O Powerman é a marca mais conhecida de eventos de duatlo de estrada, que inclui três segmentos CORRIDA – BICICLETA – CORRIDA e três distâncias: longa, média e sprint. A nossa prova que Mafra recebe a 16 de fevereiro inclui as distância média e sprint. Na média, os atletas irão percorrer 10km de corrida, 60km de ciclismo e 10km de corrida e na sprint os participantes terão pela frente 5km de corrida, 30km de ciclismo e 5km de corrida.

Um desafio para todos os atletas que irão participar num bonito percurso pelas estradas sossegadas de Mafra. E como não há ‘bela sem senão’ (por vezes os atletas até gostam deste ‘senão’) os participantes contam com subidas íngremes e descidas acentuadas.

O Powerman tem atualmente cerca de 20 eventos em todos o mundo, estando presente na Malásia, Dinamarca, Alemanha, Suíça, França, EUA, Brasil, Havai, entre outros, chegando agora ao nosso país.

Para o presidente da Federação de Triatlo de Portugal, Vasco Rodrigues «a escolha de Mafra foi como que voltar às origens, já que foi este município que já recebeu nos anos 90 diferentes eventos de duatlo que muito nos prestigiou, nomeadamente o Campeonato da Europa em 1995». Vasco Rodrigues afirmou que foi também por causa destes eventos que o duatlo cresceu e, tendo decaído nos últimos anos, esta é uma forma de relançar esta vertente do triatlo. Por outro lado, o presidente da FTP diz que o ‘Powerman – a maior marca que detém a chancela mundial do duatlo – tem ganho uma importância crescente nos campeonatos do mundo e da europa, podendo contribuir para esse crescimento também em Portugal. Segundo o dirigente ‘O Powerman de Mafra irá ter um percurso que tornará a prova única, pelo desafio que apresenta e superação que proporciona. Por outro lado, Vasco está confiante na prestação nacional:«Temos condições para os nossos atletas lutarem pela vitória, quer pelo José Estrangeiro, atleta local com resultados internacionais no duatlo e reconhecido pelo seu nível de ciclismo, Miguel Arraiolos, porventura o único atleta olímpico em prova, Pauline Vie, que na época passada teve excelentes resultados internacionais, nomeadamente no Circuito Europeu XTERRA e outros atletas de reconhecido mérito que também participaração neste Powerman»

Célia Fernandes, Vereadora do desporto da Câmara Municipal de Mafra, disse que«O Powerman é uma marca com muita força que pode oferecer uma motivação extra com os seus percursos de excelência conseguindo equilibrar uma oferta mais competitiva e uma cativação da população e famílias para a modalidade.» A vereadora não pretende uma realização isolada do evento, mas que este permaneça em Mafra tornando-se este concelho numa referência internacional do duatlo. «Tem havido uma grande parceria entre a Federação de Triatlo e a Câmara Municipal de Mafra num trabalho crescente que vai ao pormenor para que tudo possa correr bem no próximo dia 16 de fevereiro. Mafra tem tudo, desde as lindíssimas paisagens, o Real Edifício de Mafra, a gastronomia, o extraordinário saber receber que conquista as pessoas e pode elevar para um patamar superior o sucesso da prova».

José Estrangeiro, embaixador do Powerman em Portugal, começou na modalidade em Mafra em 1996, tendo participado no seu primeiro duatlo exatamente no mesmo local, o que o que deixa extremamente satisfeito. Relativamente ao percurso, Estrangeiro diz que pode assustar alguns atletas, já que o ciclismo tem cerca de 1000 a 12000 metros de acumulado ao longo dos 60km. «Eu por mim até preferia um pouco mais duro, mas acho que é qb para a maioria dos atletas porque é um percurso justo, ou seja, requer que se seja competente nas duas modalidades. Quando o percurso da bicicleta é demasiado fácil, quem corre melhor ganha vantagem.» Para José Estrangeiro esta prova é um dos objetivos da época pelo que vai dar o seu melhor para conseguir uma boa classificação!

Pauline Vie, outra atleta presente no lançamento deste evento, com dois pódios no circuito europeu XTerra 2019 afirma «que é uma honra participar neste desafio tão interessante, ainda mais pelo simbolismo que representa por ser uma primeira edição».

 

Sobre o Powerman Portugal e Internacional

Esta prova conta com três tipos de participantes: uma elite que luta pelos lugares cimeiros da geral, os atletas que dão o máximo para ir ao pódio no seu grupo de idade e a vertente mais voltada para o lazer, onde a objetivo é a superação de terminar a prova.

Na vertente mais competitiva da elite, o Powerman inclui um circuito mundial, do qual Mafra irá fazer parte, que é disputado de setembro a setembro, onde se apura o top 10 de cada evento. No final da época realiza-se em Zofingen na Suíça o Campeonato do Mundo de Duatlo de Longa Distância. Em Portugal virão participar 9 dos atletas do TOP 10 internacional, entre eles o primeiro e segundo atleta do ranking mundial e a segunda classificada deste mesmo ranking.

Para os grupos de idade, a Powerman tem um sistema de classificação: nas provas deste evento os atletas podem qualificar-se para o Duatlo de Média Distância do Campeonato Europeu da Alsdorf ETU Powerman 2020 que se realiza dia 19 de abril e para o Campeonato Mundial Viborg ITU Powerman 2020 que tem data marcada para 16 de maio.

O Powerman é também um evento para todos, já que existe uma distância mais curta e a vertente de estafetas onde cada atleta pode competir em apenas um segmento, tornando a prova acessível.

Para além disso, este evento integra ainda um cariz familiar com o Powerkids, uma prova mais divertida dirigida a crianças e jovens entre os 7 e os 15 anos de idade, que se realiza também no dia 16 de fevereiro, mas da parte da tarde.

Venha participar ou aplaudir os atletas no dia 16 de fevereiro, marcamos encontro em frente ao Real Palácio de Mafra às 8h30!

Pode inscrever-se até ao dia 10 de fevereiro às 23h59 em  www.powermanportugal.pt

Fonte: FTP

“Bouhanni vence quarta etapa e Rui Costa é terceiro na Volta à Arábia Saudita”

Francês venceu a quarta etapa e ciclista português desceu na classificação

Por: Lusa

Foto: Instagram 1/2

O francês Nacer Bouhanni (Arkea-Samsic) subiu esta sexta-feira à liderança da Volta à Arábia Saudita, ao vencer a quarta etapa, após a qual o português Rui Costa (UAE-Emirates) desceu ao terceiro posto.

No final dos 137 quilómetros entre Wadi Namar Park e Al Mazuhimiya, Bouhanni venceu em 3:21.55 horas, com o mesmo tempo do italiano Niccolò Bonifazio (Direct Energie) e do cazaque Yevgeniy Gidich (Astana), num 'sprint' em que o português Ivo Oliveiro (UAE-Emirates) foi quinto.

A sua primeira vitória desde agosto de 2018 e os respetivos 10 segundos de penalização permitiram que Bouhanni subisse à liderança, com dois segundos de avanço sobre o alemão Phil Bauhaus (Bahrain-McLaren), anterior líder.

Rui Costa, que atacou a mais de 30 quilómetros da meta e foi apanhado a menos de três, chegou integrado no pelotão e caiu para a terceira posição, a cinco segundos do francês.

Ivo Oliveira subiu ao 51.º posto da geral, a 8.09 minutos de Bouhanni, enquanto José Neves (Burgos-BH) cruzou a meta na 65.ª posição, a 47 segundos, e é agora 70.º, a 12.17.

A Volta à Arábia Saudita termina no sábado, com um percurso praticamente plano de 144 quilómetros entre Riade e Al Masmak.

Fonte: Record on-line

“Van Rensburg 'iliba' Rui Costa da sua queda na Volta à Arábia Saudita”

Sul-africano assume que tocou com a roda na bicicleta de um colega de equipa

Por: Lyusa

Foto: Getty Images

O ciclista sul-africano Reinardt Janse van Rensburg esclareceu esta quinta-feira que o português Rui Costa não foi responsável pela sua queda na segunda etapa da Volta à Arábia Saudita, 'culpando' um toque na roda de um companheiro pelo acidente.

"Ontem [na quarta-feira], caí a 12 quilómetros da meta. Após muita especulação nos meios de comunicação social, decidi tomar o meu tempo para processar a situação antes de responder. Houve sugestões de que teria sido o Rui Costa a fazer-me cair, ao empurrar-me com a sua mão, fazendo-me perder o equilíbrio", começou por escrever o ciclista da NTT Pro Cycling na sua conta na rede social Twitter.

Van Rensburg assume que a queda foi iniciada por si, ao tocar com a roda na bicicleta do companheiro de equipa que seguia à sua frente, um toque que o desequilibrou.

"Depois, bati na bicicleta do Marco Marcato. Nesse momento, o Rui, que já tinha a mão à frente da sua cara, deu-me um empurrão como uma reação para se proteger. Acontece que o momento do toque ocorreu quando eu tinha a minha roda da frente presa entre a bicicleta do Marco e o pé dele", detalhou.

O sul-africano, que venceu duas etapas da Volta a Portugal em 2012, disse ter-se apercebido de que o português da UAE-Emirates, que é segundo na geral, poderia ter problemas com os comissários da corrida, que poderiam inclusive tê-lo expulsado.

"E, se é verdade que a sua reação não me ajudou a evitar a queda, senti que esse tipo de punição seria demasiado severa neste caso, uma vez não foi propositadamente que ele me pôs em perigo, sendo que, a meu ver, se tratou de uma mera reação", observou, dizendo esperar que o assunto fique encerrado.

Já na quarta-feira, Rui Costa tinha salientado que o seu gesto tinha sido de proteção e revelado que Van Rensburg tinha falado com ele após a segunda etapa para esclarecer que a queda tinha sido motivada por um toque de outro ciclista.

Fonte: Record on-line